Ir ao conteúdo

Como Funciona a Conexão à Internet via TV a Cabo

       
 53.096 Visualizações    Tutoriais  
 8 comentários

Aprenda como a conexão à Internet via TV a cabo funciona.

Como Funciona a Conexão à Internet via TV a Cabo
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

A rede da TV a cabo pode ser usada para a conexão de um computador ou rede com a Internet, sendo a tecnologia que concorre diretamente com a ADSL. Essa tecnologia é mais popularmente conhecida como “Internet a cabo”, mas convenhamos que esta nomenclatura não está correta, pois o ADSL também usa cabos.

Este tipo de rede é classificado como rede HFC (Hybrid Fiber-Coaxial, Rede Híbrida Coaxial/Fibra Óptica). Nela, a conexão da central da TV a cabo até pontos de distribuição (chamados nós ópticos) é feita através de fibras ópticas, com distâncias de até 40 km. Em cada nó óptico é feita a interface entre a fibra óptica e o cabo coaxial que segue até o cliente. Cada nó óptico tipicamente serve entre 500 e 2.000 clientes e, na rede coaxial, pode haver amplificadores para regenerar o sinal. Por conta dessa configuração, a rede da TV a cabo não oferece os problemas de qualidade do cabo, comprimento do cabo e interferências que afetam o sistema ADSL (já que o sistema ADSL utiliza cabos telefônicos convencionais).

O sistema mais usado por operadoras de TV a cabo para oferecer acesso à Internet usando a sua rede é chamado DOCSIS (Data Over Cable Service Interface Specification, Especificação de Interface de Dados Sobre Serviço de TV a Cabo).

Existem atualmente quatro versões do DOCSIS: 1.0, 1.1, 2.0 e 3.0. As versões 1.0 e 1.1 são idênticas, exceto que a versão 1.1 permite parâmetros de qualidade de serviço (QoS), permitindo o uso da rede de TV a cabo para telefonia (voz sobre IP ou VoIP). Por isso, chamaremos as versões 1.0 e 1.1 simplesmente de 1.x. A versão 3.0 permite o agrupamento de canais, como explicaremos adiante.

O cabo da TV a cabo permite transmissão banda larga, isto é, a transmissão de vários canais em frequências distintas. Tipicamente, cada canal tem uma largura de banda de 6 MHz, e um canal inteiro desse tipo é usado para downstream, isto é, download de dados, com uma taxa de transferência máxima teórica de 42,88 Mbps (38 Mbps utilizáveis pelo o usuário) para todas as versões do DOCSIS. É claro que a taxa que você obterá na prática dependerá do serviço que foi contratado. Para downstream, é usada modulação por amplitude de quadratura (QAM) de 64 ou 256 níveis.

Já para upstream, isto é, para o upload de dados, a configuração usada depende da versão do DOCSIS da rede da operadora de TV a cabo. No DOCSIS é normalmente usado um canal entre 200 kHz e 3,2 MHz (dependendo da velocidade contratada) na versão 1.x, porém 6,4 MHz a partir do DOCSIS 2.0. A taxa de transferência máxima teórica para upstream é de 10,24 Mbps (9 Mbps utilizáveis) no padrão DOCSIS 1.0 e 1.1 e de 30,72 Mbps (27 Mbps utilizáveis) nos padrões DOCSIS 2.0 e 3.0. Porém, a taxa que você obterá na prática dependerá do serviço que foi contratado e não necessariamente o serviço será assimétrico (velocidades de upload e download diferentes). Por exemplo, com os valores apresentados, é possível, em teoria, oferecer um serviço com 5 Mbps tanto upstream quanto downstream, mesmo usando-se o padrão 1.x.

Para upstream, é usada modulação por deslocamento de fase (QPSK) ou modulação por amplitude de quadratura (QAM), dependendo da velocidade pretendida.

No DOCSIS 1.0 e 1.1, usa-se acesso múltiplo por divisão do tempo (TDMA), enquanto que no DOCSIS 2.0 e 3.0 a técnica de acesso múltiplo por divisão de código (CDMA) também está disponível.

