Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  

Mercado Brasileiro: Perguntas que Não Calam

       
 2.194 Visualizações   8 comentários

Um pequeno artigo publicado no site IDGNow! chamado "Com aprovação de MP do Bem, preço do micro volta a cair" me fez lembrar algumas perguntas sem resposta sobre o mercado Brasileiro. Republiquei abaixo o artigo com meus comentários em negrito no meio do texto.

Mercado Brasileiro: Perguntas que Não Calam
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Um pequeno artigo publicado no site IDGNow! chamado "Com aprovação de MP do Bem, preço do micro volta a cair" me fez lembrar algumas perguntas sem resposta sobre o mercado Brasileiro. Republiquei abaixo o artigo com meus comentários em negrito no meio do texto.

"Com a aprovação da MP 255/05, conhecida como a nova MP do Bem, os preços dos computadores de até 2.500 reais vão cair 9,25%.

Existe uma enorme diferença entre "espera-se" e "vai". Aqui o jornalista afirmou que os preços dos computadores vão cair, o que não é necessariamente verdade. Como todos nós sabemos, o mercado brasileiro é formado basicamente por produtos contrabandeados (o mercado cinza), que não paga imposto. Então qualquer modificação na política tributária do governo não altera em nada os preços dos computadores montados com peças contrabandeadas e/ou vendidas com nota fiscal fria, já que não pagam impostos.

A grande pergunta que não se cala: quando o dólar sobre, as peças de computador sobem rapidamente. Agora, quando o dólar cai, os preços não caem, ou se caem não caem na mesma velocidade. O mesmo vale para a gasolina e para o trigo e produtos derivados do trigo tais como pães e biscoitos. A política "dois pesos, duas medidas" adotada a torto e direito em nosso país é impressionante.

A expectativa é do diretor de informática da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Hugo Valério, em entrevista há pouco para o IDG Now!.

Ué, acima você afirmou agora tá dizendo que é uma expectativa informada por uma fonte?

A MP dá um desconto 9,25% referentes aos impostos PIS e Cofins na venda das máquinas ao consumidor e já era aplicado pelos fabricantes de PCs, quando a medida 252/05 perdeu a validade.

Valério acredita, citando pesquisas do governo federal, que a isenção fiscal e as linhas de financiamento para a compra do computador vão significar um acréscimo de vendas anual 1 milhão de máquinas.

Acho engraçado como o governo fica dando o peixe em vez de ensinar a pescar. Um computador no Brasil não é caro por conta do seu valor monetário (um bom computador sai no mercado brasileiro a menos de US$ 500, o que é um preço acessível em qualquer país), mas porque a população ganha pouco (salário mínimo de US$ 130, por exemplo). Então, em vez de ficar criando bolsa-isso, bolsa-aquilo, porque o governo não investe pesado em educação para que a população possa ter melhores condições de trabalho e não ficar em sub-empregos ganhando merreca e depois ficar mendigando computador (e outras coisas mais)? Eu sei que é meio Teoria da Conspiração, mas nada me tira da cabeça que para os políticos é melhor ter uma população sem educação, que não pensa e que não protesta. Afinal, se o nível educacional fosse mais elevado, a população se questioria, se lembraria dos fatos e não ficaria re-elegendo os mesmos políticos envolvidos com toda a sorte de maracutaia e que só entraram na política para "se darem bem", além de protestar e fazer uma algazarra quando as coisas estivessem indo na direção errada (só para lembrar: Fernando Collor foi tirado do governo por uma lambança bem menor do que a que está ocorrendo no governo Lula; cadê os cara-pintadas?).

Como escolher seu computador

O executivo não soube informar os investimentos para aumento da capacidade de fabricação em razão do aumento da demanda, mas disse que há muita capacidade instalada ociosa em razão do tamanho do mercado cinza no Brasil.

Mercado cinza

Em setembro, pesquisa da consultoria de tecnologia IDC mostrou que a participação do mercado cinza nas vendas de computadores encolheu no Brasil pela primeira vez em 10 anos: passou de 74% em dezembro de 2004, para 65% em agosto.

Entre os fatores que levaram à redução da pirataria estão a atuação da Receita Federal na apreensão de componentes contrabandeados e a MP do Bem, que enquanto estive em vigor proporcionou uma redução de 9,25% no tributos - referentes à isenção de PIS e Cofins - para computadores de até 2,5 mil reais, as alternativas de sistemas operacionais - distribuições Linux e Windows Starter Edition - e o câmbio favorável.

