Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

Teste da Fonte de Alimentação Thermaltake Smart 630 W

       
 51.065 Visualizações    Testes  
 13 comentários

A Smart Series é uma série de fontes de alimentação “de entrada” da Thermaltake, com a certificação 80 Plus padrão. Vejamos se o modelo de 630 W é uma boa opção.

Teste da Fonte de Alimentação Thermaltake Smart 630 W
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Introdução

A Smart Series é uma nova série de fontes de alimentação “de entrada” da Thermaltake, com a certificação 80 Plus padrão. Ela vem para substituir as antigas séries Purepower e TR2 “padrão”, e está disponível em modelos de 430 W, 530 W, 630 W e 730 W, todos com certificação 80 Plus padrão. Vejamos se o modelo de 630 W é uma boa opção.

As novas fontes de alimentação Smart Series são fabricadas pela HEC/Compucase, assim como os antigos modelos Purepower. Aparentemente a Smart Series é derivada da série TB da HEC.

Thermaltake Smart 630 W
Figura 1: Fonte de alimentação Thermaltake Smart 630 W

Thermaltake Smart 630 W
Figura 2: Fonte de alimentação Thermaltake Smart 630 W

A Thermaltake Smart 630 W mede 14 cm de profundidade e tem uma ventoinha de 120 mm com rolamento de mancal em sua parte inferior (Thermaltake TT-1225A, que é na verdade fabricada pela Young Lin Tech).

Esta fonte não tem sistema de cabeamento modular, e apenas o cabo principal da placa-mãe tem um acabamento em nylon, que parte de dentro da fonte. Esta fonte vem com os seguintes cabos:

  • Cabo principal da placa-mãe com um conector de 20/24 pinos, 56 cm de comprimento
  • Um cabo com dois conectores ATX12V que juntos formam um conector EPS12V, 56 cm de comprimento
  • Um cabo com dois conectores de seis/oito pinos para placas de vídeo, 45 cm até o primeiro conector, 15 cm entre os conectores
  • Dois cabos com três conectores de alimentação SATA cada, 49 cm até o primeiro conector, 15 cm entre os conectores
  • Um cabo com quatro conectores de alimentação para periféricos e um conector de alimentação para a unidade de disquete, 48 cm até o primeiro conector, 15 cm entre os conectores

Todos os fios são 18 AWG, que é o mínimo recomendado.

A configuração de cabos é excelente para uma fonte de alimentação “de entrada” de 630 W.

Thermaltake Smart 630 W
Figura 3: Cabos

Vamos agora dar uma olhada no interior desta fonte de alimentação.

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Comentários de usuários


o ripple na 12v não está um tanto alto para a fonte levar um selo de recomendada?

Não está alto o suficiente para o selo bomba (sair da especificação), ams não estaria para perder o selo de recomendação?

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

1. Eu nem estava muito afim de comentar, apenas achei essa fonte como mediana. Não me surpreende que tenha levado selo (já vi bem piores levando selo). Pelo menos uma fonte da HEC que está acima do ruim...

2. Não vejo nada de excepcional nessa fonte. Aliás, eu acho que o uso de adjetivos como "excelente" e "sensacional" deveria ser feito com mais cautela. Regulação de tensão dentro de 3% é apenas uma regulação de tensão boa, regulação entre 3 e 5% pode ser considerada como regular. O Clube do Hardawre, sem dúvida, já testou fontes com regulaçao de tensão muito melhor do que a dessa Thermaltake. Aí colocar no mesmo saco fontes que em algum momento saem dos 3% (embora seja só m ou outro teste, em apenas uma ou duas linhas) e fontes que sempre ficam na casa dos 3%, quando não em valores até mais próximos do que isso (como 2 ou até mesmo 1%), é uma injustiça. O mesmo vale para os níveis de oscilação e ruído.

3. Foi colcado 0,5 A mais do que o permitido na linha de +12 V de acordo com a etiqueta no teste 5. Dá para passar, não vou ficar aqui fazendo questão por míseros 6 W, mas é necessário prestar mais atenção.

4. Vejo até fontes de entrada de linha (com PFC ativo) e de potência mais baixa utilizando capacitores de capacitância maior no primário.

