Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se
KairanD

Tutorial: como descobrir se sua fonte de alimentação é bomba?

Posts recomendados

Em 27/09/2016 às 09:56, Foxwalt disse:

 

Se uma fonte de determinada potência não consegue fornecer potência na linha de +12V condizente para um computador moderno, por mim, a classificação de bomba e a metodologia são corretamente aplicadas. Mas isso já é questão de opinião. 

 

Então qual é a função da etiqueta? Se você quer puxar o quanto você bem entende da fonte sem se importar de onde, vale puxar de qualquer linha então...

 

Você pode também botar uma fonte moderna de 500 W limitada a 20 A na linha de +5 V em um PC antigo. Ótimo, só que você aí vai estar exigindo acima do permitido pela linha de +5 V... E se der errado, a fonte é bomba?

 

Citação
adicionado 1 minuto depois

Estava acreditando que a PCYes! poderia ser a primeira a enxergar isso, mas parece que eu estava errado. :(

 

Não consigo entender qual é o ponto com essa PCYes... Sem um teste confiável, ou pelo menos sem saber que OEM essas fontes andam utilizando para achar algo similar à fonte em questão para tomar como referência, acho que levar uma dessas é um tiro no escuro...

 

Em tempo, eu comentei em um post anterior sobre essa questão dos cabos, o que eu fico pensando aqui é que esse tipo de coisa deve meio que dificultar um pouco o uso de multímetros para medir a tensão... Os cabos coloridos dão uma referência mais fácil.

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
1 hora atrás, ignacho disse:

Então qual é a função da etiqueta? Se você quer puxar o quanto você bem entende da fonte sem se importar de onde, vale puxar de qualquer linha então...

Cá pra nós, o teste na realidade nem precisaria ser realizado, já que a própria etiqueta já mostra que a fonte é inadequada para configurações modernas. ^_^

 

Um computador moderno puxa quase toda a energia que precisa da linha de +12V, sendo muito pouca coisa (relativamente à linha de +12V) advinda das outras linhas. Testes devem ser condizentes com isso. Além do mais, o teste é para mostrar se a fonte realmente fornece o que está escrito na etiqueta e se tem proteções para desarmar quando solicitada acima daquele limite.

 

O usuário que compra uma fonte atualmente (nem tão atualmente assim, já faz um bom tempo) acredita que ela vai ter capacidade de direcionar a potência para onde os componentes mais precisam... Que é a linha de +12V. Uma fonte de 300W com projeto do passado pode não ser uma fonte de 300W atualmente, já que ter potência sobrando em linhas que jamais serão totalmente acessadas pela máquina não adianta de nada.

 

1 hora atrás, ignacho disse:

Você pode também botar uma fonte moderna de 500 W limitada a 20 A na linha de +5 V em um PC antigo. Ótimo, só que você aí vai estar exigindo acima do permitido pela linha de +5 V... E se der errado, a fonte é bomba?

E de qual época seria um computador com esse comportamento? :mellow:

 

Novamente, os testes tomam como referência o uso em computadores "modernos" (nem tão modernos assim, já que esse comportamento de solicitar mais da linha de +12V não é de hoje) e classifica como bombas fontes incapazes de alimentar um deles conforme a potência rotulada. Concordar ou não com isso é opinião pessoal e deixemos dessa forma.

adicionado 3 minutos depois
1 hora atrás, ignacho disse:

Em tempo, eu comentei em um post anterior sobre essa questão dos cabos, o que eu fico pensando aqui é que esse tipo de coisa deve meio que dificultar um pouco o uso de multímetros para medir a tensão... Os cabos coloridos dão uma referência mais fácil.

É, isso é verdade... Mas não deixo de gostar muito da estética. :P

 

Uma malha preta já fica bacana... E não atrapalha nesse quesito, pois as pontas dos cabos ficam visíveis com as cores diferentes.

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 28/09/2016 às 21:35, Foxwalt disse:

Cá pra nós, o teste na realidade nem precisaria ser realizado, já que a própria etiqueta já mostra que a fonte é inadequada para configurações modernas. ^_^

 

Um computador moderno puxa quase toda a energia que precisa da linha de +12V, sendo muito pouca coisa (relativamente à linha de +12V) advinda das outras linhas. Testes devem ser condizentes com isso. Além do mais, o teste é para mostrar se a fonte realmente fornece o que está escrito na etiqueta e se tem proteções para desarmar quando solicitada acima daquele limite.

