Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se
lutiano.rs

Vida Útil de SSD e de HDD

Posts recomendados

Olá.

    Como funcionam as vidas úteis de SSD e de HDD ?

    É verdade que quanto mais se instalam e se desinstalam programas no SSD este diminui a vida útil ?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sugiro a leitura dos artigos abaixo. Abraços.

 

 

https://techreport.com/review/27909/the-ssd-endurance-experiment-theyre-all-dead/

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi mick 07.

    Eu lí por cima, pois não consigo ler por um problema psicológico, e não identifiquei a resposta.

    Por não conseguir ler é que escrevo aqui.

    Tem como responder a pergunta ?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Amigo, não tem como dar uma explicação resumida, os artigos que mandei respondem de forma bastante clara sua dúvida. Além disso, eu teria que escrever um bom texto pra te explicar aqui, o que, infelizmente, implicaria em você também ter de lê-lo. 

adicionado 2 minutos depois

@lutiano.rs Segue o que tem na matéria:

 

Citação

Memória Flash

É onde os dados são armazenados. A memória flash, que é o mesmo tipo de memória encontrada nas memórias USB (“pen drives”) e cartões de memória de câmeras digitais, não perde o seu conteúdo quando sua alimentação elétrica é cessada, diferentemente do que acontece com a memória (RAM) do computador. SSDs são caros porque utilizam muita memória flash.

As memórias flash podem ser fabricadas com duas tecnologias diferentes: NAND e NOR. O tipo usado em todos os dispositivos listados acima é NAND e por essa razão você poderá ver alguns fabricantes chamando memória flash de “NAND”. A tecnologia NOR permite a execução de programas e é basicamente usada em telefones celulares.

As memórias flash estão disponíveis em dois tipos diferentes de densidade de memória: SLC (Single-Level Cell ou Célula de Nível Único) e MLC (Multiple-Level Cell ou Célula de Múltiplos Níveis). Nos chips SLC cada circuito de armazenamento dentro do chip grava apenas um bit de informação, enquanto que nos chips MLC cada circuito armazena mais de um bit de informação. Por conta disso, os chips MLC são mais baratos do que os chips SLC, já que um chip MLC pode armazenar mais informações do que um chip SLC. Por esta razão, SSDs que utilizam chips MLC são mais baratos, enquanto que unidades mais caras utilizam chips SLC.

Apesar de em teoria MLC ser uma sigla que engloba chips de memória de qualquer número de bits por célula, normalmente ela é usada para referir-se a chips que armazenam dois bits por célula, enquanto chips com densidade de três bits por célula são chamados TLC (Triple-Level Chip) e chips com densidade de quatro bits por célula são chamados QLC (Quad-Level Chip).

Como os bits de dados dentro do chip estão mais próximos um do outro, chips QLC apresentam uma taxa de erros maior que chips TLC, que por sua vez apresentam uma taxa de erro maior do que chips MLC, que por sua vez apresentam uma taxa de erro maior do que chips SLC. É importante notar que esses erros não são percebidos pelo o usuário: o controlador do chip tem um mecanismo de correção de erros que detecta tais erros e os automaticamente corrige. No entanto, localizar e corrigir os erros leva tempo, refletindo em um menor desempenho. Em outras palavras: chips QLC são mais lentos do que chips TLC, que por sua vez são mais lentos do que chips MLC, e que por sua vez são mais lentos do que chips SLC.

Além disso, chips QLC têm uma vida útil menor do que chips TLC, que por sua vez têm uma vida útil menor do que chips MLC, e que por sua vez têm uma vida útil menor do que chips SLC (memórias flash têm uma quantidade finita de vezes que você pode gravar/apagar dados nelas).

Normalmente chips SLC permitem até 100.000 ciclos de apagamento/escrita, enquanto que chips MLC permitem até 10.000 ciclos de apagamento/escrita. Alguns chips MLC mais baratos, chips TLC e chips QLC possuem um limite menor do que este. Alguns chips mais baratos suportam apenas 1.000 ciclos de apagamento/escrita!

