Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

Celeron Centrino Existe?

       
 69.106 Visualizações    Artigos  
 1 comentário

Atualmente no Brasil diversos notebooks estão sendo vendidos como \"Celeron Centrino\". Isso existe?

Celeron Centrino Existe?
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Se você der uma olhada nos classificados dos principais jornais e sites especializados você encontrará vários notebooks sendo anunciados como sendo “Celeron Centrino”. Só tem um detalhe: Celeron Centrino não existe.

Para ser chamado de Centrino, o notebook precisa ter obrigatoriamente três componentes: processador Pentium M, chipset Intel 915 ou Intel 855 e rede sem fio Intel/PRO. Você pode ver isso em http://www.intel.com/portugues/products/centrino/index.htm. Ou seja, notebooks baseados no processador Celeron M não podem ser chamados de Centrino porque não são baseados no processador Pentium M. Até mesmo notebooks baseados no Pentium M mas que não tenham rede sem fio Intel/PRO ou chipset 915 ou 855 não podem ser chamados de Centrino.

As diferenças entre o Pentium M e o Celeron M são basicamente o clock externo e a quantidade de memória cache:

Em princípio não haveria problema algum em chamar o Celeron M de Centrino, só que isso gera uma grande confusão. Um “Centrino de 1,6 GHz” é mais rápido do que um Celeron M de 1,6 GHz, já que o Pentium M é mais rápido do que um Celeron M de mesmo clock. O problema é o usuário comprar um “Celeron M Centrino” de 1,6 GHz achando que vai obter o mesmo desempenho de um Centrino “verdadeiro” de 1,6 GHz. Não é o caso.

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Artigos similares


Comentários de usuários




Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×