 

Uma coisa é a potência total que a fonte fornece, outra coisa é o que está colocado na linha de +12 V. Não sei se você vai se lembrar das primeiras gerações da Corsair CX (tirando a CX400), onde a linha de +12 V comportava 336 W no modelo de 430, 408 W no modelo de 500 e 480 no modelo de 600. Isso as tornava fontes ruins? Não. Isso significa que elas fraudavam a potência indicada? Tampouco. A questão é que o usuário aí tem que se guiar pelo quanto se tem na linha de +12 V, não puramente pela potência final, muito menos o teste pode dar a ilusão de que é plausível extrair mais do que o prometido naquela linha. Aliás, note que com exceção daqui, eu não vejo testadores com esse tipo de metodologia.

 

Citação

O usuário que compra uma fonte atualmente (nem tão atualmente assim, já faz um bom tempo) acredita que ela vai ter capacidade de direcionar a potência para onde os componentes mais precisam... Que é a linha de +12V. Uma fonte de 300W com projeto do passado pode não ser uma fonte de 300W atualmente, já que ter potência sobrando em linhas que jamais serão totalmente acessadas pela máquina não adianta de nada.

 

E de qual época seria um computador com esse comportamento? :mellow:

 

Novamente, os testes tomam como referência o uso em computadores "modernos" (nem tão modernos assim, já que esse comportamento de solicitar mais da linha de +12V não é de hoje) e classifica como bombas fontes incapazes de alimentar um deles conforme a potência rotulada. Concordar ou não com isso é opinião pessoal e deixemos dessa forma.

 

 

Ate 2005, 2006, que foi até mais ou menos até onde durou o soquete A dos memoráveis Athlon XP e cia (eu mesmo tive um), isso era comum. Tá certo, isso já tem uns 10 anos...

 

E se você quiser tomar como referência computadores modernos, lembre-se daquele estado de economia dos Haswell. Ative aquilo, bote alguns penduricalhos nas portas USB como HDs externos e celulares que se aproveitam das mesmas para recarregarem suas baterias e veja só o que acontece..

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
4 horas atrás, ignacho disse:

Uma coisa é a potência total que a fonte fornece, outra coisa é o que está colocado na linha de +12 V. Não sei se você vai se lembrar das primeiras gerações da Corsair CX (tirando a CX400), onde a linha de +12 V comportava 336 W no modelo de 430, 408 W no modelo de 500 e 480 no modelo de 600. Isso as tornava fontes ruins? Não. Isso significa que elas fraudavam a potência indicada? Tampouco. A questão é que o usuário aí tem que se guiar pelo quanto se tem na linha de +12 V, não puramente pela potência final, muito menos o teste pode dar a ilusão de que é plausível extrair mais do que o prometido naquela linha. Aliás, note que com exceção daqui, eu não vejo testadores com esse tipo de metodologia.

Uma pessoa comum que compra uma fonte dessas vai se guiar pela potência total, já que é esperado que a fonte seja capaz de fornecer aquilo que está escrito na caixa. E fornece? Sim, hipoteticamente. Isso corresponde à realidade de uso? Não... 

 

Como cada um classifica isso e a honestidade do fabricante depende de como se faz a interpretação dos dados e de qual tolerância é adotada. Portanto, é questão de opinião. ;)

 

4 horas atrás, ignacho disse:

E se você quiser tomar como referência computadores modernos, lembre-se daquele estado de economia dos Haswell. Ative aquilo, bote alguns penduricalhos nas portas USB como HDs externos e celulares que se aproveitam das mesmas para recarregarem suas baterias e veja só o que acontece..

Usar 100W apenas da linha de +5V como descrito no exemplo? Acho bem improvável, se me permite dizer.

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 01/10/2016 às 14:54, Foxwalt disse:

 

 

Usar 100W apenas da linha de +5V como descrito no exemplo? Acho bem improvável, se me permite dizer.

