Imprimir artigo
Vírus
10/10/1997 às 1h09min por Gabriel Torres em Tutoriais
162.697 visualizações
Página 1 de 6

Introdução

Vírus são programas como outros quaisquer, com a diferença de que foram escritos com o único objetivo de atormentar a vida do usuário.

Para "pegar" um vírus, você deve obrigatoriamente ou executar um programa infectado ou acessar um disquete que tenha um vírus escondido. Não há outra forma de contaminação. Por isto, é impossível pegar vírus através de e-mail, por exemplo. Mesmo que você tenha um programa infectado, caso você não o execute, o vírus não irá contaminar o seu micro.

Na verdade, o micro não "pega" vírus nem "fica" com vírus. Os vírus ficam alojados secretamente dentro de programas ou da área de boot de disquetes ou do disco rígido. Por este motivo, é impossível que você compre alguma peça de computador "com vírus"; eles necessitam estar armazenados em algum lugar, normalmente disquetes e discos rígidos. Como são programas, com o micro desligado os vírus não podem fazer nada, mesmo que o micro esteja infectado.

Como funcionam

Ao executar um programa infectado ou acessar um disquete contaminado, o vírus passa para a memória (RAM) do micro. Estando residente em memória, ele passará a interceptar todas as rotinas de acesso a arquivo e disco do sistema operacional; sempre que um novo arquivo for acessado, o vírus adicionará uma cópia de si próprio neste arquivo (caso o vírus seja um "vírus de arquivo"). Outro tipo de vírus, conhecido como "vírus de boot" não se esconde em arquivos, mas no setor de boot de disquetes e de discos rígidos. Esse tipo de vírus grava uma cópia de si próprio em todos os disquetes que forem inseridos no drive. Essa é a "fase de contaminação", onde o vírus tenta se espalhar o máximo possível.

Repare que o vírus estará ativo a partir do momento em que está carregado em memória (RAM). No caso de vírus de arquivo, eles tratam de infectar logo o arquivo COMMAND.COM, que é um dos primeiros arquivos a serem carregados pelo sistema operacional. Como o COMMAND.COM é sempre carregado, o vírus sempre estará em memória. No caso de vírus de boot, o vírus é carregado antes do sistema operacional, pois há uma modificação na rotina de boot do disquete ou do disco rígido.

Por este motivo, não adianta nada executar um programa antivírus a partir de um micro infectado. Caso você "rode" o antivírus, o mais provável de ocorrer é o próprio vírus contaminá-lo, pois ele estará carregado em memória. Ou então, irá acontecer de você retirar o vírus e ele novamente contaminar arquivos ou o setor de boot, uma vez que ele ainda estará presente na memória (RAM).

Desta forma, para executar um programa antivírus, você deverá preparar um disquete de boot (com o comando FORMAT A:/S) e copiar o antivírus para este disquete. É claro que este procedimento deverá ser executado em um micro "limpo", sem vírus. Depois, basta dar um boot com o disquete antivírus que você preparou, ou seja inserir o disquete no drive e ligar o micro. Não se esqueça de alterar a seqüência de boot no setup. Para isto, pressione a tecla [DEL] durante a contagem de memória; altere a opção "boot sequence" de "C,A" para "A,C", no menu "advanced setup". Saia do setup gravando as alterações feitas.

Outro caso muito comum é o do usuário leigo que fica reclamando "este vírus é danado mesmo; já reformatei o disco rígido mais de 5 vezes e ele continua lá!" Primeiro que a formatação do disco rígido só é recomendada em último caso - quando o antivírus realmente não consegue retirar o vírus do disco rígido. Em segundo lugar, se você precisar reformatar o disco rígido, deverá fazê-lo dando um boot com um disquete "limpo", preparado em um micro não-infectado. Caso você tente formatar o disco rígido dando boot por ele mesmo, o vírus irá ser carregado em memória (RAM) e, logo após você ter acabado de formatar o disco, o vírus irá imediatamente se copiar para lá...

Os vírus ficam nesta fase de contaminação até entrarem em atividade. Há várias maneiras do vírus entrar em atividade, a mais divulgada pela mídia é através de uma data específica. O vírus Michelangelo, por exemplo, entra em atividade no dia 6 de março, quando, então, destrói dados do disco rígido.

Quando o vírus entra em atividade várias coisas podem ocorrer. Em geral o micro "fica maluco", com um comportamento totalmente anormal - o micro fica apresentando muitas mensagens de erro e "travando" constantemente. Alguns tipos de vírus destróem dados e outros simplesmente apresentam mensagens pacíficas.

ARTIGOS RELACIONADOS
O Vírus Klez
17/04/2002 às 0h00min por Gabriel Torres em Vírus
Removendo o Vírus Sircam
01/08/2001 às 0h00min por Gabriel Torres em Vírus
Vírus do Word
15/08/1997 às 11h57min por Gabriel Torres em Vírus
ÚLTIMAS NOTÍCIAS EM VÍRUS
ÚLTIMOS ARTIGOS
440.172 usuários cadastrados
393 usuários on-line