Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

Teste da Fonte de Alimentação Cooler Master Extreme 2 475 W

       
 63.869 Visualizações    Testes  
 21 comentários

Vamos testar esta fonte de alimentação de entrada da Cooler Master, também conhecida como RS-475-PCAR.

Teste da Fonte de Alimentação Cooler Master Extreme 2 475 W
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Introdução

A nova série Extreme 2 de fontes de alimentação de entrada da Cooler Master está disponível em quatro versões: 475 W, 525 W, 625 W e 725 W. Nenhuma delas tem circuito PFC ativo e, portanto, elas não têm certificação 80 Plus. Vamos dar uma olhada no modelo de 475 W, que custa nos EUA apenas US$ 50.

A primeira coisa que nos chamou atenção foi o fato de que em lugar algum, seja na caixa ou etiqueta do produto, está escrito que a fonte é de 475 W. O fabricante não incluiu a letra “W” após o número “475”, uma malandragem típica quando a fonte não é capaz de fornecer sua potência rotulada. Desta forma, o fabricante pode dizer que o “475” não é a potência da fonte, mas sim o número do modelo. Além disso, na etiqueta da fonte está escrito “A potência combinada das saídas +3,3 V, +5 V, +12V1 e +12V2 não deverá exceder 408,9 W.” Se você somar o limite de 3,6 W da saída -12 V e o limite de 12,5 W da saída +5VSB, nós temos uma fonte de 425 W. Mas, no site do fabricante, esta fonte é listada como sendo um modelo de 475 W.

CM Extreme 2 475 W
Figura 1: Fonte de alimentação Cooler Master Extreme 2 475 W

CM Extreme 2 475 W
Figura 2: Fonte de alimentação Cooler Master Extreme 2 475 W

A Cooler Master Extreme 2 475 W mede 14 cm de profundidade e tem uma ventoinha de 120 mm com rolamento de mancal em sua parte inferior (Young Lin DFS122512H).

A fonte testada não tem sistema de cabeamento modular e apenas o cabo principal da placa-mãe tem acabamento em nylon que sai de dentro da fonte. Esta fonte vem com os seguintes cabos:

  • Cabo principal da placa-mãe com um conector de 20/24 pinos, 49 cm de comprimento
  • Um cabo com dois conectores ATX12V que juntos formam um conector EPS12V, 56 cm de comprimento
  • Um cabo com um conector de seis/oito pinos para placas de vídeo, 50 cm de comprimento
  • Dois cabos com três conectores de alimentação SATA, 53 cm até o primeiro conector, 10 cm entre os conectores
  • Um cabo com três conectores de alimentação para periféricos e um conector de alimentação para a unidade de disquete, 50 cm até o primeiro conector, 10 cm entre os conectores

Todos os fios são 18 AWG, que é o mínimo recomendado.

CM Extreme 2 475 W
Figura 3: Cabos

Vamos agora dar uma olhada no interior desta fonte de alimentação.

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Comentários de usuários


Não sei porque as fotos internas lembram levemente o interior de uma fonte genérica :D

é só tirar o estágio de filtragem e colocar aqueles capacitores marca do deabo que tem capinha verde (ao melhor estilo dos da Jitek) que fica igualzinho :rolleyes:

EDIT: Olhando bem, tem capacitores verdes no meio :P

OBS: não estou falando que a cor os torna ruins.

Editado por Jorno

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Fonte de 350W detected.

Se olhar pelos testes, é sim uma boa fonte de 350W, mas o preço precisa colaborar também para que seja uma boa opção de 350W.

E me chamou atenção os dois capacitores do primário, são de 560uF x 200V. Tenho uma fonte Sentey 300W ("genérica de luxo") com dois capacitores de 680uF x 200V aí... e a fonte LC-8500BTX que se declara 500W (se puxar mais carga de 5V ela deve chegar aos 500W mesmo, mas puxando mais de 12V dá uns 350W) tem dois capacitores com a marca do deabo citada pelo amigo Jorno acima, porém são pretos, e de 820uF x 200V.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Caraca, pensei que fosse uma fonte de 2475 Watts ! :o É, da Cooler Master só mesmo os gabinetes e coolers que dá pra confiar.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Um ponto interesante é que o Hardware Secrets / Clube do Hardware fez algumas coisas boas e outras ruins nos testes. Comentando mais detalhadamente.

1. Essa fonte trabalha com regulação de tensão integrada entre +5 V e +12 V. Portanto, quanto menor a carga apliacada na linha de +5 V, menor a tensão na linha de +12 V. Sim, parece bizarro mas essas fontes funcionam assim mesmo. E é por isso também que a tensão em +5 V é ascendente nem boa parte do teste. Repare que ela só subiu se aumentou a carga em +12 V em relação ao teste anterior.