 

Não precisa puxar 20 A da linha de +5 V. Se você tiver uma demanda baixa na linha de +12 V (na casa de 1 A) e colocar uma carga significativa em cima da linha de +5 V (varia de fonte para fonte, mas para ter de referência, considere de 10 A para cima, e note que isso ainda é dentro do especificado para a linha de +5 V) existe um certo potencial de desequilíbrio na regulação das tensões das referidas linhas em fontes de regulação de tensão agrupada, que é o tipo de projeto pela maioria das fontes de baixo custo (incluindo aqui Corsair CX, Seasonic S12II, as EVGA séries W e B, e muitas outras que nem ficaria viável citar)

 

De fato, é um cenário improvável a ponto de ter que se preocupar, tanto é que em função disso esse tipo de fonte não pode ser qualificada como bomba... Mas só por precaução, a maioria dos fabricantes de placa de placas-mãe decidiu por deixar desativado o C6/C7 desses processadores, para evitar que a carga na linha de +12 V ficasse baixa demais.

 

E uma fonte de 300 W do passado ainda é uma fonte de 300 W hoje. Se ela é capaz de fornecer a sua potência dentro do que a etiqueta especifica... Em todo caso eu prefiro dizer que ela é uma fonte de X Watts na linha de +12 V, e inclusive usar isso como referência para as recomendações. Lembro que lá pelos idos de 2011 até o início de 2013, tinha um costume de em muitos casos colocar a recomendação da Corsair CX600 V2 ao lado da Seasonic S12II-520Bronze, porque pra mim era exatamente o que se equivaliam a partir da capacidade da linha de +12 V (40 A em ambas). Mas isso não fazia com que eu visse a Corsair como uma fonte de 520 W.

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
4 minutos atrás, ignacho disse:

E uma fonte de 300 W do passado ainda é uma fonte de 300 W hoje. 

 

15 minutos atrás, ignacho disse:

Mas isso não fazia com que eu visse a Corsair como uma fonte de 520 W.

 

Isso é o que depende do ponto de vista. É potência que a máquina não acessa em cenários reais. Uma GTX 760 tem o mesmo processador gráfico da GTX 770, mas tem cuda cores que não podem ser acessados, é "parte morta". Eu relaciono dessa forma.

 

O que eu, o @braconius, o @alissomrex, o @faller e muitos outros aqui adotamos como prática é ver a potência dessas fontes como o que ela entrega na linha de +12V somado a uns 50W ou algo próximo, que é boa estimativa do comportamento limite de um computador.

 

Exemplo:

hqdefault.jpg

Eu classifico esse exemplar de porcaria aí como uma fonte de 218W, nada além disso. Um computador recente (relativo, já faz mais de 10 anos) não vai conseguir extrair mais que isso dela.

 

Se resolvesse adotar realmente a potência como o máximo entregue quando todas as linhas trabalham ao mesmo tempo, poderia classificar uma XFX XT 400 como uma fonte de 460W. Isso é coisa que a própria empresa, honesta e séria, não faz (e receberia um belo e justo puxão de orelha em testes daqui se o fizesse :P). 

 

Saiba que respeito o seu ponto de vista, mas o que estamos discutindo é apenas isso: maneiras diferentes de interpretar os mesmos dados. 

  • Curtir 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
11 minutos atrás, Foxwalt disse:

 

 

Isso é o que depende do ponto de vista. É potência que a máquina não acessa em cenários reais. Uma GTX 760 tem o mesmo processador gráfico da GTX 770, mas tem cuda cores que não podem ser acessados, é "parte morta". Eu relaciono dessa forma.

 

O que eu, o @braconius, o @alissomrex, o @faller e muitos outros aqui adotamos como prática é ver a potência dessas fontes como o que ela entrega na linha de +12V somado a uns 50W ou algo próximo, que é boa estimativa do comportamento limite de um computador.

 

Exemplo:

hqdefault.jpg

Eu classifico esse exemplar de porcaria aí como uma fonte de 218W, nada além disso. Um computador recente (relativo, já faz mais de 10 anos) não vai conseguir extrair mais que isso dela.

