Entre para seguir isso  
Seguidores 0

Aonde vamos chegar?

       
 17.656 Visualizações    Editoriais  
 0 comentários

Novos processadores. Novos chipsets. Novas placas-mãe. Novas memórias. Novos discos rígidos. Será que isso nunca acaba? Aonde é que nós vamos chegar?

Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Novos processadores. Novos chipsets. Novas placas-mães. Novas memórias. Novos discos rígidos. Será que isso nunca acaba? Aonde é que nós vamos chegar?

É curioso vermos que a maioria dos usuários quer o "melhor" micro e, infelizmente, graças a uma visão equivocada da mídia, em geral o "melhor micro" é tido como o mais caro ou o que usa peças de última geração. Todos os bons técnicos sabem que isso é balela; o melhor micro é aquele que pode melhor suprir as necessidades de uso do usuário, e na maioria das vezes esse micro não é o mais caro (por exemplo, para que recomendar um Pentium 4 para um usuário que só usa processador de textos?).

É justamente por causa dessa questão que nos perguntamos o seguinte: porque os fabricantes, principalmente os de processadores, retiram produtos do mercado, quando seus produtos mais simples poderiam estar custando hoje poucos reais? Pare para pensar: quanto estaria custando hoje um processador Pentium MMX-233 ou um Pentium II-300 se esses processadores ainda fossem fabricados?

Tudo bem que ter disponível o quanto antes as peças de última tecnologia é muito importante para o avanço tecnológico da comunidade global, mas será que os fabricantes de hardware não forçam o mercado a tomar rumos que eles querem, só para continuarem a lançar novos produtos cada vez mais caros? Ou melhor dizendo, produtos que fazem que o preço do PC médio continue sempre no mesmo valor e não caia nunca?

Será que não há uma massa da população mundial - a maioria da população global - que ainda não tem computador por causa do preço? Será que não dá para ter as duas idéias convivendo ao mesmo tempo, isto é, continuando o lançamento de produtos novos o quanto antes, para que o preço possa ir barateando o quanto antes, mas também mantendo a produção de produtos antigos para a construção de micros baratos?

Pelo menos para nós isto está bastante claro. Parece que não interessa para um fabricante manter uma linha de produção de processadores de R$ 20, embora isso seja perfeitamente possível, já que os lucros para produzir um processador mais caro são um atrativo muito maior.

Entre ter computadores baratíssimos porém de menor poder de processamento e de tecnologia anterior (para que um processador mais rápido do que um Pentium MMX-233 para bater textos?), mas que todos pudessem ter em casa, e computadores caros e para poucos, qual você acha que é a opção preferida dos fabricantes, de um modo geral?

Em outras palavras, continuamos, mais uma vez, à mercê do capitalismo. Pensem nisso.

Compartilhar



Entre para seguir isso  
Seguidores 0

Comentários de usuários


Não há comentários para mostrar.



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!


Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.


Entrar agora