2. Uma vez eu comparei a metodologia utilizada por lá com os dos sites alemães, que não costumam dar importância à diferença aplicada costuma causar. No caso do CdH, existem duas metodologias diferentes de testes de fontes, que geram resultados diferentes no final das contas. E a impressão que eu tenho é que não se tem ciência disso.

3. A primeira metodologia consiste em aplicar na linha de +5 V 1 A no teste 1, 2 A no teste 2, 4 A no teste 3, 6 A no teste 4, e 8 A no teste 5. Se o Clube do Hardware tivesse testado a fonte desta maneira, ela não seria reprovada. Vide o item 1. A carga aplicada em +5 V seria o suficiente para subir a tensão da linha de +12 V para dentro da faixa apropriada.

4. Já com a metolodogia utilizada, que aplicou apenas 3,5 A na linha de +5 V, ficou pior para a fonte. É por isso que testes de carga cruzadas são importantes, aliás um teste de 100% de carga na linha de +12 V mais uima carga de 3 A na linha de +5 V é crucial para verificar se a fonte pode trabalhar de verdade em um PC sendo exigida ao máximo na linha de +12 V. Diria que ainda bem que se optou por este método para esta fonte, visto que no outro caso ela pareceria apenas uma fonte mediana, e este condiz mais com realidade cotidiana de cargas de um PC.

5. Só que a metodologia utilizada contem algumas extrapolações. Ela precisa passar a respeitar os limites da etiqueta. E entender que o fabricante rotulou a fonte sendo de 425 W, portanto, não tem o menor cabimento o testar como se fosse uma fonte de 475 W.

6. Além de tudo isso, um detalhe que ficou faltando: esta fonte é fabricada pela Enhance (fontes da Cooler Master com o código terminando em D3 são sempre deste OEM). Estou com a impressão de quando a fonte é da Enhance simplesmente preferem omitir isso com medo de errar... Que excesso de incerteza!!!! Nem isso ajudou?

http://www.clubedohardware.com.br/artigos/Como-Descobrir-o-Verdadeiro-Fabricante-da-Sua-Fonte-de-Alimentacao/1270/9

7. Onde é que no site da Cooler Master afirma que essa fonte é de 475 W???? Pode parecer piada, mas o modelo é 475W. É assim mesmo, com o W junto do número 475. A Cooler master quer indicar com isso que esse é o nome do modelo e não a potência. Pode parecer bizarro, mas é assim mesmo. Mesmo não concordando com esse tipo de prática (e tenho certeza que o GT também não gosta disso), acho que deve-se respeitar o limite de 425 W.

Editado por ignacho

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Nos testes que o Fantástico / Immetro mostraram, a Cooler Master, Thermaltake, C3tech, Wiecase, Clone, Leadership, Megadata, Extream, foram reprovadas em algum ponto / vários / todos.

Teste

Quem sabe o Immetro descubra os muitos testes publicados aqui e passem a exigir certicação de fontes no Brasil.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Com 384W nas linhas +12V, é evidente que a fonte só tem condições de fornecer 424W. É, portanto, uma fonte de 420W. Já fez muito de ter fornecido 430W nos testes antes de queimar e isso porque os testes da tabela 16 já extrapolam a potência prometida em +12V. Ser mentirosa, no entanto, não é o maior problema dela. Regulação de tensão só foi bem até o teste 8, a eficiência é sempre ruim e o ripple só é decente até o teste 11. Bomba mesmo. Certamente que lançar fontes da AcBel, Seventeam e até mesmo da Enhance sai mais barato e dá mais lucro para a Cooler Master do que ficar na FSP, que por si só já não é boa coisa nas fontes de baixo custo. Mas brasileiro engole qualquer coisa fácil, então é compreensível a posição da Cooler Master. Basta ver nos fóruns que, mesmo orientando e orientando, muitos insistem nas escolhas erradas. Há usuários e fontes que se merecem.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Bom, a fonte se saiu como o esperado. Péssima em vários aspectos.

Só uma coisinha que está escrita na etiqueta e que parece ter sido ignorada:

The +3.3V & +5V & +12V1 & +12V2 combine power shall not exceed 408.9W

Então durante o teste 15 a fonte já estava operando em sobrecarga leve. (Considerando valores nominais, que, creio eu, são utilizados no rótulo)

Durante a realização dos testes deveria ser obedecida a informação do rótulo, caso contrário o teste perde credibilidade e abre margem para reclamações por parte da empresa. Uma coisa interessante é que no início do artigo é falado sobre a potência rotulada e durante os testes a mesma é ignorada.

