• Comunicados

    • Gabriel Torres

      Seja um moderador do Clube do Hardware!   12-02-2016

      Prezados membros do Clube do Hardware, Está aberto o processo de seleção de novos moderadores para diversos setores ou áreas do Clube do Hardware. Os requisitos são:   Pelo menos 500 posts e um ano de cadastro; Boa frequência de participação; Ser respeitoso, cordial e educado com os demais membros; Ter bom nível de português; Ter razoável conhecimento da área em que pretende atuar; Saber trabalhar em equipe (com os moderadores, coordenadores e administradores).   Os interessados deverão enviar uma mensagem privada para o usuário @Equipe Clube do Hardware com o título "Candidato a moderador". A mensagem deverá conter respostas às perguntas abaixo:   Qual o seu nome completo? Qual sua data de nascimento? Qual sua formação/profissão? Já atuou como moderador em algo outro fórum, se sim, qual? De forma sucinta, explique o porquê de querer ser moderador do fórum e conte-nos um pouco sobre você.   OBS: Não se trata de função remunerada. Todos que fazem parte do staff são voluntários.

Rafael Coelho

Moderadores
  • Total de itens

    8.651
  • Registro em

  • Última visita

  • Qualificações

    100%

Reputação

1.379

Sobre Rafael Coelho

  • Data de Nascimento 23-08-1972

Informações gerais

  • Cidade e Estado Pelotas/RS
  • Sexo Masculino

Outros

  • Biografia Editor-chefe do Clube do Hardware
  1. Quanto o artigo foi escrito, ainda não existiam os processadores de sétima geração, nem havia nenhuma divulgação de que a placa-mãe aceitaria "quando surgissem". Por isso esse suporte não é citado na análise.
  2. Tópico para a discussão do seguinte conteúdo publicado no Clube do Hardware: Placa-mãe ASRock H110M-G/M.2 "A H110M-G/M.2 é uma placa-mãe de baixo custo da ASRock para processadores Intel soquete LGA1151, baseada no chipset H110, com suporte a SSDs formato M.2. Confira!" Comentários são bem-vindos. Atenciosamente, Equipe Clube do Hardware http://www.clubedohardware.com.br
  3. Placa-mãe ASRock H110M-G/M.2

