Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

Por que no Brasil eletrônicos são tão caros? - parte 2

       
 9.920 Visualizações    Vídeos  
 26 comentários

Na segunda parte deste nosso videoeditorial, fazemos a simulação da importação de placas-mãe para você entender, na prática, o motivo dos produtos eletrônicos serem tão caros no Brasil.

Por que no Brasil eletrônicos são tão caros? - parte 2
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Entre para seguir isso  

Comentários de usuários




Antes que me esqueça, Muito obrigado Gabriel Torres por esse vídeo, informação nunca é demais e você sabe transmiti-la, parabéns.

Outra coisa que não foi citada, é que além do vendedor ter que subir o preço para revenda, ele ainda por cima tem que manter um preço minimamente competitivo com o valor de uma importação de pessoa física para que o consumidor simplesmente não tente importar apenas um produto por um valor menor que o dele.

cara é um absurdo como somos reféns de um sistema tão abusivo e que não retorna nada disso que é arrecadado para melhorias objetivas.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Tenho PENA dos empresários brasileiros, pois eles tem que lidar com a "m" do governo , que só serve para "f" com a gente :(

Obrigado pelo video : )

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

E ainda tem aqueles que defendem mais impostos, qual o problema desses caras? A realidade aqui é que você compra imposto e leva o produto.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

não compensa o cara monta uma filial ou matriz num pais proximo tipo vizinhos. impotar pra la. e trazer para o brasil de caminhão ou buzão?? 

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

esse video mostra porque  que temos sonegação fiscal

o empresário não tem nenhum estimulo para andar dentro da lei porque se andar correto ele vai a FALENCIA

por isso também que temos produtos falsamente fabricados no brasil

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Como sempre, ótimo vídeo!
É quase impossível não falar de política nestas horas! O único defeito do imposto brasileiro é que nunca vemos o retorno como deveria ser. Se não tivesse tantos abusos de impostos, além de produtos, cada cidadão poderia muito bem ter condições de pagar por saúde e educação particular, sendo que o custo destes seria reduzido também.

Mudando o foco do artigo, @Gabriel Torres, o Brasil foi e continua sendo motivo de piada também na Austrália com estes escândalos políticos que ninguém é punido pelo que faz?

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
29 minutos atrás, Wgk Bravo disse:

não compensa o cara monta uma filial ou matriz num pais proximo tipo vizinhos. impotar pra la. e trazer para o brasil de caminhão ou buzão?? 

é q  fazem monta escritorio no paraguai e levam de uber pra ca

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
12 minutos atrás, fenixcload disse:

esse video mostra porque  que temos sonegação fiscal

o empresário não tem nenhum estimulo para andar dentro da lei porque se andar correto ele vai a FALENCIA

por isso também que temos produtos falsamente fabricados no brasil


Ironicamente um dos grandes problemas do Brasil é a pressão que o cidadão mesmo que bem intencionado, começa a entrar no lado corrupto por não ter outra saída, o que torna cada vez mais difícil mudar esta realidade.
"Se não pode vence-los, junte-se a eles!"

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Eu trabalho em uma empresa portuária de Santos e o que acontece é exatamente isso, o importador muitas vezes tem todo um desgaste no processo e quem fica com todo o dinheiro no final não é o importador, nem a empresa que armazena a carga, nem a alfândega, é todo esse trabalho pra dar dinheiro ao governo.

 

Isso quando o fiscal não enrola a carga e é necessário liberar uma verba pra ele acelerar o processo, na verdade o que o Gabriel cita são os fatos considerando que dê tudo certo, rola muita coisa nas entre-linhas.

 

Parabens pelo vídeo, e pra quem pensa que isso um dia vai mudar, está certo. A tendência com a crise é aumentar os impostos para render mais lucro ao país. Cada dia um 7x1 diferente.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

O pior disso tudo é saber que não teremos o retorno em forma de bens e serviços, a maior parte deste dinheiro será desviado para o bolso de políticos corruptos. Arruma um trabalho pra mim aí @Gabriel Torres. KKKKKKKKK

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Não da para manter os preços competitivos pagando todos esses impostos. Simplesmente os empresários experientes no ramo, tipo enviam para o Paraguai, e depois trazem para o Brasil com nota fria, tudo já com esquema com os fiscais da receita. ou declaram 1 um produto e tem 10 no container. Ou seja, caso o imposto fosse só 5% o pais arrecadaria mais, ninguém ia querer correr o risco de não pagar. Pior que todas esse leis tributarias favorecem a corrupção, e não há interesse de mudar, porque quem já está dentro do esquema não tem concorrência. Não adianta você sair fazendo lei, se não tem condições de fiscalizar, pois a lei tem que ser igual para todos. É um sistema corrupto, restritivo e abusivo.  

