Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

Teste da Fonte de Alimentação Casemall Powerex 500 W

       
 107.052 Visualizações    Testes  
 18 comentários

Colocamos à prova mais uma fonte da série Powerex da nacional Casemall. Será que esta é uma boa fonte de alimentação? Confira.

Teste da Fonte de Alimentação Casemall Powerex 500 W
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Introdução

Colocamos à prova mais uma fonte da série Powerex da nacional Casemall. Nós já testamos o modelo de 400 W, que explodiu quando tentamos puxar cerca de 290 W dela. Será que este será o mesmo destino do modelo de 500 W? E quais são as diferenças internas entre os modelos de 400 W e 500 W? Confira!

Assim como ocorre no modelo de 400 W, há a logomarca do Inmetro na etiqueta desta fonte, no local onde fabricantes normalmente colocam logomarcas representando certificações que a fonte possui. Isto é uma pouca-vergonha, pois o Inmetro NÃO certifica fontes de alimentação e, portanto, a Casemall NÃO poderia usar a logomarca deste sério instituto na etiqueta das suas fontes de alimentação. A única coisa que o Inmetro certifica é o cabo de alimentação e, portanto, o cabo é o único componente que poderia ter este selo decalcado. De acordo com a Casemall, isto foi um erro do fabricante, pois eles não pediram para esta logomarca ser incluída na etiqueta da fonte.

Casemall Powerex 500 W
Figura 1: Fonte de alimentação Casemall Powerex de 500 W.

Casemall Powerex 500 W
Figura 2: Fonte de alimentação Casemall Powerex de 500 W.

A Powerex de 500 W tem 14 cm de profundidade e usa uma ventoinha de 120 mm em sua parte inferior. Ela vem com circuito PFC passivo, diferentemente de outras fontes de baixo custo.

Apenas o cabo principal da placa-mãe possui proteção de nylon (que parte de dentro da fonte). Infelizmente apenas este cabo usa fios com a bitola correta (18 AWG). Todos os demais cabos usam fios mais finos do que o recomendado (20 AWG). A fonte testada vem com os seguintes cabos e conectores:

  • Cabo principal da placa-mãe com conector de 20/24 pinos.
  • Um cabo com dois conectores ATX12V que, juntos, formam um conector EPS12V.
  • Um cabo de alimentação para placas de vídeo com um conector de seis pinos.
  • Dois cabos de alimentação SATA com dois conectores cada.
  • Um cabo de alimentação para periféricos com três plugues padrão.
  • Um cabo de alimentação para periféricos com dois plugues padrão e um conector para unidades de disquete.

Até que a configuração de cabos não é ruim para um produto de baixo custo, só que além dos fios serem mais finos do que o recomendado, eles são extremamente curtos, medindo 33 ou 34 cm entre a carcaça da fonte e o primeiro conector do cabo, 30 cm entre conectores SATA e 15 cm entre conectores para periféricos. Esta é exatamente a mesma configuração do modelo de 400 W. Será que internamente estas fontes são diferentes? Veremos.

Casemall Powerex 500 W
Figura 3: Cabos.

Vamos agora dar uma olhada no interior desta fonte de alimentação.

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Comentários de usuários


Olha, so que me faltam falar que essa fonte tambem era problema com o fabricante....... Pois ate agora eles nem sequer deram um parecer da primeira fonte que explodiu, " a de 400W".

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Mas que diabos!

Eles ainda estão com o mesmo fornecedor????

Aff, eu até estava tendo uma pontinha de esperança na casemall por causa do teste anterior...

=/

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Uma bela fonte para ser dada ao inimigo.

Baixa eficiência, ruído alto, tudo pra explodir o PC do safado.

E quem é o inimigo?

R: Nós

ASS:Fábrica da bomba

falou ae.PANAO.

Editado por PANÃO

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

beleza!:lol: Gabriel Torres, eu estou achando ótimo os testes que você está realizando sobre as fontes.... mas até agora eu não vi nem uma fonte realmente nacional, todas eram chinesas, e tambám percebi que as empresas nacionais apenas colam uma etiqueta com o nome deles ou seja não tem capacidade nenhuma de fabricar qualquer tipo de produto e ainda por cima enganam o seu consumidor causando falsas expectativas.:wacko:

Eu só tenho um pedido... não chame esses produtos vagabundos de "nacional" , até o porque , de nacional eles não tem nada......infelizmente...É melhor falar que esses produtos são apenas importados por essas empresas..., outra coisa, vocês podeiram entrar em contado com a revista pró-teste( http://www.proteste.org.br ), e realizar uma denuncia em cima desse produtos sem qualidade.....eu falo isso até o porque ele tem mais condições de entrar em contato com essas empresas e exigir explicações sobre esses produtos vagabundos...e quem sabem até usar de meios judiciais para proibir que as empresas nacionais venda produtos de baixa qualidade.... ufa!! :bye:

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Também estou esperando eles darem a resposta(desculpa) para teste.

Mas é uma pena que fontes como essa vão para o mercado. :(

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Pessoal antenado no clubedohardware, so por compartilhamento de conhecimento, se tiver alguem ainda mais atualizado por favor, atualizem.

