Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

Tirando a Limpo: Computação em Nuvem e Virtualização

       
 38.881 Visualizações    Artigos  
 10 comentários

A Web 2.0 é uma realidade e conteúdo sob demanda é o futuro. Este editorial se concentra no uso continuado de chavões de marketing, como “computação em nuvem” e “virtualização”, e o que isso significa para você.

Tirando a Limpo: Computação em Nuvem e Virtualização

Introdução

A era da Internet está atingindo a aurora de um novo tempo, onde tudo pode ser acessado para além das limitações físicas do seu computador. A Internet atual oferece muitos serviços prontos para fornecer conteúdo de maneira instantânea.

Ao investigar como todos esses serviços são hospedados, você descobrirá que sempre há alguma menção à “nuvem”.  Na verdade, ao observar muitos dos serviços nos dias de hoje, você perceberá que a "nuvem" desempenha um papel importante no fornecimento de conteúdo a uma ampla gama de pessoas. A característica mais importante entre aquelas que beneficiam os usuários finais é que todo o conteúdo é sincronizado em conjunto em múltiplas plataformas – seja no PC, telefone celular ou tablet.

No entanto, por mais emocionante que tudo isso possa ser, essa “nuvem” não é exatamente nova; trata-se de mais um chavão para reacender o interesse na tecnologia existente.

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Artigos similares


Comentários de usuários


Espero q num futuro proximo, musica, games e series de Tv e filmes sejam vendidos como SaaS ( software at a servise ) e acabem com essa historia de que fazer download é crime , pirataria e o escambau!!!

Recentemente foi lançado uma ediçao de luxo cheia de extras, comemorativa dos 25 anos de lançamento do album Lifes Rich Pageant, album do R.E.M lançado em 1986. já tem no grooveshark ( serviço on line de musica, como o last.fm ). Do meu desktop, smartphone e notebook, posso escuta-lo gratuitamente, pois todos esses equipamentos tem acesso a net. Se baixa-lo ilegalmente para coloca-lo no meu ipod touch e escutar enquanto caminho, sou um criminoso!!!! Ou seja, escutar on demand no meu Atrix com minha net 3G da Claro pode, escutar via download ilegal no meu ipod é crime, ou seja, quem tem net boa nao precisa mais ser "criminoso", só quem tem net ruim ou nao tem acesso 3G quando esta fora de casa. Sinistro!!!!

Vivemos um momento sui generis q MUITO mais importante q o hardware q você tem, é a qualidade da net q você usa. Tirando os gamers e editores de audio e video q necessitam de muito poder de processamento, o resto ( 95% de nós ) necessita de um processador basico com video integrado e 2Gb de RAM para nossas atividades de lazer digital. é a era pos-PC chegando...

Hah alguns anos um amigo me disse, quando ainda tinha um iphone 3G: "Seu iphone tem acesso 3G? O iphone só mostra realmente seu potencial com acesso 3G!!!! Ele literalmente desabrocha com os programas q precisam da net pra funcionar." Achei engraçado o q ele disse na epoca, mas é a mais pura verdade: smartphone hj sem 3G é sub-utilizado, graças a computaçao em nuvem.

PS: Nao vivo mais sem gmail, hotmail, facebook, twitter,grooveshark e dropbox!!!!!

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Eu só uso meu celular pra internet quando dá problema na GVT, a navegação em celulares ainda é muito precária e sem contar que mesmo sendo 3g é um lixo, mais lerdo impossível,

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Uma dica:

O Rajiv Khotari realmente escreve bem artigos, mas seria bom colocar uma imagem ou outra.

Também achei que poderia ter aprofundado um pouco mais sobre os serviços de computação na nuvem e de virtualização, falando um pouco das possibilidades que criam, como funcionam, alguns já existentes (isso foi feito, mas um tanto resumido demais)

No mais, acho que ele está indo muito bem.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Eu só uso meu celular pra internet quando dá problema na GVT, a navegação em celulares ainda é muito precária e sem contar que mesmo sendo 3g é um lixo, mais lerdo impossível,

Aqui tem em natal tem net 3G boa: 1mb/s e estavel. Dah usar streaming de audio e video legal. Meus amigos até jogam jogam MMO com net 3G!!!!

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Uma pena que 3g não é todo lugar que pega....aqui em casa mesmo, eu tenho uma net de 15mb, e compensação eu mal consigo fazer uma ligação de celular de tão ruim que chega o sinal( já era pra ter reclamar, mas a preguiça acaba não deixando.kkkk)....... Falando em Hotmail, graças a ele é que eu nunca precisei/gostei de usar o outlook( pra mim ele só servia para encher o pc de virus kkk ......)...