    A ASRock H110M-G/M.2 é uma placa-mãe de baixo custo soquete LGA1151 baseada no chipset Intel H110, suportando os processadores Core i de sexta (“Skylake”) e sétima (“Kaby Lake”) gerações. Ela traz um slot PCI Express 3.0 x16, quatro portas SATA-600, quatro portas USB 3.0 e, como o nome indica, um slot M.2. Vamos dar uma boa olhada nela! O H110 é o chipset mais básico para o soquete LGA1151, voltado aos processadores Core i, Pentium e Celeron de sexta e sétima gerações. As principais diferenças do H110 em relação ao modelo topo de linha atual, o Z270, são o suporte a apenas seis pistas PCI Express 2.0 (o Z270 suporta 24 pistas PCI Express 3.0), o menor número de portas SATA-600 (quatro, contra seis do Z270) e portas USB 3.0 (quatro, contra dez do modelo topo de linha) e a ausência de suporte a overclock, RAID e tecnologias como Smart Response (que permite utilizar um SSD como cache para o disco rígido principal) e Rapid Start. É interessante notar que, mesmo com o lançamento da série 200, o H110 não foi substituído, pois não existe, pelo menos por enquanto, um chipset H210. Você confere a placa-mãe ASRock H110M-G/M.2 na Figura 1. Ela usa o padrão microATX, medindo 226 x 183 mm. Figura 1: placa-mãe ASRock H110M-G/M.2 A ASRock H110M-G/M.2 vem com um slot PCI Express 3.0 x16 e dois slots PCI Express 2.0 x1. Como pode-se perceber pelo próprio nome da placa-mãe, ela oferece um slot M.2, compatível com SSDs SATA-600 e PCI Express 2.0 x4 de tamanho até 2280. A placa-mãe não suporta CrossFire nem SLI. Figura 2: slots Os processadores da Intel soquete LGA1151 têm um controlador de memória integrado, o que significa que é o processador – e não o chipset – que define quais as tecnologias e a quantidade máxima de memória que você pode instalar no computador. A placa-mãe, no entanto, pode ter uma limitação da quantidade e tipo de memória que poderá ser instalada. Esses processadores são compatíveis tanto com memória DDR3L (até 1.600 MHz) quanto com DDR4 (até 2.400 MHz). Assim, quem define qual o tipo de memória que pode ser instalada (DDR3 ou DDR4) é a placa-mãe, pois os soquetes DDR4 são fisicamente diferentes dos DDR3. De acordo com a ASRock, a H110M-G/M.2 suporta memórias DDR4 até 2.400 MHz. A ASRock H110M-G/M.2 tem dois soquetes de memória DDR4, suportando até 32 GiB nesta placa-mãe caso você use dois módulos de 16 GiB. Para habilitar o modo de dois canais, você deverá instalar dois módulos de memória idênticos. Figura 3: soquetes de memória; instale dois módulos para obter o maior desempenho possível O chipset Intel H110 é uma solução de apenas um chip, também conhecido como PCH (Platform Controller Hub ou hub controlador de plataforma). Esse chip oferece quatro portas SATA-600, sem suporte a RAID. A placa-mãe traz estas quatro portas SATA, instaladas na extremidade da placa-mãe e rotacionadas em 90 graus, de forma que a instalação de placas de vídeo não as bloqueie. Uma destas portas é compartilhada com o slot M.2. Figura 4: as quatro portas SATA-600 O chipset Intel H110 suporta dez portas USB 2.0 e quatro portas USB 3.0. A ASRock H110M-G/M.2 oferece oito portas USB 2.0, sendo quatro no painel traseiro e quatro disponíveis em dois conectores localizados na placa-mãe. Há quatro portas USB 3.0, todas controladas pelo chipset, sendo duas delas no painel traseiro e duas disponíveis em um conector. Não há portas USB 3.1. A ASRock H110M-G/M.2 não traz portas FireWire nem Thunderbolt. Esta placa-mãe suporta áudio no formato 7.1, gerado pelo chipset usando um codec Realtek ALC887. Este componente apresenta relação sinal/ruído de 97 dB para as saídas analógicas, 90 dB para as entradas analógicas e taxa de amostragem de até 192 kHz para as entradas e saídas. Essas especificações são boas para um usuário comum, mas se você pretende trabalhar profissionalmente com edição de áudio, deve procurar por uma placa-mãe que ofereça relação sinal/ruído de pelo menos 97 dB para a entrada analógica. A placa vem com saídas de áudio analógico compartilhadas, o que significa que você precisará usar os conectores “line in” e “mic in” para instalar um conjunto de caixas analógicas de seis canais. Não há saída SPDIF coaxial nem óptica. A placa-mãe analisada vem com uma porta Gigabit Ethernet, controlada por um chip Intel i219V. Na Figura 5, podemos ver o painel traseiro da placa-mãe, com duas portas USB 2.0, um conector PS/2 compartilhado para teclado ou mouse, saída DVI-D, saída VGA, saída HDMI, duas portas USB 3.0, mais duas portas USB 2.0, uma porta Gigabit Ethernet e os conectores de áudio analógico (compartilhados). Figura 5: painel traseiro Na Figura 6, podemos ver os acessórios que acompanham a ASRock H110M-G/M.2. Figura 6: acessórios O circuito regulador de tensão da ASRock H110M-G/M.2 tem cinco fases para o processador. O regulador de tensão usa um chip controlador Intersil ISL95824 (projeto digital). Cada fase utiliza quatro MOSFETS, dois SM4336NSKP e dois SM4337NSKP, todos da Sinopower. Figura 7: circuito regulador de tensão A ASRock H110M-G/M.2 utiliza capacitores sólidos e todas as bobinas são de ferrite. Se você quiser aprender mais sobre o circuito regulador de tensão, leia o nosso tutorial sobre o assunto. As principais especificações da ASRock H110M-G/M.2 incluem: Soquete: LGA1151 Chipset: Intel H110 Super I/O: Nuvoton NCT6791D ATA paralela: nenhuma ATA serial: quatro portas SATA-600 controladas pelo chipset (sem suporte a RAID) SATA externa: nenhuma USB 2.0: oito portas USB 2.0, quatro no painel traseiro e quatro disponíveis através de dois conectores na placa-mãe USB 3.0: quatro portas USB 3.0, duas no painel traseiro da placa-mãe e duas disponíveis em um conector, controladas pelo chipset USB 3.1: nenhuma FireWire (IEEE 1394): nenhuma Thunderbolt: nenhuma Vídeo on-board: controlado pelo processador; uma saída DVI-D, uma saída VGA e uma saída HDMI Áudio on-board: produzido pelo chipset em conjunto com um codec Realtek ALC887 (oito canais, resolução de 24 bits, taxa de amostragem de até 192 KHz para as entradas e saídas, relação sinal/ruído de 90 dB para as entradas e 97 dB para as saídas) Rede on-board: uma porta Gigabit Ethernet, controlada por um chip Intel i219V Buzzer: não Interface infravermelha: não Fonte de alimentação: ATX12V Slots: um slot PCI Express 3.0 x16, dois slots PCI Express 2.0 x1 e um slot M.2 suportando SATA-600 e PCI Express 2.0 x4 Memória: dois soquetes DDR4-DIMM (até DDR4-2400, máximo de 32 GiB) Conectores para ventoinhas: um conector de quatro pinos para o cooler do processador, dois conectores de quatro pinos para ventoinhas auxiliares Recursos extras: nenhum Número de CDs/DVDs que acompanham a placa: um Programas incluídos: utilitários e drivers da placa-mãe Mais informações: http://www.asrock.com Preço médio nos EUA: não encontramos este modelo à venda nos EUA A ASRock H110M-G/M.2 é uma placa-mãe simples e (obviamente) de baixo custo, voltada a computadores com processador Intel Core i, Pentium ou Celeron de sexta ou sétima gerações. Apesar de simples, ela tem praticamente tudo o que é necessário para um usuário que vai montar um computador para trabalho ou jogos: oferece quatro portas USB 3.0, quatro portas SATA-600 e um slot PCI Express 3.0 x16. Assim, ela permite até mesmo que você monte um computador de alto desempenho, usando um processador Core i7-7700K e uma placa de vídeo topo de linha, por exemplo. Seu diferencial, expresso no nome, é a presença de um slot M.2 compatível com SSDs SATA e PCI Express 2.0 x4, o que até então nunca tínhamos visto em uma placa-mãe desta categoria. Isto obviamente se deve ao fato de SSDs que utilizem este formato estão cada vez mais populares, como o Intel 600p e o Kingston SM2280S3. As limitações dela, como a impossibilidade de utilizar mais de uma placa de vídeo, fazer overclock no processador ou utilizar mais do que quatro unidades de armazenamento SATA (ou utilizar RAID) não vão ser problema para a grande maioria dos usuários, principalmente aqueles que estão procurando uma placa-mãe de baixo custo. Assim, para quem quer montar um computador básico ou mesmo intermediário baseado em um processador soquete LGA1151, utilizando um SSD no formato M.2, apenas uma placa de vídeo e sem pretensões de fazer overclock, a ASRock H110M-G/M.2 é uma ótima opção.
  4. Já é uma placa fora de linha, não faz sentido a gente testar.
  5. O resultado é óbvio, quanto menor a resolução, maior será o desempenho. Infelizmente fica complicado, teríamos que testar diferentes vídeos integrados, em diferentes jogos, diferentes qualidades de imagem e diferentes resoluções. Como simplesmente não é recomendado usar o vídeo integrado para jogar, não vemos muito sentido em um teste tão trabalhoso. adicionado 1 minuto depois O motivo é simplesmente facilidade de instalação. Como o processador não está em overclock, acaba não fazendo muita diferença. adicionado 4 minutos depois Nós sempre tentamos evitar nos basear por ofertas temporárias, que muitas vezes estão fora da realidade. No caso, o modelo testado (Gigabyte RX550 GAMING-2GD) nós encontramos na mesma faixa de preço que a GTX 1050. No caso, este preço de R$439 para uma GT1030 está fora da realidade também. Preços em sites de aúncios particulares não podem ser levados em consideração porque cada um coloca o preço que quer. Neste exemplo que você colocou o link, o vendedor não tem qualificações e ainda anuncia uma GT1030 como "gamer". Como dissemos na conclusão, infelizmente é necessário fazer uma boa pesquisa de preços antes de comprar para ver qual o modelo mais adequado, e isso varia de uma semana para outra.
  6. Tópico para a discussão do seguinte conteúdo publicado no Clube do Hardware: Teste da placa de vídeo Gigabyte Radeon RX 550 "Testamos a Radeon RX 550 da Gigabyte (GV-RX550GAMING OC-2GD), placa de vídeo baseada em um dos chips de baixo custo da nova geração da AMD. Confira!" Comentários são bem-vindos. Atenciosamente, Equipe Clube do Hardware http://www.clubedohardware.com.br
  7. Teste da placa de vídeo Gigabyte Radeon RX 550

