Ir ao conteúdo
  • Comunicados

    • Gabriel Torres

      Seja um moderador do Clube do Hardware!   12-02-2016

      Prezados membros do Clube do Hardware, Está aberto o processo de seleção de novos moderadores para diversos setores ou áreas do Clube do Hardware. Os requisitos são:   Pelo menos 500 posts e um ano de cadastro; Boa frequência de participação; Ser respeitoso, cordial e educado com os demais membros; Ter bom nível de português; Ter razoável conhecimento da área em que pretende atuar; Saber trabalhar em equipe (com os moderadores, coordenadores e administradores).   Os interessados deverão enviar uma mensagem privada para o usuário @Equipe Clube do Hardware com o título "Candidato a moderador". A mensagem deverá conter respostas às perguntas abaixo:   Qual o seu nome completo? Qual sua data de nascimento? Qual sua formação/profissão? Já atuou como moderador em algo outro fórum, se sim, qual? De forma sucinta, explique o porquê de querer ser moderador do fórum e conte-nos um pouco sobre você.   OBS: Não se trata de função remunerada. Todos que fazem parte do staff são voluntários.

aphawk

Membros VIP
  • Total de itens

    5.405
  • Registro em

  • Última visita

  • Qualificações

    0%

Reputação

2.466

Sobre aphawk

  • Data de Nascimento 07-02-1960

Informações gerais

  • Cidade e Estado
    São Paulo, SP
  • Sexo
    Masculino

Outros

  • Ocupação
    Hardware
  • Interesses
    Pescar, jogar, bons restaurantes, pesquisar novidades, andar de moto, inventar montagens, e principalmente criticar o Ensino do jeito que está sendo feito....
  1. Preciso Aprender Coulomb Para Saber Eletrônica?

    Ainda existe um grande mercado para pequenos provedores de internet, e quase sempre quem faz isso não entende nada , e acaba contratando profissionais para a montagem das redes. Como você mesmo já percebeu, hoje um Engenheiro Eletrônico tem de saber bastante sobre programação, e claro, sobre Eletrônica também ! São poucos os produtos que não envolvem Programação ! Olhe à sua volta, radios, televisão, Internet, redes WIFI, celulares, tudo depende de programação ! Até mesmo produtos que em primeira vista parecem que não tem nenhum programa envolvido, como uma simples lâmpada fluorescente moderna, pode empregar um componente que utiliza um micro-código gravado no seu hardware, que nada mais é que .... um programa ! Programar é algo inerente a um Engenheiro Eletrônico. Quase sempre quem gosta de Eletrônica também se interessa por programação ! Mas nem sempre quem faz Engenharia de Computação acaba gostando de programar ..... e acaba desistindo durante o curso. Tá certo que hoje em dia a coisa tá complicada para qualquer formando, mas tenho certeza que é muito mais fácil achar colocação no mercado como Engenheiro Eletrônico do que como Engenheiro de Computação ( mesmo que seja trabalho em outras áreas ) ! Paulo
  2. Preciso Aprender Coulomb Para Saber Eletrônica?

    @Bommu Perneta Sim, e eu também nunca precisei usar Matrizes, nem Integral, nem Diferencial, nem Pert, nem conceitos de eletromagnetismo, nem álgebra booleana..... Na verdade, cerca de 80 a 90 % do que aprendí na Faculdade nunca precisei usar até hoje...... Se tivesse usado esse tempo todo inútil no estudo apenas de Eletrônica...... Paulo
  3. Computador retrô com z80/68k

    @Jorisclayton , Bom, para começar, diga exatamente qual Z80 voce adquiriu. Paulo
  4. @test man*~ , O que vale são as experiências, elas te ensinam muito mais do que qualquer curso ! O mundo do FPV é fantástico, o uso de telemetria é imperativo, e ver como funciona essa troca de informações entre os sistemas de rádio é muito interessante ! Eu fiz uma brincadeira com um Atmega e Bascom que abria o protocolo usado pelos FRSKY, punha tudo num display lcd de 20x4 kkkk e aprendi bastante com isso. O Pilot Mega é muito legal, tem alguns projetos de hardware feitos para ele que você mesmo monta e implementa, é uma bela diversão. O conhecimento é acumulativo, você vai sempre aprendendo mais a cada dia, um dia são Atmegas, outro dia são Arms, e quem sabe o que mais virá em alguns anos, não é ? O que importa é você perceber que o que você fez ontem pode sempre ser refeito de uma maneira melhor hoje, com menos sofrimento e menos tempo perdido ! Paulo
  5. PIC 2 PWM com mesmo PIC

    @Zago10 , Usei um BC547, mas pode usar qualquer pequeno transistor bipolar NPN com o emissor ligado ao GND, um resistor entre o coletor e o +5V, e um resistor que vai da saida PWM até a base do transistor. O sinal no coletor do transistor estará invertido em relação ao aplicado em sua base. Paulo
  6. PIC 2 PWM com mesmo PIC

    Agora complicou .... ajuste de dead-time implica em não poder simplesmente espelhar, nem mesmo a simples inversão da saida PWM resolve esse quesito. Vai ter de definir isso via software mesmo, programando ambos os canais PWM igualmente, e mudando apenas o momento de start entre eles, e usando um simples inversor em uma das saídas. Digo isto de usar um inversor porque uma vez eu tentei programar dois PWMs em um Attiny para gerar sinais complementares, e sempre falhava em um dos extremos ( 0 ou 100 % , não me lembro em qual.... ), e acabei usando um BC como inversor , resolveu perfeitamente.... Paulo
  7. @Lucas Patrocinio , Nenhum sensor vai identificar uma letra.... O que existe para isso são sensores de imagem, e você vai ter de criar algoritmos de pesquisa do formato das letras em uma imagem. Se prepare para uma grande quantidade de programação... Paulo
  8. PIC 2 PWM com mesmo PIC