 

Se resolvesse adotar realmente a potência como o máximo entregue quando todas as linhas trabalham ao mesmo tempo, poderia classificar uma XFX XT 400 como uma fonte de 460W. Isso é coisa que a própria empresa, honesta e séria, não faz (e receberia um belo e justo puxão de orelha em testes daqui se o fizesse :P). 

 

Saiba que respeito o seu ponto de vista, mas o que estamos discutindo é apenas isso: maneiras diferentes de interpretar os mesmos dados. 

 

Isso aí é outra história, é uma licença poética. Nem que você some as potências das linhas de +3,3 V, +5 V e +12 V você chegaria aos 480 W que o negócio promete. Aí não é uma questão de ser uma fonte antiga, é que eles adulteraram a potência final (e esqueceram do resto).

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@ignacho Considerando todas as linhas, chegaria a 410W. Eu jamais classificaria isso como fonte de 410W porque o computador jamais vai extrair tanto das linhas de 3.3V e 5V. Estou vendo aí, pela etiqueta, uma fonte de 218W. Aplico o mesmo pensamento a qualquer fonte. 

adicionado 1 minuto depois

E ela apresenta características claras de ser fonte de projeto antigo.

  • Curtir 4

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Foxwalt  Então, li seu post e como sou leigo no assunto me ajudou bastante, ainda de que forma resumida a entender um pouco mais sobre as fontes, contudo, vi que ninguém mencionou as fontes da marca Xigmatek e gostaria de saber como esta classificada a marca, visto que atualmente uso uma fonte genérica no meu pc, e pretendo comprar uma fonte real, contudo, a grana tá curta pra investir em algo de qualidade como CX430W ou até a EVGA Nova 430w (estão na faixa dos R$ 260,00 + frete), daí procurando achei no Kabum essa aqui:

 

 

Xigmatek Calibre 600w 80 Plus Standard (uma de 430w já segurava minha configuração tranquilamente, mas como falei devido ao preço essa está dentro do orçamento, no kabum com frete e-sedex sai a R$ 260,00)

 

 http://www.kabum.com.br/cgi-local/site/produtos/descricao.cgi?codigo=58804

 

E aí? vale investir?

 

Também achei essa que está na lista do "meio termo"

 

http://www.kabum.com.br/produto/69297/fonte-aerocool-atx-500w-vx-500-en53176-sem-cabo

 

Qual das duas recomenda?

 

Desde já agradeço.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Caro @Felipe Belfort Jr., acredito que a marca Xigmatek possa ser colocada na lista do "meio termo". Agradeço por ter lembrado. Essa empresa tem algumas fontes muito ruins e algumas fontes boas. Essas fontes da linha Calibre não são bons produtos. Como você pode observar seguindo meu tutorial, a própria etiqueta já mostra que é fria:

600w-calibre.jpg

E essa fonte, em cenários reais (onde dentro de um computador a temperatura é mais alta) também não cumpre com as especificações de eficiência.

 

A fonte da Aerocool é mais uma bela de uma fria. Observe que ela possui apenas um conector para alimentar placa de vídeo. Que fonte de 500W tem apenas um? Nenhuma que preste... E você pode observar outros fatores também:

VX%20500W%20Specs.jpeg

 

3 horas atrás, Felipe Belfort Jr. disse:

Qual das duas recomenda?

Recomendo a maior distância possível das duas. Você consegue comprar fonte honesta por valor próximo:

 

http://www.pichau.com.br/fonte-xfx-400w-xt-bronze-full-wired-80-bronze-p1-400b-xtfr-box?gclid=CjwKEAiAmo_CBRC9qbGQssjqi28SJABYTgZxIMd9WauTQ_9usvh3tF6FzhFdfmtVke8Qr9wfV-fObRoCmYvw_wcB

 

E essa XFX ainda tem os dois conectores de 8 pinos para placas de vídeo, o que é surpreendente para uma fonte de 400W. Dá para ligar quase qualquer computador nela. Essa sim é uma fonte decente. Não seja enganado pela suposta potência das outras.

