Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se
Logan Angel

Pcb feita com impressora jato de tinta, é possível?

Recommended Posts

Olá pessoal,

Estava eu aqui matutando em um modo de fazer minhas PCBs juntando a técnica da "Xerox em papel gloss" com a antiga arte de usar "caneta permanente para desenhar CIs na mão livre".
Meu problema é o seguinte: Tenho desejo de fazer placas para chips cada vez menores, e como sabem, é praticamente impossível (não digo que completamente, por que algum asiático deve conseguir, tenho certeza :thumbsup: ) desenhar trilhas de LQFP à mão usando uma caneta permanente. E na minha cidade, nenhuma xerocadora faz o favor de xerocar em papel gloss, que segundo eles: "Pode arranhar o rolo" (sei bem onde eles devem enfiar aquele rolo :atirador:).
Daí me veio uma ideia boba: Usar uma impressora normal, dessas HPs da vida, substituir a tinta do cartucho por tinta permanente e ver no que dá. Mas como não sou *****, vim logo aqui saber se alguém aqui já teve a mesma ideia e teve a coragem de quebr... digo testar se funciona imprimir em papel gloss e transferir com o método térmico (vulgo "Ferro de passar") ou algum outro que seja mais indicado.

Você pode até pensar: Há meu, desenha ai coma caneta no papel gloss e tenta transferir pra ver se da certo. Bem, engraçado dizer isso, mas, perdi minha bendita caneta permanente de desenhar placas, ta em algum lugar dessa bagunça, mas só vou procurar amanhã, então se alguém jé fez, relata ai, que se pá, já desisto por aqui mesmo ou faço amanhã pra confirmar.
 

Agradeço a todos que compartilharem sua experiência.

PS.: Só não me venha falar que a HP não permite isso, por que se não aquele rolo lá de cima vai ser pra você :P

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

A ideia é bem interessante. Nunca vi nada do tipo, mas se você disposto a arriscar alguns reais de material, teste e poste aqui os resultados.

 

O cartucho deve ser completamente lavado para então inserir a tinta permanente, que pode não fluir devidamente e causar entupimentos ou derramamentos.

 

Lembre-se também que a impressão a jato de tinta consiste em gotículas de tinta expelidas em direção ao papel, ou seja você não obterá uma linha continua, podendo apresentar trilhas sem continuidade ou com impedância alta. Abaixo estão fotos de uma impressão a jato de tinta vista com microscópio.

 

inkjtp02.jpg

bp15-08d.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O toner do meu cartucho acabou. Eu usava para depositar boa densidade de toner no papel glossi. Assim, com a prática, podia fazer boas placas de CI.

Como um novo cartucho é muito caro, comprei um reciclado. O infeliz não possui a mesma qualidade do cartucho original. A densidade de toner depositada era insuficiente. Ou o percloreto corroía também o toner, ou o cobre exposto não era totalmente removido de onde deveria.

Tive que partir para um novo processo.

Comprei aquele produto à venda no Mercadolivre (e deu certo com impressora jato de tinta com tinta reciclada).

Tem toda uma técnica com experiências até você chegar à perfeição, mas é mais fácil que pelo processo do toner na placa.

Busquei um exemplo no ML. Mas não sei nem se o fabricante é honesto e nem se o produto é bom, pois não foi de hoje que comprei o meu.

Se for comprar, observe a reputação do vendedor.

Segue os links como direcionamento e não como garantia do produto.

http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-703830801-kit-completo-para-fazer-placa-de-circuito-impresso-_JM

 

http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-751688041-tinta-fotosensivel-p-circuito-impresso-placa-em-fenolite-_JM

 

MOR_AL

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olhem só, demos um enorme avanço então:
- Graças ao IjMonteiro, compreendemos que as trilhas podem apresentar problemas
- Graças ao Ricardo S Ferreira, sabemos que alguém já fez algo parecido, portanto não é impossível.

Agora vamos às palavras do cara do vídeo:
 (respostas encontradas no youtube, no canal MicroControlado)
 

- Olá, Eu comprei este modelo por ser o mais barato que utiliza a tinta DuraBrite. Tem que ser com esta tinta, a tinta convencional sai na água durante a corrosão. A existência do scanner durante a desmontagem e remontagem atrapalha um pouco. Contudo, depois de pronto a adaptação não interfere no projeto. Pelo que percebi, dentre os diversos modelos Epson, a carcaça é muito parecida, o que muda é o tipo de tinta utilizada, se possui bulk ink e scanner.

-Pretendo também testar a tinta pigmentada para bluk ink que dizem ser a prova dágua. vou comprar um pouco de tinta e testar, se funcionar, pretendo comprar o reservatório Bulk ink pra não me preocupar com a tinta.

- Mas v6 compraram a durabrite original ou alguma paralela? Um ponto importante é que a tinta não seca sozinha na placa, já que ela não apresenta a permeabilidade do papel. Se a placa for pequena, basta colocá-la sobre um ferro de passar roupas de cabeça para baixo que a tinte se seca em 3 minutos. Se for maior pode utilizar um pequeno forno. Durante a secagem dá pra notar que o brilho da tinta se torna opaco quando a tinta está totalmente seca. É preciso testar isso com a tinta paralela.