    @Zago10 , Faz um inversor com um Bc qqr kkk ! Paulo
  9. Outro Lendo o ADC com qualidade no AVR

    Pois é .... sem garantir que todo o hardware está otimizado para ler sinais com resolução de microvolts, procurar pensar em recursos de software para melhorar a qualidade dos valores obtidos do ADC fica bem sem sentido. Agora, o Atiny4 escolhido nem tem ADC..... e nem todos os modelos possuem o amplificador de sinais internos, da mesma maneira que só alguns Attinys possuem PWM de alta velocidade..... Existem alguns Attinys com recursos adequados para trabalhar com chavamentos indutivos, eu me lembro de um App Note da Atmel sobre um carregador inteligente de baterias que tinha quase todo o processo de cálculo dos componentes e temporizações exigidas em um sistema que utiizava chaveamento de alta velocidade de um indutor para controlar a corrente de carga. Se conseguir me lembrar aonde guardei posto ele aqui. Paulo
  10. @BrunoMT , Você vai precisar de um gravador para isso, sugiro um USBASP , baratinho, e zerar o CI, regravando os Fuses. Mas dá sim para fazer rodar o programa feito no Bascom, mesmo mantendo o bootloader do Arduíno. Eu faço isso toda hora, e muitos usuários do Bascom também... Veja aqui : https://wiki.mcselec.com/Getting_started_with_Arduino_UNO Paulo
  11. Outro Lendo o ADC com qualidade no AVR

    @Sérgio Lembo , Creio que sua escolha foi bem acertada. Você tem também o mundo do Arduino baseado nessa mesma tecnologia dos Avrs. Sobre o conversor A/D, vou passar algumas opinões minhas : - A quantidade de bits original ( 10 ) já é mais do que suficiente para projetos não profissionais, pois se considerarmos a referência de 5 Volts estamos tratando de um step de 5 milivolts, o que já implica em usar técnicas profissionais contra ruidos em tudo que é lugar, tanto no Layout da PCB como na fiação e blindagem. Em mnhas montagens caseiras eu convivo com ruídos induzidos de no mínimo 15 a 20 milivolts, então nem preciso utilizar os 10bits. - Se precisar de mais resolução, pode utilizar a técnica de oversampling descrita ao final do post acima, mas lembre-se de que ela precisa de algum ruído introduzido artificialmente no sinal original. - É possível amostrar em velocidades maiores, desde que você abra mão de um ou mais bits de resolução. - Quase sempre os ruídos que me atrapalharam tinham como origem a rede elétrica de 60Hz, então sempre utilizei um sistema que fazia 32 amostragens no período equivalente a 60Hz , somava tudo e dividia o resultado por 32, e o resultado sempre foi satisfatório. Se me permite uma sugestão, passe para o Atmega328, que tem muito mais recursos de hardware e o conceito é quase idêntico ao dos Attinys. Paulo
  12. @RikMechatronics , Não subestime um Attiny..... eu já ví coisas bem malucas feitas com esse brinquedo, lembrando que existe uma grande variedade de modelos com recursos de hardware bem diferentes entre sí, como PWM de alta velocidade, conversor A/D de maior resolução, tamanho de RAM, tamanho de memória Flash ..... Existe um projeto no site do Bascom, que é um music player que reproduz arquivos no formato Wave, gravados em um cartão SD. Usa a saída PWM dele filtrada apenas por um resistor e um capacitor ! O formato Wave é bem mais "gastão" do que o MP3, mas é uma solução que fica bem pequeno e portátil. Creio que pode ser modificado para usar uma memória Eeprom, só depende da qualidade exigida, pois o acesso a Eeprom é bem mais lento do que de um cartão de memória. Pesquise no site do Bascom, mas vai ter de se cadastrar no Fórum para ter acesso aos arquivos com o hardware e o software. https://www.mcselec.com/index2.php?option=com_forum&Itemid=59 Paulo
  13. Display RG2004A (20x4) não aparece digitos

    Bom, não posso falar nada sobre o display... mas duvido muito esse seu circuito de teclado funcionar na prática ... Paulo
  14. @BrunoMT , Dentro do Fórum do Bascom existe uma secção exclusiva sobre este assunto, com várias dicas e alguns tutoriais. Eu mesmo sou um dos que usam hardware Arduíno junto com o Bascom, ganho muito tempo no desenvolvimento de um produto. Mas não espere encontrar suporte fácil para todos os módulos que funcionam junto com o Arduíno. Muita coisa você terá de escrever .... Paulo
  15. @BrunoMT , Se você ler a licença do Arduíno, vai ver que é obrigado a disponibilizar o fonte do programa ! Portanto, a licença de domínio público já invalida a sua patente. Claro, isto se utilizar a linguagem do Arduíno. Quanto ao uso do hardware Arduíno, ele também te impede de patentear, mas isto é fácilmente contornável pois todo o hardware se baseia em um simples Atmega1256 e pode ser fácilmente "adaptado" . Paulo

Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×