Claro que isso não muda nem um pouco a bomba que esta fonte é.

Editado por Skoker

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Mais um teste que confirma a competência absoluta da Cooler Master... em GABINETES E COOLERS como alguém aqui já disse! Ainda bem que nestes, pelo menos, a qualidade é inversamente proporcional à de suas fontes.

Denis Ferraz, belo avatar :D

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Nao sei porque tantas reclamaçoes, mesmo se fosse considerado uma fonte de 425w ela so conseguiu fornecer com segurança 360w, então isso nao mudaria o selo propduto bomba, e nem o fato da fonte ter sido rotulada com potencia falsa

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Muitas, mas muitas fontes mesmo foram testadas aqui com os mesmos erros que foram cometidos no teste dessa fonte.

De acordo com o rótulo, a fonte só pode fornecer até 410W, isso somando todas as linhas.

Se você testar a fonte sobrecarregando ela, seus resultados não serão confiáveis. Se a fonte diz que só pode fornecer 10A em 12V, mas diz que é uma fonte de 500W, você não vai puxar 38A em 12V durante o teste, pois isso vai sobrecarregar o barramento de 12V da fonte e ela vai apresentar problemas e foi exatamente isso que o CdH fez nesse teste e em vários outros. Claro que isso não mudaria o resultado deste teste especificamente, mas poderia mudar muitos outros.

Seria melhor testar a fonte seguindo os limites de potência que a mesma trás no rótulo e depois, se ela passar no teste, apenas não recomendá-la e deixar explicito na conclusão que a fonte só tem condições de oferecer XXXW para um PC moderno pois só oferece YYA no barramento de 12V.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Muitas, mas muitas fontes mesmo foram testadas aqui com os mesmos erros que foram cometidos no teste dessa fonte.

De acordo com o rótulo, a fonte só pode fornecer até 410W, isso somando todas as linhas.

Se você testar a fonte sobrecarregando ela, seus resultados não serão confiáveis. Se a fonte diz que só pode fornecer 10A em 12V, mas diz que é uma fonte de 500W, você não vai puxar 38A em 12V durante o teste, pois isso vai sobrecarregar o barramento de 12V da fonte e ela vai apresentar problemas e foi exatamente isso que o CdH fez nesse teste e em vários outros. Claro que isso não mudaria o resultado deste teste especificamente, mas poderia mudar muitos outros.

Seria melhor testar a fonte seguindo os limites de potência que a mesma trás no rótulo e depois, se ela passar no teste, apenas não recomendá-la e deixar explicito na conclusão que a fonte só tem condições de oferecer XXXW para um PC moderno pois só oferece YYA no barramento de 12V.

A metodologia de testes esta correta, pois ela simula o funcionamento de um pc real, se uma fonte nao e capaz de fornecer uma quantidade de energia na linha 12v necessaria para um pc que gaste 425w então ela nao e uma fonte de 425w

se uma fabricante infla a saida 5v e a 3,3v para dizer que a fonte é mais potente do que ela realmente é, eu considero isso como um tipo de golpe, pois e mais barato aumentar a capacidade dessas linhas do que da 12v, e de certo modo isso cria uma fonte com potencia falsa!

Editado por Erich_ET

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
A metodologia de testes esta correta, pois ela simula o funcionamento de um pc real, se uma fonte nao e capaz de fornecer uma quantidade de energia na linha 12v necessaria para um pc que gaste 425w então ela nao e uma fonte de 425w

se uma fabricante infla a saida 5v e a 3,3v para dizer que a fonte é mais potente do que ela realmente é, eu considero isso como um tipo de golpe, pois e mais barato aumentar a capacidade dessas linhas do que da 12v, e de certo modo isso cria uma fonte com potencia falsa!

Nem de 425W ela é, de acordo com o rótulo, a carga máxima combinada em todas as linhas é de 409W (já dá pra ver a falcatrua daí).

A questão é que um fabricante não é obrigado a rotular seu produto tomando como base a potência útil para um PC moderno. Claro que é uma prática anti ética, mas não deixa de ser correta no sentido de que, com uma carga maior nas linhas de 5V e 3,3V somadas a menor capacidade em +12V a fonte ainda vai ter uma maior capacidade total teórica.

