Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

Teste da Controladora RAID HighPoint RocketRAID 2302

       
 51.029 Visualizações    Testes  
 9 comentários

Nosso teste da HighPoint RocketRAID 2302, uma placa controladora RAID PCI Express simples com duas portas SATA-300 e duas portas eSATA-300 suportando RAID 0, 1, 5, 10 e JBOD.

Teste da Controladora RAID HighPoint RocketRAID 2302
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Introdução

A RocketRAID 2302 é uma das controladoras RAID mais simples da HighPoint. Ela é equipada com duas portas internas SATA-300 e duas portas externas eSATA-300, suportando RAID 0, 1, 5, 10 e JBOD. Com várias placas-mães hoje em dia vindo com RAID on-board porque alguém gastaria uma grana considerável para ter uma controladora RAID avulsa? Esta é a pergunta que tentaremos responder nesse teste.

Se você conhece pouca coisa a respeito de RAID recomendamos a leitura do nosso tutorial Como Montar um Sistema RAID, onde explicamos tudo o que você precisa saber sobre esta tecnologia. Neste tutorial explicamos o que é RAID, a diferença entre os níveis, etc.

Como você pode ver na Figura 1, a RocketRAID 2302 é uma placa PCI Express x1. O que é realmente interessante sobre o PCI Express é que você pode instalar esta placa em qualquer slot PCI Express, incluindo slots maiores como x4, x8 e x16. A placa, no entanto, continuará funcionando a uma taxa de transferência de x1.

HighPoint RocketRAID 2302
Figura 1: Controladora RAID HighPoint RocketRAID 2302.

Como mencionamos esta placa tem duas portas internas SATA-300 e duas portas externas eSATA-300 fazendo com que este produto seja voltado para o usuário médio interessado em uma controladora RAID simples. Se você precisar de mais portas você terá que procurar por outro produto, como a RocketRAID 2300, que oferece quatro portas internas SATA-300, mas nenhuma porta eSATA.

É importante notar que as placas da série RocketRAID 2000 não são 100% baseadas em hardware – parte do processamento ainda é feito pelo processador da máquina e é por isso que essas placas também são chamadas “RAID por software” (ou “software RAID”, em inglês). Apenas as placas da família RocketRAID 3000 são 100% baseadas em hardware e por isso são mais caras. Placas baseadas em hardware também possuem um cache de memória na placa para aumentar o desempenho, o que faz com que seu preço final também aumente. Só para você ter uma ideia, a RocketRAID 3510, que também tem quatro portas SATA, custa cerca de US$ 300 nos EUA, mais do que o dobro da RocketRAID 2302 – além de ser 100% baseada em hardware, ela tem 256 MB de cache de memória e suporta o RAID 6.

A RocketRAID 2302 usa o chip controlador RAID Marvell 88SX7042.

HighPoint RocketRAID 2302
Figura 2: Controlador RAID Marvell 88SX7042.

Portanto, qual é a diferença entre a controladora RocketRAID 2302 e uma solução RAID típica oferecida “de graça” quando você compra uma placa-mãe que tem este recurso?

Nesse teste compararemos o desempenho da RocketRAID 2302 com o desempenho do RAID oferecido pelo chip ponte sul Intel ICH9R, por isso falaremos sobre desempenho depois.

Em termos de recursos, esta placa oferece algumas funções interessantes não disponíveis em soluções on-board, tais como expansão online (Online Capacity Expansion, OCE), migração de nível RAID online (Online RAID Level Migration, ORLM), “troca quente” (“hot swap”), disco reserva (“hot spare”) e gerenciamento remoto.

O recurso de expansão online (OCE) permite a você adicionar mais discos ao seu arranjo RAID enquanto que o recurso de migração de nível RAID online (ORLM) permite a você mudar o nível RAID do seu arranjo. Ambos os recursos podem funcionar com o sistema operacional carregado e o micro funcionando, inclusive com os discos sendo acessados – daí o nome “online” –, portanto você não correrá o risco de perda de dados. Em placas-mães com solução de RAID on-board normalmente você não tem esses recursos e se você precisar adicionar mais discos ou mudar o nível do RAID você precisará fazer backup dos seus dados e reconfigurar o seu arranjo RAID, o que envolve reformatar seus discos e consequentemente a perda de todos os dados.

A “troca quente” (“hot swap”) permite que você substitua um disco rígido com o micro ligado, em caso de falha em um dos discos. Note que você precisa primeiro acessar o painel de controle do RAID no sistema operacional e selecionar a função “hot swap” antes de remover qualquer disco do seu micro; isto fará com que o seu disco rígido seja desligado, permitindo a você removê-lo do micro.

O recurso de disco reserva (“hot spare”) permite a você ter um disco adicional no arranjo pronto para ser substituído por qualquer outro disco do seu arranjo em caso de falha.

A RocketRAID 2302 vem com dois cabos eSATA e dois cabos SATA, mais um suporte para gabinetes de perfil baixo, como você pode ver na Figura 3.

HighPoint RocketRAID 2302
Figura 3: Acessórios que acompanham o produto.

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Comentários de usuários


Acredito que tenha um erro no valor medio do resultado do DiskSpeed32.

Um disco que tem máxima em 97MB, mínima de 35MB não deveria apresentar também uma média de 35MB. Ou o programa está com algum bug ou foram anotados dados errados. Tanto que a media nos outros dois testes foi de +- 60MB.