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Foxwalt  Então, nem fui pelo fator potência nessas duas que mencionei anteriormente, fui mais pela proteção contra curto e quedas de energia que consta nas especificações, que são bem comuns aqui na minha cidade, principalmente no bairro onde moro, eu vi essa xfx de 400w e vi uma da evga também de 400 (essa da evga não tem certificação) porém fiquei pensando que 400w seria colocar a fonte pra trabalhar no limite do limite diminuindo a vida útil da mesma ou ainda algum outro problema (ou não tem nada a ver?) por isso fui pra 430w que apesar da pouca diferença tem uma folga ainda que mínima...minha config atual é um FX-6300 + 8GB de RAM + R7 360 2GB + 1 HD 5400 RPM 320GB.

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Felipe Belfort Jr.  Apesar de não ser sua função PFC ativo também serve para isso, compensar oscilação de tensão.

 

Se quer se proteger melhor compre um filtro de linha estilo Clamper. Eles possuem proteção contra surtos e os melhores modelos têm até proteção para cabo (pois descargas de raio podem viajar pelos cabos ethernet); se o orçamento estiver curto até o iClamper Pocket já ajuda.

P.s.: Ainda não tinha visto esse tópico. Bem completo e útil! Parabéns @Foxwalt.

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Nihal Mencionei o PFC, mas é todo um conjunto...a ideia ali era "explicar" ao @Foxwalt que não escolhi aquelas fontes simplesmente pelo fator de potência (500w e 600w) mas porque aquelas tem o PFC ativo e em relação ao custo estão mais acessíveis do que outras melhores como exemplo a CX430w e a própria XT400w mencionada pelo Fox, tanto que falei que uma fonte de 430w vai segurar a config e ainda vai sobrar, no caso aqui preciso de uma fonte real, essa genérica não esta suportando a placa de vídeo, se eu desligar o modo de economia de energia da VGA o pc trava...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Felipe Belfort Jr. A fonte da XFX que mencionei segura sua configuração com extrema folga. As fontes de potência "maior" (atenção às etiquetas e à honestidade) que você citou são produtos inferiores. Eu, pessoalmente, não confio e não compro. 

adicionado 0 minutos depois

E o que é feito para proteger contra surtos é filtro de linha de qualidade. 

adicionado 2 minutos depois

Vale a pena investir um pouquinho mais em algo confiável e honesto.

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Foxwalt filtro de linha já possuo, vou correr atrás dessa fonte que você mencionou...obrigado pelas informações Fox, ajudou muito!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
5 horas atrás, Felipe Belfort Jr. disse:

@Foxwalt  Então, nem fui pelo fator potência nessas duas que mencionei anteriormente, fui mais pela proteção contra curto e quedas de energia que consta nas especificações, que são bem comuns aqui na minha cidade, principalmente no bairro onde moro, eu vi essa xfx de 400w e vi uma da evga também de 400 (essa da evga não tem certificação) porém fiquei pensando que 400w seria colocar a fonte pra trabalhar no limite do limite diminuindo a vida útil da mesma ou ainda algum outro problema (ou não tem nada a ver?) por isso fui pra 430w que apesar da pouca diferença tem uma folga ainda que mínima...minha config atual é um FX-6300 + 8GB de RAM + R7 360 2GB + 1 HD 5400 RPM 320GB.

 

 

 

3 horas atrás, Felipe Belfort Jr. disse:

@Nihal Mencionei o PFC, mas é todo um conjunto...a ideia ali era "explicar" ao @Foxwalt que não escolhi aquelas fontes simplesmente pelo fator de potência (500w e 600w) mas porque aquelas tem o PFC ativo e em relação ao custo estão mais acessíveis do que outras melhores como exemplo a CX430w e a própria XT400w mencionada pelo Fox, tanto que falei que uma fonte de 430w vai segurar a config e ainda vai sobrar, no caso aqui preciso de uma fonte real, essa genérica não esta suportando a placa de vídeo, se eu desligar o modo de economia de energia da VGA o pc trava...

 

Vamos esclarecer algumas coisas.

 

1. As proteções que você menciona são proteções de saída, e não proteções de entrada. Quando você vê anúncio de proteção contra sobrecarga de corrente (OCP) ou contra baixa tensão (UVP) ou sobretensão (OVP), são todas referentes às saídas da fonte, elas têm por objetivo evitar que a fonte opere em condições que coloquem em risco os componentes do seu PC. É diferente das proteções de entrada, que geralmente são um estágio de filtragem de transientes, com capacitores X, capacitores Y, bobinas de ferrite, varistor, fusível e termistor. Bons filtros de linha costumam usar esses mesmos tipos de componentes.

