Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
MLeila

Programação Em Access - Como é Cobrado?

Recommended Posts

Olá amigos,

Antigamente quando a programação era feita totalmente em linhas de programação, um trabalho era cobrado baseando-se no total de linhas que o programa teria.

E hoje, que as linguagens são todas voltadas ao objeto, que base o pessoal tem para cobrar o programa?

Alguém tem ideia de +- o valor também?

Obrigada,

Leila

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu pessoalmente quando me pedem algo em Acess eu analizo o que a pessoa quer e o tipo de trabalho que terei..

Tipo Tempo e Complexidade do BD e faço um valor fechado.

Algo A partir de 50,00

Se for algo mais complexo fica mais caro.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Na minha opinião, esse conceito de "cobrar por linhas digitadas" sempre foi errado.

Perceba que não existe relação entre quantidade de linhas digitadas e "qualidade, utilidade e funcionalidade" do software: se fosse um simples trabalho de digitação de textos no Word, aí tudo bem, mas programação e desenvolvimento é diferente, envolve muito mais coisas.

Antes de saber quanto cobrar, é preciso levar em conta o tempo que você vai levar para desenvolver, para saber se isto será viável ou não, tanto para você (que poderá ficar "amarrada" muito tempo com um trabalho só, deixando escapar outros mais $$$ interessantes) como também para o cliente (que poderá ficar muito tempo esperando por algo que ele precisa com certa urgência).

"Tempo" é a palavra-chave, pois ela te diz o quanto você vai ganhar (ou perder).

Até porque um coisa é pegar programinhas prontos pela internet, dar uma "ligeira modificada" e vender "à preço de banana" (claro, afinal não tomou tempo nem deu trabalho, tem muitos "programadores" que fazem esse tipo de coisa).

Já outra coisa é formar uma equipe (no mínimo mais um analista), fazer toda aquela parte inicial de reuniões com usuários do futuro sistema, elaborar cronograma, analisar e elaborar a documentação, etc... para daí depois sentar na frente do micro e começar à programar. Isso dá trabalho, o resultado é incomparavelmente superior e é claro: custará mais caro, tanto para você como também para o cliente.

Portanto veja que, sendo um sistema complexo em C++, seja um pequeno programa em Access, você não pode levar prejuizo e ao mesmo tempo não pode causar o mesmo à quem te contratou.

...

Mas só para você ter uma base, hoje o mais comum é cobrar por hora. Mas eu particularmente prefiro cobrar por projeto, dividindo o valor em parcelas. É o que tem dado mais certo pra mim, pois o cliente já sabe quanto vai pagar, quanto tempo vai levar, etc.

Por experiências anteriores, já tenho um valor à cobrar mais ou menos formado, mas cada caso é um caso, então acho que não adianta passar um valor que dá certo pra mim, pois pode não ser o mais adequado para você usar como referência.

...

Tem um tópico na área de Mercado de Trabalho que poderá té ajudar bastante à calcular tudo antes, pra diminuir as chances de prejuízo:

Clique aqui: Honorários: Como Calcular! (vá lendo o tópico até o final)

Tem também um artigo do Clube do Hardware, excelente para ajudar nesta questão:

Clique aqui: Quanto e como cobrar?

Portanto veja que não é apenas dizer: "É X reais!", há que se ter cuidado, tanto para não perder o cliente como também para não ir à falência.

Espero que isso te ajude, boa sorte.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora
Entre para seguir isso  





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×