    A Radeon RX 550 é uma placa de vídeo de entrada da mais recente geração de chips gráficos da AMD. Ela tem 512 núcleos de processamento e 2 GiB de memória de vídeo acessada a 128 bits. Vamos ver como ela se sai contra a GeForce GT 1030. A Radeon RX 550 é baseada no chip Lexa, que por sua vez é uma nova versão do chip utilizado na Radeon RX 460, com menos núcleos porém clocks mais altos. Assim como seu antecessor, ele é fabricado em tecnologia FinFET de 14 nm. O clock padrão do chip Radeon RX 550 é de 1.100 MHz com clock turbo de 1.183 MHz. Porém, na placa de vídeo testada, modelo "GV-RX550GAMING OC-2GD" da Gigabyte, o clock base utilizado é de 1.206 MHz, com clock turbo de 1.219 MHz, o que representa um overclock de 3%. A Radeon RX 550 tem 2 GiB de memória GDDR5 (há modelos com 4 GiB também), rodando a 7 GHz, com barramento de 128 bits. Isso proporciona uma largura de banda de memória de 112 GiB/s. Importante notar que o chip gráfico Radeon RX 550 utiliza conexão PCI Express 3.0 x8, e não x16. Porém, já fizemos testes mostrando que isto não causa redução de desempenho, principalmente em placas de vídeo de entrada. Sendo produtos de entrada, as placas de vídeo baseadas no Radeon RX 550 são voltadas a jogos menos exigentes em termos de hardware, como a maioria dos jogos tipo "e-sports" e "free-to-play", e a jogadores casuais. Elas não são voltadas a jogos mais exigentes e muito menos para jogadores que querem rodá-los em resolução maior do que Full HD e/ou em qualidade máxima. Seu preço nos EUA a coloca como concorrente quase direta da GeForce GT 1030, que nós testamos recentemente. Assim, neste teste compararemos o desempenho destas duas placas de vídeo. Também incluímos ao comparativo uma GeForce GTX 1050, embora esta seja uma placa de vídeo de uma faixa de preço superior, e os resultados do vídeo integrado Intel HD 630 presente no processador utilizado, para termos ideia se vale a pena investir em uma placa de vídeo de baixo custo quando se tem este vídeo integrado. A Radeon RX 550 suporta DirectX12, Vulkan, codificação e decodificação H.265 por hardware, além das tecnologias Freesync (compatível com monitores de vídeo que trazer este recurso de sincronização), Eyefinity (recurso a múltiplos monitores) e XConnect (uso de uma placa de vídeo em um gabinete externo) da AMD. Na Figura 1 você confere a placa analisada. Figura 1: a Gigabyte Radeon RX 550 (GV-RX550GAMING OC-2GD) Na tabela abaixo, comparamos as principais especificações das placas de vídeo incluídas neste teste. Os preços foram pesquisados na Newegg.com no dia da publicação do teste. Placa de vídeo Clock dos núcleos Clock turbo Clock da memória (efetivo) Interface de memória Taxa de transferência da memória Memória Núcleos de processamento TDP DirectX Preço Gigabyte Radeon RX 550 (GV-RX550GAMING OC-2GD) 1.206 MHz 1.219 MHz 7,0 GHz 128 bits 112 GB/s 2 GiB GDDR5 512 50 W 12 US$ 80 Gigabyte GeForce GT 1030 (GV-N1030D5-2GL) 1.227 MHz 1.468 MHz 6,0 GHz 64 bits 48 GB/s 2 GiB GDDR5 384 30 W 12.1 US$ 70 Intel HD Graphics 630 300 MHz 1.150* MHz ** ** ** ** 24 - 12.1 - Zotac GeForce GTX 1050 Mini(ZT-P10500A-10L) 1.354 MHz 1.455 MHz 7,0 GHz 128 bits 112 GB/s 2 GiB GDDR5 640 75 W 12.1 US$ 100 * Depende do modelo do processador. ** Depende da configuração de memória instalada no computador. Você pode comparar as especificações destas placas de vídeo com outras através dos nossos tutoriais “Tabela comparativa dos chips Radeon da AMD (desktop)” e “Tabela comparativa dos chips GeForce da NVIDIA (desktop)”. Agora vamos dar uma olhada mais de perto na placa de vídeo testada. A Gigabyte Radeon RX 550 tem 190 mm de comprimento e ocupa dois slots. Ela usa duas ventoinhas de 80 mm. Na Figura 2 podemos ver os conectores de vídeo presentes na placa: um conector DisplayPort 1.4, um HDMI 2.0b e um conector DVI-D. Figura 2: conectores de vídeo Na Figura 3 vemos a parte de cima da placa. Note que não há conector de alimentação auxiliar. Figura 3: vista de cima A Figura 4 mostra o lado da solda da Radeon RX 550. Podemos ver que não há chips de memória deste lado. Figura 4: lado da solda A Figura 6 mostra a Gigabyte Radeon RX 550 com o cooler removido. Trata-se de um cooler simples de alumínio, que fica em contato apenas com o chip gráfico. Na placa, podemos ver que há quatro chips de memória. Figura 5: a Radeon RX 550 com o cooler removido Na Figura 7 podemos ver o chip Lexa, fabricado com tecnologia de 14 nm. Figura 6: o chip Lexa A Figura 8 mostra um dos chips de memória presentes na Radeon RX 550. Trata-se de um chip Elpida/Micron W4032BABG-70-F com capacidade de 4 Gib (512 MiB) e clock máximo de 3,5 GHz (clock efetivo de 7,0 GHz). Note que a memória de vídeo está rodando no limite de seu clock nominal, de forma que não há margem para fazer overclock na memória dentro de suas especificações. Figura 7: chip de memória As principais características da Gigabyte Radeon RX 550 (GV-RX550GAMING OC-2GD) incluem: Chip gráfico: Radeon RX 550 (Lexa) rodando a 1.206 MHz / 1.219 MHz Memória: 2 GiB GDDR5 (interface de 128 bits), quatro chips Elpida/Micron W4032BABG-70-F rodando a 7,0 GHz Barramento: PCI Express 3.0 x8 Conectores de vídeo: um DisplayPort 1.4, um HDMI 2.0b e um DVI-D Consumo de energia: 50 W Fonte de alimentação recomendada: 400 W Cabos e adaptadores que vêm com a placa: nenhum Número de CDs/DVDs que acompanham a placa: um, com drivers Jogos e programas incluídos: nenhum Mais informações: https://www.gigabyte.com/ Preço médio nos EUA*: US$ 80 Preço médio no Brasil: R$ 500 * Pesquisado na Newegg.com no dia da publicação deste teste. Durante nossas sessões de teste, nós usamos a configuração listada abaixo. Entre um teste e o outro, o único componente variável era a placa de vídeo sendo testada. Nos jogos, nós rodamos os testes em resolução Full HD (1920 x 1080). Configuração de hardware Processador: Core i7-7700K Placa-mãe (LGA1151): Gigabyte AORUS Z270X-Gaming 7 Cooler do processador: Rosewill AIOLOS Memória: 16 GiB DDR4-3200 Geil Dyna4, dois módulos GEX416GB3200C16DC de 8 GiB configurados a 3200 MHz Unidade de boot: WD Blue de 1.000 GiB Monitor de vídeo: Philips 236VL Fonte de alimentação: Corsair VS500 Configuração de software Windows 10 Home 64-bit Versões dos drivers Driver de vídeo NVIDIA: 382.53 Driver de vídeo AMD: 17.7.1 Software usado 3DMark Battlefield 4 Conter-Strike: Global Offensive Dirt Rally GTA V Mad Max Overwatch Tom Clancy's Rainbow Six Siege Margem de erro Nós adotamos uma margem de erro de 3%. Assim, diferenças abaixo de 3% não são consideradas significativas. Em outras palavras, produtos com diferenças de desempenho abaixo de 3% são considerados tendo desempenho semelhante. O 3DMark é um programa composto por vários testes que verificam o desempenho 3D do computador. Nós rodamos os testes Cloud Gate, Sky Diver, Fire Strike e Fire Strike Ultra. O teste Fire Strike mede o desempenho em DirectX 11 e é voltado a computadores “gamer” de alto desempenho. Ele roda na resolução Full HD (1920 x 1080). Neste teste, a Gigabyte Radeon RX 550 (GV-RX550GAMING OC-2GD) foi 16% mais rápida do que a GeForce GT 1030 (GV-N1030D5-2GL) e 39% mais lenta do que a Zotac GeForce GTX 1050 Mini (ZT-P10500A-10L). Já o teste 3DMark Sky Diver é voltado a computadores intermediários com simulações DirecX 11. Ele roda em 1920 x 1080. Neste teste, a Gigabyte Radeon RX 550 (GV-RX550GAMING OC-2GD) foi 14% mais rápida do que a GeForce GT 1030 (GV-N1030D5-2GL) e 32% mais lenta do que a Zotac GeForce GTX 1050 Mini (ZT-P10500A-10L). O teste Cloud Gate mede desempenho DirectX 10, rodando a 1280 x 720. Neste teste, a Gigabyte Radeon RX 550 (GV-RX550GAMING OC-2GD) foi 16% mais rápida do que a GeForce GT 1030 (GV-N1030D5-2GL) e 22% mais