5. Eu já disse isso uma, já disse duas vezes, enfim.... Os testes de sobrecarga estão sendo mal interpretados. A falta de uma explicação clara sobre estes testes (que pessoalmente, sou contra, pois a maioria desses resultados são simplesmente inconclusivos) está levando vários leitores a fazer uma interpretação equivocada acercada destes testes. Algumas fontes testadas estão fornecendo valores bem acima do rotulado nestes testes, e muitos leitores estão entendendo isso como um excelente sinal, achando que a fonte é o máximo por conseguir fornecer potências bem acima do rotulado. Só que isso não depende apenas do projeto nda fonte, mas também dos circuitos de proteção, o que faz com que erros na interepretação destes resultados sejam bastante comuns. A falta de uma explicação clara sobre a função desse teste pode ser apontada como uma excelente culpada por essa situação.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Oi Jorno,

Não está não. Dá uma olhada de novo. O limite é 120 mV e o ripple está na metade disso.

Abraços,

Gabriel.

Mas este é o limite para ganhar o selo bomba, não para ficar apenas como aprovado nos testes.

Acho que poderia ter um pouco mais de rigor ao dar o selo de recomendado, deixando-o apenas para as melhores fontes.

Ou então adotar o sistema do Hardware Secrets.

Edit: fui lá ver e levou o golden award...

Não entendo de que forma esta thermaltake pode ganhar os mesmos selos (recomendado e golden award) que uma Seasonic cuja o ripple é de 21mv nas linhas 12v (isso sim é um bom nível, não os medíocres 72,4mv, isso é apenas estar dentro da especificação).

Tudo bem, são teóricos 110W a mais por U$10 a menos, mas ao analisar a etiqueta:

Thermaltake 630W - 540W na linha 12v, ainda lembra um pouco a distribuição das fontes para Athlon XP, Pentium 4...

Seasonic S12II 520W -480W na linha 12v e como um pc moderno dificilmente consome mais que 40W nas linhas baixas, distribuição perfeita.

Mas ai também notamos que a diferença que deveria ser de 110W, na verdade é de meros 60W.

Ai partimos para a eficiência:

Thermaltake 630W - 80,2 ~ 85,2%

Seasonic S12II 520W - 82,4 ~ 86,5%

Capacitor utilizado para filtrar a saída do circuito PFC Ativo:

Thermaltake 630W - Teapo - Taiwanês - Rotulado a 85°C

Seasonic S12II 520W - Chemi-Con - Japonês - Rotulado a 105°C

Capacitores eletrolíticos que filtram as saídas:

Thermaltake 630W - Teapo - Taiwanês

Seasonic S12II 520W - Chemi-Con - Japonês

Cabeamento:

Thermaltake 630W - Um conector floppy a mais (a seasonic não possui este conector)

Seasonic S12II 520W - Dois conectores molex a mais.

O ponto onde quero chegar é:

Essas duas fontes merecem ser classificadas exatamente com os mesmos selos, sendo, para o leitor leigo, colocadas no mesmíssimo nível de qualidade?

Agora o fator preço, claro que ele deve ser levado em conta, mas U$10 a mais, mesmo tendo 60W a menos (que mais de 90% dos usuários nunca sentirão falta), mas tendo quase um quarto do ripple, eficiência maior e capacitores de melhor qualidade, e um cabeamento ligeiramente melhor, esses U$10 nem de longe são suficientes para colocar as fontes no mesmo nível.

Abraço!

Editado por Jorno

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Mas este é o limite para ganhar o selo bomba, não para ficar apenas como aprovado nos testes.

Acho que poderia ter um pouco mais de rigor ao dar o selo de recomendado, deixando-o apenas para as melhores fontes.

Ou então adotar o sistema do Hardware Secrets.

Edit: fui lá ver e levou o golden award...

Não entendo de que forma esta thermaltake pode ganhar os mesmos selos (recomendado e golden award) que uma Seasonic cuja o ripple é de 21mv nas linhas 12v (isso sim é um bom nível, não os medíocres 72,4mv, isso é apenas estar dentro da especificação).

