Ir ao conteúdo

Teste do processador Pentium G4600

       
 14.765 Visualizações    Testes  
 23 comentários

Testamos o processador Pentium G4600, que tem dois núcleos, quatro threads, clock de 3,6 GHz e utiliza soquete LGA1151. Confira!

Teste do processador Pentium G4600
Rafael Coelho Editor-chefe do Clube do Hardware

Introdução

O Pentium G4600 é um processador de baixo custo com dois núcleos, quatro threads e clock de 3,6 GHz, sendo um dos modelos mais baratos da Intel atualmente. Vamos ver como ele se sai em programas e jogos.

Quando a Intel anunciou, no início deste ano, a sétima geração dos processadores Core i, uma das principais novidades era a presença, nos processadores Pentium, da tecnologia Hyper-Threading, que simula dois núcleos lógicos em cada núcleo físico do processador. Como nas gerações anteriores a tecnologia Hyper-Threading era a principal diferença entre as linhas Pentium e Core i3, ficou aquela sensação de que os dois processadores brigariam pela mesma fatia de mercado.

Isto se concretizou: em nossos testes o modelo mais básico da linha Pentium, o G4560, apresentou um desempenho muito próximo ao do Core i3-7100. Assim, o Pentium G4560 rapidamente tornou-se o processador preferido para computadores de baixo custo voltados a jogos, por causa de sua excelente relação custo/benefício. Como a "lei da oferta e da procura" é implacável, rapidamente este processador ficou difícil de se encontrar no mercado e, quando era encontrado, seu preço estava às vezes até acima do modelo imediatamente superior, o Pentium G4600.

O Pentium G4600 é bastante similar ao G4560, diferindo apenas pelo clock, 100 MHz mais alto, e pelo motor gráfico Intel HD 630 (no G4600) versus HD 610 (no G4560). O HD 630 tem o dobro dos núcleos gráficos do HD 610, sendo, portanto, bem mais potente.

Você pode estar se perguntando por que estamos testando um processador baseado na microarquitetura Core i de sétima geração, se a Intel já lançou a oitava geração desses processadores. Embora os modelos topo de linha de oitava geração sejam bem superiores aos de sétima em aplicações profissionais (saiba porque aqui), para o segmento de baixo custo eles ainda vão demorar alguns meses para serem uma alternativa viável, por vários motivos.

Primeiro, porque a Intel sequer anunciou, até agora, processadores Pentium baseados na microarquitetura Core i de oitava geração. Segundo, porque os processadores Core i de oitava geração não são compatíveis com as placas-mãe baseadas em chipsets séries 100 e 200, e até agora só foram lançadas placas-mãe para processadores de oitava geração baseadas no chipset Z370, que é o modelo topo de linha e, portanto, são placas-mãe topo de linha, de alto custo. Além disso, as lojas e distribuidores estão com um bom estoque de placas-mãe voltadas aos modelos Core i de sexta e sétima gerações; por isso, é provável que só invistam maciçamente em vendas da oitava geração após venderem os estoques atuais, para não correrem o risco de estas placas e processadores ficarem "encalhadas".

Assim, para montar hoje um computador de baixo custo baseado em um processador Intel, você provavelmente optará por uma placa-mãe baseada no chipset B250 (como esta ou esta) ou mesmo no modelo de entrada, o H110 (como esta). Note que não foi lançado um chipset H210. Desta forma, um conjunto de baixo custo típico na plataforma Intel será formado por um processador Pentium G4560 ou G4600, e uma placa-mãe baseada no chipset H110. Lembre-se de que o desempenho do processador não depende do chipset utilizado; o chipset apenas influencia nos recursos disponíveis na placa-mãe como número de portas SATA e USB, capacidade de overclock e de utilização de mais de uma placa de vídeo, etc.

Em nossa análise de hoje, verificaremos o desempenho do Pentium G4600 em jogos, comparando-o com o modelo superior, Core i3-7100. Também incluímos neste comparativo alguns modelos testados ou retestados recentemente, como o Core i5-7400, o Core i5-8400 e o Ryzen 5 1500X. Lembre-se, porém, que todos estes modelos são mais caros do que o Pentium G4600.

O Pentium G4600 tem dois núcleos, quatro threads, clock de 3,6 GHz (não há suporte a turbo clock), 3 MiB de cache L3, TDP de 51 W e utiliza o soquete LGA1151.

Na Figura 1 vemos a embalagem do Pentium G4600.

Pentium-G4600-01.jpg

Figura 1: embalagem

A Figura 2 mostra o conteúdo da embalagem: um cooler, o processador, um pequeno manual e um adesivo para o gabinete.

Pentium-G4600-02.jpg

Figura 2: conteúdo da embalagem

A Figura 3 revela o processador Pentium G4600.