As Corsair CX430 V2 e CX500 V2 são fontes de boa qualidade que tiveram suas potências infladas no rótulo, pois a CX430 V2 só tem capacidade de fornecer 28A em +12 e sua "irmã mais velha" apenas 34A nesta linha. São fontes de potência útil menor que a potência rotulada, mas fornecendo boa energia se não houver sobrecarga na linha de +12V.

A metodologia está errada em ultrapassar a carga máxima que está rotulada, mas completamente certa em simular o funcionamento de um PC. Como já falei antes, basta citar no artigo que a fonte fornece menos potência útil do que é rotulado nela e não recomendá-la, caso passe no teste, se a discrepância for muito grande.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Pemita-me uma correção aqui Skoker.

Quando a fonte diz lá na sua eitqueta que o que ela pode fornecer é de no máximo 408,9 W, é o limite combinado entre as linhas de +12 V e +5 V e +3,3 V. Sobre esse cálculo a gente adiciona as linhas +5 VSB e -12 V. Somando com essas duas linhas a gente chega aos 425 W. Obviamente que isso é apenas mais um truque da nossa parte, visto que a saída de -12 V é pouco usada e a de +5 VSB só é usada de fato no standby

@Erich_ET

O problema dessa fonte é que ela foi reprovada com cargas de 30 A na linha de +12 V. Se tivesse reprovada apenas com mais de 32 A, poderia ser motivo para chiar. Ainda assim, por tentar puxar mais do que o limite permitido em uma das linhas, eu vejo que a bronca é válida.

A bronca é que é que a metdologia do Clube do Hardware, ao nquerer simular o funcionamento de um PC, acha que tem carta branca para ultrapassar os limites estabelecidos pela etiqueta. Uma maneira mais inteligente de se testar as fontes seria puxar o máximo permitido pela etiqueta da llinha de +12 V mais uma carga de 3 ou 4 A na linha de +5 V.

Editado por ignacho

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Resposta Oficial da Cooler Master

A série Extreme 2 foi desenvolvida para ser uma solução competitiva em mercados emergentes for a dos Estados Unidos, onde as forças do mercado ditam uma abordagem mais agressiva. Apesar disso, a Cooler Master inclui capacitores de melhor qualidade e outros componentes críticos. Nós também tivemos o cuidado de cumprir regulamentações de segurança da UL, TUV, NEMKO e FCC e incluir proteções como proteção contra sobretensão (OVP), proteção contra curto-circuito (SCP), proteção contra temperatura elevada (OTP) e proteção contra sobrecarga de corrente (OCP). Além disso, a Cooler Master oferece garantia de três anos.

Regulamentações de Segurança

A fonte de alimentação precisa ser testada para passar nas versões mais recentes das seguintes regulamentações ou padrões de segurança:

Segurança do Produto

  • UL 60950, 3rd Edition – CAN/CSA-C22.2-60950-00
  • TUV / EN 60950, 3rd Edition
  • IEC 60950, 3rd Edition (CB Report to include all national deviations)
  • NEMKO converted from CB
  • CNS13438 (Taiwan/BSMI)

Compatibilidade Eletromagnética

  • FCC, Class B, Part 15 (Radiated and Conducted Emissions)
  • EN55024 (ITE Specific Immunity)
  • EN55022, 3rd Edition
  • EN 61000-4-2 – Electrostatic Discharge
  • EN 61000-4-3 – Radiated RFI Immunity
  • EN 61000-4-4 – Electrical Fast Transients
  • EN 61000-4-5 – Electrical Surge
  • EN 61000-4-6 – RF Conducted
  • EN 61000-4-8 – Power Frequency Magnetic Fields
  • EN 61000-4-11 – Voltage Dips, Short Interrupts and Fluctuations
  • EN61000-3-3 (Voltage Flicker)
  • EU EMC Directive [(8/9/336/EEC) (CE Compliance)]

Proteções

  1. Sobretensão
  2. Curto-circuito
  3. Temperatura elevada
  4. Sobrecarga de corrente

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Ou seja, enquanto houver patos que comprem produtos assim, fabricantes como a Cooler Master insistirão em ver o país como latrina.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Resposta Oficial da Cooler Master

A série Extreme 2 foi desenvolvida para ser uma solução competitiva em mercados emergentes for a dos Estados Unidos, onde as forças do mercado ditam uma abordagem mais agressiva.[...]Nós também tivemos o cuidado de cumprir regulamentações de segurança

Traduzindo para o bom português:

"A série Extreme 2 foi desenvolvida para ter lucro a todo custo em mercados em países com baixo nível educacional, onde podemos deitar e rolar em cima do consumidor. Nós também tivemos o cuidado de cumprir regulamentações de segurança para pelo menos não botar fogo em sua residência."