Jorno,

Idealmente gostamos de ver os níveis de oscilação na metade do valor máximo permitido, e essa fonte ficou nesta faixa.

A fonte é boa para a sua proposta, de ser um produto de entrada, como ela substitui as séries Purepower e TR2 original do fabricante, duas verdadeiras bombas, a fonte saiu-se bem nos testes.

Esta fonte pode ser comprada por US$ 65 nos EUA após "rebate", um excelente preço. Uma Seasonic é mais cara do que isso.

Ao darmos nossa recomendação, levamos em consideração o preço e o mercado para o qual o produto é destinado.

Abraços,

Gabriel.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Jorno,

Idealmente gostamos de ver os níveis de oscilação na metade do valor máximo permitido, e essa fonte ficou nesta faixa.

A fonte é boa para a sua proposta, de ser um produto de entrada, como ela substitui as séries Purepower e TR2 original do fabricante, duas verdadeiras bombas, a fonte saiu-se bem nos testes.

Esta fonte pode ser comprada por US$ 65 nos EUA após "rebate", um excelente preço. Uma Seasonic é mais cara do que isso.

Ao darmos nossa recomendação, levamos em consideração o preço e o mercado para o qual o produto é destinado.

Abraços,

Gabriel.

Hoje a Seasonic está saindo por U$69,99 na newegg com frete grátis (com restrições)

Pelo menos uma boa notícia, vão parar de fabricar esses lixos de Purepower e TR2.

Tomara que não desovem o estoque aqui no brasil, como é de praxe...

E reforçando o post do colega ignacho, algo a comentar sobre os testes de sobrecarga?

Você não faz ideia de quanta gente sai falando por ai que C3Tech PSH-750 entrega 900 e tantos Watts (com base no seu teste de sobrecarga) e fala que é melhor que a Corsair porque a corsair só entregou 800 e tantos Watts em sobrecarga (exemplo apenas)

Editado por Jorno

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

o pessoal ta ficando cada vez mais chato com esses testes de fontes também viu, cada um compra seu testador então e faz seu próprio teste, se a fonte tem um preço adequado, os números estão dentro das expecificações e a desgraça não explodiu ela pode ser recomendada de acordo com as exigências do teste, que não é perfeito (fireage) mais ajuda. sobrecarga é um teste bastante interessante, agora comprar uma fonte pensando em sobrecarga, coloca MAGGEL dentro dessa fonte pra quando estourar levar o teto junto.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
o pessoal ta ficando cada vez mais chato com esses testes de fontes também viu, cada um compra seu testador então e faz seu próprio teste, se a fonte tem um preço adequado, os números estão dentro das expecificações e a desgraça não explodiu ela pode ser recomendada de acordo com as exigências do teste, que não é perfeito (fireage) mais ajuda. sobrecarga é um teste bastante interessante, agora comprar uma fonte pensando em sobrecarga, coloca MAGGEL dentro dessa fonte pra quando estourar levar o teto junto.

Essa chatice que faz o mercado ter melhores opções, pelo incrível que pareça.

O problema dos testes de sobrecarga é que eles não podem prever por quanto tempo a fonte vai dar conta daquelas condições, logo não seria necessário um teste desses. Essa que é a grande crítica aqui, nada de dizer algo como "o teste do fórum é uma droga", pois isso é ingratidão.

Cabe ao leitor do fórum ler um pouco sobre metodologia de testes de fontes e entender porque uma fonte é melhor que a outra aqui, pois cada um vai ter seu ponto de vista sobre o teste. Eu pelo menos prefiro não ser fortemente exigente aqui... Pois vamos lá:

- Capacitadores da Teapo são muito bons de se ver numa fonte. Não algo perfeito como um Chemi-con, mas são capacitadores de boa qualidade também.

- O único barramento da fonte já a livra de lambanças (infelizmente nem todas as fabricantes sabem dividir os barramentos de +12V, assim um único barramento é uma boa opção, ainda mais numa fonte que entrega menos de 600W, seguindo o rótulo.

