Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se

Teste do SSD Micron 1100 M.2 de 256 GiB (Crucial MTFDDAV256TBN)

       
 11.234 Visualizações    Testes  
 3 comentários

Testamos o SSD Micron 1100 M.2 de 256 GiB, também vendido como Crucial MTFDDAV256TBN, que utiliza memórias 3D NAND TLC, formato M.2 e interface SATA-600. Confira!

Teste do SSD Micron 1100 M.2 de 256 GiB (Crucial MTFDDAV256TBN)
Rafael Coelho Editor-chefe do Clube do Hardware

[pagination="Introdução"]

O Micron 1100 M.2 é um SSD no formato M.2 que utiliza interface SATA-600, com velocidade máxima teórica de leitura sequencial de 530 MiB/s e de escrita de 500 MiB/s. Testamos o modelo de 256 GiB e vamos ver como é o seu desempenho em comparação a outro modelo de mesma capacidade.

Este SSD pode ser encontrado no comércio como Crucial MTFDDAV256TBN (a Crucial é uma subsidiária da Micron), sendo exatamente o mesmo Micron 1100 M.2 de 256 GiB.

O fabricante oferece este modelo em capacidades de 256 GiB, 512 GiB e 1 TiB, nos modelos no formato M.2. Ele também está disponível no formato de 2,5 polegadas, e neste caso existe também o modelo de 2 TiB.

Antes de prosseguirmos com este teste, sugerimos a leitura do tutorial “Anatomia das unidades SSD”, onde você encontrará informações sobre essas unidades.

O Micron 1100 M.2 utiliza memórias 3D NAND TLC, que armazena três bits por célula.

O total de bytes gravados (TBW, que significa a quantidade de dados gravados na unidade até que a mesma possa ter problemas por desgaste) para o modelo de 256 GiB é de 120 TiB. Para saber mais sobre este dado, assista ao nosso vídeo sobre durabilidade de SSDs.

Comparamos o Micron 1100 M.2 de 256 GiB com outro dois SSDs de capacidade semelhante, o Seagate Barracuda SSD de 250 GiB e o Kingston UV400 de 240 GiB.

As unidades testadas têm, na verdade, 256 GiB de memória total, mas nos modelos com menor capacidade nominal, a diferença é reservada para uso interno (“overprovisioning”), usados pelos mecanismos de coleta de lixo e balanceamento de desgaste.

Na tabela abaixo comparamos as unidades testadas. Os preços foram pesquisados no dia da publicação deste teste.

Fabricante Modelo Código do Modelo Capacidade Nominal Formato Interface Preço nos EUA
Micron 1100 M.2 MTFDDAV256TBN 256 GiB M.2 SATA-600 US$ 80
Seagate Barracuda SSD ZA250CM10002 250 GiB 2,5 polegadas SATA-600 US$ 50
Kingston UV400 SUV400S37/240G 240 GiB 2,5 polegadas SATA-600 US$ 42

Na tabela abaixo, fornecemos um comparativo de detalhes técnicos das duas unidades. TBW (Total Bytes Written) significa a quantidade de dados que podem ser gravados na unidade até que a mesma possa ter problemas por desgaste.

Modelo Controlador Buffer Memória TBW
Micron 1100 M.2 Marvell 88SS1074

512 MiB

2x 128 GiB Micron NW853 120 TiB
Seagate Barracuda SSD Phison PS3110-S10

256 MiB

4x 64 GiB TA59G55AIV 120 TiB
Kingston UV400 Marvell 88SS1074

256 MiB

16x 16 GiB Kingston FT16B08UCT1-0F 100 TiB

[pagination="O Micron 1100 M.2 de 256 GiB - parte 1"]

A Figura 1 mostra o Micron 1100 M.2 de 256 GiB, que usa o formato M.2 2280.

micron110-256GB-01.jpg

Figura 1: o Micron 1100 M.2 de 256 GiB

Na Figura 2 vemos o lado da solda da placa de circuito impresso, onde não há nenhum componente.

micron110-256GB-02.jpg

Figura 2: lado da solda

Removendo a etiqueta, vemos no lado dos componentes da placa de circuito impresso os dois chips de memória Flash NAND, o chip controlador e o chip de memória cache.

micron110-256GB-03.jpg

Figura 3: lado dos componentes

[pagination="O Micron 1100 M.2 de 256 GiB - parte 2"]

O controlador utilizado pelo 1100 M.2 é o Marvell 88SS1074.

micron110-256GB-04.jpg

Figura 4: chip controlador

O 1100 M.2 traz um chip de memória da Micron com marcação F4416ACBH-DD-A. Pelo que pudemos apurar, trata-se de um chip de memória DDR3L com 512 MiB de capacidade.

micron110-256GB-05.jpg

Figura 5: memória cache

Os chips de memória flash NAND 3D TLC têm marcação NW853 e o logotipo da Micron, mas não há informações sobre este chip no site do fabricante.

micron110-256GB-06.jpg

Figura 6: chip de memória

[pagination="Como testamos"]

Durante nossos testes, usamos a configuração listada abaixo. O único componente variável entre cada sessão de testes foi o SSD sendo testado.

