Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

Visita à Sede da Lexmark, em Lexington, Kentucky, EUA

       
 37.995 Visualizações    Artigos  
 0 comentários

A sede da Lexmark é um gigantesco centro de pesquisa e desenvolvimento. Veja como foi nossa visita e entenda porque os cartuchos de tinta não são baratos.

Visita à Sede da Lexmark, em Lexington, Kentucky, EUA

Introdução

Com certeza você já se perguntou por que os cartuchos de impressora são tão caros. Muita gente acha que é pura e simples "roubalheira" e, por isso, acaba optando por um modelo genérico ou recarregando várias vezes o mesmo cartucho. Mas o que pouca gente sabe é que há muito mais tecnologia naquela "caixinha de tinta" do que sonha nossa vã impressão.

Além das tintas, um cartucho contém, em média, mais de 15 componentes. Na maioria das vezes, a tinta acaba mas esses outros componentes ainda estão novos e acabam sendo jogados no lixo – inclusive a cabeça da impressão, que em quase todas as marcas está montada no cartucho, e não na impressora. Em tempo: apenas nos modelos Epson a cabeça está na impressora, o que torna o cartucho mais barato e não descarta um componente quase novo. Mas os concorrentes contra-atacam afirmando que isso causa os freqüentes casos de entupimento nas impressoras dessa empresa.

Numa visita à fábrica da Lexmark, em Lexington, no estado de Kentucky, Estados Unidos, vimos que o preço do cartucho se justifica pelo investimento em tecnologia e em Pesquisa & Desenvolvimento, com o intuito de buscar mais qualidade, durabilidade e fidelidade às cores em cada impressão.

No Laboratório de Ciência de Cor Inkjet (Figura 1), os cientistas implementam algoritmos de processamento de imagem e tabelas de reprodução de cores. Uma das funções é converter o RGB (de red, green e blue, as cores primárias das cores-luz) do computador para pontos CMYK (de cyan, magenta, yellow e key, que representa o preto) na página impressa. Nessa área também se definem as cores usadas na impressão de cada continente, já que a preferência varia de local para local.

Nas Américas, por exemplo, os consumidores preferem cores fortes e avermelhadas, de um jeito que pareça que a pessoa está sempre bronzeada. Na Europa, preferem-se tons mais pálidos, assim como na cultura oriental, mas com algumas diferenças de nuance. Um fato curioso é a reação dos orientais às fotos dos americanos. "Em vários testes que realizamos, os japoneses olhavam para as fotos e diziam: 'eles parecem bêbados!', referindo-se aos tons avermelhados do rosto dos fotografados", divertia-se um dos cientistas. "Esse é um claro exemplo de que a cor ideal na foto não é a próxima à realidade, mas sim, a cor que o consumidor deseja ver estampada. Muitas vezes deseja-se uma foto com céu azul-anil, mesmo que essa tonalidade não seja a que corresponda à realidade", explica.

Lexmark
Figura 1: Laboratório de Ciência de Cor Inkjet da Lexmark.

No Laboratório de Química Analítica (Figura 2) garante-se a pureza da tinta. Através de aparelhos como o espectrômetro de plasma é possível medir com exatidão os componentes da tinta e do toner, garantindo a inexistência de impurezas. Dessa forma garante-se o mínimo de "sujeira", eliminando as chances de entupimento do bico.

Lexmark
Figura 2: Laboratório de Química Analítica da Lexmark.

Já a qualidade da precisão com que o ejetor libera a tinta é controlada no Laboratório de Física da Impressão (Figura 3). Aí são medidos o tamanho, a forma e a trajetória de cada gotícula de tinta.

Lexmark
Figura 3: Detalhe do ejetor de tinta liberando uma partícula de tinta.

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Artigos similares


Comentários de usuários


Não há comentários para mostrar.



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×