Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se
MOR

Solda de Ponto com Trafo de micro-ondas

Posts recomendados

Olá!

Alguém já montou ou tem um aparelho de solda-de-ponto feito com trafo de micro-ondas?

Fiz um projeto, mas parece que meu trafo está em curto parcial.

 

Assisti diversos vídeos de pessoas que fizeram. Cheguei às conclusões baseados nesses vídeos. Claro que não tem nenhum mistério fazer uma solda de ponto com trafo de u ondas. Mas, para o meu azar, não deu certo.

 

Explico:

1 - Retirei o secundário do trafo de u ondas.

2 - Coloquei 2 espiras com fio encapado com 50mm2 como secundário.

3 - Fiz um temporizador com período entre 0,1s e 1,5s.

 

Ao testar, usando duas lâmpadas de 200W em // (mas em série com o trafo), começou uma vibração e ficou nisso.

Pensei. A única diferença da minha solda de ponto com as outras é o timer. Se bem que já vi um vídeo que o sujeito colocou um timer e funcionou.

Retirei o timer, mas continuava o zumbido.

Decidi medir a indutância do primário, com o secundário sem carga.

Medi cerca de 200mH, o que em 117Vca daria uma corrente de magnetização de (Vca / wL) = 117 /(377 x 0,2) = 117/75,4 = 1,55A.

Medi a resistência do primário e encontrei cerca de 1,5 Ohms, além do que o medidor acusava quando suas ponteiras se encontravam em curto.

Liguei o trafo com as lâmpadas em série e medi a corrente. Deu 2,5A. Inconclusivo.

Tinha medido a tensão no trafo e deu quase 100Vca, o que prova que o trafo estava quase com toda a tensão de 127Vca. Sei que 400W das lâmpadas é insuficiente para estarem em série com o trafo, mas era isso que eu tinha.

Como tinha medido L = 0,2H, decidi retirar as lâmpadas, já que havendo indutância, a corrente não poderia subir muito. Além disso, minha bancada tem um disjuntor. Qualquer coisa o disjuntor abriria.

Medi uma corrente, sem carga, com cerca de 3,5A. Rapidamente, medi a tensão no secundário, que bateu com o esperado de 1,3Vca.

Coloquei dois fios em paralelo no secundário, que tirei de um rabicho de fio flexível. Como esperado, os fios vaporizaram.

Depois medi novamente a corrente no primário e obtive quase 10A.

Medi a resistência entre os dois fios do primário e o ferro do trafo. Aberto, como esperado.

Conclusão:

Sei que o trafo deve estar em curto, mas além do excesso da corrente de primário, não medi nada que pudesse indicar o problema.

 

Então pergunto se alguém já mediu a corrente de primário do trafo de u ondas sem carga no secundário (corrente de magnetização)?

MOR_AL

 

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Nunca fiz solda ponto, mas já fiz uma máquina de solda (e funcionou), como não tenho alicate amperímetro, não tem como eu medir a corrente dele, a resistência do primário é nessa média mesmo, 2 Ohms, mas varia de trafo para trafo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
9 minutos atrás, Gu1426 disse:

Nunca fiz solda ponto, mas já fiz uma máquina de solda (e funcionou), como não tenho alicate amperímetro, não tem como eu medir a corrente dele, a resistência do primário é nessa média mesmo, 2 Ohms, mas varia de trafo para trafo.

 

O problema é que não sei onde está indo todo excesso de corrente de primário (10A). 

Na verdade essa corrente já foi medida com o valor de 2,5A, mas a última vez que medi deram 10A. 

Não tive coragem de esperar algo esquentar, como o ferro, ou o enrolamento primário.

O zumbido que ele produz é alto, típico de sobrecorrente, diferentemente do barulho que um u ondas faz.

Tenho quase certeza que o trafo está com problemas, mas só poderei saber ou quando testá-lo a ponto de identificar a causa, ou de compará-lo com outro. 

Visualmente não me parece nada chamuscado. 

Vou ver se consigo outro trafo para poder compará-lo com este que possuo.

 

MOR_AL

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@MOR Tenho um que faz um barulhão mas é devido ao núcleo cortado...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
11 horas atrás, Gu1426 disse:

@MOR Tenho um que faz um barulhão mas é devido ao núcleo cortado...