Assumindo que você tenha uma unidade de 64 GiB, esses limites permitem que você grave 64 GiB de dados 100.000 vezes em uma unidade SLC e 64 GiB de dados 10.000 vezes em uma unidade MLC.

Mas qual será a durabilidade da unidade? Isto dependerá do número de ciclos de escrita/apagamento que o usuário efetuar por dia. Se assumirmos um usuário gravando 50 GiB de dados todos os dias (que é um valor extremamente alto e colocaria o usuário na categoria profissional, "heavy user" ou mesmo corporativo), uma unidade com chips MLC de 64 GiB duraria 35 anos (64 GiB x 10.000 / 50 GiB / 365 dias) enquanto uma unidade com chips SLC de 64 GiB duraria 350 anos (64 GiB x 100.000 / 50 GiB / 365 dias). No entanto, neste mesmo cenário, o uso de uma unidade baseada em chips TLC ou QLC com um limite de 1.000 ciclos de apagamento apresentaria uma vida útil de apenas três anos e meio (64 GiB x 1.000 / 50 GiB / 365 dias).

Dependendo do uso do computador, você pode escrever bem mais do que 50 GiB de dados por dia (por exemplo, servidores), drasticamente reduzindo a vida útil da unidade. É por isso que para o ambiente corporativo (servidores) o tipo de SSD recomendado é o que utiliza chips SLC. Desta forma, unidades usando chips SLC são classificadas como "para ambientes corporativos", enquanto que unidades usando chips MLC são voltadas a "heavy users" e profissionais de áreas como edição de vídeos, e unidades usando chips TLC e QLC são classificadas como "de entrada", voltadas a usuários que não gravam uma grande quantidade de dados por dia.

Fabricantes de SSDs normalmente indicam a durabilidade da unidade através de um parâmetro chamado TBW (Total Bytes Written), que é a quantidade de bytes que o usuário pode gravar antes de a unidade parar de funcionar. A quantidade de dados que um usuário grava por dia depende exclusivamente do usuário. Seguindo o mesmo exemplo dado, de 50 GiB de dados gravados por dia em uma unidade com um TBW rotulado de 100 TiB, temos que a vida útil esperada é de 2.000 dias (100 TiB / 50 GiB = 2.000) ou cinco anos e meio. Note que 50 GiB é uma quantidade colossal de dados, e possivelmente apenas usuários profissionais que trabalham com gravação de uma enorme quantidade de dados ou servidores atingirão este valor. Um usuário comum possivelmente grava menos de 2 GiB por dia, e nesta condição teríamos uma vida útil de 50.000 dias ou 137 anos. Como você pode ver, a vida útil depende da quantidade de dados que o usuário grava por dia na unidade, sendo um parâmetro muito difícil de prever, visto que cada usuário possui hábitos de uso diferentes.

Em nosso vídeo "Mitos do hardware #13: durabilidade de SSDs" apresentamos uma discussão mais aprofundada sobre este tema.

Apenas reforçando que apenas operações de escrita (gravação) contam para o decréscimo da vida útil do SSD. Operações de leitura não têm influência neste parâmetro.

 

Segue em vídeo, se facilitar:

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ok.

    Então só responde esta pergunta:

    É verdade que quanto mais se instalam e se desinstalam programas no SSD este diminui a vida útil ?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@lutiano.rs sim, mas você não tem que se preocupar com isso. Um SSD vai durar pelo menos uns 20 anos antes de acabar a vida útil.

  • Curtir 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

mick 07

 

    Agradeço a disposição.

    EU FALEI COM O FABRICANTE.

    O argumento de que gravar e deletar dados no SSD diminui sua vida útil é verdade.

    Só que a capacidade de gravar e deletar dados é gigantesca, fazendo com que, muito provavelmente, você faça um upgrade de dispositivo antes de falhar o SSD.

    GRATO PELA PACIÊNCIA.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×
×
  • Criar novo...

Aprenda_a_Ler_Resistores_e_Capacitores-capa-3d-newsletter.jpg

ebook grátis "Aprenda a ler resistores e capacitores", de Gabriel Torres

GRÁTIS! BAIXE AGORA MESMO!