lenta do que a Zotac GeForce GTX 1050 Mini (ZT-P10500A-10L). Battlefield 4 O Battlefield 4 é o um dos mais populares da série Battlefield, tendo sido lançado em 2013. Ele é baseado no motor Frostbite 3, que é DirectX 11. Para medir o desempenho usando este jogo, abrimos caminho pela primeira missão três vezes, medindo o número de quadros por segundo usando o FRAPS. Nós rodamos o jogo em Full HD, com a qualidade de imagem configurada em “alta”. Os resultados abaixo estão expressos em quadros por segundo e são a média aritmética dos três resultados coletados. No Battlefield 4, a Gigabyte Radeon RX 550 (GV-RX550GAMING OC-2GD) foi 14% mais rápida do que a GeForce GT 1030 (GV-N1030D5-2GL) e 42% mais lenta do que a Zotac GeForce GTX 1050 Mini (ZT-P10500A-10L). Counter-Strike: Global Offensive O Counter-Strike: Global Offensive (ou simplesmente CS:GO) é um FPS bastante popular, lançado em Agosto de 2012, que utiliza o motor Source, sendo compatível com DirectX 9. Nós testamos o desempenho jogando no mapa "Inferno" contra bots, em 1920 x 1080 (Full HD), com a qualidade de imagem configurada em “alta”. Os resultados estão expressos em quadros por segundo (fps). Neste jogo, a Gigabyte Radeon RX 550 (GV-RX550GAMING OC-2GD) foi 13% mais rápida do que a GeForce GT 1030 (GV-N1030D5-2GL) e 41% mais lenta do que a Zotac GeForce GTX 1050 Mini (ZT-P10500A-10L). Dirt Rally O Dirt Rally é um jogo de corrida off-road lançado em abril de 2015, baseado no motor Ego. Para medir o desempenho usando este jogo, nós rodamos o teste de desempenho incluído no jogo, em Full HD, com a qualidade de imagem configurada em “média” e MSAA desligado. Os resultados estão expressos em quadros por segundo (fps). Neste jogo, a Gigabyte Radeon RX 550 (GV-RX550GAMING OC-2GD) foi 23% mais rápida do que a GeForce GT 1030 (GV-N1030D5-2GL) e 41% mais lenta do que a Zotac GeForce GTX 1050 Mini (ZT-P10500A-10L). Grand Theft Auto V O Grand Theft Auto V, ou simplesmente GTA V, é um jogo de ação em mundo aberto lançado para PC em abril de 2015, utilizando o motor RAGE. Para medir o desempenho usando este jogo, nós rodamos o teste de desempenho do jogo, medindo o número de quadros por segundo usando o FRAPS sempre no mesmo ponto (parte em que a câmera acompanha o voo do avião). Nós rodamos o jogo em Full HD, com a qualidade de imagem configurada em “normal” e MSAA desligada. Os resultados abaixo estão expressos em quadros por segundo. No GTA V, a Gigabyte Radeon RX 550 (GV-RX550GAMING OC-2GD) foi 29% mais rápida do que a GeForce GT 1030 (GV-N1030D5-2GL) e 23% mais lenta do que a Zotac GeForce GTX 1050 Mini (ZT-P10500A-10L). Hitman Hitman é um jogo estilo ação/aventura furtiva, lançado em março de 2016, e que utiliza uma versão do motor Glacier 2, compatível com DirectX 12. Para medir o desempenho usando este jogo, nós rodamos o teste de desempenho do jogo, medindo o número de quadros por segundo usando o FRAPS. Nós rodamos o jogo em Full HD, com DirectX 12 habilitado, qualidade de imagem configurada como “média” e SMAA desligado. Os resultados abaixo estão expressos em quadros por segundo. Neste jogo, a Gigabyte Radeon RX 550 (GV-RX550GAMING OC-2GD) foi 54% mais rápida do que a GeForce GT 1030 (GV-N1030D5-2GL) e 35% mais lenta do que a Zotac GeForce GTX 1050 Mini (ZT-P10500A-10L). Mad Max O Mad Max é um jogo de ação em mundo aberto lançado em setembro de 2015, utilizando o motor Avalanche. Para medir o desempenho utilizando este jogo, nós rodamos a introdução do mesmo, medindo o número de quadros por segundo usando o FRAPS três vezes na sequência. Nós rodamos o jogo em Full HD, com a qualidade gráfica em “normal”. Os resultados abaixo estão em quadros por segundo e são uma média artimética dos três resultados coletados. No Mad Max, a Gigabyte Radeon RX 550 (GV-RX550GAMING OC-2GD) foi 11% mais rápida do que a GeForce GT 1030 (GV-N1030D5-2GL) e 42% mais lenta do que a Zotac GeForce GTX 1050 Mini (ZT-P10500A-10L). Overwatch O Overwatch é um jogo multiplayer de tiro em primeira pessoa lançado em maio de 2016, utilizando um motor específico para o jogo. Para medir o desempenho utilizando este jogo, nós jogamos uma partida rápida, medindo o número de quadros por segundo usando o FRAPS três vezes na sequência. Nós rodamos o jogo em Full HD, com a qualidade gráfica em “alto”. Os resultados abaixo estão em quadros por segundo e são uma média artimética dos três resultados coletados. No Overwatch, a Gigabyte Radeon RX 550 (GV-RX550GAMING OC-2GD) foi 30% mais rápida do que a GeForce GT 1030 (GV-N1030D5-2GL) e ficou empatada com a Zotac GeForce GTX 1050 Mini (ZT-P10500A-10L). Rainbow Six Siege O "Tom Clancy's Rainbow Six Siege" é um jogo estilo FPS tático lançado em dezembro de 2015, e que utiliza o motor AnvilNext, compatível com DirectX 11. Para medir o desempenho usando este jogo, nós rodamos o teste de desempenho do jogo. Nós rodamos o jogo em Full HD, com a qualidade de imagem configurada como “média”. Os resultados abaixo estão em quadros por segundo. Neste jogo, a Gigabyte Radeon RX 550 (GV-RX550GAMING OC-2GD) foi 28% mais rápida do que a GeForce GT 1030 (GV-N1030D5-2GL) e 32% mais lenta do que a Zotac GeForce GTX 1050 Mini (ZT-P10500A-10L). A primeira análise que podemos fazer é que a Radeon RX 550 é uma boa placa para o que se destina: jogos tipo e-sport, que normalmente não necessitam de um hardware potente. Além disso, ela permite até uma jogabilidade razoável em Full HD (mais de 30 fps) em jogos mais exigentes, desde que você não faça questão de colocar a qualidade gráfica no máximo. O fato de ela não precisar de uma fonte de alimentação muito potente e de sequer utilizar um conector auxiliar de alimentação também são uma vantagem: basta conectá-la a um computador onde o vídeo integrado era utilizado, para poder rodar jogos que antes não funcionavam. A análise mais complexa, porém, é quando comparamos a Radeon RX 550 com sua(s) concorrente(s). Se tomarmos por base o preço nos EUA, sua concorrente direta é a GeForce GT 1030, e neste caso podemos dizer que a RX 550 é consistentemente mais rápida e, portanto, uma melhor opção. O problema é que, no Brasil, os valores são afetados por diversos fatores, desde a cotação do dólar no momento da importação, até uma supervalorização por conta da lei da oferta e da procura. E, neste momento, nas lojas brasileiras a Radeon RX 550 está sendo encontrada a valores muito próximos das GeForce GTX 1050, que são placas bem mais rápidas. Neste caso, não há sentido em comprar uma placa de vídeo mais lenta pagando-se o mesmo. Porém, caso o mercado se estabilize e a Radeon RX 550 fique mais barata, ela pode vir a ser uma boa opção. Infelizmente, não pudemos incluir em nosso comparativo a Radeon RX 460 nem a Radeon RX 560, pois a AMD não nos disponibilizou estas placas de vídeo.
  8. Neste PDF eles não dizem que o SSD é SLC. O que diz é que ele usa um cache SLC, ou seja, uma pequena quantidade de memória SLC que serve para acelerar as operações de escrita.
  9. Infelizmente não temos o modelo "Gaming 9" para comparar. Quanto a benchmarks, via de regra o desempenho não depende em nada da placa-mãe. Acho difícil que algum site sério tenha achado "diferenças consideráveis" na mesma configuração.
  10. Tópico para a discussão do seguinte conteúdo publicado no Clube do Hardware: Placa-mãe Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 "Analisamos a Gigabyte X299 AORUS Gaming 7, placa-mãe topo de linha para os novos processadores Intel soquete LGA2066, com interfaces de áudio e rede topo de linha, além de iluminação RGB. Confira!" Comentários são bem-vindos. Atenciosamente, Equipe Clube do Hardware http://www.clubedohardware.com.br
  11. Placa-mãe Gigabyte X299 AORUS Gaming 7

