Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se
cbareis

Gabinete deixa de dar choque ao inverter a fase na tomada - Explicação técnica?

Recommended Posts

na minha casa não há aterramento e o gabinete estava dando choque.

diante da impossibilidade do aterramento, seguindo recomendações, inverti os lados da tomada, pra que o neutro e a fase se conectassem invertidamente aos pinos.

 

pois bem, o problema foi resolvido.

mas fiquei absolutamente intrigado com a questão.

 

pesquisando, encontrei alguns relatos próximos. como:

 

mas, no entanto, não entendi bem as razões para o evento.

quem puder ajudar, obrigado desde já!

 

adicionado 0 minutos depois

@faller

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Numa instalação elétrica o neutro é aterrado na entrada de energia, junto ao medidor. Ao ligar a tomada na polaridade correta alguma corrente de fuga no gabinete escoará para o neutro e eliminará a sensação de choque. O melhor é que exista o cabo de aterramento independente, mas onde não for possível a polarização correta na tomada ajuda muito, visto que o fabricante do computador faz o projeto com o pluge polarizado, conforme exigido pelas normas técnicas.

  • Curtir 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pelo que entendo é o seguinte, o type A já orientava qual dos pinos é o neutro, desta forma algumas fontes ligam seu aterramento ao neutro. Como a resistência do neutro geralmente é menor que o nosso as tensões fogem para ele, mas se você inverter a resistência é maior e você passa a ter o choque.

 

Você pode ver aqui que existem diversos padrões, agora o BR é só aqui. Penso que era mais interessante usar um padrão internacional, mas tem os interesses comerciais que são relevantes em um novo padrão.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
2 horas atrás, dwatashi disse:

Pelo que entendo é o seguinte, o type A já orientava qual dos pinos é o neutro, desta forma algumas fontes ligam seu aterramento ao neutro. Como a resistência do neutro geralmente é menor que o nosso as tensões fogem para ele, mas se você inverter a resistência é maior e você passa a ter o choque.

 

Você pode ver aqui que existem diversos padrões, agora o BR é só aqui. Penso que era mais interessante usar um padrão internacional, mas tem os interesses comerciais que são relevantes em um novo padrão.

Sim, mas o problema é que no Brasil não seguíamos padrão nenhum, não havia uma polaridade definida. Agora ao menos tem um padrão.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Ricardov a adoção do padrão permite maior segurança, mas muitos dispositivos não usam plugs com 3 pinos. O de 2 pinos você fica sem orientação correta da F e N, teria que manter o truque citado. 

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Na ausência de aterramento você pode se tornar o aterramento. Quando você cumpre o papel de aterramento é quando se toma choques. O neutro auxilia, mas não substitui um aterramento dedicado. Segundo as novas normas as tomadas devem ser instaladas assim:

 

tomada_femea.png

 

Em uma tomada fêmea, com o terra acima dos outros, o neutro fica à esquerda e a fase à direita. É o contrário do padrão antigo, onde ainda com o aterramento acima a fase ficava à esquerda. Mesmo se não houver aterramento siga esta polarização, pois muitos equipamentos têm o terceiro pino e só entrarão em uma posição. Se inverter a polarização ela também ficará invertida para os equipamentos, ocasionando risco de choques. Já os que tem apenas 2 pinos marque na próprio plugue—afinal, é mais fácil inverter o encaixe do plugue na tomada que abrir e inverter os fios dentro da tomada.

 

Ontem mesmo eu lidei com esse problema no meu gabinete. Minha casa não possui aterramento. Fora a ausência do terra, as tomadas foram instaladas conforme as normas técnicas atuais.

 

O culpado era o adaptador que estou usando temporariamente; ele fazia com que o plugue ficasse invertido em relação à tomada, fazendo o gabinete dar um choque tão suave—como se tivesse pressionado um nervo—que demorei dias para perceber que era de fato um choque elétrico, e não eu pegando o gabinete de mau jeito. Portanto fica a dica: também fique atento ao utilizar adaptadores e intermediários entre a tomada e o equipamento.

  • Curtir 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Os plugues de 2 pinos são utilizados onde a possibilidade de contato com partes energizadas é baixa, por terem dupla isolação, com carcaças de plástico. Para chassis metálicos tem que ser de 3 pinos.

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito obrigado a todos.

 

A importância de padrões de tomada e o próprio padrão brasileiro certamente já foram bem discutidos, e por isso acho que a gente nem precisa se alongar.

 

Sobre o que eu perguntei especificamente, se eu entendi bem, seria o seguinte:

 

"Dentro dos equipamentos eletrônicos há diferenças nos circuitos que se ligam à tomada. Em relação ao pino que se ligaria ao neutro, há dispositivos capazes de fazê-lo funcionar como terra. Afinal, o neutro na situação ideal tem tensão zero, visto ser aterrado na entrada da residência. Esses mesmos mecanismos de desvio da carga residual pro neutro não existem em relação ao fase, já que por definição a tensão da fase é maior que as cargas residuais que poderiam escoar ao terra."

 

Se minha explicação estiver certo, falta solucionar: como funciona esse aterramento no neutro dos dispositivos?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×