Ir ao conteúdo
  • Comunicados

    • Gabriel Torres

      Seja um moderador do Clube do Hardware!   12-02-2016

      Prezados membros do Clube do Hardware, Está aberto o processo de seleção de novos moderadores para diversos setores ou áreas do Clube do Hardware. Os requisitos são:   Pelo menos 500 posts e um ano de cadastro; Boa frequência de participação; Ser respeitoso, cordial e educado com os demais membros; Ter bom nível de português; Ter razoável conhecimento da área em que pretende atuar; Saber trabalhar em equipe (com os moderadores, coordenadores e administradores).   Os interessados deverão enviar uma mensagem privada para o usuário @Equipe Clube do Hardware com o título "Candidato a moderador". A mensagem deverá conter respostas às perguntas abaixo:   Qual o seu nome completo? Qual sua data de nascimento? Qual sua formação/profissão? Já atuou como moderador em algo outro fórum, se sim, qual? De forma sucinta, explique o porquê de querer ser moderador do fórum e conte-nos um pouco sobre você.   OBS: Não se trata de função remunerada. Todos que fazem parte do staff são voluntários.
Entre para seguir isso  
Guest Arbru

[Resolvido] Amd 64 X Intel Pentium E Xeon

Recommended Posts

Guest Arbru

Bom dia,

Aparentemente as pessoas quando avaliam os processadores da AMD e Intel, dificilmente conseguem ser imparciais. Ou tendem para um fabricante ou para o outro.

Independentemente do benchmark a ser adotado para análise, o ponto crucial que devemos analisar e que não vai aparecer nos benchmarks, é que não podemos comparar o Athlon 64 ou Opteron com o Pentium ou Xeon. São tecnologias totalmente diferentes, além do processador da AMD estar tecnologicamente mais avançado do que o da Intel.

Se quisermos fazer uma conparação real, façamos o benchmark do Itanium com o Opteron. Não é difícil saber que o Itanium perde para o Opteron tanto em performance como em custo/benefício.

Falando em custo/benefício (afinal, ninguém fabrica dinheiro), aqui está o maior incentivo à adoção da plataforma AMD 64, tanto por empresas como para os usuários mais ávidos por performance ou que precisem de alto desempenho para computação gráfica ou editoração de vídeo.

A plataforma 64 da AMD é mais barata, quando observamos que ela tanto opera em 32 como em 64 bits. Portanto, para se otimizar o uso, é só trocar o sistema operacional, sem a necessidade de troca de hardware (Itanium).

Para analizarmos o futuro de um processador, basta olhar para o mercado e ver quem o adota em escala. A SUN desde o primeiro dia de 2004 somente terá processadores Opteron em seus equipamentos, não mais da Intel. Se ela não vislumbrasse a quebra de paradigma da AMD, jamais teria feito tal aposta. Também tem a Apple, que em um processador 64, que é fornecido pela IBM (Não conte a ninguém, mas é um Opteron!!!).

Os grandes fabricantes de jogos e aplicativos gráficos já estão desenvolvendo em 64 bits. Se 64 bits significa que você tem o dobro de dados passando pelo barramento, dá para imaginar o tipo de resolução que os jogos de 64 estão prometendo. Sem falar nso produtos comerciais, como banco de dados, suítes de aplicativos, servidores de email, entre outros.

A questão não é quem é mais rápido, mas quem tem a melhor tecnologia e que é capaz de se manter por mais tempo, pois ninguém fica trocando de computador todo ano (pelo menos a grande massa). Nesse quesito, vence a AMD, já que a Intel, apesar de seus esforços, ainda está presa no 32 bits não interessando quantos megas e níveis de cache ela adicionar ao processador. Por que se você comprar um micro de plataforma 32 bits e você quiser jogar ou instalar um aplicativo 64, pode chorar na cama, pois terá que comprar tudo de novo.

Se você quer comprar um micro novo ou um novo servidor, invista naquele que vai se manter com a possibilidade de escalabilidade maior. Não se decida apenas em benchmarks, que na verdade testam alhos com bugalhos.

MAS ATENÇÃO - Os processadores 64bits da AMD também se dão muito bem nos benchmarks, e em vários, ultrapassam os da Intel.

