Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se
Quesia Sousa

Como transmitir áudio em vibração

Posts recomendados

Sou leiga no assunto, não sei nada sobre computação e tudo relacionado a hardware. Preciso fazer um produto para a facu de logística, e preciso saber como converter musicas, áudio em vibrações para pessoas surdas, não pode ser algo muito difícil, tem que ser algo pratico. Se alguém poder ajudar será de grande ajuda ! Falaram pra eu fazer algo com arduino, mas não faco o minima ideia de como fazer! HELP PLEASE.. THNK  🙂 

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Representando audio através de vibração com arduino

Esse link, em inglês, tem o passo a passo de como fazer

  • Curtir 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bom.

Pelo que você deseja, estás descrevendo um amplificador comum, onde as vibrações encontram-se fielmente presentes nos falantes.

Claro que as vibrações deverão ser sentidas pelo tato e o tato possui limitações em frequência. Então um simples amplificador com um falante comum, já possuirá melhor resposta em frequências, que o tato pode sentir.

MOR_AL

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Projeto curioso.... Certa feita idealizei mentalmente um treco destes mas para  deficiente visual. Algo como o som era modulado pelas imagens. Com algum tempo e treinamento áudio-mental, talvez o deficiente se autotreinasse e se autoadaptasse a audição à 'visão'... algo como o sonar do golfinho e morcego e etc


Agora pra deficiente auditivo ou total surdez, penso em algo do gênero. Um piezzo cuja vibração é modulada pela freq do áudio. Em pwm,freq ou amplitude mesmo. Em tese, isso pode reduzir a limitação do tato do Moris pois a freq por ser adaptada ao tato. O lance é treinar o corpo e outros sentidos a 'demodular' o sinal. Algo como usar palavras conhecidas e vibrações específicas. Situação complexa, precisa de acompanhamento profissional da área e tal mas fica aí a semente.

Se isso já existe, mais uma prova da existência do capacitor de fluxo...

 

Off-...on topic...

Me fez lembrar que certa feita senti uma vibração sinistra nos ossos. Sério. Era uma de baixa freq que depois descobri que vinha do som de música, o 'tum tum'. Um carro ao longe se aproximando.

 

Também me fez lembrar do help do beep do borland turbo c que dizia algo tipo assim.... Numa granja morreram todas as galinhas sem motivo. Depois descobriram que foi causado por uma fábrica cujo alarme ou máquinas algo assim gerava uma freq de 7Hz de alta amplitude, inaudível pra nós. Mas esta freq era a de batimento com o crânio das galinhas. Qualquer momento acho no turbo c

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Isadora Ferraz isso me fez remeter a alguns casos de ouvir estações de rádio em algumas raras obturações de dentes, nunca conseguiram fazer isso de forma controlada, mas um dente "alto-falante" seria uma belezinha

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Se a ideia for usar a visão dos surdos, tem umas visualizações no VLC, Foobar2000, Winamp escritas por voluntários... não sei como se escreve a rotina de visualizações mas talvez seja esse um caminho. No Windows Media Player 12 tem uma visualização em Barras e Ondas chamada Névoas do Oceano que quanto mais alto o som, maior é o pico, e quanto mais agudo, mais à direita esse pico aparece, algo como uma escala de piano: mais à esquerda, mais grave e vice-versa. Mas associar à imagem ao som, aí já é assunto para o Nicolelis (pesquise).

 

Agora se a ideia for usar o tato, quem sabe se você substituir o cone de um altofalante por uma superfície (uma bandeja de plástico, pensei) em que os surdos poderiam pousar... ("pousar" fico bonito, né? rs...) as palmas das mãos, os dedos e sentir? Essa superfície não reproduziria o som de uma forma bacana para quem ouve mas talvez para quem é surdo... Com certeza a diferença de "velocidade" (BPM, batidas por minuto) e a combinação entre vibrações baixas e graves e as altas e agudas. Perceber harmonia seria difícil, acho, dissonâncias no tato acho que fazem as mesmas cosquinhas que harmônicas. Mas um grave e lento certamente seria sentido de forma diferente do que um agudo e rápido.

 

Ou até simplesmente botar (colar, fixar) um eletroimã sobre uma mesa e ligar a saída de um amp nele. Tem que ser um amp forte mas ué... fica a sugestão.

 

Uma curiosidade, @Quesia Sousa: (fica bem legal se você fizer de conta que está na plateia e entrar na onda)

 

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×
×
  • Criar novo...

GRÁTIS: minicurso “Como ganhar dinheiro montando computadores”

Gabriel TorresGabriel Torres, fundador e editor executivo do Clube do Hardware, acaba de lançar um minicurso totalmente gratuito: "Como ganhar dinheiro montando computadores".

Você aprenderá sobre o quanto pode ganhar, como cobrar, como lidar com a concorrência, como se tornar um profissional altamente qualificado e muito mais!

Inscreva-se agora!