    A Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 é uma placa-mãe topo de linha para os processadores da plataforma HEDT (high-end desktop) da Intel (Skylake-X e Kaby Lake-X), baseada no soquete LGA2066. Ela inclui cinco slots PCI Express 3.0 x16, oito portas SATA-600, seis portas USB 3.1 Gen2, três slots M.2 e controladores de áudio e rede topo de linha. Vamos dar uma boa olhada nesta placa-mãe. O chipset Intel X299 foi lançado em conjunto com os novos processadores soquete LGA2066, modelos Skylake-X e Kaby Lake-X. Estes processadores são considerados o segmento HEDT (high-end desktop), ou seja, são projetados para computadores de mesa e estações de trabalho de alto desempenho, e não para servidores, como os recém-anunciados Xeon SP. As principais diferenças entre os chipset X299 e seu antecessor X99, além do novo soquete de processador suportado, são o número de pistas PCI Express controladas pelo chipset (24 no X299, contra oito no X99), de portas USB 3.0 (dez no X299 e seis no X99) e de portas SATA-600, que foi reduzido de dez no X99 para oito no X299. Além disso, a plataforma X299 suporta memória Optane para acelerar discos rígidos SATA. Até agora, a Intel lançou cinco processadores compatíveis com o soquete LGA2066: um Core i5 (Core i5-7640X, com quatro núcleos sem HT e clock base de 4,0 GHz), três Core i7 (Core i7-7740X, quatro núcleos com HT, clock base de 4,3 GHz, Core i7-7800X, com seis núcleos com HT e clock base de 3,5 GHz, e Core i7-7820X, com oito núcleos com HT e clock base de 3,6 GHz) e um modelo Core i9 (Core i9-7900X, com dez núcleos com HT e clock base de 3,3 GHz). Destes, os modelos de quatro núcleos suportam apenas dois canais de memória, enquanto os demais modelos suportam quatro canais. O número de pistas PCI Express suportadas pelo processador também depende do modelo: os de quatro núcleos suportam 16 pistas, enquanto os demais modelos suportam 28 ou 44 pistas. A Intel já anunciou também novos modelos que serão lançados em breve, com 12, 14, 16 e 18 núcleos e Hyper-Threading. Todos os processadores que utilizam este soquete são desbloqueados para overclock. Resumimos os modelos disponíveis atualmente para a placa-mãe analisada na tabela abaixo. Processador Núcleos Threads Canais de memória Pistas PCIe 3.0 Core i5-7640X 4 4 2 16 Core i7-7740X 4 8 2 16 Core i7-7800X 6 12 4 28 Core i7-7820X 8 16 4 28 Core i9-7900X 10 20 4 44 Na Figura 1, podemos ver a placa-mãe Gigabyte X299 AORUS Gaming 7. Ela usa o padrão ATX, medindo 305 x 244 mm. Figura 1: a placa-mãe Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 Os processadores soquete LGA2066 têm 16, 28 ou 44 pistas PCI Express 3.0 para placas de vídeo. Isto permite uma configuração topo de linha para os slots PCI Express x16 quando um processador com 44 pistas está instalado, mas a configuração exata depende do modelo do processador (ver tabela na página anterior). A Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 vem com cinco slots PCI Express 3.0 x16. O segundo (rotulado "PCIEX4_1") e o quarto (rotulado "PCIEX4_2") slots PCI Express 3.0 x16 trabalham na velocidade máxima de x4, sendo que o segundo slot ("PCIEX4_1") compartilha suas pistas com um dos slots M.2. Quanto ao primeiro (rotulado "PCIEX16_1"), terceiro (rotulado "PCIEX16_2") e quinto (rotulado "PCIEX8") slots PCI Express 3.0 x16, eles trabalham na configuração x16/x16/x8 caso um processador de 44 pistas seja instalado, ou x16/x8/x0 ou x8/x8/x8 com um processador de 28 pistas. No caso de um processador de 16 pistas, o último slot ("PCIEX8") é desabilitado e os outros dois trabalham em x8/x4. A placa-mãe suporta arranjos SLI e CrossFire com até três placas de vídeo, exceto quanto um processador de 16 pistas for utilizado. Há ainda três slots M.2. O primeiro e o terceiro são compatíveis com SSDs 2280 com conexão SATA-600 ou PCI Express 3.0 x2/x4, enquanto o segundo suporta dispositivos até 22110 apenas do padrão PCI Express 3.0 x2 ou x4. Figura 2: slots Como podemos ver na Figura 3, um dos slots M.2 vem com um dissipador de calor que pode ser colado a um SSD M.2 2280. Figura 3: dissipador para SSD M.2 Os processadores Intel soquete LGA2066 têm um controlador de memória integrado, o que significa que é o processador, e não o chipset, que define que tecnologia de memória pode ser usada e qual a quantidade máxima permitida. A placa-mãe, porém, pode limitar a quantidade máxima de memória que pode ser instalada. O controlador de memória integrado dos processadores soquete LGA2066 suporta oficialmente memória DDR4 de até 2.666 MHz. De acordo com a Gigabyte, a X299 AORUS Gaming 7 suporta memórias de até 4.400 MHz. Uma das principais características da maioria dos processadores LGA2066 é o suporte a arquitetura de memória de quatro canais, o que permite que a memória possa ser acessada com barramento de 256 bits para maior desempenho. Como cada módulo de memória é uma entidade de 64 bits, quatro módulos de memória são necessários para habilitar esse modo de acesso. Se apenas dois ou três módulos estiverem instalados, a memória será acessada com uma arquitetura de dois ou três canais, respectivamente. A Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 tem oito soquetes de memória (quatro de cada lado do soquete do processador) e você pode instalar até 128 GiB se utilizar oito módulos de 16 GiB cada. Os modelos de processador de quatro núcleos, porém, disponibilizam apenas dois canais; desta forma, apenas quatro soquetes de memória da placa-mãe podem ser utilizados. Neste caso, você pode instalar no máximo 64 GiB de RAM. Para habilitar o modo de quatro canais, você deve instalar quatro ou oito módulos de memória idênticos. Se utilizar quatro módulos, deve “pular” um soquete a cada módulo. Os soquetes de memória da X299 AORUS Gaming 7 têm reforços de metal e iluminação RGB. Figura 4: soquetes de memória; instale quatro ou oito módulos para máximo desempenho O chipset Intel X299 é uma solução de apenas um chip, também conhecido como PCH (Platform Controller Hub). Ele suporta oito portas SATA-600 com suporte RAID (0, 1, 10 e 5). A Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 oferece essas oito portas SATA-600. Todas as portas SATA-600 ficam localizadas na borda da placa e rotacionadas em 90 graus, de forma que placas de vídeo não as bloqueiem. Duas portas SATA-600 são compartilhadas com os slots M.2. Figura 5: portas SATA-600 O chipset Intel X299 suporta 14 portas USB 2.0 e dez portas USB 3.0. A Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 oferece quatro portas USB 2.0, disponíveis em dois conectores na placa-mãe. A placa-mãe oferece oito portas USB 3.0 (também chamadas USB 3.1 Geração 1), quatro soldadas no painel traseiro (utilizando um chip ASMedia ASM1074 para duplicar duas portas oferecidas pelo chipset) e quatro portas disponíveis em dois conectores na placa-mãe. A X299 AORUS Gaming 7 oferece ainda seis portas USB 3.1 Geração 2, quatro tipo A e uma tipo C no painel traseiro, e uma em um conector da placa-mãe, controladas por um chip ASMedia ASM3142. A Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 não oferece portas FireWire nem Thunderbolt. Esta placa-mãe suporta áudio no formato 7.1, gerado pelo chipset usando um codec Realtek ALC1220, que oferece uma relação sinal/ruído de 120 dB para as saídas analógicas e 108 dB para as entradas analógicas (infelizmente outras características não foram divulgadas). De qualquer forma, fica claro que é um codec topo de linha e que essas especificações são excepcionais até mesmo para o usuário