Fora que um sistema RAID somente com 2 discos aumenta a velocidade em mais de 200% é uma coisa meio improvável (pra não falar impossivel). A velocidade teórica máxima de um sistema RAID é o dobro da velocidade de um disco (isso se o sistema tiver eficiência de 100%, coisa que não existe).

Como a equipe do CDH deixa passar um teste desses??? Com certeza tem algum bug ou erro de quem escreveu este artigo.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

eu acho que o teste deve retratar exatamente o resultado do benchmark, por isso é que utilizam mais de um software e cabe ao testador e aos leitores considerar os resultados úteis ou não.

Imagine se simplesmente não se reportasse resultados "bugados" em todos os testes? Abriria-se margem pro testador não reportar qualquer resultado que prejudicasse X ou Y.

Minha crítica refere-se a algo que faltou: cadê os número de uso de CPU pelas controladoras? Primeiro cita-se que supostamente a controladora utiliza CPU por ser uma solução via software, depois não se compara se ela utiliza mais CPU que a controladora do chipset?

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

O uso de CPU foi o mesmo tanto usando a controladora quanto usando a ponte sul ICH9R: por volta de 3%. Lembrando que ambos os casos a controladora ainda usa o processador da máquina.

Nosso próximo teste de RAID será com uma controladora por hardware, aí sim vamos comparar o uso de CPU.

Espero ter esclarecido.

Abraços,

Gabriel Torres

Acredito que tenha um erro no valor medio do resultado do DiskSpeed32.

Um disco que tem máxima em 97MB, mínima de 35MB não deveria apresentar também uma média de 35MB. Ou o programa está com algum bug ou foram anotados dados errados. Tanto que a media nos outros dois testes foi de +- 60MB.

Você tem razão, foi um erro na montagem dos gráficos, estou corrigindo os gráficos neste minuto, obrigado por nos avisar! A diferença correta é de 63,69% e não de >200%, é claro!

Abraços,

Gabriel Torres

Editado por Evandro

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Você tem razão, foi um erro na montagem dos gráficos, estou corrigindo os gráficos neste minuto, obrigado por nos avisar! A diferença correta é de 63,69% e não de >200%, é claro!

Abraços,

Gabriel Torres

E o gráfico continua errado...

Agora a média é igual ao máximo.

Mas sendo um pouco mais chato...

Revendo os gráficos do HD Seagate 7200.10 me veio uma duvida na cabeça...

Será que este HD realmente está configurado como SATA 300?

A velocidade de pico (ou Burst Speed) é uma velocidade de comunicação da placa controladora (e vem principalmente da memória cache do HD) com a porta Sata. Se nem neste teste a placa ultrapassa os 150MB/s acredito que este HD deve estar com o jumper travando a taxa de transferência dele em SATA 150 (usado para compatibilidade com interface Sata150).

Esse baixo valor da velocidade de pico fica ainda mais evidente no teste realizado com o VelociRaptor (http://www.clubedohardware.com.br/artigos/1511/3).

Editado por Carvalhoso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Raid 0, também se faz com 3 ou 4 HDs.... seria mais completo e interessante se mostrassem TODAS as possibilidades. OBs.: Tenho raid 0 com 4 HDs de 80GB

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Oi Carvalhoso,

Você tem razão, vou verificar isso agorinha mesmo!

Abraços,

Gabriel Torres

Carvalhoso,

Só para te dar um retorno que você está 100% correto. Cometi o erro que você descreve.

Acabei de atualizar o teste do VelociRaptor por conta disso:

http://www.clubedohardware.com.br/artigos/1511

Corrigirei o teste dessa controladora em breve.

Muito obrigado!

Abraços,

Gabriel Torres

Editado por Evandro

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Carvalhoso,

Só para te dar um retorno que você está 100% correto. Cometi o erro que você descreve.

Acabei de atualizar o teste do VelociRaptor por conta disso:

http://www.clubedohardware.com.br/artigos/1511

Corrigirei o teste dessa controladora em breve.

Muito obrigado!

Abraços,

Gabriel Torres

Interessante... Já desconfiava que a alteração do jumper não afetaria muito a leitura média de um HD trabalhando sozinho pois a taxa de transferência interna dificilmente passa de 100MB/s, velocidade bem inferior ao da externa. A diferença com somente um disco ficou em +- 2% e somente a velocidade de pico que aumentou bastante (como esperado). Mas para trabalhar em Raid teve uma boa diferença, acima dos 5% e chegando a mais de 10% no Disk Speed. O aumento da comunicação externa foi bem favorável ao sistema RAID. Não sei se seria interessante deixar os dois resultados ou então escrever um outro artigo comparando o sistema em Sata150 e em Sata 300, pelos resultados percebe-se que o gargalo nos HDs continuam sendo sua parte mecânica e não a comunicação externa.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Parece que a Microssoft e a Intel estão combinadas para nos forçar a comprar a plataforma Xeon etc. para servidores...Não encontramos mais drivers Sata Para windows 2000 server ou 2003 server . Ai vem a pergunta Será que o fabricante dessa placa disponibiliza esses drivers? Se os drivers estiverem disponíveis, poderemos continuar montando pequenos servidores,e essa pode ser apantada como uma vantagem sobre as controladoras onboard. Caso contrário vai ficar mais caro. Brincadeira essas duas ....

Abraço

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×