Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

As Novas Placas Voodoo: Voodo4 e Voodoo5

       
 33.661 Visualizações    Artigos  
 0 comentários

Veja as novas placas da Voodoo.

As Novas Placas Voodoo: Voodo4 e Voodoo5

Introdução

A 3dfx, desde sua fundação em 1994, vem trazendo significativas mudanças ao mercado de placas de vídeo, introduzindo tecnologias que revolucionavam os conceitos sobre 3D em PCs. Em 1995, introduziu a primeira placa de vídeo dedicada ao processamento 3D do mundo, a Voodoo. Era um processamento dedicado e, portanto, precisávamos de uma placa "secundária" para o 2D. Nesta data, o máximo de resolução que poderia se chegar em 3D era 320x240, com 4 MB de memória on-board, EDO, de 50 MHz de clock e de 16 bits. O processador 3D chegava a 50 MHz. A taxa de preenchimento das texturas chegava a cerca de 45 megapixels por segundo.

Em 1996 foi também uma data importante para a 3dfx, pois neste ano sua API própria (Glide) foi melhor desenvolvida, e surgiram muitos títulos no mercado especificamente criados para trabalhar com a aceleradora Voodoo. Neste ano, a 3dfx lança o chipset Voodoo Rush, primeira placa da 3dfx a admitir um chipset 2D junto com seu processador 3D. Seus números: um milhão de polígonos por segundo e 45 megapixels por segundo de taxa de preenchimento. Com 6 MB de memória, barramento PCI e resolução de 640x480, apresentava um desempenho bom na época. No ano seguinte, em 1997, veio a segunda onda: a próxima geração das Voodoos, a Voodoo2.

Com esse chipset, a 3dfx mostrava ao mundo o que era poder de processamento. Introduziu um novo mecanismo de processamento 3D com dupla canalização (pipeline) para processar as texturas, o que resultava em praticamente dobrar o desempenho em jogos otimizados (como o Quake2 , por exemplo) e aumentar muito a taxa de preenchimento (fill-rate) da placa. Assim, não existia concorrência frente à 3dfx, pois seu engine era capaz de processar duas texturas por ciclo de clock enquanto todas as outras aceleradoras conseguiam processar apenas uma por vez. Outras razões para seu grande sucesso: suporte à Direct3D e OpenGL, até 12 MB de memória (dedicando 4 MB para frame buffer e 8 MB para texturas), e uma tecnologia que marcaria a 3dfx para sempre: a tecnologia SLI (Scan Line Interleave).

Esta técnica permitia que duas placas 3dfx idênticas, Voodoo2 PCI, trabalhassem em paralelo no mesmo sistema, dobrando o desempenho. Com o SLI, a resolução máxima aumentou para 1024x768 e a memória para 24 MB. Nada podia ser comparado ao desempenho deste conjunto imbatível. Mesmo atuando sozinha, sendo a primeira placa 3D de processamento 64 bits, 90 MHz de frequência para o processador e memória, por muito tempo esta placa foi o topo no mundo 3D. Esse chipset, o Voodoo2, foi o grande responsável por quase todo o reconhecimento que a 3dfx dispõe ainda hoje.

Em seguida, já em 1998, a 3dfx introduziu o chipset Voodoo Banshee, a primeira solução 2D/3D da 3dfx. Carregada com 16 MB de memória e frequência de clock de 110 MHz (em processo de produção de 0,35 mícron), chegaria a até 125 MHz (em processo de 0,25 mícron), esta placa, mesmo sendo mais recente, não poderia mesmo chegar aos pés de um conjunto Voodoo2 SLI, porque, em seu projeto, o mecanismo de processamento textural duplo de passo único (que processa dois pixels por ciclo de clock) não foi adotado, ficando com um mecanismo de processamento simples (igual a seus concorrentes). Assim, o desempenho desta placa, mesmo sendo fantástico para a época, era apenas um pouco maior do que uma Voodoo2 sozinha.

Suas taxas de preenchimento chegavam a 115 megapixels por segundo, enquanto uma Voodoo2 rodando em 90 MHz podia chegar a 90 megapixels por segundo. Como um par de Voodoo2 (em SLI) era um sonho de consumo que muito poucos poderiam realizar na época, a Banshee (principalmente através de grandes fabricantes de placas como a Diamond e seu modelo Monster Fusion) fez um enorme sucesso. A maior surpresa com a chegada desse chipset era a excepcional qualidade e desempenho 2D de seu chipset, superando tradicionais reis do 2D: ATI e Matrox. Esse incrível projeto foi a base do próximo lançamento da 3dfx, o Voodoo3.

Em 1999, a 3dfx novamente sacudiu o mundo. Com o anúncio do chipset Voodoo3, a 3dfx, apostava todas suas cartas no sucessor de uma marca que já era sucesso absoluto, mantendo as características, ajustando o que era necessário (como aumento da frequência de clock para o processador e memória), incluindo um engine de 128 bits para 2D e 3D, taxas de preenchimento muito elevadas (podendo chegar a até 366 megapixels por segundo e 8 milhões de polígonos por segundo de processamento, no modelo multimídia Voodoo3 3500 TV).

Enquanto isso, seus principais concorrentes, como NVIDIA, Matrox, ATI, S3 (Diamond), tinham produtos de ótimas características técnicas e inovações que estavam ausentes na Voodoo3, como suporte pleno ao barramento AGP 2x e até mesmo 4x (pois as placas da 3dfx não fazem texturização pelo AGP), suporte à renderização de 32 bits (a 3dfx continuava apenas nos 16 bits, embora que com ótima qualidade) e 32 MB on-board (a 3dfx tinha apenas 16 MB).

Apesar destas deficiências, o chipset Voodoo3 mostrou-se de grande capacidade de processamento e o maior nível de compatibilidade com jogos de seus concorrentes, pois suporta nativamente a API Glide, além do OpenGL e Direct3D. Em 1999, a 3dfx passou de fabricantes de chipsets para fabricantes de placas, após a aquisição da STB. Por essas e outras razões, a 3dfx hoje é o terceiro maior fabricante do mundo de placas de vídeo, atrás somente da ATI e S3 (Diamond).

Com uma história como essa, todo o alvoroço em torno do anúncio do novo processador 3dfx já era esperado...

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Comentários de usuários


Não há comentários para mostrar.



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×