Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

TurboCache e HyperMemory

       
 94.095 Visualizações    Tutoriais  
 6 comentários

Cuidado para não ser enganado pelas tecnologias TurboCache da NVIDIA e HyperMemory da ATI. Placas com estas tecnologias estão sendo anunciadas como sendo de 256 MB mas na verdade são de 64 MB ou 128 MB.

TurboCache e HyperMemory
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Tanto a NVIDIA quanto a ATI lançaram novos chips gráficos voltados para placas de vídeo de baixo custo baseados no novo barramento PCI Express, ambos usando uma nova tecnologia que "rouba" parte da memória RAM do micro para ser usada como memória de vídeo. Esta tecnologia é chamada TurboCache (ou simplemente TC) pela NVIDIA, enquanto a ATI a chama de HyperMemory. Os chips lançados com esta tecnologia são o GeForce 6200 da NVIDIA e o Radeon X300 da ATI.

Como a placa de vídeo usa parte da memória RAM do micro para formar sua memória de vídeo, a placa pode ser fabricada com pouca memória de vídeo, barateando o seu custo. A contrapartida é que seu micro ficará com menos memória RAM disponível.

O problema é que os fabricantes de placas de vídeo estão anunciando suas placas de vídeo como se elas tivessem mais memória de vídeo do que realmente possuem, na maioria dos casos dizendo que ela "suporta 256 MB de memória", o que pode levar o usuário incauto a achar que trata-se de uma placa com 256 MB de memória de vídeo, o que não é verdade. Por exemplo, a placa GV-NX62TC256D da Gigabyte tem apenas 64 MB de memória de vídeo, mas é anunciada como tendo "suporte a 256 MB de memória de vídeo". Na realidade a diferença a placa "rouba" do sistema. Podemos dar como exemplo na linha da ATI a PowerColor Radeon X300 SE, que tem 128 MB de memória de vídeo mas é vendida "com 256 MB HyperMemory".

A NVIDIA nos mandou um e-mail esclarecendo alguns pontos interessantes sobre este artigo:

"Com o TurboCache o driver de vídeo usa a memória do micro para aumentar a quantidade de memória de vídeo de acordo com o que a aplicação precisar. Dessa forma, o chip GeForce 6200 com TurboCache pode oferecer a mesma experiência que um chip não-TurboCache. Aliás, um chip TurboCache é melhor que um não-TurboCache no quesito preço. Dessa forma, não faz diferença para o usuário final o local onde a memória de vídeo está.

Nós temos regras sobre como as embalagens dos produtos baseados no TurboCache devem ser, para termos certeza que os produtos estão rotulados de maneira clara. Essas regras incluem especificar o quanto de memória de vídeo a placa possui e que um PC com 512 MB de memória é necessário para obter todo o potencial da placa como se ele tivesse 128 MB. Quando sabemos que algum parceiro não está seguindo essas regras, nós trabalhamos para corrigir esse problema o mais rapidamente possível."

A NVIDIA também nos explicou que o GeForce 6200 com TurboCache está disponível em várias configurações de memória: 32 MB ou 64 MB, com interface de 64 bits ou 128 bits, e com clock de memória de 275 MHz ou 350 MHz. Dessa forma, você deve prestar muita atenção ao comprar uma placa de vídeo baseada no GeForce 6200, já que uma placa de um fabricante pode ser mais rápida do que de outro por causa da configuração de memória usada.

A ATI também tem essa questão da placa usar interface de 64 bits ou 128 bits, mas pelo menos eles adicionam essa informação no nome do produto: Radeon X300 designa a placa de 128 bits, enquanto Radeon X300 SE designa a placa de 64 bits.

Como você pode ver, a idéia por trás dessa tecnologia é a mesma do vídeo on-board – chamada UMA, Unified Memory Architecture –, que também rouba parte da memória RAM para ser usada como memória de vídeo, com a diferença de a placa já vir com um pouco de memória de vídeo (64 MB ou 128 MB), usando a memória RAM do sistema somente se o jogo precisar de mais memória de vídeo.

Para aqueles que não sabem. esta idéia não é nova. Ela surgiu com o barramento AGP, que também oferece este recurso mas foi muito pouco usado. Na época, os fabricantes acabaram chegando à conclusão de que era melhor colocar mais memória de vídeo na placa do que "roubar" memória do sistema, por questões de desempenho. Mas naquela época o AGP operava a 528 MB/s e um PC típico tinha 16 MB de memória, quando muito. O barramento PCI Express x16 opera a 4 GB/s e um PC típico hoje tem 256 MB de memória.

O mercado-alvo dessa nova geração de placas de baixo custo é justamente o de usuários que querem o micro mais barato possível mas querem um desempenho 3D um pouco melhor que o oferecido pelo vídeo on-board. Mas como essas placas são baseadas no barramento PCI Express, que foi lançado há muito pouco tempo, necessitando de placas-mães de última geração, a solução pode não ser tão barata assim – pelo menos por enquanto.

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Comentários de usuários


Estão tentando voltar no tempo....