- Regulação de tensão em +12V quase fora dos limites no teste 5, mas a alta carga nas demais linhas pode ter influenciado o mal desempenho, como na XFX Core Edition 450 testada no JonnyGuru. Como um PC entrega no máximo 40W das demais linhas que não sejam as de +12V e também ninguém forçará a fonte a chegar a 590W de demanda, nem é um dado tão preocupante. Só poderia ser melhor.

- Já vi fontes de ripple e ruído muito mais alto que esse sendo recomendadas. Nesta fonte até que foi bem, não como numa Seasonic, mas em bons níveis. Nas demais linhas a oscilação e ruído esteve em bons níveis.

- Teste de sobrecarga mostra os limites da fonte, mas devem ser alertados como um aviso: "não repita isso em casa" :D

- Bom cabeamento, mas poderia ter mais dois cabos PCI-E.

- Nível de eficiência bom, nada mal.

Conclusão: Para uma fonte da HEC, se saiu muito bem, pois essa fabricante vacila muito... E desta vez foi bem. Mas aquela pessoa que vai investir numa fonte de 580W pra fazer um SLI/CF de HD6870 ou GTX560 vai preferir investir $10 a mais numa Rosewill Capstone 650 ou numa XFX 650 Core Edition, pois ele vai querer um pouco mais de qualidade e dispensar adaptadores. Pelo menos a presença desta fonte aqui no Brasil pode ajudar a eliminar um pouco as bombas do mercado. Não dá pra querer só a nata, veja lá nos EUA, vendem fontes ruins lá também.

Editado por NyanDere

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Hoje a Seasonic está saindo por U$69,99 na newegg com frete grátis (com restrições)

Pelo menos uma boa notícia, vão parar de fabricar esses lixos de Purepower e TR2.

Duvido que a Thermaltake abra mão tão cedo desses modelos... A linha TR2 foi recentemente atualizada, e incluiu fontes com PFC ativo, fabricadas pela FSP. Tem alguns modelos bons (repare que eu disse bons, e não muito bons ou excelentes).

Tomara que não desovem o estoque aqui no brasil, como é de praxe...

Já desovaram. Não é difícil encontrá-las à venda. O que a Thermaltake está fazendo é tentar preencher o nicjho intermediário. Estavam muito nos extremos entre TR2, Purepower e Toughpower...

O ideal na verdade seria ter abdicado da recomendação desta fonte em função da PC Power & Cooling Silencer MKIII 600W. Ela obteve resultados melhores e também custa 90 dólares... E ainda tem cabeamento modular.

E reforçando o post do colega ignacho, algo a comentar sobre os testes de sobrecarga?

Você não faz ideia de quanta gente sai falando por ai que C3Tech PSH-750 entrega 900 e tantos Watts (com base no seu teste de sobrecarga) e fala que é melhor que a Corsair porque a corsair só entregou 800 e tantos Watts em sobrecarga (exemplo apenas)

O pior é a conclusão dela.

"Esta é uma boa fonte de alimentação usando o mesmo projeto da Corsair TX750W e da Thermaltake Toughpower XT 750 W. Ela não apenas fornece 750 W a 50° C, mas também é capaz de fornecer até 940 W a 45° C, o que é de se tirar o chapéu. Basicamente você está comprando uma fonte de 750 W e levando para casa uma de 940 W!"

http://www.clubedohardware.com.br/artigos/Teste-da-Fonte-de-Alimentacao-C3Tech-PSH750V/1580/10

Um outro item que poderia ser observado seira a recomendação de fontes com base na linha de +12 V. Eu mesmo já adoto esse proediment nos fóruns, inclusive calculando a relação consumo na linha de +12 V versus o que está decxlaro na etiqueta da fonte. Neste caso, não se deveria comparar com outras fontes de 630 W, mas sim com outras fontees que tenham algo em torno de 540 W na linha de +12 V.