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Muitas leis são propositalmente complexas, confusas e ambíguas para haver margem para interpretações e decisões políticas, já que são criadas por políticos e seus assessores. Porém, na hora da crise elegem algum bode expiatório e fazem reformas para se perpetuarem no poder. Reduzir secretarias, ministérios e cargos comissionados, jamais. Empresário não é o malvadão. Funcionário público que fez concurso não é sanguessuga. Tem que melhorar o todo.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Parabéns @Gabriel Torres! Você resumiu muito bem o processo de importação e a formação do preço de compra.

 

Como você mesmo comentou, a saga continua. O importador ainda está exposto à variação cambial, defasagem de tecnologia e tudo o que está relacionado a venda final (tributação, comissões, taxas de cartões de crédito, custos fixos, etc, etc, etc).

 

A burocracia até já me atingiu como consumidor final. Há um tempo uma fonte de alimentação minha teve defeito. Já havia passado a garantia da loja que a vendeu no Brasil para mim, porém ainda tinha mais 2 anos pelo fabricante. Entrei em contato com o fabricante, que confirmou que se tratava de problema de fabricação. Ele se dispôs a pagar o frete de São Paulo até a empresa no exterior, substituir a fonte e pagar o frete de retorno. Apesar disso, o processo era tão burocrático (eu precisava inclusive ir até à Receita Federal previamente para poder enviar o produto ao exterior) que desisti da garantia. Era mais fácil e rápido comprar uma outra fonte.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
11 horas atrás, Wgk Bravo disse:

não compensa o cara monta uma filial ou matriz num pais proximo tipo vizinhos. impotar pra la. e trazer para o brasil de caminhão ou buzão?? 

 

A importação do vídeo foi por frete marítimo, mas por frete terrestre é exatamente o mesmo procedimento. O que você sugere chama-se descaminho (o que o pessoal chama incorretamente de contrabando), isto é, trazer mercadorias ao país sem o recolhimento dos impostos. (Crime) Ver o que o @decimo explicou acima no post #12.

 

10 horas atrás, Lost Byte disse:

O único defeito do imposto brasileiro é que nunca vemos o retorno como deveria ser.

 

Não deixei isto claro no vídeo, mas sua colocação está perfeita. O problema é a relação custo/benefício, o quando recebemos em comparação ao quanto pagamos. Temos uma carga tributária acima de países desenvolvidos e recebemos um serviço de péssima qualidade, típico de país subdesenvolvido.

 

10 horas atrás, Lost Byte disse:

Brasil foi e continua sendo motivo de piada também na Austrália com estes escândalos políticos que ninguém é punido pelo que faz?

 

A TV em países desenvolvidos como a Austrália e EUA não mostra o que acontece em outros países do mundo. Eles só têm dois noticiários, um local e um nacional. No jornal nacional deles só mostra notícias internacionais se for ataque terrorista ou coisa deste tipo. Brasil só é notícia quando há algo relacionado ao país deles no meio, como Olimpíadas. A maioria das pessoas acha que falamos espanhol. Mas aos meus amigos eu conto tudo e marco eles em vídeos que estejam em inglês contando sobre o Brasil. É óbvio que eles acham um absurdo. O premiê (cargo equivalente a governador) de New South Wales caiu porque ele aceitou uma garrafa de vinho de presente. Uma garrafa de vinho. Igualzinho ao Brasil...

 

8 horas atrás, Bruno Custodio disse:

Eu trabalho em uma empresa portuária de Santos e o que acontece é exatamente isso, o importador muitas vezes tem todo um desgaste no processo e quem fica com todo o dinheiro no final não é o importador, nem a empresa que armazena a carga, nem a alfândega, é todo esse trabalho pra dar dinheiro ao governo.