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Já faz algum tempo que escrevi algo parecido mas é fato de que no mundo da informática é comum que se "reinvente a roda" varias e varias vezes...

Como toda boa jogada de marketing se faz o uso de palavras e termos da moda, como antigamente era compartilhar perfis dentro do ICQ e hoje é chamado de rede social...

Mas à casos que isso chega ao extremo como esse da Nuvem e da Virtualização, o que é uma simples interfase de e-mail Web, se torna um "monumental sistema em nuves" para os marketeiros, já chegamos à ponte de que um simples sistema de ERP ser chamado de Nuvem ou um emulador de terminal ser chamado de maquina virtual...

Um sistema em nuvem tem que desempenhas as mesmas funções contidas no computador, ou seja, abrir (ler) e criar documentos; receber, enviar e armazenar arquivos, em fim como se fosse sua desktop porém em forma remota no caso dentro da internet com o uso do navenador de internet.

Um simples sistema de hospedagem de arquivos com interfase integrada a celulares e ao windows explorer não se pode ser chamado de Nuvem...

Um exemplo real de computação em nuvem é o CloudMe (antigo iCloud) e o EyeOs que trazem para dentro do navegador todas as funções de um desktop de escritório...

Mas até esses são taxados de Sistemas Operacionais em Nuvens, poxa como vai ser um Sistema Operacional se não controla nenhum hardware sequer? Mais um vez os nomes foram exagerados em nome do maketing...

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Sou mais deixar os meus arquivos quietinhos no meu HD da assinatura e um detalhe sem acesso a internet. Eu não confio os meus arquivos à estranhos isso é como eu mandar todo o meu quarda roupa para uma empresa que toda vez quando eu pedi a roupa que eu for usar eles abriram meu guarda-roupa e separaram as peças que usarei.

Tanto computação nas nuvens, quanto virtualização é apenas modinha para fazer o pessoal aderir a isso já que é uma tecnologia antiga à anos utilizada.

Só dará certo mesmo em países avançados aonde que se paga 100 reais por uma internet de 25Mbps

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Pessoal, não sei se analisam o mundo na mesma visão que eu, mas vou explanar o que to pensando atualmente e muitos podem discordar ou achar que sou louco, mas vamos a alguns questionamentos...

1- Se você usa o sistema bancário seu dinheiro está na nuvem, não é mais seu, se acontecer um crack, já era. Mas em um colapso mundial pra que dinheiro? O que valerá será o acesso a água, comida e um lugar quente;

2- Estamos vivendo perigosamente na era digital, tudo a nosso respeito está se digitalizando, ou é 0 ou 1 e essa sequência está acabando com nossa história de verdade, fotos, vídeos, músicas, livros, não existem mais fisicamente como antigamente, em caso de um crack digital perderemos muita coisa;

3- Porque estou falando nisso? Porque nossa vida está dependente da internet e computação e isso é fato, quem aqui fica um dia sem se conectar a esse mundo surreal?

Eu abri a minha mente quando vivi na pele o apagão quando explodiram o cabo de energia que ligava a ilha de Florianópolis ao resto do mundo e ficamos uns 3 ou mais dias em completa escuridão, sem internet, sem energia, sem nada, aí você para e pensa na vida real e como era antigamente... Você chega a uma conclusão que somos muito frágeis nesse planeta e quanto mais dependemos dessas tecnologias mais frágeis ficamos, alguém imagina quanto tempo duraria a atual civilização em caso de uma nova guerra mundial ou um desastre natural de grandes proporções?

O que mais é útil ao meu ver nessa "nuvem" é usarmos os arquivos que ficam armazenados nos servidores, podemos acessar de qualquer CPU sem ter-los no HDD, podemos compartilhar tudo, mas o que manda é a velocidade da internet, quanto mais rápida melhor a comunicação e mais conteúdo pesado pode entrar nessa jogada, quem imaginava a um tempo atrás que um arquivo de filme pudesse ter a qualidade atual Full HD e ocupar tanto espaço de armazenamento? As locadoras serão virtuais, mas isso depende ainda da evolução do cliente e da banda de transmissão.

Editado por Sambaquy

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Me desculpe o autor, mas o texto está com várias falhas:

1) Virtualização:

- Realmente a IBM foi a primeira a usar este recurso, só que em 1972 no sistema operacional VM (= Virtual Machine) (http://en.wikipedia.org/wiki/VM_(operating_system) )

- Você disse "..era possível executar vários aplicativos ao mesmo tempo..". A ideia principal da Virtualização não é rodar vários APLICATIVOS ao mesmo tempo, e sim num máquina física você executar vários SISTEMAS OPERACIONAIS ao mesmo tempo. A propria IBM com o MVS e VSE, como outros por ex. Unisys, Unix, etc, já tinha sistemas operacionais que executavam vários aplicativos ao mesmo tempo.