 

2. Não se guie pelo selo 80 Plus. Devo adicionar aqui que a fonte não tem PFC e o selo 80 Plus dela é falso.

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Internet

12 horas atrás, Internet disse:

2. Não se guie pelo selo 80 Plus. Devo adicionar aqui que a fonte não tem PFC e o selo 80 Plus dela é falso.

 

Qual fonte você se refere? Se forem as duas de 500w e 600w, bom, consta nas especificações da fabricante :/

 

Em todo caso é bem provável que eu pegue a EVGA de 430w ou a XFX XT400w.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
2 horas atrás, Felipe Belfort Jr. disse:

@Internet

 

Qual fonte você se refere? Se forem as duas de 500w e 600w, bom, consta nas especificações da fabricante :/

 

Em todo caso é bem provável que eu pegue a EVGA de 430w ou a XFX XT400w.

 

Que idiotice da minha parte, esqueci de mencionar... :oops: Isso era referente à fonte da Xigmatek. O selo 80 Plus dela é falso e ela não tem PFC.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
4 minutos atrás, Internet disse:

Que idiotice da minha parte, esqueci de mencionar... :oops: Isso era referente à fonte da Xigmatek. O selo 80 Plus dela é falso e ela não tem PFC.

Você quis dizer a AeroCool, não? A Xigmatek consta no site da Ecova: https://plugloadsolutions.com/psu_reports/XIGMATEK_X-CALIBRE 600_600W_ECOS 868.1_Report.pdf

adicionado 1 minuto depois

O que não quer dizer que presta, mas consta lá.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
agora, Foxwalt disse:

Você quis dizer a AeroCool, não? A Xigmatek consta no site da Ecova: https://plugloadsolutions.com/psu_reports/XIGMATEK_X-CALIBRE 600_600W_ECOS 868.1_Report.pdf

 

Quis dizer a Xigmatek mesmo, hahahahahhaha... Era exatamente esse link que eu queria que você postasse, uma excelente isca.

 

Peraí que em alguns minutos eu te dou os detalhes.

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Internet Mudaram o modelo e mantiveram o nome ou algo do tipo? 

 

A AeroCool não consta lá.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Foxwalt Ok, explicando. Desculpe pela demora.

 

Vamos lá. Uma fonte não pode ter selo 80 Plus meramente com base na eficiência. Além de 80% de eficiência, ela precisa ter também PF de 0.9, e um PF desses você só atinge com correção de fator de potência ativa.

 

Entretanto, se você olhar as especificações na página da Xigmatek brasileira, vai notar que eles claramente alegam não ter PFC e que a fonte usa chave seletora de tensão.

 

https://archive.fo/tDOWb

 

O ECOS ID dessa fonte é de 868.1, o que significa que essa fonte é uma remarcação da fonte de ID 868, que é a Solytech SL-8600EPS. A Solytech, como alguns aqui devem saber, é um dos fabricantes originais de fontes.

 

http://www.plugloadsolutions.com/psu_reports/Solytech_SL-8600-EPS_600W_80PLUS_Report.pdf

 

Só que a fonte na prática não tem nada a ver com essa Solytech. Quando o pessoal do Hardware Insights abriu a versão de 400 W dela, o que eles viram foi uma fonte sem PFC e cujo verdadeiro fabricante era a Andyson.

 

E essa não é a única fonte com qual eles fazem isso. Na verdade eles fazem isso de forma esquemática.

 

Sabe a Vector P700? Pois é, para o 80 Plus ela deveria ser apenas uma remarcação da High Power APT-700 (a High Power também conhecida como Sirfa ou Sirtec, também OEM de fontes).

 

Link do report da Xigmatek, sob o ID de 2801.1: http://www.plugloadsolutions.com/psu_reports/XIGMATEK_VECTOR P700_ECOS 2801.1_700W_Report.pdf

 

Link da fonte original, de ID 2801: https://plugloadsolutions.com/psu_reports/HIGH POWER_HPA-700PT-F14S(C)_ECOS 2801_700W_Report.pdf

 

Mas...