Mercado cinza não é necessariamente sinônimo de "pirataria". O termo mercado cinza refere-se a peças contrabandeadas ou vendidas com nota fiscal falsa ("fria"). O artigo deixa de mencionar o mercado "white box", que são os computadores vendidos legalmente só que sem marca, isto é, "montados".

Quer acabar com o mercado "cinza" e com o contrabando? É muito fácil. É só o governo parar de cobrar impostos absurdos em cascata. Para quem não sabe, o governo cobra imposto sobre imposto, uma loucura que só deve existir por aqui (e depois o pessoal fica pau da vida quando empresários estrangeiros chamam o Brasil de República de Bananas). Aplicados todos os impostos e taxas, o custo de um produto importado dobra. Impressionante. Isso sem contar na loucura burocrática que é fazer uma importação no Brasil. É impressionante como o Brasil é um país que não é amigável para se fazer negócios. Em minha opinião, se o governo reduzisse a carga tributária sobre as importações, dos absurdos 100% para algo mais palatável e se "desburrocratizasse" todo o processo, com certeza o contrabando terminaria, pois não valeria mais à pena. Os 9,25% mencionados acima não são nada perto disso.

O pior são as justificativas oficiais para que os impostos aplicados ao processo de importação sejam tão caros. A principal é a de proteger o mercado nacional contra produtos equivalentes importados mais baratos. A idéia é a seguinte. Se um produto similar que vem de fora é mais barato, as pessoas param de comprar o nacional, as fábricas fecham as portas, há demissões, o que gera recessão. Beleza. Mas tem um detalhe aí. Porque em vez de proteger a indústria nacional cobrando impostos absurdos de produtos importados, que tal tornar a indústria nacional mais competitiva, baixando os impostos, alterando o sistema do INSS (porque a empresa empregadora tem que pagar INSS, se quem vai se aposentar não é a empresa? E se o empregado já é descontado o INSS?), e diminuindo o custo de se contratar e demitir funcionários (lembramos que qualquer empresário para demitir um funcionário tem que pagar uma multa de 40% sobre o seu fundo de garantia)? Esse paternalismo do nosso governo é um atraso de vida, totalmente na contra-mão do resto do mundo, que é o de livre concorrência. Lembrando que nunca se aumentou tanto a carga tributária quanto no governo Lula (especialmente sobre as empresas prestadoras de serviço), curiosamente uma das principais críticas que o nosso atual presidente fazia em relação ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, a relação tributação/PIB.

Depois vem o governo falar que o caminho do Brasil é a exportar. Fala sério. No mundo globalizado em que vivemos, qualquer empresa multinacional vai preferir investir em outro país. Ou pior. Quando resolvem vir ao Brasil o governo baixa as calças, dá terreno, isenção de imposto por 20 anos e o escambau. Agora vai você abrir uma empresa para ver o que é bom para tosse... Isso sem contar no custo de crédito, já que as empresas multinacionais pegam dinheiro nos EUA, Europa ou Japão pagando uma taxa de juros que não chega a 3% ao ano, aí é mole. Vai você pegar dinheiro para montar um negócio... Será na faixa de 3% ao mês... Isso sem contar que, pelo "risco de inadimplência", só consegue aprovação para crédito quem já tem dinheiro ou bens para dar em garantia...

Somos o país mais tributado do mundo. Pagamos mais impostos que os suecos, só que recebemos um retorno social do governo igual ao de Uganda.

O negócio é que pouca gente percebe que pagamos tantos impostos, já que no Brasil (e vários países Europeus, verdade seja dita) os impostos são embutidos nos preços dos produtos.

Quanto à questão "câmbio favorável", já mencionei que não entendo porque quando o câmbio está "favorável" o preço dos produtos não caem na mesma proporção.

A previsão da IDC é que o mercado brasileiro venda 5,2 milhões de computadores pessoais em 2005, 28,1% a mais do que o ano passado."

Bacana. Pena que para pegar todos os dados apurados pelo IDC a gente tenha que pagar, senão a gente publicava aqui. Afinal é assim que eles ganham dinheiro.

Compartilhar



  Denunciar Post no Blog
Entre para seguir isso  

Comentários de usuários


Fica parecendo que o governo faz as coisas de cima para baixo, ou seja, a intenção não é beneficiar o povo e sim os empresários "amigos" do governo.