- Olá, eu subi 3mm em 5 parafusos: -dois do conjunto de impressão;-2 no conjunto da frente por onde a placa vai passar depois de ser impressa;-1 na lateral próximo ao sensor de rotação do eixo tracionador. Para o sensor continuar medindo corretamente, eu, com um alicate de bico, forcei a estrutura metálica que segura o sensor. Para o papel não passar direto, é preciso alongar cerca de 5mm a alavanca do sensor do papel, e a folha deve ser recortada conforme aparece no vídeo. Continua..

- O recorte na folha é necessário porque o sensor da folha é temporizado. quando a impressora está funcionando originalmente, quando inicial a tração, primeiro age o mecanismo de coleta da folha que é levada até o tracionador. Quando você faz este recorte, você simula este retardo de leitura do sensor da folha e garante que sempre acontecerá no mesmo tempo. No meu caso, o rasgo na folha foi de aproximadamente 7cm, mas eu fui aumentando ele até que a impressora fosse enganada. Continua...

 

- Retirei todo o plástico, daí peguei uma capa preta desta usadas para encadernação e recortei do tamanho exato e colei com fita duplaface, fico muito bom, ne dá pra perceber isso no vídeo. E aquecer a placa com um soprador térmico ou secador de cabelos ajuda muito na hora de imprimir.

 

- Este recorte é mesmo crítico, no meu caso eu fui aumentando o rasgo até chegar na medida ideal que funcionou. E quanto a tinta, a vendedora me informou que o cartucho que vem na impressora tem menos tinta, não sei se isso é verdade, mas a minha tinta também acabou bem rápido. O problema é que a impressora faz diversos procedimentos de limpeza da cabeça de impressão e joga fora muita tinta neles, daí a tinta não dura nada. O papel está acionando o sensor de papel quando tracionado?

 

porém, encontrei em outro vídeo no youtube um detalhamento da modificação de impressora, e segundo o autor:
 

- A impressora é uma Epson T25 e a tinta é a original "Durabright". Não serve outra pois esta tem pigmentação com algum polímero no meio o que a faz ficar impermeável.
As alterações não são muito criticas, tem que erguer o conjunto da cabeça pondo calços (arruelas) por baixo de onde se fixam os três parafusos do mecanismo da cabeça de impressão. Mais ou menos 3mm. Não da para erguer mais senão teria que mexer nos suportes da fita do encoder do cartucho e na posição do sensor do encoder do tracionador, Já fiz isto e perdi muito tempo com o sensor do encoder do tracionar pois o ajuste é muito crítico. Na verdade a placa tem que ficar um pouco mais distante da cabeça de impressão do que a original do papel, pois como a tinta não adere imediatamente por não haver permeabilidade no cobre o jato acaba soprando a tinta para os lados borrando a placa. Depois é só tirar os rolos pressores do papel do meio, deixando somente um em cada ponta. Tem que mexer na posição do suporte dos rolos pois eles devem ficar exatamente no meio da parte de cima do eixo Precisa prender o eixo do tracionador para baixo perto da engrenagem do mecanismo de limpeza com algum tipo de calço, pois o que segura ele para baixo são os rolos pressores e sem eles quando vai fazer o processo de limpeza dos cartuchos o eixo sobe deixando de rodar e impedindo a limpeza. Também é necessário erguer os mesmos 3mm o conjunto de limpeza do cartucho, senão você terá a cabeça entupida em dois tempos, nas fotos você vera como fiz isto. O mecanismo de tracionar o papel de la de traz, eu tirei tudo, ficou somente o mecanismo da bomba de limpeza e a alavanca que prende ou solta a cabeça de impressão. Para imprimir, eu mando o computador imprimir sem o papel com a placa no lugar, em seguida a impressora acende o led de falta de papel. Ai eu pressiono a tecla de continuar na impressora e empurro lentamente o papel até ele puxar sozinho com o tracionador. Depois de impresso, a tinta não seca sozinha. Você tem que colocar a placa em um forninho na temperatura de uns 90 graus por uns 3 ou quatro minutos. Quando a placa é pequena, coloco ela em cima do ferro de passar roupas virado de cabeça para baixo ligado em temperatura média e a tinta para cima. Se você ficar olhando para a tinta, vai ver que ela vai perdendo o brilho e afinando na placa. Quando ficar totalmente fosca, esta no ponto e pode ir para o percloreto. Não pode deixar muito tempo senão a tinta fica com rachaduras tipo "craquele". A impressão da placa deve ser feita no modo foto e colorido, assim ele sobrepõem 3 camadas de tinta. 

Assim temos esses dados importantes:

- Tinta Durabright da Epson é aprova d'água após seca.

- A tinta não adere imediata na placa, por isso o cartucho deve passar por cima da placa, sem tocá-la
- A adaptação deve ser feita no cartucho colorido, para dar 3 camadas de tinta em usa só passada.
- Se a placa estiver quente a impressão fica mais segura


PS.: Obrigado pela dica MOR_AL, talvez a tinta fotosensível seja uma opção em lugar da Durabright.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Meio Off-Topic, mas a ver com o assunto.