Isso de a VGA pegar a RAM para armazenar qualquer tipo de coisa, é furada...

Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Não tentem complicar.

É mais fácil se ter uma Vga simples, como uma PCX 5300 que ja vem com 128MB, e não precisar roubar a RAM do micro...

E outra que, o caminho que ela tem que fazer gera inúmeros NS, pois veja bem...

Da memória, para o Processador, depois para o NorthBridge para finalmente chegar a Vga. Uma grande perda de desempenho...

Flws! :joia:

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Estou tentando montar um computador de nível razoável e depois de ler o artigo acabei em dúvida. Tinha em mente um K8 Sempron64 754P 3000+, uma placa mãe Asus K8N4-E Deluxe que possui PCI express, 1024MB de mémória RAM DDR 400 da Spectek e utilizando a VGA PCI Express GF6200TC "256MB" Dual+TV da Prolink.

Minha dúvida é que se seria uma boa opção permanecer com essa configuração devido a presença da tecnologia PCI Express e boa quantidade de Memória RAM e assim o computador teria seu desempenho pouco afetado ou se seria melhor comprar uma placa mãe com AGP adquirir uma VGA AGP 8X de valor equivalente com mais memória(aproximadamente 90 dólares).

Outra coisa q me preocupa é q se realmente, como disse o artigo, essas placas com tecnologia "turbo cache" seríam apenas placas on board com desempenho 3D um pouco superior, situação essa q jamais compensaria o dinheiro investido. Essa afirmãção não seria um tanto exagerada?

Bom, se alguém tiver alguma sugestão mesmo quanto a configuração geral do computador eu agradeceria muito.

valeu!

:muro:

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Alguem Sabe como Desativar o Turbo cache da GF XFX6200Tc ...

Por favor quem souber me ajuda que to enrolado com isso ...

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Olá,

A partir do paragráfo abaixo, dúvidas que me apareceram:

"Para aqueles que não sabem. esta ideia não é nova. Ela surgiu com o barramento AGP, que também oferece este recurso mas foi muito pouco usado. Na época, os fabricantes acabaram chegando à conclusão de que era melhor colocar mais memória de vídeo na placa do que "roubar" memória do sistema, por questões de desempenho. Mas naquela época o AGP operava a 528 MB/s e um PC típico tinha 16 MB de memória, quando muito."

A HyperMemory é feito por software (driver)?

O recurso de HyperMemory poder ser feito em placas AGP antigas?

Na minha situação, tenho um notebook com uma radeon ATI 7500 16 MB e 2GB de ram. Teria como usar o HyperMemory para aumentar a memória de video?

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Answer: ATI 's HyperMemory , on the other hand, is done entirely in software, and is enabled on virtually all of their hardware. While conceivably this is a bonus and should at least marginally improve performance on any system with ATI hardware, the flipside is that most often the latency is too poor for it to be of any real benefit to any but the lowest grade of parts.

http://www.notebookforums.com/thread157799.html

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Este é um assunto mais controvérsio que meramente apurrinhar-mos esta UMA coibida. Devo dizer que não compartilho a opinião condenadora acima da TC (sendo uma tecnologia esclusiva para o barateamento de componentes e subseqüentemente queda de desempenho).

De certo, quando a placa-de-vídeo requer, ela irá "furtar" Memória do PC, entretanto, ela tinha de onde extrair esta memória. Em outras palavras, se a memória está disponível devemos condenar a interface gráfica por utilizar-se dela?

Por outro prisma, você estaria fazendo um uso inteligênte de sua memória total. Pois, em um sistema com memória de vídeo dedicada, quando esta estivesse sendo subutilizada, permaneceria inerte, desperdiçada (e claro, você pagou mais por essa memória).

É uma ideia semelhante a do SmartCache da Intel. Se um núcleo precisa de Cache e o outro têm disponível, ele o empresta. A chave está no balanceamento (obviamente, seria impraticável uma placa de vídeo sem memória).

O grande entrave desta qüestão é a índole do fabricante (e ou revendedor) que, querendo ou não, passa uma ideia errada sobre o produto. Ex: Omitindo sua memória de vídeo real; número de bits; etc.

É possível, em minha opinião, conceber até mesmo placas de alta performance beneficiando-se desta tecnologia (se pudermos pôr desta forma). Um ajuste fino (Como uma "Memória de Vídeo Virtual" - semelhante à "verdadeira" Memória Virtual - utilizada quando a memória RAM "estoura", mas para a VGA), faria com que não houvesse uma dependência da interface à RAM do micro, mas um apoio, afinal não há memória que chega hoje em dia.

Com alguns melhoramentos e outra embalagem, a TC poderia sim ter muitas coisas à agregar.

Infelizmente, é claro, o TurboCache/HyperMemory não foi contruído para explorar este campo, mas para baratear custo mesmo e "roubar" a RAM - ao invés de proporcionar um recurso extra ao uso da memória.

Certamente, no entanto, será difícil ver um micro com 4GB de RAM sofrer ao ter que doar 256MB à placa de vídeo de 1GB para gerar uma imagem 3D sem perder velocidade.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×