Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

Chipset Intel 845

       
 26.094 Visualizações    Artigos  
 0 comentários

Conheça esse novo chipset da Intel.

Chipset Intel 845
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

A Intel lançou recentemente o seu novo modelo de chipset para processadores Pentium 4, o Intel 845. O chipset, para quem não sabe, é o conjunto de circuitos de uma placa-mãe. Entre outras coisas, o chipset define o tipo e a quantidade máxima de memória RAM que a placa-mãe aceita.

O Pentium 4 utiliza um barramento externo de 100 MHz, porém transferindo quatro dados por pulso de clock em vez de um, como é o usual. Com isso, o seu barramento externo possui um desempenho quatro vezes superior ao de processadores tradicionais que usam um barramento externo de 100 MHz, como o Pentium II acima de 350 MHz e vários modelos do Pentium III. Daí o porque da Intel estar divulgando que o Pentium 4 possui um barramento de 400 MHz. Na verdade, o barramento do Pentium 4 não é de 400 MHz, mas sim de 100 MHz, mas tem o mesmo desempenho como se ele estivesse operando a 400 MHz, já que transfere quatro dados por pulso de clock, em vez de apenas um.

Essa idéia não é exatamente nova. Os processadores Athlon e Duron operam em um esquema parecido, transferindo dois dados por pulso de clock em vez de um. Esses processadores da AMD podem operar externamente a 100 MHz ou 133 MHz, mas como transferem dois dados por pulso de clock, possuem um desempenho como se estivessem operando externamente a 200 MHz ou 266 MHz (embora fisicamente o clock seja de 100 MHz ou 133 MHz).

O grande problema em transferir mais dados por pulso de clock é em relação à memória RAM. A memória RAM tradicionalmente transfere apenas um único dado por pulso de clock. O único tipo de memória capaz de acompanhar a velocidade externa do Pentium 4 é a memória Direct Rambus (D-RDRAM), e por isso os primeiros chipsets para Pentium 4 lançados pela Intel - o Intel 850 e o Intel 860 - aceitam somente esse tipo de memória. O grande problema com a memória Rambus é o seu alto preço. Assim, uma máquina utilizando o processador Pentium 4 acaba saindo uma pequena fortuna, já que todos os componentes necessários para montar essa máquina foram lançados recentemente no mercado (processador, placa-mãe, memória e fonte de alimentação) e todos nós sabemos que quando um componente acaba de ser lançado seu preço está lá nas alturas.

A AMD nesse ponto foi muito mais esperta. Os primeiros chipsets para Athlon e Duron lançados no mercado aceitavam memórias SDRAM PC-100 e PC-133 tradicionais (e extremamente baratas). Tudo bem que isso fazia com que o recurso do processador transferir dois dados por pulso de clock para a memória não fosse aproveitado, já que as memórias SDRAM transferem apenas um dado por clock, mas em compensação acelerou a entrada desses processadores no mercado, já que as memórias DDR-SDRAM e Rambus, que são memórias que conseguem transferir dois dados por pulso de clock, eram (e ainda são) muito caras, o que tornaria um micro com esses processadores um absurdo de caro na época, além da dificuldade de se encontrar esse tipo de memória no mercado. Ou seja, os processadores Athlon e Duron em conjunto com memórias SDRAM estão operando abaixo de sua capacidade máxima de transferência.

A importância desse novo chipset da Intel é justamente essa: ele aceita memórias SDRAM PC-100 e PC-133 tradicionais, barateando o preço dos micros baseados no processador Pentium 4. Em contrapartida, o desempenho do barramento do processador será quatro vezes menor do que a sua capacidade máxima.

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Artigos similares


Comentários de usuários


Não há comentários para mostrar.



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×