- O Windows XP não é um exemplo de virtualização. Ele tem apenas uma função de acesso remotamente. Apenas um usuário tem o controle do sistema, ou remoto ou o que está usando o teclado+video.

- O Citrix e o Windows Terminal Server(WTS) é uma evolução do acesso remoto do XP, onde vários usuários podem estar conectados nele, como se cada um tivesse sua máquina própria. Mesmo aqui, também não estamos usando de Virtualização, pois tem apenas um Sistema Operacional execuntado na máquina física. Neste caso, usa o mesmo conceito dos mainframes, onde você tem uma máquina com um sistema operacional (= WTS) e vários usuarios conectados via terminais (= programa de acesso remoto Windows).

- Os produtos que fazem virtualização são por VMWare, Sun Virtual Box, Microsoft Virtual PC. Neste caso, você instala um deste produto num sistema operacional, chamado de hospedeiro, que pode ser um Windows ou Linux ou iOS ou etc, e nele você poderá N outros sistemas operacionais iguais ou diferentes, que são chamados de convidados. Então, por ex., você pode instalar o SUn Virtual Box num Linux qualquer e instalar debaixo do Virtual Box um ou vários Windows XP, Windows Terminal Server, Citrix, Linux Ubuntu, Linux Redhat, Suse Linux, MS/DOS, OS/2, etc. Se você derrubar um destes sistemas convidados, não vai afetar os outros e nem o hospedeiro.

- Um "problema" na virtualização e sistemas nativos (apenas um sistema operacional na máquina) e que se você precisar de mais recursos (por ex. memória, disco, etc) você adiciona em degraus, sempre fica uma porção sem utilizar. Por ex. se sua máquina tem 500GB de disco e este encher; você adiciona por ex. mais 500GB. Este poderá ficar com espaço desperdiçado por um bom período. E se por ex. suas aplicações estão usando 700GB e você para de usar algumas que libera 300GB, ficando 400GB. O que você faz com o disco de 500GB? Fica desperdiçado...

2) Computação nas nuvens:

- O principal objetivo na computação nas nuvens não é apenas a possibilidade de acesso remoto. Isto não é nenhuma novidade, você já tem a várias decadas com Unix/Linux/Mainframe de uns 15 anos com o acesso remoto ao Citrix, WTS, servidores Web, etc.

- Os principais objetivos são:

a) A computação nas nuvens irá alocar recursos para sua aplicação na medida certa. Se ela precisar de 400GB de disco irá alocar os 400GB, se mais tarde você precisar de mais 300Gb, ela aloca para você, se você não precisar de 200Gb, ela desaloca para você. Ou seja, você não terá recurso de máquina desperdiçado e nem ira na loja ou fazer uma licítação para comprar mais recurso, ela irá fazer isto automaticamente para voce.

B) Pagar pelo uso: você só irá pagar pelo que usar, seja com software e/ou com hardware. Por ex., no seu computador ou numa máquina virtual você pagou pelo pacote office completo, mas por ex. usar o Word algumas horas todos os dias, o Excel algumas horas por semana, o Power Point algumas horas por mês; ou seja você pagou (as vezes caro) por programas que não usa tanto assim.

c) Disponibilidade: para manter sua aplicação convencional no ar 24 horas por dia, você tem que fazer espelhamento de servidores, conexão de internet, no-breaks, backups, etc...No caso da computação nas nuvens, ela já providencia isto tudo para você. Sua aplicação e dados são processados em mais de uma máquina e em caso de falha, outra assume o controle e o usuário nem fica sabendo que houve um problema por trás.

d) Profissionais: para manter sua aplicação convecional 24h no ar, você precisará manter pessoas responsáveis para isto.Os provedores de serviços em computação nas nuvens providencial isto para você.

e) Custos: nunca fiz um levantamento para dizer qual é mais vantajoso. Acho que cada caso é um caso, ambos tem que ser levado em consideração. Lembre-se que na computação convencioanl você tem o custo dos servidores, programas, no-break, equipamentos refrigeração, eletricidade, infra-estrutura para montar a sala, imovél (aluguel ou "desperdicio" da área com equipamentos), etc, mais a manuteção de todos os itens.

f) Segurança: se o problema é colocar seus aplicativos apenas dentro da sua empresa, existe a possibilidade de fazer uma nuvem privada, onde usuários da Internet não tem acesso. Senão, criei uma rede pública ou até um hídrida, onde parte da aplicação é pública e outra é privada.

Editado por evandropg

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×