• Comunicados

    • Gabriel Torres

      Seja um moderador do Clube do Hardware!   13-02-2016

      Prezados membros do Clube do Hardware,

      Está aberto o processo de seleção de novos moderadores para diversos setores ou áreas do Clube do Hardware. Os requisitos são:
        Pelo menos 500 posts e um ano de cadastro; Boa frequência de participação; Ser respeitoso, cordial e educado com os demais membros; Ter bom nível de português; Ter razoável conhecimento da área em que pretende atuar; Saber trabalhar em equipe (com os moderadores, coordenadores e administradores).   Os interessados deverão enviar uma mensagem privada para o usuário @Equipe Clube do Hardware com o título "Candidato a moderador". A mensagem deverá conter respostas ao formulário abaixo:    Qual o seu nome completo? Qual sua data de nascimento? Qual sua formação/profissão? Já atuou como moderador em algo outro fórum, se sim, qual? De forma sucinta, explique o porquê de querer ser moderador do fórum e conte-nos um pouco sobre você.   OBS: Não se trata de função remunerada. Todos que fazem parte do staff são voluntários.
Entre para seguir isso  
Seguidores 0
OFAJ

Inclusão Digital ainda é Promessa

1 post neste tópico

Economia - O ESTADO DE S. PAULO - Segunda-feira, 3 de Janeiro de 2005.

Inclusão Digital ainda é Promessa

Anunciada para final de 2004, universalização do acesso à internet banda larga não tem mais data definida.

Clarissa Oliveira

O governo federal bateu com força na questão da inclusão digital em 2004. Diversos projetos fizeram parte dos discursos da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), dos ministérios das Comunicações e da Ciência e Tecnologia e do próprio presidente Lula. No entanto, o ano chegou ao fim sem resultados efetivos para duas das propostas que mais criaram expectativas: o Serviço de Comunicações Digitais (SCD) e o aproveitamento dos recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust).

O SCD nasceu com grandes promessas de levar o acesso à internet em banda larga para escolas, hospitais e instituições públicas. Diversos testes foram feitos durante o ano, com base em tecnologias como o CDMA na freqüência de 450 MHz, o acesso via satélite e até mesmo a internet pela rede elétrica, também conhecida como PLC (Power Line Communications).

Inicialmente, o plano era começar a operação do serviço no quarto trimestre de 2004, prazo que foi ampliado posteriormente para algum momento no início de 2005. Mas até agora o governo sequer escolheu qual dos padrões testados é o mais adequado para o programa.

O Fust, por sua vez, se transformou na grande decepção do ano. O fundo, que corresponde a uma fatia de 1% do faturamento das operadoras de telecomunicações recolhida todo mês, deveria ser integralmente destinado a iniciativas de universalização das telecomunicações. Os cerca de R$ 3 bilhões arrecadados até o final de 2004 seriam usados até para bancar o SCD. Mas, por volta do meio do ano, a Anatel já começava a dizer que apenas parte dessa verba seria aplicada no projeto.

As operadoras não demoraram muito para perceber o problema, e em outubro, ameaçaram depositar o Fust em juízo. O objetivo era deixar claro o descontentamento com os sucessivos bloqueios dos recursos. Em primeiro lugar, o dinheiro ficou parado devido ao conflito das interpretações da lei que criou o fundo. Depois, para gerar superávit primário.

Algumas semanas antes do fim do ano, o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação do governo, Luiz Gushiken, comentou o bloqueio dos recursos alegando que o governo enfrentou "problemas de contingenciamento", e "precisou olhar o orçamento como um todo". No mesmo evento, representantes do Ministério das Comunicações já falavam em buscar outra forma de tirar o projeto de inclusão digital do papel, ou seja, "fazer o SCD sem o SCD" - como reiterou na última quinta-feira o ministro interino, Paulo Lustosa.

REAVALIAÇÃO

Apesar do clima de insatisfação, as empresas de tecnologia e telecomunicações interessadas podem se beneficiar da inclusão digital. Na avaliação de alguns executivos, esta poderia até ser uma oportunidade de convencer o governo a rever o regime de exploração do SCD, por exemplo. Segundo o plano inicial, o serviço seria o único prestado em regime público no País, com exceção da telefonia fixa. Outros, como a telefonia móvel, funcionam com base num regime privado.

A Lucent Technologies argumenta há muito tempo que seria possível fazer o SCD sem os recursos do Fust. Para isso, o governo teria apenas de liberar a comercialização de serviços de acesso à internet para as residências e o comércio próximos a escolas e instituições públicas beneficiadas por essa estratégia. Ou seja, as receitas geradas com a exploração comercial sustentariam a oferta de acesso gratuito às áreas incluídas no plano de universalização. Quem acredita nessa possibilidade argumenta que o governo terá de encontrar uma forma de tirar a inclusão digital do papel até o final de 2005, para evitar críticas no período de eleições.

CETICISMO

No fim das contas, o setor inicia um novo ano com a sensação de que a inclusão digital ocorrerá sem alguns de seus pilares iniciais. Algumas empresas dizem que já desistiram há muito tempo do dinheiro arrecadado até agora pelo Fust e pedem um compromisso do governo de aplicar na inclusão digital pelo menos o dinheiro que for arrecadado a partir de agora. A expectativa é de que, em 2005, sejam coletados cerca de R$ 600 milhões.

* Noticia supra é fiel à íntegra publicada no jornal, com nome da Fonte, Autor Original e Link para acesso ao veículo inseridos no corpo do tópico.

ABS.,

ATT., :joia:

OFAJ.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!


Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.


Entrar agora
Entre para seguir isso  
Seguidores 0