 

in_top3.jpg

 

Isso aí acima é exatamente essa Vector P700 que foi testada no TechPowerUp. Para ser mais exato, ela é baseada na Andyson K Series. Agora veja o que realmente é uma High Power APT-700: http://www.jonnyguru.com/modules.php?name=NDReviews&op=Story5&reid=354

 

Lembra daquela Vector S750, que tem selo 80 Plus Silver, mas que no Teclab não atingiu o necessário sequer para o 80 Plus padrão? Pois é, a mesma coisa.

 

https://plugloadsolutions.com/psu_reports/XIGMATEK_VECTOR S750_ECOS 1808.1_750W_Report.pdf

 

https://plugloadsolutions.com/psu_reports/HIGH POWER_HP-750-G14S(C)-SILVER_ECOS 1808_750W_Report.pdf

 

Mas ela também não tem nada a ver com a High Power em questão. Era algum modelo low-end da Andyson, e é por isso que ela se saiu tão mal.

 

Eles também repetem esse mesmo esquema com as linhas Tauro e Maverick, usando Andyson F Series na certificação, mas que quando você abre, são fontes beeeem diferentes das F Series. Parece até que é compulsivo.

  • Curtir 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Internet @Felipe Belfort Jr. Acabou de sair vídeo do TecLab sobre as Xigmatek Calibre. É bem pior do que eu havia pensado. É lixo genérico. Vejam:

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
3 horas atrás, Foxwalt disse:

@Internet @Felipe Belfort Jr. Acabou de sair vídeo do TecLab sobre as Xigmatek Calibre. É bem pior do que eu havia pensado. É lixo genérico. Vejam:

 

 

Crianças, não façam isso em casa!!!! :D

 

Esqueci de dizer no meu post anterior sobre a caixa dessa fonte. O selo 80 Plus não está presente na caixa da fonte do Hardware Insights (que aliás, nos testes deles, a fonte simplesmente explodiu)...

 

box-right.jpg

 

Mas está presente na versão comercializada no Brasil, e eles também tiraram o texto "Greater than 75% efficiency under typical loads". Muito sugestivo... Por que você acha que eu arquivei as páginas deles? É simplesmente porque eu não confio nem um pingo nessa marca.

 

 

Uma outra coisa é que eles removeram o número do UL na versão vendida aqui no Brasil... Por que será?

 

É porque iria ficar muito na cara ter o selo 80 Plus tomando como base a fonte da Solytech, mas usando o UL da Andyson, que é o OEM dessa fonte.

 

Agora sério mesmo, não façam o que o cara do vídeo fez aí não, isso é perigoso mesmo.

 

Edit: há uma coisa na descrição do vídeo que chamou a minha atenção:

 

Citação

Bastou reconquistar a dignidade perdida e o respeito do consumidor que a Xigmatek se aproveitou para "migrar" novamente para o mal caminho..

 

A minha resposta quanto a isso é que acredito que a Xigmatek nunca mudou efetivamente, eles apenas fizeram joguinho de cena.

  • Curtir 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Internet Esse tipo de atitude é nojenta... Pelas mentiras, melhor colocar essa marca na "lista da vergonha". 

 

Em 10/12/2016 às 08:28, Internet disse:

Crianças, não façam isso em casa!!!! :D

Um desvio de cuidado e lá vai a Xigmatek levar metade da casa embora. :P

adicionado 5 minutos depois

@braconius Eliminei o tópico específico de marcas que saíram do mercado, acho que não fazia sentido. Coloquei a OCZ na lista meio-termo com a observação.

  • Curtir 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×
×
  • Criar novo...

GRÁTIS: minicurso “Como ganhar dinheiro montando computadores”

Gabriel TorresGabriel Torres, fundador e editor executivo do Clube do Hardware, acaba de lançar um minicurso totalmente gratuito: "Como ganhar dinheiro montando computadores".

Você aprenderá sobre o quanto pode ganhar, como cobrar, como lidar com a concorrência, como se tornar um profissional altamente qualificado e muito mais!

Inscreva-se agora!