Dicas para se entender com o micro

Publicado nos jornais Diário de Pernambuco, Recife/PE, em 23 de junho de 1999 e no Correio Braziliense, Brasília/DF, em 29 de junho de 1999

Ele é conhecido como o professor Gabriel, tem 24 anos e é o autor de livros sobre informática que mais vende no país, com 50 mil exemplares comercializados. Formado em eletrônica, ele diz que desde os 9 anos costuma desvendar os segredos do micro. O seu último lançamento é a 2ª edição do livro Manutenção e Configuração de Micros Para Principiantes, lançado pela Axcel Books, 544 páginas, R$ 69,00. O professor ensina algumas lições importantes sobre profissionais da área: cheque as credenciais daqueles que se dizem técnicos e pense duas vezes antes de chamá-los. Afinal, pode ser algo que o usuário consiga resolver. Com a experiência de quem corrige um problema com a mesma facilidade que aperta o botão enter, o professor diz que é possível aprender em 15 minutos as principais lições para se virar sozinho. Exageros à parte, este livro não é um Lair Ribeiro do mundo do hardware. Mas traz boas liçõe spara usuários que sejam aprender o caminho da salvação. Nesta entrevista concedida à reportagem do DIÁRIO, Gabriel Torres dá dicas para que até os mais incautos façam as pazes com o seu PC. E revela como consegue escrever tantos livros, manter um site de sucesso e se divertir, porque nem todo dia é dia de nerd. Este, aliás, é um estigma que irrita o professor. Ele garante que é uma pessoa normal e que gosta de cinema e pizza.

Quais os problemas mais freqüentes: erro de instalação, de manutenção ou falta de conhecimento do usuário?

Infelizmente, o problema mais comum é a falta de conhecimento do técnico e não do usuário. Fizemos uma pesquisa recentemente e 66,22% dos entrevistados apontaram que o principal problema do mercado era justamente esse. Quando o micro apresenta um erro de instalação, manutenção ou mesmo quando o usuário tem dificuldade, ele procurará um profissional, certo? Mas e o se o profissional não for tão "profissional" assim? Isto é, e se ele não tiver tanto conhecimento? Infelizmente, em nosso país, a maioria das pessoas não se preocupa com a sua própria formação, fazendo com que exista no mercado muitos profissionais sem o conhecimento adequado.

Eu queria que o professor Gabriel desse três dicas para aumentar o desempenho do PC...

A principal é na escolha do micro. Muita gente escolhe o micro baseado no preço e acabam comprando micros de baixa qualidade e baixo desempenho. Como hoje em dia classificamos o micro inteiro pelo processador (Pentium II, K6-2, etc), ocorre de o usuário pensar somente no processador que o micro terá, esquecendo de se preocupar com os demais componentes, especialmente a placa-mãe, placa de vídeo, o disco rígido e a memória RAM. Dessa forma, a principal dica é pensar no micro como um conjunto e não somente no processador da máquina. Se você quer um micro de alto desempenho, fuja das placas-mãe que tem vídeo embutido (on-board), pois apresentam desempenho inferior ao de micros sem essa característica, isto é, micros com placas de vídeo avulsas. E, finalmente, não basta ter um micro possante: a configuração do sistema operacional deverá estar correta, para que o micro trabalhe no topo de seu desempenho. Isso inclui, principalmente, a configuração correta do vídeo e a instalação dos drivers de bus mastering (esses drivers acompanham a placa-mãe em um disquete ou CD-ROM e a maioria dos técnicos, por não terem o devido conhecimento, não os instala).

O que um usuário domestico pode fazer sem a ajuda do técnico?

Em geral, problemas de configuração de programas, além da própria instalação de programas. Diversos novos dispositivos - sobretudo os novos periféricos USB - são muito fáceis de serem instalados, não necessitando de auxílio do técnico.

Qual é a hora de chamá-lo?

Quando algo está errado ou quando você precisa de um auxílio para usar algum periférico novo (ex: gravador de CD, scanner, etc).

Quais as qualidades indispensáveis de um bom técnico?

A principal: ser profissional. Há muitos técnico, mas poucos profissionais. Em minha opinião, o que mais falta no mercado é profissionalismo. E isso engloba ética, pontualidade, honestidade, organização etc.

E quem deseja entrar nesse mercado de assistência técnica, quais as dicas que você dá?

Fazer um curso ajuda, mas não é suficiente. Você precisa ler muito, estar sempre atualizado, para ter um bom embasamento teórico. Sem embasamento teórico nenhum técnico vai longe, pois a cada dia surgem novos dispositivos. Um técnico que saiba como as coisas realmente funcionam, não terá dificuldade em entender o funcionamento de novas peças. Além disso, você precisará praticar bastante, para ganhar experiência.

Qual o valor médio cobrado por hora de serviço?