 

Sensacional o seu testemunho. Esqueci de comentar isto. Todo empresário brasileiro tem um sócio chamado governo que ganha mais do que o empresário. Isto é, o empresário tem todo o trabalho e o governo fica com a maior parte do dinheiro. Continuando o exemplo dado no vídeo, que o empresário venda a placa-mãe com uma margem de 10%, ele ficou com 10% enquanto o governo ficou com 50%. É um absurdo. E ainda tem um pessoal que acredita que os empresários são exploradores, etc.

 

35 minutos atrás, Darkmana disse:

O importador ainda está exposto à variação cambial, defasagem de tecnologia e tudo o que está relacionado a venda final (tributação, comissões, taxas de cartões de crédito, custos fixos, etc, etc, etc).

 

Esqueci de dar mais ênfase a isto no vídeo. Exatamente. Tem muitos casos que o processo demora tanto entre frete e liberação, que quando o produto é finalmente liberado, ele já está defasado ou com custo que não o torna competitivo.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Ótimo vídeo, Sr. @Gabriel Torres! Gostaria de compartilhar minha experiência em compra de peças para manutenção e mesmo os fornecedores locais ou de outros estados não conseguem informar o valor real das peças que compramos na empresa. Quando solicito uma cotação, sempre por e-mail para se ter uma documentação, o fornecedor me informa o preço de venda da tabela dele e aí, quando nós (a empresa em que trabalho) encomendamos a peça é que o sistema da SEFAZ discrimina na DANFE os valores de ICMS, IPI e em alguns casos a DIFAL. Muitas vezes o valor da peça que vendemos no conserto do equipamento era inferior ao valor que pagávamos na DANFE do fornecedor, mesmo acrescentando a nossa margem de 'lucro'.

Como eu comentei no vídeo anterior, por mais complicado que possa parecer esse 'estupro' que chamam de sistema de tributação, é mais complicado ainda!

Abraço a todos!

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Obrigado pelo vídeo. Tudo isso é uma aberração. Porém, um ponto é mais revoltante:  taxa para sindicato dos despachantes??????? Sem palavras. Na verdade, até tenho algumas palavras, ou melhor, palavrões...

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Eu ainda não consigo acreditar que é cobrado Taxa AFRMM e o Siscomex,  e pior, ainda pagar ICMS em cima disso....  E pior ainda é que tem que pagar Sindicato SDA ...*****  Já não basta as alíquotas serem absurdamente altas, ter imposto sobre imposto...  E o que mais revolta é saber que tem gente que defende esse tipo de coisa...... Ainda bem que aqui na minha região eu não fico tão dependente dos importadores nacionais  para comprar as peças de informática para uso próprio.... Como moro a 300Km da fronteira com Py(Salto Del Guairá)     da para descontar um pouco da raiva fazendo a viagem ...E no meu caso os únicos impostos que vou pagar são o da gasolina e o da comida no meio da estrada...

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Acho que toda essa dificuldade na importação acaba servindo para proteger o que é produzido aqui no Brasil.

 

Quanto aos impostos acredito que são muito altos tanto os sobre o consumo quanto os sobre a renda.

 

Na minha opinião o Estado é perdulário e escraviza toda a população em favor de uma casta social pública e privada privilegiadas.

 

É só observar o noticiário atual em que a corrupção é manchete da mídia todos os dias.

 

Casos e mais casos escandalosos são descobertos e agentes públicos e privados punidos.

 

Ontem, por exemplo, um empresário dono de duas empresas de alimentação, foi exposto por obter mais de 8 BILHÕES DE REAIS com contratos SUPERFATURADOS para o fornecimento de alimentação ao Estado do Rio de Janeiro em 8 anos ( governo de Sérgio Cabral do PMDB que está preso mas que logo deverá estar solto desfrutando de sua imensa e ilícita riqueza: BILHÕES ).

 

A coisa é ESTÚPIDA.

 

O Brasil é considerado o segundo país mais corrupto do mundo em recente pesquisa internacional.

 

.

Editado por Henrique - RJ

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
8 horas atrás, hdtech disse:

Mesmo que ocorra uma reforma tributária, não vai mudar muita coisa.