Alvaro Rodrigues

alvaro@ipnetsolucoes.com.br

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Amigo, seu texto tem boas intenções, mas está cheio de erros...

é que não podemos comparar o Athlon 64 ou Opteron com o Pentium ou Xeon. São tecnologias totalmente diferentes

Muito pelo contrário. O núcleo do processador (Athlon 64 com Operon e P4 e Xeon) são os mesmos. A diferença é mínima. O que muda é o cache, acesso a memória, pouca coisa MESMO.

Se quisermos fazer uma conparação real, façamos o benchmark do Itanium com o Opteron. Não é difícil saber que o Itanium perde para o Opteron tanto em performance como em custo/benefício.

Em termos de custo/prejuízo o Itanium só ganha do P4EE ;)

Para analizarmos o futuro de um processador, basta olhar para o mercado e ver quem o adota em escala. A SUN desde o primeiro dia de 2004 somente terá processadores Opteron em seus equipamentos, não mais da Intel.

Sem dúvida nenhuma. Essa história que Athlon não é confiável, que queima é balela. Os clientes da SUN esperam produtos com um nível baixíssimo de defeito e se a SUN aposta no Opteron é que sabe que é tão confiável quanto um Intel (ou mesmo que um SUN Sparc)

Se 64 bits significa que você tem o dobro de dados passando pelo barramento, dá para imaginar o tipo de resolução que os jogos de 64 estão prometendo.

64 bits não é isso. Desde os PII da vida que o barramento de memória dos procs tem 64 bits de largura. 64 bits quer, essencialmente, dizer 2 coisas.

1 - Operações com 64 bits (i.e. somar 0xaabbccddeeff0011 com 0x0011223344556677) com apenas uma operação, sem picar o número

2 - Ponteiros de 64 bits (i.e. endereçar até 2^64 bytes de memória)

Se você quer comprar um micro novo ou um novo servidor, invista naquele que vai se manter com a possibilidade de escalabilidade maior.

Traduzindo: Não torre R$5000,00 num P4 soquete 423 assim que ele for lançado...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bem, não é apenas fazer operações com números de 64-bit, mas sim ter registradores de uso geral com capacidade para 64-bit.

Um processador 32-bit faz operações com números de 64-bit, mas não é nativo (por software deve-se usar dois registradores de 32-bit pra guardar o valor de 64-bit).

Outra coisa. Dizer que são os mesmos já é tão extremado quanto dizer que eles são totalmente diferentes.

São processadores que seguem uma mesma arquitetura, mas é só olhar o diagrama de blocos desses processadores e você verá que dizer que são iguais é algo radical. Dizer que eles tem um mesmo princípio de funcionamento tudo bem.

Mas se você comparar uma Alpha EV6 com um Athlon você irá ver muitas semelhanças (bem mais do que com um Pentium 4), mesmo um processador sendo 64-bit RISC e o outro sendo um x86.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Guest Arbru
  • Autor do tópico
  • Bom dia,

    Vejo que o pessoal está em dia com as tecnologias. Realmente minha intenção não era a de ir profundamente na parte técnica do 64, como registradores ou barramento, mas apenas dar uma ideia mais básica para quem nunca viu 64-bits e não faz ideia do que seja um registrador.

    Mas agora com a explicação mais detalhada, não tem esse problema.

    O que queria mesmo enfatizar é que o pessoal que normalmente faz benchmark, nunca fala sobre a diferença de tecnologia. Que ao comprar um sistema 64, você está indo onde o Penitum jamais irá, pois ele vai morrer 32-bits.

    Então não interessa se a Intel lançar o Prescott, colocar mais megas no cache L3 ou L4. Ao comprar um equipamento de desempenho (workstation ou servidor), você ainda estará na plataforma antiga de 32-bits.

    Isso eu nunca vi falarem ou recomendarem atenção. Sempre vejo um grande preconceito quanto à plataforma da AMD, principalmente no quesito de workstarions e servidores.

    Um abraço a todos!!!

    Alvaro

    alvaro@ipnetsolucoes.com.br

    Compartilhar este post


    Link para o post
    Compartilhar em outros sites
    Visitante
    Este tópico está impedido de receber novos posts.
    Entre para seguir isso  





    Sobre o Clube do Hardware

    No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

    Direitos autorais

    Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

    ×