O núcleo (ferro) do meu está íntegro. Apenas retirei o secundário e substituí por duas espiras com 50mm2 de área da seção transversal.

MOR_AL

DSCF5274.JPG

DSCF5275.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Moris, apesar de óbvio d+, não li você descrever que re-mediu a resistência e indutância após o evento do aumento de corrente. Se escreveu, perdão mas to com preguiça de reler. Ia até te propor eu medir a indutância do primario do meu pra você comparar, mas to longe dele agora... além do + isso pode não te ser ... "informação relevante"...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Isadora Ferraz

Vou medir outra vez a indutância e a resistência do trafo.

Medidor 1: L = 230mH, Rs = 3,8 Ohms

Medidor 2: L = 215mH, Rs = 6,5 Ohms

Multímetro: R = 9 Ohms.

MOR_AL

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Moris.. sinistro... parece que não alterou nada só mesmo a corrente. Será que sua senoide não "se suja" em determinados horários? Uma senoide imperfeita pode causar diferentes reações no indutor...(?!) Mas parece que a reação foi muita... A próxima explicação (vulgo chute) é que há alguma fuga de corrente que multímetro por ser baixa V não identifica. Teste com megômetro entre fios e chapas. Entre fios... crie coragem, deixe ligado e observe no escuro se vê faisquinha e/ou sobreaquecimento. Ou consiga outro trafo e descarte este!!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Isadora Ferraz

O valor da resistência aumentou bastante. De 1,5 Ohms para uns 8 Ohms.

Vou descartar este trafo.

Amanhã estarei comprando outro e vou medi-lo para comparar.

O detalhe é que não tem fuga com o multímetro, que é alimentado com tensão de 9Vcc, mas com 127Vca a coisa muda de figura.

MOR_AL

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sinistro aumentar a resistência e aumentar a corrente... bem.. pelo menos foi isso que entendi nesta conclusão. Mas como não entendo de nada mesmo, também deixa claro que não leio posts com muita atenção... então tá... dx queto.

É isso aí... a vezes nem compensa perder tempo com explicações. Compra outro e pau na máquina  ... de solda ponto ... e pronto.

 

Nem preciso dizer mas quanto ao trafo, vê se tem catador de reciclados aí. Pra ele tem muito valor.

 

abç

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Isadora Ferraz

Ok.

MOR_AL

  • Haha 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bom.

Comprei outros dois trafos. O preço estava bom. Paguei R$ 50,00 nos dois e são maiores ainda do anterior.

Fiz alguns testes, pesquisei na net e descobri algumas coisas sobre trafos para uOndas.

 

Aqui vai um histórico resumido.

1 - Medi os três trafos, que denominei inteligentemente por Trafo1, Trafo2 e Trafo3. O Trafo1 é o primeiro que testei e é o que consta nas postagens até aqui. Os outros dois são visualmente idênticos e um pouco maiores.

Conforme a figura, considerei que o circuito equivalente bem simples é o de um indutor em paralelo com uma resistência. Como a corrente no indutor está defasada de 90º com a corrente no resistor, vale o triângulo de Pitágoras para calculá-las. Vide figura.

Medi a tensão da rede e a corrente (Total) no primário. Tudo SEM CARGA no secundário. Medi também a indutância de primário e de sobra a resistência equivalente. Esta eu não dei importância, porque o aparelho não possui precisão para esta medida.

Para os Trafos 1 e 2 tudo dava certo. Para o Trafo3 encontrei um valor de indutância muito abaixo das indutâncias dos outros dois. Vide na figura. Como chegar a uma corrente total (ITotal3 = 6,9A medida) inferior a corrente no indutor (IL3 = 13,2A teóricos)? Chabú total!!!

 

2 - Comecei a pesquisar o que poderia estar ocorrendo e vi, numa defesa de mestrado, que a corrente no primário não era senoidal e sim possuía boa distorção. Ora! Então o modelo linear que eu supus não se aplica, daí o absurdo encontrado no Trafo3.

 

3 - Em outro sítio, observei que os trafos de uOndas possuem dois entreferros e dois shunts entre o primário e o secundário. Isso é o que é empregado naqueles transformadores reguladores, com exceção do capacitor, que os reguladores possuem. O circuito equivalente é de um divisor indutivo, sendo que o de baixo representa um trafo que satura (não linear), daí a grande perda no ferro.