Isso depende de inúmeros fatores: o grau de experiência do técnico, o mercado de trabalho (isto é, a cidade), o tipo de cliente, etc. Além disso, enquanto em todo lugar do mundo é comum cobrar-se por hora, aqui no Brasil, principalmente o usuário final, fica desconfiado que o técnico irá "enrolá-lo" para ganhar mais. Eu particularmente não recomendo ninguém a cobrar por hora, mas sim dar um orçamento de quanto irá custar o serviço após uma verificação pessoal do que está ocorrendo. Mas, entre os que cobram por hora, o valor normalmente varia entre R$ 30,00 e R$ 80,00.

Vamos falar do professor.... Quem é o professor Gabriel?

Sou especialista em hardware, manutenção e configuração de micros, além de ser o escritor de livros de informática mais vendido no Brasil, segundo as principais listas de best-sellers. Sou colunista do caderno de informática do Jornal O Dia (RJ), onde assino três colunas: Dicas do Prof. Gabriel, Cartas e Microteste (esta é mensal). Além disso, sou coordenador do Laboratório de Tecnologias Avançadas do Instituto de Tecnologia ORT. É nesse laboratório onde escrevo meus textos e faço testes. O ORT é uma escola técnica onde eu ministro aulas para o 2º grau técnico (eletrônica e informática), além de realizar os meus cursos de hardware, onde formo técnicos em manutenção de micros. Mas fora isso sou uma pessoa normal! Gosto de pizza e de passear! Às vezes as pessoas ficam com a impressão de que, como faço muita coisa, eu sou daqueles nerds bitolados, que só querem ficar trancados em casa na frente do micro. Para você ter uma idéia, eu não tenho micro em casa (bem, essa foi uma atitude drástica para evitar que eu trabalhasse nas horas de lazer)!

Quantos livros você já lançou e quantos livros você já vendeu?

No total já lancei 10 livros e já vendi mais de 50.000 exemplares.

Qual a sua formação?

Sou técnico em eletrônica.

Quantos anos você tem e com quantos anos começou a trabalhar com informática?

Tenho 24 anos (faço 25 em julho) e comecei a trabalhar profissionalmente com informática aos 14 anos. Tenho computador desde os 11 anos de idade e sempre me interessei muito por eletrônica. Para você ter uma idéia, aos 9 anos eu já colecionava revistas de eletrônica (Be-a-bá da Eletrônica, Eletrônica passo-a-passo) e já montava circuitinhos. Sempre trabalhei com o que eu gosto.

O seu site é um sucesso na Internet. Quantos acessos por dia?

São cerca de 2.700 acessos de pessoas diferentes por dia, pouco mais de 80.000 acessos por pessoas diferentes por mês.

Que tipo de soluções o usuário vai encontrar no site (gratuito e pago)

Em meu site há centenas de dicas, artigos e testes. Nesse material há principalmente explicações sobre o funcionamento das peças do micro e diversas dicas sobre o assunto. Por exemplo, no teste sobre placas de vídeo há dicas de como aumentar o desempenho de sua placa. Dentre todo o material existente, o que faz mais sucesso é a série "Montando pequenas redes", que ensina ao usuário a montar a sua própria rede. Infelizmente não posso responder a todos os e-mails com dúvidas que me são enviados (cerca de 2.000 e-mails por mês). Fiz uma conta simples: para responder a todos esses e-mails, teria de trabalhar 11 horas por dia, inclusive sábados, domingos e feriados, sem remuneração. Para atender a essa demanda, criei um serviço diferenciado, chamado Clube do Hardware. Nesse serviço, o usuário se associa mediante o pagamento de uma taxa (R$ 50,00 por três meses de acesso) e pode ter todas as suas dúvidas respondidas, além de contar com outros serviços não existentes no Clube do Hardware, como boletins diários de notícias, sorteios semanais de peças de computador e palestras virtuais.

Agora eu queria conhecer o perfil do usuário... Pentium III ou K6-III?

K6-III.

Micro montado ou micro de grife?

Montado.

Bill Gates ou Linus Torvalds?

Bill Gates até 1981; Torvalds hoje.

Upgrade ou PC novo?

PC novo, se tiver o dinheiro.

Macintosh ou PC?

PC. Mas se eu trabalhasse com editoração, manipulação de gráficos, etc, sem dúvida optaria pelo Mac.

A configuração dos seus PCs é:

Tenho vários micros à disposição, mas o do meu dia-a-dia é um Pentium MMX-233 com placa-mãe Soyo, 32 MB de RAM, placa de vídeo Trident, disco rígido de 3,2 GB, placa de som Sound Blaster 16 e CD-ROM 32x. Não preciso mais do que isso para usar o Word! Mas, em testes (ou outras ocasiões especiais, por exemplo, naqueles dias em que não estou querendo trabalhar), normalmente uso um Pentium II-333 com placa-mãe Soyo, 64 MB de RAM, placa de vídeo Diamond Viper v330, placa de som Sound Blaster AWE 64 e disco rígido de 3,2 GB.

ÚLTIMOS ARTIGOS
530.014 usuários cadastrados
207 usuários on-line