A versão 3.0 do DOCSIS permite o uso de mais canais em paralelo, aumentando drasticamente as taxas de transferência que podem ser obtidas, bastando multiplicar os números apresentados pelo número de canais usados. Por exemplo, se forem usados quatro canais para downstream, a taxa de transferência máxima teórica de download passa a ser de 171,52 Mbps. Mais uma vez, o valor que você pode realmente contratar (e número de canais disponíveis) dependerá da operadora de TV a cabo. O interessante do padrão DOCSIS 3.0 é que não há um limite no número de canais possíveis de serem agrupados (na prática, a operadora de TV a cabo está limitada aos equipamentos disponíveis no mercado).

A taxa de transferência obtida na prática com redes de TV a cabo está relacionada à quantidade de usuários conectados ao mesmo tempo ao mesmo nó óptico da sua conexão, visto que este sistema baseia-se no fato de nem todos os usuários usarem a Internet ao mesmo tempo.

Compartilhar



  Denunciar Artigo

Comentários de usuários


É impressão minha ou a internet via "cabo" é a mais popular forma de banda larga no Brasil? Ainda mais com o three play (tv, telefone e banda larga).

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

"A taxa de transferência obtida na prática com redes de TV a cabo está relacionada à quantidade de usuários conectados ao mesmo tempo ao mesmo nó óptico da sua conexão, visto que este sistema baseia-se no fato de nem todos os usuários usarem a Internet ao mesmo tempo."

Está explicado porquê a NET (ao menos aqui em Mesquita/RJ) fica uma porcaria nos horários de pico (o nó em que estou "pendurado" que fica em Nilópolis está sobrecarregado devido à grande adesão de usuários carentes do Oi/Velox).

Gabriel, aqui em casa muitas vezes o modem "perde a comunicação" com a rede da NET e fico sem internet e telefone (o modem mostra o IP e o telefone fica mudo) quando começo a usar a internet (principalmente o que demanda bastante banda dos 10Mbits assinados como YouTube ou torrent), ai eu percebo que as páginas não abrem ou demoram uma eternidade e o telefone fica mudo... Saberia me dar uma dica se isso é um problema no modem (que já foi trocado), problemas do cabeamento, problemas da rede da rua ou é sacanagem da NET mesmo (como o TS pesado ou eles derrubando a conexão quando atinge um determinado limite)? Talvez você tenha alguma notícia sobre algo semelhante ocorrendo com algum conhecido.

PS.: Essa "falta de sincronia ocorre esporadicamente, e tem dias que é só abrir a página do Google já faz o modem ficar incomunicável. E isso ocorre as vezes várias vezes consecutivas...

Abraços.

Carvalho.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Carvalho,

Eu não saberia te precisar; eu verificaria com um vizinho se o mesmo ocorre com ele, para verificar se o problema é na sua conexão em particular ou com a rede conectada ao mesmo nó óptico.

Abraços,

Gabriel.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Primeiramente gostaria de dizer que gostei muito deste tutorial, realmente é muito bom ler estes dados técnicos que você escreve, Gabriel.

Mas me surgiu uma dúvida: em conexões xDSL, o número de usuários conectados e usufruindo da rede simultaneamente não teria um efeito parecido com as redes HFC?

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Mas me surgiu uma dúvida: em conexões xDSL, o número de usuários conectados e usufruindo da rede simultaneamente não teria um efeito parecido com as redes HFC?

Não da mesma forma. A conexão xDSL é uma conexão ponto-a-ponto, estabelecendo uma conexão única e privada entre sua casa e a rede operadora e esta não é compartilhada. Agora, se a rede da operadora não tiver links de alta velocidade com a Internet para dar vazão ao tráfego existente, obviamente o usuário sentirá lentidão na medida em que houver mais tráfego na rede da operadora. Mas isso pode ocorrer com qualquer operadora, independente da tecnologia de conexão.

Abraços,

Gabriel Torres

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

A DSL é mais segura do que o cabo ? porque ela não compartilha a sua conexão com outros assinantes de uma rede , a Internet de fibra óptica é geralmente considerada a mais segura porque é mais difícil de cortar os fios de vidro do que fios de cobre ?

ou depende muito mais do usuario ?

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

farmax,

O nível de segurança da rede é similar, pois um hacker teria de ser muito sofisticado para cortar o cabeamento da operadora para conseguir capturar dados. A segurança do lado do usuário é muito mais fraca do que a segurança do lado da operadora.

Gabriel.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×