Capacitor utilizado para filtrar a saída do circuito PFC Ativo:

Thermaltake 630W - Teapo - Taiwanês - Rotulado a 85°C

Seasonic S12II 520W - Chemi-Con - Japonês - Rotulado a 105°C

470 µF na Sea Sonic

330 µF na Thermaltake

o pessoal ta ficando cada vez mais chato com esses testes de fontes também viu, cada um compra seu testador então e faz seu próprio teste, se a fonte tem um preço adequado, os números estão dentro das expecificações e a desgraça não explodiu ela pode ser recomendada de acordo com as exigências do teste, que não é perfeito (fireage) mais ajuda.

O que você certamente nunca reparou, devido aos artifícios de linguagem utilizados nos testes da iCEAGE, é de que ela é uma fonte ruim. Não precisa explodir em subtensão para isso. O próprio teste permite você chegar à essa conclusão. O problema é que foi adoatada uma postura supergenerosa em relação á falhas como o dimensionamento mal feito do refetificador de +12 V no modelo de 450 W, à ausência de PFC, os altos níveis de oscilação e ruído na linha de +3,3 V, os capacitores gfenéricos, as cargas inadequadas aplicadas no testes, o que provavelmente evitou que o nível oscilação e ruído em +3,3 V saísse da especificação... Tudo nessa fonte era sensacional, "baixos quase o tempo todo", excelente custo x benefício... Tudo que havia de ruim nessa fonte foi simplesmente minimizado. A explosão dela em subtensão é só um detalhe...

Essa mesma fonte, em outros sites, teria sido reprovada. Ela jamais receberia um selo de recomendado em um JonnyGuru, no HardOCP (aqui era bem capaz de receber selo de fail), X-bit Labs, TechPower Up, TheLab, etc...

Aliás, todos estes sites (e mais alguns outros com testadores de carga que nem cheguei a citar) estão contando com metodologias de testes muito superiores ao do Clube do Hardware. Se o Clube do Hardware fosse mais rigoroso, fontes como as iCEAGE jamais teriam sido recomendadas....

Edit: não encare como ingratidão. Mas sim como uma forma de apontar que os testes necessitam de reformas...

sobrecarga é um teste bastante interessante, agora comprar uma fonte pensando em sobrecarga, coloca MAGGEL dentro dessa fonte pra quando estourar levar o teto junto.

Infelizmente esse detalhe é omitido pelos testes. Não há nenhum lugar que explique para que servem os testes de sobrecarga. Então quem lê e tem pouco entendimento sobre o assunto pensa que não há problema em sobreacrregar a fonte sem problemas. Afinal, os testes conseguiram fazer isso...

Editado por ignacho

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
sobrecarga é um teste bastante interessante, agora comprar uma fonte pensando em sobrecarga, coloca MAGGEL dentro dessa fonte pra quando estourar levar o teto junto.

Bastante interessante sim, para verificação de proteção da fonte. Umas irão desligar, outras irão queimar e outras mais irão explodir. Como grande parte do público leitor entende errado e pensa que a fonte promete menos e fornece mais, cumpriria nomear o teste de maneira mais correta como teste de proteção em sobrecarga e não como teste de sobrecarga.

Os testes foram bem realizados, inclusive respeitando os 45A que a fonte promete na linha +12V, o que dá um retrato bem fiel dela. Mas isso mostra que é uma fonte bem mediana, aprovada porém não recomendada, capaz de fornecer 580W a um PC moderno, mas com ripple/ruído elétrico um tanto alto (acima dos 60mV na linha +12V). Com preço de 80 dólares nos EUA, não faltam opções melhores, muito melhores mesmo.

Editado por Kayke

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

De muito tempo já critiquei os testes de sobrecarga, justo pela dificuldade de uma pessoa leiga entender o significado dele.. Muitos decidem sua compra baseada em resultados desse teste..

Concordo com a sugestão de mudar o nome dele, renomear para verificação de funcionamento da proteção, esse sim um teste importante, e apenas citar se a fonte cumpriu sua promessa de proteção ou não. Aliás, não cumprindo, para mim já seria uma indicação para produto bomba..

A declaração da potência conseguida em sobrecarga, num universo de leitores que sofrem de potenciolite aguda, beira o desastre.. É impressionante o mal que faz esse malfadado teste.. A gente tem de comer um corvo para mostrar que ele não pode ser base de comparação e muito menos de decisão..

Por favor, evoluam...

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×