O Termo "amigos" ai se aplica as grandes empresas montadoras de micros no Brasil que sempre estão envolvidas em falcatruas ou que contribuem em campanhas políticas. Um exemplo é a tal Novadata que é do amigo do Lula e está envolvida em diversas irregularidades.

Outro projeto que parece ter sido feito de cima para baixo é o tal PC Conectado ou Pc para todos.

Primeiro que só beneficia os grandes montadores de micro e os grandes varejistas. As milhares de revendas honestas que existem no país vão com certeza ser prejudicadas e muitas vão fechar.

Segundo: A configuração é até razoável mas 128 MB de RAM hoje em dia é piada. Pelo jeito os pseudos técnicos do governo acham que o Linux é mais leve e por isso roda bem com 128 MB. Linux com interface gráfica ocupa a mesma memória que um micro com Windows.

Terceiro: Linux é bom para servidor (mas exige gente especializada para configurar) em Desktop é utopia dizer que o linux, mesmo as versôes Live CD, seja fácil de usar. Falta padronização, a maioria das Webcams não traz drivers para linux, o mesmo ocorrendo com impressoras mais novas, MP3 players etc...

Configurar qualquer coisa ainda é complicado no Linux e um mistério p/ o usuário leigo. Vejo muitos defensores de Linux dizendo que isso é preconceito e tal, mas a verdade é que eles sabem utilizar bem o Linux e quando falam não se colocam no lugar de um usuário leigo. Windows é padrão e ponto final. O comprador do PC conectado usa windows no trabalho, usa Windows na Lan house e usa Windows na escola.... Quando chegar em casa vai usar Linux??? Aquele jogo que o amigo emprestou vai rodar como no Linux?

Faça o teste. entre no google e digite WEBCAM LINUX vocês vão se espantar com os tutoriais que encontrei. Cada webcam exige um procedimento diferente e em muitos tutoriais é necessário compilar o Kernel. Fala sério!!! alguém acha que um leigo vai conseguir por a webcam p/ funcionar no linux???

Outra mentira é dizer que o Linux é mais seguro.. O maior furo de segurança é o usuário. Qualquer sistema ou aplicativo que se torne muito popular vira alvo e logo logo é tão vulnerável quanto os que existem no mercado. O melhor exemplo é o Firefox que todo mundo dizia ser seguro e hoje padece dos mesmo problemas que o IE.

Dizer que o Open Office é 100% compatível com o Office é outra mentira. Eu mesmo tenho no meu micro o Office 2000 (oficial) e o recém lançado Open Office 2.0 e todo documento que abro no Open Office (principalmente planilhas com gráficos) ficam diferentes exigindo que eu refaça todo o documento.

O que vai acontecer é o que todo mundo já sabe, uma enxurrada de Pcs conectados sendo levados a lojas para poder tirar o Linux e colocar um Windows piratinha.... os mais ousados vão eles mesmos pagar 10 reais no CD do XP piratão e vão fazer a instalação por conta própria. Aliás isso já acontece com alguns micros vendidos com Linux pela Positivo. Todos os que eu vi até hoje que vieram originalmente com linux já rodam Windows Pirata...

Não era mais fácil o governo dar isenção a industria de software ou então melhorar o poder de compra da população ao invés de por lei querer impor o sistema operacional que o usuário deva utilizar?

Quarto: O governo ainda não decidiu como o tal Pc conectado vai se conectar a Internet. Só existem especulaçoes de tarifas e planos de acesso... uma piada...

Quinto: Para comprar o tal Pc conectado os bancos estão exigindo abertura de conta que implica em taxas mensais e tem até bancos exigindo a aquisição de cartão de crédito. É o que alerta a Proteste:

http://www.proteste.org.br/BR_acoes_detail.asp?id=594

Ou seja é mais um projeto furado do governo..

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
:bandeira: Amo meu Brasil. Mas por essas e outras às vezes tenho vontade de morar em outro país.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Eu amo meu país, sou patriota e tenho muito orgulho do trabalho que desenvolvo aqui e tenho muito orgulho de quando viajo, poder dizer que sou brasileiro. Mas fico realmente pau da vida quando paro para pensar em como o governo não ajuda. Nós aqui temos de ser 2x melhores que os gringos para nos darmos bem na vida.

Abraços,

Gabriel Torres

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Boa Gabriel, eu concordo plenamente contigo.