que pretende trabalhar profissionalmente capturando e editando áudio analógico. Além disso, o circuito de áudio utiliza capacitores específicos para áudio da Nichicon e da WIMA, regulador de tensão específico, DAC (conversor analógico/digital) auxiliar ESS Sabre 9018, amplificador para fones de ouvido e software Creative SoundBlaster 720. As saídas de áudio analógico são independentes e banhadas a ouro, e a placa-mãe também vem com uma saída SPDIF óptica on-board. Você confere o circuito de áudio na Figura 6. Figura 6: codec de áudio blindado A placa-mãe analisada tem duas portas Gigabit Ethernet, uma controlada por um chip Intel i219V e outra controlada por um chip Killer E2500. Além disso, ela vem com um adaptador de rede sem fio M.2 IEEE 802.11ac Killer 1535, com duas antenas e também suportando Bluetooth 4.1, que pode ser visto com sua blindagem aberta na Figura 7. Figura 7: placa de rede sem fio Na Figura 6 podemos ver o painel traseiro da placa-mãe, com um conector PS/2 compartilhado para mouse ou teclado, quatro portas USB 3.0 (sendo as duas amarelas de baixo ruído, para dispositivos de áudio), uma porta USB 3.1 tipo C, quatro portas USB 3.1 Geração 2, duas portas Gigabit Ethernet, os conectores para antenas de rede sem fio, uma saída SPDIF óptica e os conectores de áudio analógico. Figura 8: painel traseiro da placa-mãe A Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 tem um botão para ativar o modo "Eco" (menor consumo), outro para um modo de overclock pré-programado, um botão de reset e um liga/desliga, além de um mostrador POST que informa, por meio de um código de dois dígitos, a motivo que impede o sistema de incializar corretamente. Também há um botão para limpar o conteúdo da memória CMOS, que armazena a configuração do setup da placa-mãe. Além disso, ela oferece dois chips de BIOS e aceita a instalação de um módulo TPM (Trusted Platform Module), responsável por armazenar chaves criptográficas e aumentar a segurança do computador. Figura 9: botões e mostrador A placa-mãe é iluminada em vários pontos por LEDs RGB, de forma que você pode configurar a cor da iluminação. Além disso, há dois cabos com sensores de temperatura, que você pode instalar para medir a temperatura dos pontos do computador que você preferir. Na Figura 10 podemos ver os demais acessórios que vêm com a Gigabyte X299 AORUS Gaming 7. Figura 10: acessórios O circuito regulador de tensão da Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 tem 8 fases para o processador. Ele é controlado por um chip International Rectifier IR35201, usando um projeto digital. Cada fase usa um circuito integrado IR 3556, que contém tanto o MOSFET “lado alto” quanto o “lado baixo”. Note que a placa-mãe vem com dois conectores de alimentação EPS12V, mas não há informações sobre em que casos ambos devem ser utilizados. Figura 11: circuito regulador de tensão A Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 utiliza capacitores sólidos “10K Black” e bobinas de ferrite, o que é uma configuração excelente. Se você quiser aprender mais sobre o circuito regulador de tensão, leia o nosso tutorial sobre o assunto. As principais especificações da Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 incluem: Soquete: LGA2066 Chipset: Intel X299 Super I/O: ITE IT8951E ATA paralela: nenhuma ATA serial: oito portas SATA-600 controladas pelo chipset (RAID 0, 1, 5 e 10) SATA externa: nenhuma USB 2.0: quatro portas USB 2.0, disponíveis através de dois conectores na placa-mãe USB 3.0: oito portas USB 3.0, quatro no painel traseiro e quatro disponíveis através de dois conectores na placa-mãe (controladas pelo chipset, sendo que as quatro portas do painel traseiro são obtidas por meio de um chip duplicador ASMedia ASM1074) USB 3.1: seis portas USB 3.1, cinco no painel traseiro (quatro tipo A e uma tipo C) e uma em um conector na placa-mãe, controladas por um chip ASMedia ASM3142 FireWire (IEEE 1394): nenhuma Thunderbolt: nenhuma Vídeo on-board: não Áudio on-board: produzido pelo chipset em conjunto com um codec Realtek ALC1220 (7.1 canais, relação sinal/ruído de 120 dB para as saídas e 108 dB para as entradas, sem mais informações disponíveis), saída SPDIF óptica, amplificador para fones de ouvido, capacitores específicos para áudio Rede on-board: duas portas Gigabit Ethernet, uma controlada por um chip Intel i219V e uma controlada por um chip Killer E2500 Rede sem fio: IEEE 802.11ac Killer 1535 com duas antenas Bluetooth: sim, padrão 4.1 Buzzer: não Interface infravermelha: não Fonte de alimentação: 2 x EPS12V Slots: cinco slots PCI Express 3.0/2.0 x16 (três trabalhando a x16/x16/x8 com processador de 44 pistas, x16/x8/x0 ou x8/x8/x8 com processador de 28 pistas, e x8/x4/x0 com processador de 16 pistas, e os outros dois slots trabalhando sempre a x4), dois slots M.2 SATA/PCI Express 3.0 x4, um slot M.2 PCI Express 3.0 x4 Memória: oito soquetes DDR4-DIMM (até DDR4-4400, máximo de 128 GiB) Conectores para ventoinhas: um conector de quatro pinos para o cooler do processador, um conector de quatro pinos para bomba de sistema de resfriamento líquido e seis conectores de quatro pinos para ventoinhas auxiliares Recursos extras: suporte a TPM, dois chips de BIOS, botões liga/desliga, reset e clear CMOS, mostrador de código de erro de dois dígitos, iluminação RGB, cabos com sensores de temperatura Número de CDs/DVDs que acompanham a placa: um Programas incluídos: utilitários e drivers da placa-mãe Mais informações: http://www.gigabyte.com/ Preço médio nos EUA*: US$ 400,00 * Pesquisado na Newegg.com no dia da publicação deste artigo A Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 é uma excelente placa-mãe para sistemas soquete LGA2066, robusta e bastante completa. Além dos recursos fornecidos pelo chipset (oito portas SATA-600 e oito portas USB 3.0), que são mais do que suficientes para a maioria dos usuários, ela ainda traz seis portas USB 3.1 Geração 2, uma delas tipo C. Ela tem oito soquetes de memória e cinco slots PCI Express 3.0 x16, suportando SLI e CrossFire com até três placas de vídeo, o que também é mais do que a maioria dos usuários necessita. Como extras, ainda traz o mostrador de códigos de erro do POST e botões liga/desliga, reset e clear CMOS, importantes para entusiastas em overclock. Porém, os maiores destaques ficam por conta da seção de áudio, que usa um codec topo de linha com excelente relação sinal/ruído e vários detalhes visando uma melhor qualidade de áudio, e o fato de ela vir com três slots M.2, todos compatíveis com o padrão PCI Express 3.0 x4, utilizado por SSDs de alto desempenho. Assim, você pode utilizar dois SSDs NVMe para, por exemplo, o sistema operacional e seus arquivos de trabalho, e ainda utilizar uma memória Optane para acelerar um disco rígido de grande capacidade. A presença de duas interfaces de rede, uma delas de alto desempenho, e de uma placa de rede sem fio também de alto desempenho é sempre algo bem vindo. Se você pretende montar um computador topo de linha para trabalho ou mesmo jogos com um processador LGA2066, a Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 é uma excelente compra.
  12. Pois é, podemos colocar o preço no Brasil sim. Na verdade "fabricado no Brasil" significa "montado no Brasil". O PCB e os componentes vêm de fora na forma de kits completos, e são apenas encaixados e soldados os componentes aqui. Em geral isso barateia um pouco por conta de incentivos fiscais, mas na prática a diferença de preço não é tão grande assim.
  13. Placa-mãe ASUS PRIME B250M PLUS/BR