 

Discordo. Uma drástica simplificação no sistema, mesmo mantendo alíquotas altas, diminuiria as incertezas e riscos associados. Diminuiria o poder dos burocratas de criarem problemas para venderem depois a solução.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Oi, Gabriel, desculpe, você está longe do Brasil, sua análise sobre os impostos de uma placa-mãe estão corretíssimos, mas na renda, praticamente só pagam os assalariados, porque é na fonte. Em 2002 uma grande rede de TV sonegou o imposto sobre os direitos comprados à FIFA da Copa do Mundo daquele ano. Em 2006 o fiscal de rendas esteve na rede e autuou o grupo em R$ 1,2 bi. O processo foi roubado da Receita Federal por uma funcionária de baixo escalão e até hoje não sei o que fizeram com a multa/imposto, se foram pagos ou continuam sonegados. Se não me engano, em 2007, um dos maiores bancos brasileiros comprou um banco estrangeiro e deveria pagar 25 bilhões de reais de impostos. Não pagou, um diretor desse banco virou presidente do Banco Central, não sei se uma coisa tem a ver com a outra, mas a dívida foi perdoada, os advogados do banco convenceram as autoridades brasileiras que a multa não era devida. Calcula-se que o imposto de renda no Brasil tenha uma sonegação superior a 70%. Aí, o governo taxa assalariados, pequenos empresários, etc., apenas os bagres, enquanto os tubarões martelo se isentam e sonegam.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Bem, o que vou falar aqui não é bem sobre importar eletrônicos mas é sobre importação, e eu falei com o Gabriel sobre postar aqui e ele concordou.

 

Trabalho em indústria farmacêutica e vocês não imaginam o tamanho da burocracia que existe para muitas coisas que precisamos comprar.

 

Por exemplo, pra comprar reagentes, existem pelo menos três listas de produtos controlados (polícia civil, polícia federal e exército, das quais precisamos de autorização de cada um dos órgãos pra poder comprar e utilizar, sem falar na autorização do corpo de bombeiros e da ANVISA (para isso e para outras coisas).

Além da autorização de funcionamento da ANVISA, existe a certificação de Boas Práticas de Fabricação, sem a qual não podemos fazer muita coisa.

 

Ok, isso é um tipo de controle necessário e benéfico, mas vejam a burocracia que existe, isso custa um tempo tremendo pra empresa nos registros iniciais e agrega um custo fixo à operação da fábrica.

 

Agora, pra comprar matéria-prima, ou até pra receber uma amostra de material (que não está na lista dos produtos controlados que citei acima), não podemos receber os produtos via courrier (Fedex, UPS, DHL, Sedex..), sendo 20 gramas ou 1 Kg da parada, pois ele fica retido pela ANVISA e temos que correr com uma documentação enorme, num prazo curto, pra conseguir a liberação das coisas.

 

Então, pra qualquer importação que fazemos, temos que ficar explicando pros gringos essa papagaiada toda e pagamos pra uma empresa coletar o produto lá com eles e depois um despachante aduaneiro aqui pra desembaraçar a parada para recebermos, às vezes, um potinho de amostra, que o fornecedor nos envia de graça, mas temos que gastar uma grana razoável pra conseguir receber, fora o tempo que se perde com essa situação toda e, em alguns casos, perde-se qualidade dos produtos pois eles precisam ser mantidos refrigerados ou climatizados e, depois de chegarem ao brasil, ficam num galpão apreciando o nosso querido clima tropical*.

 

*Isso explica também uma parte da dificuldade que muitos cientistas possuem de trabalhar no Brasil, porque se o cara precisa de uma enzima específica, por exemplo, ela leva 2 meses pra chegar e chega aqui degradada, enquanto em outros países o cara pede hoje e amanhã chega na geladeira dele.

Editado por Evandro
corrigindo pobrema no tecrado

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

@Evandro Impressionante este seu relato. É justamente isso que você fala, o excesso de burocracia no Brasil mata qualquer negócio. O Brasil é um dos países mais difíceis de se fazer negócio, e depois o pessoal não entende porque há fuga de capital intelectual. O exemplo que você deu foi perfeito.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Bom dia a todos do Clube do Hardware ! quero parabenizar pela iniciativa da criação do site,e principalmente da qualidade da edição.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×