No brasil a fabricantes de fontes tanto atx como chaveadas normais, geralmente como tecnicos em eletronica, engenheiros de eletronica e bem baixa e a falta de mao de obra qualificada é grande, quase que 90% dos projetos montados no brasil é importado.

Pelo que eu confirmei, Grupo CCE que é dividido em trocentas empresas, tendo duas delas mais voltadas para o ramo de informatica, sendo elas a PLACIBRAS, responsavel por quase que 100% de todas as placas maes montadas nos computadores da CCE.

ISSO MESMO voce NAO LEU ERRADO, A estão COMENTADA CCE POSSUI SIM FABRICA PROPRIA DE PLACAS MAES PARA O SEUS COMPUTADORES, NAO É 100% Pois a cce nao fabrica as placas maes mais atuais ainda. A placibras possui parceria com a MSI, e por isso conta com placas de ponta de alta qualidade.

Ja li tambem que a Placibras tambem faz as montagens das memorias.

No Brasil A ITAUTEC, POSSUI FABRICA EM PARCERIA COM A ASUS AONDE AS PLACAS ITAUTEC NA VERDADE SAO ASUS, e as memorias Easy chip sao da Itautec.

Ja a DIGIBRAS outra empresa da CCE fica responsavel pela montagem das fontes, que sao fontes muito superiores que a Jteck da positivo. Pelo que ultimamente tenho pegado sao fontes iguais as da Kmex, Dr-hank, aquela mais fininha, a vantagem é que conta com estagio de filtragem praticamente completo.

Para os micros mais de ponta da CCE as fontes sao da Cooler Master.

No brasil, quase que 100% das fontes de celulares sao montadas por empresas terciarizadas na amazonia. JHT jaguariuna que fica em sao paulo é um Exemplo.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
beleza!:lol: Gabriel Torres, eu estou achando ótimo os testes que você está realizando sobre as fontes.... mas até agora eu não vi nem uma fonte realmente nacional, todas eram chinesas, e tambám percebi que as empresas nacionais apenas colam uma etiqueta com o nome deles ou seja não tem capacidade nenhuma de fabricar qualquer tipo de produto e ainda por cima enganam o seu consumidor causando falsas expectativas.:wacko:

Eu só tenho um pedido... não chame esses produtos vagabundos de "nacional" , até o porque , de nacional eles não tem nada......infelizmente...

Quando digo "nacional" quero dizer "marca nacional", se você prestar atenção de uns tempos para cá tenho tomado este cuidado e chamado esses produtos de "marca nacional" e não "produto nacional", para deixar claro justamente o que você diz.

Abraços,

Gabriel Torres

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Aparentemente eles foram enganados sim. Note que essas fontes foram compradas antes dos nossos testes, isto é, este modelo de 500 W já estava no mercado antes de a Casemall ler nosso teste do modelo de 400 W.

Apenas para complementar, meu ajudante se esqueceu de deixar a câmera ligada, por isso a ausência de um vídeo mostrando a fonte explodindo. Ele também se esqueceu de capturar as telas do osciloscópio... Sim, já estou usando a minha ferramenta de trabalho nele: :chicote:

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Não existe desculpa nenhuma para ser dada. O negócio é deixar de importar tal lixo e informar no site a especificação correta dele.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Na minha opinião um distribuidor de fontes precisa saber muito bem o que está importando e vendendo. Se não tiverem os equipamentos necessários para teste, que pague alguém que tenha para se certificar de que aquele produto realmente pode no mínimo fornecer a potência rotulada.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

RooT,

Isso para nops consumidores é otimo, mas duvido demais que uma empresa que importa pordutos queira gastar testando as fontes compradas. Mesmo que seja uma fonte individualizada.

Se no mundo do capitalismo o que importa é lucro, como espera algo do tipo?

No minimo o que eu acho que a empresa pode fazer é pedir para a importadora atestar a qualidade da sua fonte... mesmo que seja um teste mentiroso é algo mais importante mas duvido que alguma faça.Mas mesmo assim se tiver pessoas que tenham a moral de fazer isso ja ajuda.

Abraços

Edson

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Pois é Edson, me referia ao fato da Casemall não saber o produto que estava vendendo. Se eles não pedem um teste de potência da fonte, seja por qualquer motivo, então eles são culpados e não podem ser considerados inocentes nisso tudo.

Abraço

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Sim concordo.

Mas ai que entra algo que talvez nos dois concordemos: Se a fabricante fica sem querer provar que sua fonte traz realmente a potencia rotulada, eu pediria o cancelamento da distribuição do produto, faria quebra de contrato, pegaria meu valor investido e procuraria um fabricante mais honesto e que mesmo que a fonte custasse um valor a mais por produto, se for de qualidade comprovada fecharia com ele.

Hoje existe muita concorrencia e quem conseguir mostrar que de fato pode fazer com que venda seu produto é aquele que eu escolheria. Nesse ramo eu concordo com o que você disse ainda mais pensando que tem empresas disposta realmente a mostrar que seu produto é de qualidade e que nao precisa em um grande volume ser vendido e re-vendido por um preço exorbitante. (eu deixaria de pagar 120 para pagar 150 reais se de fato a empresa procurasse um distribuidor de fontes melhor e fosse comprovada essa melhoria).

Abraços

Edson

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×