    A ASUS PRIME B250M-PLUS/BR é uma placa-mãe básica/intermediária soquete LGA1151 baseada no chipset Intel B250, suportando os processadores Core i de sexta (“Skylake”) e de sétima (“Kaby Lake”) gerações. Ela traz dois slots PCI Express 3.0 x16, quatro soquetes para memória DDR4, seis portas SATA-600 e seis portas USB 3.0. Vamos dar uma boa olhada nela! Como fica claro pelo sufixo BR ao final do nome, esta placa-mãe é produzida no Brasil, pela Foxconn. O chipset B250 é o modelo intermediário da nova série da Intel para o soquete LGA1151. As principais diferenças do B250 em relação ao modelo mais topo de linha, o Z270, são o suporte a apenas doze pistas PCI Express 3.0 controladas pelo chipset (o Z270 tem 24 pistas PCI Express 3.0, enquanto o H270 tem 20), seis portas USB 3.0 (o Z270 suporta dez portas USB 3.0, e o H270 oito), a impossibilidade de dividir as linhas do slot PCI Express 3.0 x16 em dois slots trabalhando a x8/x8 ou mesmo três slots, trabalhando em x8/x4/x4. Além disso, o B250 não tem suporte a overclock em processadores desbloqueados; o Z270 é o único que oferece este recurso. Porém, assim como os modelos superiores, o B250 oferece suporte à tecnologia Optane da Intel (clique aqui para ler nossa análise da memória Optane), às tecnologias Smart Response versão 15 (que permite utilizar um SSD como cache para o disco rígido principal), Smart Connect (que permite que o computador receba e-mails e atualize páginas mesmo em modo de suspensão) e Rapid Start (inicialização mais rápida). Você confere a placa-mãe ASUS PRIME B250M-PLUS/BR na Figura 1. Ela usa o padrão microATX, medindo 224 x 244 mm. Figura 1: placa-mãe ASUS PRIME B250M-Plus/BR A ASUS PRIME B250M-Plus/BR vem com dois slots PCI Express 3.0 x16 e um slot PCI Express 3.0 x1. O primeiro slot PCI Express funciona na velocidade x16, enquanto o segundo slot PCI Express 3.0 x16 trabalha sempre a x4. A placa-mãe suporta CrossFire com até duas placas de vídeo. Não há suporte a SLI. Há ainda dois slot M.2 até 2280, um deles compatível com PCI Express 3.0 x2 e SATA-600, e o outro compatível apenas com PCI Express 3.0 x4. A placa-mãe também é compatível com a memória Optane. Figura 2: slots Os processadores da Intel soquete LGA1151 têm um controlador de memória integrado, o que significa que é o processador – e não o chipset – que define quais as tecnologias e a quantidade máxima de memória que você pode instalar no micro. A placa-mãe, no entanto, pode ter uma limitação da quantidade e tipo de memória que poderá ser instalada. Esses processadores são compatíveis tanto com memória DDR3L (até 1.600 MHz) quanto com DDR4 (até 2.133 MHz ou 2.400 MHz, dependendo do modelo). Assim, quem define qual o tipo de memória que pode ser instalada (DDR3 ou DDR4) é a placa-mãe, pois os soquetes DDR4 são fisicamente diferentes dos DDR3. De acordo com a ASUS, a PRIME B250M-Plus/BR suporta memórias DDR4 até 2.400 MHz. A ASUS PRIME B250M-Plus/BR tem quatro soquetes de memória DDR4, suportando até 64 GiB caso você use quatro módulos de 16 GiB. Para habilitar o modo de dois canais, você deverá instalar dois ou quatro módulos de memória idênticos. Para instalar apenas dois módulos de memória, use o primeiro e o terceiro (ou o segundo e o quarto) soquetes. Figura 3: soquetes de memória; instale dois ou quatro módulos para obter o maior desempenho possível O chipset Intel B250 é uma solução de apenas um chip, também conhecido como PCH (Platform Controller Hub ou hub controlador de plataforma). Esse chip oferece seis portas SATA-600, sem suporte a RAID, e a placa-mãe traz estas seis portas. Uma dessas portas é compartilhada com o slot M.2. As portas SATA são instaladas na extremidade da placa-mãe, como mostrado na Figura 4. Figura 4: as seis portas SATA-600 O chipset Intel B250 suporta doze portas USB 2.0 e seis portas USB 3.0. A ASUS PRIME B250M-PLUS/BR oferece seis portas USB 2.0, duas no painel traseiro e quatro disponíveis em dois conectores localizados na placa-mãe. Há seis portas USB 3.0, todas controladas pelo chipset, sendo quatro delas no painel traseiro (três tipo A e uma tipo C) e duas disponível em um conector. A ASUS PRIME B250M-PLUS/BR não traz portas USB 3.1, FireWire nem Thunderbolt. Esta placa-mãe suporta áudio no formato 7.1, usando um codec Realtek ALC887. As especificações técnicas do Realtek ALC887 incluem relação sinal/ruído de 97 dB para as saídas analógicas, relação sinal/ruído de 90 dB para as entradas analógicas, taxa de amostragem de até 192 KHz para as entradas e saídas e resolução de 24 bits. As especificações são boas para o usuário comum, mas se você trabalha profissionalmente com edição de áudio deve procurar por uma placa-mãe que ofereça relação sinal/ruído de pelo menos 97 dB para a entrada analógica. A placa-mãe analisada vem com uma porta Gigabit Ethernet controlada por um chip Intel I219V. Na Figura 5, podemos ver o painel traseiro da placa-mãe, com um conector PS/2 compartilhado para teclado ou mouse, duas portas USB 2.0, uma saída VGA, uma saída DVI-D, uma saída HDMI, quatro portas USB 3.0 (três tipo A e uma tipo C), uma porta Gigabit Ethernet e os conectores de áudio analógico. Figura 5: painel traseiro A PRIME B250M-PLUS/BR possui LEDs