Cada vez mais perco o respeito pela Cooler Master... daqui a pouco vai dar até vergonha de ter um gabinete de uma marca que despreza tanto o consumidor. Acho que a Cooler Master poderia "ter dormido sem essa declaração"

Nessas horas que penso que seria excelente ter um teste do inmetro barrando a entrada dessa porc***a e deixando a empresa a ver navios até que decida colocar em nosso mercado fontes decentes (que ela já faz, com alguns modelos mais caros)

Editado por Jorno

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Traduzindo para o bom português:

"A série Extreme 2 foi desenvolvida para ter lucro a todo custo em mercados em países com baixo nível educacional, onde podemos deitar e rolar em cima do consumidor. Nós também tivemos o cuidado de cumprir regulamentações de segurança para pelo menos não botar fogo em sua residência."

uhauhsuhahusuhaushahusuhuauhsas.. Excelente, ao menos não causa um incêndio! :D

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Conhecem aquela expressão "bonitinha, mas ordinária"? Esta é o típico exemplo disso.

adicionado 3 minutos depois
Em 19/05/2012 às 01:06, Internet disse:

Um ponto interesante é que o Hardware Secrets / Clube do Hardware fez algumas coisas boas e outras ruins nos testes. Comentando mais detalhadamente.

1. Essa fonte trabalha com regulação de tensão integrada entre +5 V e +12 V. Portanto, quanto menor a carga apliacada na linha de +5 V, menor a tensão na linha de +12 V. Sim, parece bizarro mas essas fontes funcionam assim mesmo. E é por isso também que a tensão em +5 V é ascendente nem boa parte do teste. Repare que ela só subiu se aumentou a carga em +12 V em relação ao teste anterior.

2. Uma vez eu comparei a metodologia utilizada por lá com os dos sites alemães, que não costumam dar importância à diferença aplicada costuma causar. No caso do CdH, existem duas metodologias diferentes de testes de fontes, que geram resultados diferentes no final das contas. E a impressão que eu tenho é que não se tem ciência disso.

3. A primeira metodologia consiste em aplicar na linha de +5 V 1 A no teste 1, 2 A no teste 2, 4 A no teste 3, 6 A no teste 4, e 8 A no teste 5. Se o Clube do Hardware tivesse testado a fonte desta maneira, ela não seria reprovada. Vide o item 1. A carga aplicada em +5 V seria o suficiente para subir a tensão da linha de +12 V para dentro da faixa apropriada.

4. Já com a metolodogia utilizada, que aplicou apenas 3,5 A na linha de +5 V, ficou pior para a fonte. É por isso que testes de carga cruzadas são importantes, aliás um teste de 100% de carga na linha de +12 V mais uima carga de 3 A na linha de +5 V é crucial para verificar se a fonte pode trabalhar de verdade em um PC sendo exigida ao máximo na linha de +12 V. Diria que ainda bem que se optou por este método para esta fonte, visto que no outro caso ela pareceria apenas uma fonte mediana, e este condiz mais com realidade cotidiana de cargas de um PC.

5. Só que a metodologia utilizada contem algumas extrapolações. Ela precisa passar a respeitar os limites da etiqueta. E entender que o fabricante rotulou a fonte sendo de 425 W, portanto, não tem o menor cabimento o testar como se fosse uma fonte de 475 W.

6. Além de tudo isso, um detalhe que ficou faltando: esta fonte é fabricada pela Enhance (fontes da Cooler Master com o código terminando em D3 são sempre deste OEM). Estou com a impressão de quando a fonte é da Enhance simplesmente preferem omitir isso com medo de errar... Que excesso de incerteza!!!! Nem isso ajudou?

http://www.clubedohardware.com.br/artigos/Como-Descobrir-o-Verdadeiro-Fabricante-da-Sua-Fonte-de-Alimentacao/1270/9

7. Onde é que no site da Cooler Master afirma que essa fonte é de 475 W???? Pode parecer piada, mas o modelo é 475W. É assim mesmo, com o W junto do número 475. A Cooler master quer indicar com isso que esse é o nome do modelo e não a potência. Pode parecer bizarro, mas é assim mesmo. Mesmo não concordando com esse tipo de prática (e tenho certeza que o GT também não gosta disso), acho que deve-se respeitar o limite de 425 W.

 

ahahahaha me faz lembrar da época dos famigerados Peak Music Power Output ou P.M.P.O. do aparelhos de som e alto-falantes. Um aparelhinho de ***** que mal tinha 10WRMS eles colavam um adesivo na frente com 200WPMPO... kkkkk... uma piada mesmo.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×