Pentium-G4600-03.jpg

Figura 3: o processador Pentium G4600

O lado de baixo do processador pode ser visto na Figura 4.

Pentium-G4600-04.jpg

Figura 4: lado de baixo do Pentium G4600

Utilizamos uma GeForce GTX 1080, que é uma placa de vídeo topo de linha, em todos os testes. Apesar de esta não ser uma placa de vídeo voltada àqueles que comprarão um Pentium G4600, utilizamos esta placa de vídeo para ter certeza que este componente não estaria limitando o desempenho do sistema, isto é, gerando um "gargalo", o que mascararia o real desempenho do processador. Ou seja, queríamos verificar qual é o desempenho máximo que o processador analisado oferece, sem qualquer outro componente o limitando. Para entender esta questão mais a fundo, recomendamos que assista ao nosso vídeo "O que é gargalo?".

Vamos comparar as principais especificações dos processadores testados na próxima página.

Compartilhar

  • Curtir 7
  • Obrigado 1
  • Amei 1


  Denunciar Artigo

Comentários de usuários


Eu não entendi ainda porque a iGPU da oitava geração tem um "U", já que apenas olhando parece ser a mesma HD 630. Se vocês receberem o i3 8100 poderia fazer a comparação rápida entre a UHD 630 com a HD 630 do 7100, @Rafael Coelho.

Editado por Cícero Rodrigues

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
1 hora atrás, Cícero Rodrigues disse:

Eu não entendi ainda porque a iGPU da oitava geração tem um "U", já que apenas olhando parece ser a mesma HD 630. Se vocês receberem o i3 8100 poderia fazer a comparação rápida entre a UHD 630 com a HD 630 do 7100, @Rafael Coelho.

Aparentemente a Intel apenas trocou a denominação "HD" por "UHD" por uma questão de marketing, para deixar claro que ela suporta a resolução 4K UHD. Mas é o mesmo motor gráfico.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Qual processador se sairia melhor(g4560 ou g4600) a par com uma placa de video gtx 1050?

Editado por Samuel_Ferreira

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
18 minutos atrás, Samuel_Ferreira disse:

Qual processador se sairia melhor(g4560 ou g4600) a par com uma placa de video gtx 1050?

Esta resposta está bem clara no terceiro parágrafo da página de conclusões do artigo. Não está abrindo pra você?

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
23 minutos atrás, Rafael Coelho disse:

Esta resposta está bem clara no terceiro parágrafo da página de conclusões do artigo. Não está abrindo pra você?

Para alguns é mais fácil perguntar do que ler tudo...tipo os tópicos que criam perguntam q processador a placa-mãe aceita mas não se prestam a olhar no site do fabricante.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Ótimo teste!

Gostei muito do benchmark feito no vídeo integrado. Muito esclarecedor! :D

É realmente uma pena não terem mais o G4560 por aí, seria ótimo saber quanto de ganho temos principalmente no que se diz respeito ao gráfico integrado .

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

O bom dos Pentiums é o preço, mas quando for fazer outro upgrade tem que trocar a mobo, porque já tem os coffelake por aí. Nisso a AMD ganha de boas, porque demora uns 5 anos pra mudar a mobo. Se pegar um Ryzen 3, daqui a pouco você pode colocar um Ryzen 7 na mesma mobo. Já a intel é bem diferente. Se você tem um i7 geração 7, e quer mudar pra geração 8, tem que trocar a mobo. 

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Dai depende, 

2 horas atrás, P.D.R disse:

O bom dos Pentiums é o preço, mas quando for fazer outro upgrade tem que trocar a mobo, porque já tem os coffelake por aí. Nisso a AMD ganha de boas, porque demora uns 5 anos pra mudar a mobo. Se pegar um Ryzen 3, daqui a pouco você pode colocar um Ryzen 7 na mesma mobo. Já a intel é bem diferente. Se você tem um i7 geração 7, e quer mudar pra geração 8, tem que trocar a mobo. 

 

No meu caso, comecei pelo G4560 e pretendo um i7700 ou 6700... com a 8º geração chegando ai, torcer para que os preços dos "antigos" baixem... já tenho um setup legalzinho, daria um belo up!

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Ótimo artigo, Mestre, venal como sempre!

 

Uma sugestão: agora que a Intel nos brindou com o mesmo soquete mas com incompatibilidades, na primeira página do artigo poderias dizer que o processador é um Kaby Lake, para evitar confusões?

Ou dizer que ele só funciona em chipsets das séries 100 e 200, porque isso tende a causar confusões a longo prazo, quando tivermos Coffee Pentiums. ;)

Editado por Evandro

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Artigo bem legal mesmo! Seria interessante ver um comparativo deste processador com os da AMD que tem vídeo integrado, como o A6-7470K (3,7Ghz; Dual Core; 65W; Video R5; US$ 87,08) e o A8-7600 (3,1Ghz; Quad core; 65W; Vídeo R7; US$ 63,30).