@MOR Eu já tive problema com cartuchos reciclados. Depois disso, só compro cartuchos compatíveis para minha impressora HP P-1102W nesta loja: http://www.inkfast.com.br/loja/catalogo-11350-9-toner_compativel.

Pelo menos para a minha HP, são melhores que os originais, e a embalagem é de primeira linha.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Obrigado Ricardo.

Quanto ao uso da caneta permanente sobre o papel foto: NÃO FUNCIONA! Acabei de testar, tentando a transferência térmica. O jeito é rodar até achar alguma xerocadora que tire xerox no papel foto. Preciso desse circuito pra ontem, Mas assim que tiver condição, eu testo a tinta na impressora, ja tenho o cartucho, só falta limpar, encher e mandar ver a placa na impressora :atirador:

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá,

Também sou entusiasta de fabricação de PCI de um jeito que seja fácil e o resultado seja bom.

@Logan Angel , já tentei isso que você quer fazer, infelizmente não tive bons resultados.

Já tentei colocar tinta permanente em cartuchos HP, aconteceu que imprimiu cerca de 10mm de uma folha e a partir daí saiu em branco, secou a tinta na cabeça de impressão para nunca mais aproveitar o cartucho (original HP 27).

Tentei também colocar tinta foto-sensível (de silk screen) já sensibilizada no cartucho e deixando bem "fina" (em viscosidade), começou imprimir e parou, problema de "véu" na cabeça de impressão.

Em um terceiro cartucho eu coloquei somente o sensibilizante e passei a placa já com a camada de emulsão curada. Esse método foi o de melhor resultado. Fiz 1 ou 2 placas com sucesso.

Apesar de absurdo, como tinha acesso a sucatas de impressoras laser e inkjet, tentei também depositar toner diretamente na placa, em uma HP Laserjet 1150. Resultado: muito tempo gasto para adaptar a impressora e nenhum resultado positivo.

Resumindo: 

Como particularmente não gosto do método de transferência de toner, atualmente uso Dryfilm ou filme líquido para fazer minhas placas. Imprimo o fotolito em transparência em uma Epson TX135, que tem um bom DPI, com tinta preta original (Durabrite), imprimindo no modo "fotográfico turbo advance monster", uma folha só oferece a opacidade suficiente para a exposição, faço o processo de exposição e revelação e boa! Da trabalho mas o resultado é excelente.

 

Se tivesse que recomendar algum método desses que eu citei, seria o método de imprimir sensibilizante sobre a placa com emulsão curada. Não faço mais pelo preço dos cartuchos, muito caro e pode queimar a qualquer momento.

 

Att,

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Fervolt Muito obrigado por compartilhar seu conhecimento, eu tinha esse receio da tinta secar e entupir tudo na cabeça de impressão, valeu por nos dizer o resultado de sua experiência.

Pessoal, estou nesse momento corroendo a placa que fiz usando minha impressora 3D, quando terminar a corrosão eu venho postar o resultado, e se eu não encontrar nada por aqui eu crio um tutorial no forum.

Abraço a todos.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
12 horas atrás, Ricardo S Ferreira disse:

Meio Off-Topic, mas a ver com o assunto.

@MOR Eu já tive problema com cartuchos reciclados. Depois disso, só compro cartuchos compatíveis para minha impressora HP P-1102W nesta loja: http://www.inkfast.com.br/loja/catalogo-11350-9-toner_compativel.

Pelo menos para a minha HP, são melhores que os originais, e a embalagem é de primeira linha.

Já tive HP. Descartei por ter um toner original muito caro.

Tenho uma Samsung. Comprei o compatível. Uma porcaria.

Nesta loja citada, o toner custa menos que R$ 8 e o cartucho R$ 160.

Para impressão de escrita é quase normal, mas para PCI não presta.

Estou usando a tinta fotossensível com ótimos resultados.

Vou guardar o link da loja para futura compra. \No momento meu cartucho está cheio.

Na foto consta o resultado de teste com emulsão fotossensível. Os "filetes sem cobre" possuem 1mm, 0,8mm, 0,6mm, 0,4mm e 0,2mm de largura.

MOR_AL

Teste 2 de 25_11_2015_1.JPG

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 6/29/2016 às 15:27, Logan Angel disse:

@Fervolt Muito obrigado por compartilhar seu conhecimento, eu tinha esse receio da tinta secar e entupir tudo na cabeça de impressão, valeu por nos dizer o resultado de sua experiência.

Pessoal, estou nesse momento corroendo a placa que fiz usando minha impressora 3D, quando terminar a corrosão eu venho postar o resultado, e se eu não encontrar nada por aqui eu crio um tutorial no forum.

Abraço a todos.

 

@Logan Angel Eu também tenho uma impressora 3D e cheguei a pesquisar cobre a confecção de PCBs com ela. Pelo que vi, o pessoal faz usando laser no lugar do hot end. Como você fez? Você pode mostrar os resultados?

 

Agradeço

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×