Por essas e outras eu acho que o nosso país não tem mais jeito, só me orgulho de 3 coisas: o meu time, o meu estado e a seleção.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Eu acho o seguinte:

Primeiramente, eu peço autorização ao Gabriel Torres, a poder copiar o conteúdo desta materia, na íntegra, e enviar por e-mail aos meus conhecidos, e pedir a eles que repassem, pois acho que é a melhor forma de se espalhar uma notícia que todo mundo precisa saber.

Segundo: Infelizmente não vale mais a pena morar aqui no Brasil, tudo aqui é mais difícil que em outros lugares do mundo. O governo não ajuda em nada, so enrola o povo...tudo é mais caro, ta difícil conseguir sobreviver e trabalhar honestamente nesse pais...não me admira a criminalidade estar estão em alta....se eu pudesse, já tinha ido morar em outro país, como EUA ou Japao. Ma infelizmente, eu sou apenas um tecnico de informatica aqui em Fortaleza-CE, assim como varios outros, que ralou muito durante 5 anos ganhando apenas um salario, com um pai de 65 anos aposentado e desempregado e uma mae dona de casa...sempre enfrentando a dura realidade de um dia estar empregado e no outro já esta correndo atras de outro empregro porque a empresa onde trabalhava simplesmente fechou as portas e o dono sumiu no mundo com o dinheiro de muita gente e deixando varias dividas....Este ano de 2005, dei sorte (sorte mesmo !!!) de conseguir um emprego de analista de suporte de uma empresa multinacional, ganhando R$ 850,00 + alimentacao e transporte. Mas é incrivel como o dinheiro quase não da ate o fim do mes.

Terceiro: Enquanto a populacao não tomar vergonha na cara e se revoltar pra valer com esse governo picareta, continuaremos vivendo nessa miseria.

PS: Sou leitor assíduo do site e gostaria de dar os parabéns ao Gabriel Torres por sua coragem de expressar sua indignação com a situação atual do nosso país assim como eu com meu desabafo.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Primeiramente, eu peço autorização ao Gabriel Torres, a poder copiar o conteúdo desta materia, na íntegra, e enviar por e-mail aos meus conhecidos, e pedir a eles que repassem, pois acho que é a melhor forma de se espalhar uma notícia que todo mundo precisa saber.

Como é uma mensagem no nosso blog, não tem problema algum, pode mandar ver. Se puder manter o link para onde está o artigo original (ver na primeira mensagem deste tópico), agradeço.

É brabo mesmo, pessoal.

Abraços,

Gabriel.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Infelizmente o interesse pessoal de alguns ou de pequenos grupos prejudica todos.

O pessoal desse a bronca no Paraguai ( eu sou a favor de pagar impostos, desde que os mesmos sejam justos ) porém uma empresa na área de informática não sobrevive nos dias de hoje vendendo peças e computadores legalmente. ( Tirando as multinacionais que vendem para empresas e os sites que vendem hardware top de linha para quem tem dinheiro )

Faça a seguinte pergunta para um cliente:

Você quer comprar um precessador que vem do Paraguai por R$400,00 ou o mesmo processador devidamente importado ( o do Paraguai é importado também :P ) por R$800,00 ?

...

O Brasil é um país de 3º mundo, sendo que sua população na grande maioria é muito simples. Só brasileiro mesmo consegue viver pagando esses impostos. ( no mínimo a pessoa trabalha 3 meses no ano só para pagar impostos! ). Pra mim brasileiro é rico!

Taí a relação entre povo x governo

:bandeira::chicote:

Até mais ...

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Considero isso um tremendo ciclo vicioso. Como sempre os corretos pagam pelos erros dos incorretos. Como os impostos são altos muita gente vai pra clandestinidade, daí o que o governo faz, aumenta ainda mais os impostos pra cobrir o rombo.

Além de triste, por saber que o país nunca vai ser competitivo nessa área, é revoltante ver que um americano consegue comprar uma placa de vídeo por U$ 80 e você tem que pagar mais de R$ 1000 num modelo similar, sem contar que nossa remuneração é menor. :muro:

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×
×
  • Criar novo...

GRÁTIS: minicurso “Como ganhar dinheiro montando computadores”

Gabriel TorresGabriel Torres, fundador e editor executivo do Clube do Hardware, acaba de lançar um minicurso totalmente gratuito: "Como ganhar dinheiro montando computadores".

Você aprenderá sobre o quanto pode ganhar, como cobrar, como lidar com a concorrência, como se tornar um profissional altamente qualificado e muito mais!

Inscreva-se agora!