Apesar de serem de litografias diferentes (Esses são de 28nm), tem o mesmo consumo, o A6 custa o mesmo e o A8 tem uma equivalência de núcleos.

Sei que não é possível, só achei que seria legal enquanto não temos algum AMD com litografia de 14nm com vídeo integrado.

Agradeço pelo artigo, Ms. @Rafael Coelho!

 

*pesquisei os preços e especificações no site newegg em 20/10/17

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

@André Ferreira da Silva o duro dessas APUs AMD que você citou é que elas são MUITO defasadas, são processadores de quase 5 anos atrás (pelo menos a arqquitetura é do ano em que o mundo devia ter acabado).

 

Esperamos que em breve a AMD lance APUs baseadas no Ryzen e aí o Mestre possa realizar uma comparação mais equilibrada.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Muito bom o teste! Senti falta do comparativo com o R3 1200 por estar em uma faixa de preço similar.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
5 minutos atrás, SUM41 disse:

Muito bom o teste! Senti falta do comparativo com o R3 1200 por estar em uma faixa de preço similar.

 

6 horas atrás, André Ferreira da Silva disse:

Artigo bem legal mesmo! Seria interessante ver um comparativo deste processador com os da AMD que tem vídeo integrado, como o A6-7470K (3,7Ghz; Dual Core; 65W; Video R5; US$ 87,08) e o A8-7600 (3,1Ghz; Quad core; 65W; Vídeo R7; US$ 63,30).

Apesar de serem de litografias diferentes (Esses são de 28nm), tem o mesmo consumo, o A6 custa o mesmo e o A8 tem uma equivalência de núcleos.

Sei que não é possível, só achei que seria legal enquanto não temos algum AMD com litografia de 14nm com vídeo integrado.

Agradeço pelo artigo, Ms. @Rafael Coelho!

 

*pesquisei os preços e especificações no site newegg em 20/10/17

Esses modelos citados não faz mais sentido testar. Na verdade, nem temos mais memórias DDR3 no laboratório...

Mas na semana que vem sai o teste de uma "nova" APU, que incluirá no comparativo também o Ryzen 3 1200. Aguardem!

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

@Evandro Mas os testes que tem mostram que mesmo utilizando as APUs Excavator utilizando nossa amada arquitetura Bulldozer ainda consegue ter um desempenho bem parelho com o Pentium G4560/4600, acho que seria valido se a AMD manda-se algum A8 9600 ou Athlon X4 950 para teste ver como ela se sai.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
17 minutos atrás, RobertoGB disse:

@André Ferreira da SilvaPodia comparar com os "atuais" A Series AM4.

Por quê comparar processadores com chipsets? 

Conforme o Sr. @Evandro mencionou, Ainda não existem APUs soquet AM4. Só por isso que eu sugeri testes com APUs antigas e defasadas com vídeo integrado, assim como este processador do artigo (que é lançamento).

 

Editado por André Ferreira da Silva

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
15 minutos atrás, RobertoGB disse:

@André Ferreira da Silva Existem sim: http://www.amd.com/pt/products/desktop-processors-7th-gen-am4

 

Hardware Unboxed fez testes deles, inclusive. Performance deles CPUwise é bem ruim, aliás.

 

 É... Existe sim... Obrigado! Acho que o CDH não tem uma unidade dessas para fazer o comparativo...

E o valor deste está mais próximo do Pentium G4600 do que os outros testados.

E conforme o mestre @Rafael Coelhomencionou, na próxima semana sai o teste de uma nova APU, talvez seja esta!

Editado por André Ferreira da Silva

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Estas APUs aí são como pantufas, em casa é até confortável, mas sair na rua com elas é pagar mico. ;)

 

Dificilmente a AMD vai enviá-las para teste.

 

Apesar de serem soquete AM4, provavelmente o que o @André Ferreira da Silva estava pensando era em APUs de arquitetura Ryzen. ^_^

Editado por Evandro

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

@LeVader Apesar dele citar o Athlon x4 950, nesse vídeo ele faz o teste cego usando um Ryzen 3, acho que o 1200 (não lembro). O teste cego é falho, ele mesmo corrige num vídeo seguinte. O GPU boost das GTX 1050 que ele usa tem uma diferença considerável, mesmo sendo exatamente o mesmo modelo da MSI.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

@RobertoGB Ele utiliza o Athlon X4 950 também, mas a performance dele é bem razoável pelo preço, igual essas APUs, elas tem um preço interessante até o A8, A10 pra frente é perda de dinheiro e o A6 não recomendo pra ninguém, primeira vez que eu vi uma APU que da gargalo com a sua própria iGPU.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×