vermelhos em diversos pontos da placa-mãe, que podem ser programados para piscar de acordo com padrões definidos pelo usuário. Além disso, há proteção contra sobretensão em todos os conectores traseiros, para evitar queima por causa de transientes. Na Figura 6, podemos ver os acessórios que acompanham a ASUS PRIME B250M-PLUS/BR. Figura 6: acessórios O circuito regulador de tensão da ASUS PRIME B250M-Plus/BR tem seis fases para o processador. O regulador de tensão usa um chip controlador DIGI+ ASP1401BT (projeto digital). Cada fase utiliza dois MOSFETs QM3054M6 ("M3054M"). Figura 7: circuito regulador de tensão A ASUS PRIME B250M-Plus/BR utiliza capacitores sólidos e bobinas de ferrite. Se você quiser aprender mais sobre o circuito regulador de tensão, leia o nosso tutorial sobre o assunto. As principais especificações da ASUS PRIME B250M-PLUS/BR incluem: Soquete: LGA1151 Chipset: Intel B250 Super I/O: Nuvoton NCT5539D ATA paralela: nenhuma ATA serial: seis portas SATA-600 controladas pelo chipset (sem suporte a RAID) SATA externa: nenhuma USB 2.0: seis portas USB 2.0, duas no painel traseiro e quatro disponíveis através de dois conectores na placa-mãe USB 3.0: seis portas USB 3.0, quatro no painel traseiro da placa-mãe (três tipo A e uma tipo C) e duas disponíveis em um conector, controladas pelo chipset USB 3.1: nenhuma FireWire (IEEE 1394): nenhuma Thunderbolt: nenhuma Vídeo on-board: controlado pelo processador; uma saída VGA, uma saída DVI-D e uma saída HDMI Áudio on-board: produzido pelo chipset em conjunto com um codec Realtek ALC887 (8 canais, resolução de 24 bits, taxa de amostragem de até 192 KHz para as entradas e saídas, relação sinal/ruído de 90 dB para as entradas e 97 dB para as saídas) Rede on-board: uma porta Gigabit Ethernet, controlada controlada por um chip Intel I219V Buzzer: não Interface infravermelha: não Fonte de alimentação: EPS12V Slots: um slot PCI Express 3.0 x16 (trabalhando a x16), um slot PCI Express 3.0 x16 (trabalhando a x4), um slot PCI Express 3.0 x1, um slot M.2 compatível com SATA-600 e PCI Express 3.0 x2 e um slot M.2 compatível com PCI Express 3.0 x4 Memória: quatro soquetes DDR4-DIMM (até DDR3-2400, máximo de 64 GiB) Conectores para ventoinhas: um conector de quatro pinos para o cooler do processador, dois conectores de quatro pinos para ventoinhas auxiliares Recursos extras: iluminação por LED, proteção contra picos de tensão nas portas Número de CDs/DVDs que acompanham a placa: um Programas incluídos: utilitários e drivers da placa-mãe Mais informações: http://www.asus.com/br/ Preço médio nos EUA*: US$ 95 * Pesquisado na Newegg.com no dia da publicação deste artigo. Como comentamos recentemente, muitos usuários até sonham com uma placa-mãe topo de linha, mas na hora da compra preferem uma placa-mãe intermediária, por seu foco na relação custo/benefício, trazendo apenas os recursos que você realmente precisa. A ASUS PRIME B250M-PLUS/BR traz todos os recursos oferecidos pelo chipset; ela vai deixar a desejar apenas se o usuário quiser fazer overclock ou se pretender utilizar mais de uma placa de vídeo em SLI, sendo que nesses casos é necessário investir em uma placa-mãe mais cara. Ela também não traz portas USB 3.1, o que é uma limitação do chipset. Sua interface de áudio e seu regulador de tensão são intermediários, o que é suficiente para a maioria dos usuários. Um dos destaques desta placa-mãe é a presença de dois slots M.2, que permitem que o usuário utilize dois SSDs que usem este formato (a tendência é que se tornem cada vez mais populares), ou mesmo um SSD e uma memória Optane para acelerar o disco rígido usado como armazenamento secundário. Assim, para quem quer uma placa-mãe com boa relação custo/benefício para montar um computador intermediário (ou mesmo topo de linha) para jogos ou trabalho baseado em um processador Core i de sexta ou sétima gerações, utilizando apenas uma placa de vídeo, e não pretende fazer overclock, a ASUS PRIME B250M-PLUS/BR é uma boa escolha.
  14. Tópico para a discussão do seguinte conteúdo publicado no Clube do Hardware: Placa-mãe ASUS PRIME B250M PLUS/BR "A ASUS Prime B250M PLUS/BR é uma placa-mãe intermediária para processadores Intel soquete LGA1151 fabricada no Brasil. Vamos ver quais são os recursos que ela oferece." Comentários são bem-vindos. Atenciosamente, Equipe Clube do Hardware http://www.clubedohardware.com.br
  15. Não tem como comparar uma com a outra, já que são placas-mãe para plataformas diferentes. Só faz sentido comparar duas placas-mãe voltadas à mesma plataforma, e da mesma faixa de preço. A B250M recebeu o selo porque é uma opção com ótima relação custo/benefício quando comparada com outras placas-mãe para o mesmo soquete. Já a B350 TOMAHAWK não o recebeu porque há opções de compra para o mesmo soquete que julgamos melhores. Outro detalhe que pode ter passado desapercebido por você é que o chipset Intel B250 não traz portas USB 3.1 Gen2 nativas, de forma que uma placa baseada neste chipset não trazer essas portas não é nada demais, trazê-las é que seria um "extra". Já o chipset AMD B350 suporta nativamente duas portas USB 3.1 Gen2, o que significa que não oferecer estas portas é uma deficiência da placa-mãe.