 

Conclusões:

 

1 - O trafo1 (original) não parece estar ruim. A corrente de primário sem carga está em 5,8A. Medi com mais zelo e descartei as medidas nas postagens anteriores.

 

2 - Os trafos de uOndas são pouco eficientes, geram muito calor. Daí que, segundo outro sítio, não são feitos para uso prolongado ou contínuo.

 

3 - Fiz um timer com relé, que aguenta até 10A, mas parece que terei que aumentar a corrente de comutação, ou descartar seu uso. Em outro sítio pesquisado, há uma sobrecorrente ao se ligar o trafo. Observei o relé que vem na placa do uOndas e é maior que o que coloquei no timer.

 

4 - Em princípio vou manter o Trafo1 no equipamento e ver no que dá.

Depois, assim que testar (sem medo), coloco as minhas considerações finais. Hehehe...

 

MOR_AL

Medições com Trafos uOndas.jpg

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Hoje terminei de montar minha solda de ponto para unir baterias recarregáveis de 3,7V (Li-Ion) e de 1,2V (Ni-MH). Quando tiver um tempinho farei um vídeo resumindo tudo.

Usei o Trafo1, o primeiro que veio às minhas mãos, que é o menor. Não usei um dos maiores (Trafo2 ou Trafo3), porque não caberiam na minha caixa, que era de uma fonte de PC.

Num desespero, sem pensar e na ânsia de reduzir a corrente de primário sem carga, retirei os dois shunts magnéticos que vêm entre o primário e o secundário. A corrente passou de 5A para 17A. Esses dois shunts magnéticos NÃO DEVEM SER RETIRADOS.

Com os shunts, o circuito equivalente do primário se torna um divisor indutivo, em que o indutor que vai à terra satura. O outro indutor limita um pouco a corrente no primário.

Usei um timer que ficou embutido na caixa. É um mono-estável, que projetei com tempos entre cerca de 0,1s e 1,5s.

O circuito do timer fica muito próximo ao trafo e de vez em quando o pulso de tempo duplica. Observei uma ocorrência em cada 10 operações e isso só ocorre em uma pequena faixa de tempo. Descobri que o problema sofre interferência devido ao limite de corrente da fonte que alimenta o circuito. A fonte é de "rabo quente" e a corrente se encontra no limite de utilização. Os dois leds que fazem parte do circuito, além de apagarem durante o tempo de operação, têm a função de limitar a corrente no diodo zener da fonte.

MOR_AL

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
2 horas atrás, MOR disse:

O circuito do timer fica muito próximo ao trafo e de vez em quando o pulso de tempo duplica

Isso acontece até mesmo nas máquinas profissionais. Trabalhei com muitas já e vez ou outra acontecia isso. 

Lá o controle do tempo/corrente da máquina era feito em um CLP especial com um triac que ficava longe do trafo. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Renato.88

Neste caso, não dá para o timer ficar fora ou mesmo dentro da caixa, porém afastado do trafo. A caixa de fonte de PC que usei deve ser a menor que já vi. O timer fica a 2 mm do trafo.

O meu timer usa relé para ligar o trafo. Com a corrente sem carga em cerca de 5A, o relézinho aguentou durante seu acionamento. Deve estar no limite, ou mesmo um pouco fora dele, mas como o número de soldas de ponto será bem menor que o número estipulado para o relé em operação normal, acredito que ele não deva estragar.

Pensando que o relé poderia não aguentar, projetei um outro timer, porém não o montei, com acionamento a triac. Como o timer com relé suportou, o com triac vai ficar parado.

MOR_AL

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O vídeo não iniciava e dava erro. Alterei o modo de mostrar o link e agora está funcionando.

MOR_AL

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×
×
  • Criar novo...

GRÁTIS: minicurso “Como ganhar dinheiro montando computadores”

Gabriel TorresGabriel Torres, fundador e editor executivo do Clube do Hardware, acaba de lançar um minicurso totalmente gratuito: "Como ganhar dinheiro montando computadores".

Você aprenderá sobre o quanto pode ganhar, como cobrar, como lidar com a concorrência, como se tornar um profissional altamente qualificado e muito mais!

Inscreva-se agora!