Note que nós utilizamos o programa CrystalDiskMark versão 6.0.0. A versão 6 utiliza um sistema de medida diferente das versões anteriores. Assim, não é possível comparar diretamente os resultados obtidos em versões diferentes.

Configuração de hardware

Configuração de software

  • Sistema operacional: Windows 10 Home 64-bit

Programas utilizados

Margem de erro

Adotamos uma margem de erro de 3% em nossos testes, o que significa que diferenças de desempenho de menos de 3% não são consideradas significativas. Assim, quando a diferença de desempenho entre dois produtos for de menos de 3%, consideramos que eles têm desempenhos equivalentes.

[pagination="Desempenho com dados compactáveis"]

Para o teste com o CrystalDiskMark, primeiramente nós utilizamos o modo "0Fill", que grava apenas zeros, simulando dados facilmente compactáveis, com cinco repetições e um arquivo de teste de 1 GiB.

micron110-256GB-g11.gif

No teste de leitura sequencial com profundidade de fila igual a 32, o Micron 1100 M.2 foi 5% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e do que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g12.gif

Já no teste de escrita sequencial com profundidade de fila igual a 32, o Micron 1100 M.2 foi 5% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e ficou empatado com o Kingston UV400.

micron110-256GB-g13.gif

No teste de leitura com blocos de 4 kiB, 8 threads e profundidade de fila igual a 8, o Micron 1100 M.2 foi 41% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e 30% mais lento que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g14.gif

No teste de escrita com blocos de 4 kiB, 8 threads e profundidade de fila igual a 8, o Micron 1100 M.2 foi 9% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e obteve desempenho similar ao do Kingston UV400.

micron110-256GB-g15.gif

No teste de leitura com blocos de 4 kiB e profundidade de fila 32, o Micron 1100 M.2 foi 12% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e 15% mais lento que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g16.gif

No teste de escrita com blocos de 4 kiB e profundidade de fila igual a 32, o Micron 1100 M.2 foi 4% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e 5% mais lento que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g17.gif

Já no teste de leitura aleatória com blocos de 4 kiB, o Micron 1100 M.2 foi 75% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e 15% mais lento que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g18.gif

No teste de escrita aleatória com blocos de 4 kiB, o Micron 1100 M.2 foi 6% mais rápido do que o Seagate Barracuda SSD e que o Kingston UV400.

[pagination="Desempenho com dados não compactáveis"]

Em seguida, nós rodamos o teste com o CrystalDiskMark, deixando o programa em modo padrão, que usa dados aleatórios (não compactáveis), também com cinco repetições e um arquivo de teste de 1 GiB.

micron110-256GB-g21.gif

No teste de leitura sequencial com profundidade de fila igual a 32, o Micron 1100 M.2 foi 5% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e do que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g22.gif

Já no teste de escrita sequencial com profundidade de fila igual a 32, o Micron 1100 M.2 foi 4% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e ficou empatado com o Kingston UV400.

micron110-256GB-g23.gif

No teste de leitura com blocos de 4 kiB, 8 threads e profundidade de fila igual a 8, o Micron 1100 M.2 foi 36% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e 30% mais lento que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g24.gif

No teste de escrita com blocos de 4 kiB, 8 threads e profundidade de fila igual a 8, o Micron 1100 M.2 foi 11% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e 4% mais lento que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g25.gif

No teste de leitura com blocos de 4 kiB e profundidade de fila 32, o Micron 1100 M.2 foi 14% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e 15% mais lento que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g26.gif

No teste de escrita com blocos de 4 kiB e profundidade de fila igual a 32, o Micron 1100 M.2 foi 5% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g27.gif

Já no teste de leitura aleatória com blocos de 4 kiB, o Micron 1100 M.2 foi 26% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e 15% mais lento que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g28.gif

No teste de escrita aleatória com blocos de 4 kiB, o Micron 1100 M.2 foi 7% mais rápido do que o Seagate Barracuda SSD e 6% mais rápido que o Kingston UV400.

[pagination="Desempenho com grande quantidade de dados"]

Uma das principais desvantagens nas memórias Flash TLC é a menor velocidade de escrita. A maioria dos SSDs atuais compensa isto incluindo no chip controlador uma pequena quantidade de memória Flash SLC, bem mais rápida, que serve como cache de escrita. Assim, nestes modelos, operações de escrita de pequenas quantidades de dados não sofrem redução de velocidade, pois os dados são gravados na memória SLC e posteriormente, quando a unidade está ociosa, transferidos para as memórias TLC, mas gravações de um grande volume de dados (maior do que o cache SLC) está sujeita a redução drástica de velocidade.

Para verificarmos se o modelo sofre com este problema, utilizamos o CrystalDiskMark 6, com três repetições e arquivo de teste de 32 GiB com dados aleatórios. Vamos aos resultados.

micron110-256GB-g31.gif

No teste de leitura sequencial com profundidade de fila igual a 32, o Micron 1100 M.2 foi 6% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e ficou em empate técnico com o Kingston UV400.

micron110-256GB-g32.gif

Já no teste de escrita sequencial com profundidade de fila igual a 32, o Micron 1100 M.2 foi 68% mais rápido do que o Seagate Barracuda SSD e 49% mais rápido que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g33.gif

No teste de leitura com blocos de 4 kiB, 8 threads e profundidade de fila igual a 8, o Micron 1100 M.2 foi 35% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e 30% mais lento que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g34.gif

No teste de escrita com blocos de 4 kiB, 8 threads e profundidade de fila igual a 8, o Micron 1100 M.2 foi 45% mais rápido do que o Seagate Barracuda SSD e 9% mais rápido que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g35.gif

No teste de leitura com blocos de 4 kiB e profundidade de fila 32, o Micron 1100 M.2 foi 29% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e 26% mais lento que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g36.gif

No teste de escrita com blocos de 4 kiB e profundidade de fila igual a 32, o Micron 1100 M.2 foi 21% mais rápido do que o Seagate Barracuda SSD e 11% mais rápido que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g37.gif

Já no teste de leitura aleatória com blocos de 4 kiB, o Micron 1100 M.2 foi 7% mais lento do que o Seagate Barracuda SSD e 4% mais rápido que o Kingston UV400.

micron110-256GB-g38.gif

No teste de escrita aleatória com blocos de 4 kiB, o Micron 1100 M.2 foi 10% mais rápido do que o Seagate Barracuda SSD e que o Kingston UV400.

[pagination="Conclusões"]

Em nossos testes, pudemos notar que o Micron 1100 M.2 de 256 GiB obtém o mesmo desempenho com dados compactáveis e não compactáveis, o que significa que o seu chip controlador não utiliza compactação de arquivos para aumentar o desempenho.

Em relação ao desempenho, o Micron 1100 M.2 de 256 GiB é um pouco mais lento do que os outros modelos testados na maioria dos testes, principalmente de leitura. Por outro lado, ele saiu-se melhor nos testes de gravação com 32 GiB de dados, onde alcançou um bom desempenho. Desta forma, podemos dizer que seu desempenho é dentro do esperado para um SSD de sua categoria, sem surpresas positivas ou negativas.

A questão é que os SSDs que utilizam interface SATA-600 são claramente limitados pela largura de banda máxima desta conexão e, portanto, atualmente não são voltados a aplicações que exigem alto desempenho, onde um SSD com interface PCI Express e protocolo NVMe são mais recomendados. Isto não significa que este tipo de SSD não seja recomendado: SSDs SATA são muito mais rápidos do que discos rígidos, principalmente em acesso aleatório, já que não dependem do movimento físico de um sensor para buscar dados que estão em diferentes áreas, como é no caso de um disco rígido. Assim, para o usuário doméstico, utilizar um SSD com interface SATA-600 ainda é muito recomendado, já que a diferença de desempenho para um SSD PCI Express é, na prática, difícil de notar neste tipo de aplicação.

O maior ponto negativo do Micron 1100 M.2 de 256 GiB é o seu preço, superior ao de outros modelos com desempenho similar. Assim, ele não é um SSD ruim, mas existem outros modelos no mercado com melhor relação custo/benefício.

Editado por Rafael Coelho

Compartilhar

  • Curtir 6


  Denunciar Artigo

Artigos similares


Comentários de usuários


Citação

e neste caso existe também o modelo de 2 GiB.

Acho que há um equivoco.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Rafael, na página 7, poderia rever o resultado do teste de escrita sequencial?

 

"Já no teste de escrita sequencial com profundidade de fila igual a 32, o Micron 1100 M.2 foi 68% mais rápido do que o Seagate Barracuda SSD e 49% mais lento que o Kingston UV400."

 

Creio que o micron foi mais rápido que os outros 2.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
3 horas atrás, lnpott disse:

Acho que há um equivoco.

Corrigido, obrigado!

adicionado 0 minutos depois
57 minutos atrás, Tiago Leão disse:

Rafael, na página 7, poderia rever o resultado do teste de escrita sequencial?

 

"Já no teste de escrita sequencial com profundidade de fila igual a 32, o Micron 1100 M.2 foi 68% mais rápido do que o Seagate Barracuda SSD e 49% mais lento que o Kingston UV400."

 

Creio que o micron foi mais rápido que os outros 2.

Corrigido, obrigado!

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Junte-se à conversa

Você pode postar agora e cadastrar-se depois. Se você tem uma conta, faça o login para postar.

Visitante
Adicionar um comentário

×   Você colou conteúdo com formatação.   Restore formatting

  Só é possível ter até 75 emoticons.

×   O link foi automaticamente convertido para mostrar o conteúdo.   Clique aqui para mostrá-lo como link comum

×   Seu texto anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×
×
  • Criar novo...

GRÁTIS: minicurso “Como ganhar dinheiro montando computadores”

Gabriel TorresGabriel Torres, fundador e editor executivo do Clube do Hardware, acaba de lançar um minicurso totalmente gratuito: "Como ganhar dinheiro montando computadores".

Você aprenderá sobre o quanto pode ganhar, como cobrar, como lidar com a concorrência, como se tornar um profissional altamente qualificado e muito mais!

Inscreva-se agora!