Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se
Dick Trace

Sistemas de baixo consumo

Recommended Posts

CONTINUAÇÃO DA DISCUSSÃO DA PÁG. 190 DO TÓPICO "AMD Barcelona", QUE ERA OFF-TOPIC ONDE ESTAVA.

Uma máquina velha qualquer também. Aliás, a própria máquina da pessoa daria conta...

E se a coisa vai ficar em idle o tempo todo, não importa muito o consumo do processador. Aliás, o consumo do processador simplesmente não é relevante, pelo menos não nessa escala.

Daria conta, mas consumindo mais espaço, energia e dissipando mais calor. Tente ligar 5 PCs comuns numa sala não muito grande e sem ar-condicionado, numa cidade quente no Brasil e veja a temperatura na sala após algumas horas. E não me refiro apenas ao processador, já que o resto das peças dos PCs típicos (como a fonte genérica de 500W com 35% de eficiência) desperdiçam sozinhas mais que um micro SFF completo.

Duvido. Primeiro, eles não têm motivo nenhum para comprar as fábricas, segundo, eles não têm qualquer experiência com microeletrônica, terceiro, eles perderam muito há pouco, e, como diria minha avó, "cachorro mordido por cobra tem medo até de lingüiça..."

Eu apenas incluí mais um rumor na estória, que pode ser totalmente incorreto, mas que faz mais sentido do que TSMC ou Chartered comprando a AMD.

Um governo ou conglomerado não precisa ter experiência para comprar empresas, já que a experiência e as decisões operacionais continuam na empresa, que simplesmente troca de proprietário. E Abu Dhabi (capital dos Emirados Árabes Unidos) está nadando em dinheiro por causa do preço do petróleo, e já comprou 10% da AMD, parte do Citigroup (Citibank), parte da General Electric, parte do grupo Carlyle (armas) e 90% do edifício Chrysler. Fora os investimentos nos outros países ou desconhecidos.

Você tem consciência que os mesmos analistas dizem isso há uns 50 anos? Nunca subestime a incompetência dos "programadores" e o medo de perder o emprego dos programadores...
Falavam também que o PC iria evoluir aos poucos e tomar boa parte do mercado dos servidores RISC (dito e feito). E os programadores podem continuar "incompetentes" apenas enquando o hardware aumenta exponencialmente de desempenho. E como um P4 em 2002 já tinha 3.x Ghz, um C2D 65nm tem 3.x Ghz, um C2D de 45nm tem 3.x Ghz e os Nehalem terão 3.x Ghz, isso me parece uma ótima oportunidade para os micros menores (x86 ou não) começarem a fazer com o PC o que este fez aos servidores RISC.

A única possibilidade plausível para isso não ocorrer seria que isso vai contra a obsolescência planejada (os lucros) do monopólio "Wintel", que fará com que seja preciso um octa-core e 16GB de RAM para rodar Word em 2014.

1- Isso qualquer máquina "de reposição" faz.

2- A vantagem do Atom sobre um Sempron (ou C7, ou qualquer coisa barata do tipo) nisso é praticamente zero.

3- O consumo do microprocessador num sistema desses é irrelevante.

Veja meu primeiro parágrafo lá em cima.
4- Esse mercado é pequeno, pouco lucrativo e passível de extinção rápida.
Porque? A maioria dos mainframes foram substituídos por minis, que foram substituídos por micros, que são usados hoje até como servidores. Por que a miniaturização iria parar agora?
Você está misturando mercados. Num sistema desses (servidor de arquivos, impressão e coisas do tipo de pequenas empresas e laboratórios), as pessoas vão usar gabinetes padrão, pior motivos óbvios. O fato de ser possível refrigerar um Atom sem ventiladores até ajuda alguma coisa... mas quase nada, ventiladores pequenos podem ser muito confiáveis.
Em muitas empresas e principalmente em laborátorios (falo por experiência), cada cm2 de espaço útil conta. Trocar monitor CRT por LCD é um grande negócio, com gabinete não seria diferente. A desvantem é a manutenção do sistama que ainda é exótico, mas que daqui a alguns anos será resolvida através do preço (trocar em vez de consertar, como qualquer eletrônico genérico hoje em dia). E quanto ao desempenho, muitos servidores departamentais de arquivos, e-mail, etc , ainda hoje são K6-II, Pentium2 ou Pentium3 e dão conta do recado.

O servidor do (finado?) site "ftp.cdrom.com", que a vários anos atrás era um dos sites mais utilizados da Internet, servindo cerca de 1TB por dia, era um PC single-core pior que os atuais, rodando FreeBSD.

O Sempron roda melhor ainda... e ainda roda melhor um joguinho ou um vídeo de vez em quando. Outra, não estávamos falando de servidores?

Não. Estamos falando de computadores menores substituindo computadores maiores, seja qual for o uso. Claro que um micro maior terá mais recursos que um menor, mas aos poucos o menor vai ficando cada vez mais "suficiente" (como aconteceu com PC x RISC nos servidores).

Digite "atom 1080" no youtube e veja um Atom rodando vídeo 720p sem problemas e 1080p com leves gargalos (culpa do chipset lixo). Ou digite "PXA320" no youtube e veja um dos chips usados no IPhone tocar um DVD usando 0.5W de energia.

O 2 é irrelevante, o 1 é relevante se a Intel quiser inventar mercados, mas daí eles inventariam um mercado mais lucrativo...

O fato da Intel ter 80% do mercado x86 e ter mais lucro do que os concorrente somados tem de faturamento é irrelevante?

E quem falou em "inventar mercados"? Se você se refere ao Itanium ainda vai. Senão, é apenas a tendência de miniaturização.

Eden também não, Geode está mais longe de ser derivado do 486 que qualquer um dos dois.

Tente rodar um kernel Linux i586 no Geode GX... não funciona direito, assim como você não pode usar um kernel i686 num K6. Já um Eden C7 é i686 e tem extensões SIMD recentes, você tem razão, mas é quase igual a um C3 (que mal tem SIMD e tem 10 anos de idade), que por sua vez é um Cyrix (ou Centaur, agora não lembro). Já um Atom tem paridade de recursos com um Core2Duo (x64, SSE4, etc).
Três palavras: mercado de servidores. Se você quer mover para uma discussão da transformação do computador pessoal em algo bem menor, parecido com um celular, é a tendência, mas duvido que aconteça nos próximos 15 anos. Ah, tem um detalhe, espaço de armazenamento.
Quando eu morava em SP lembro de ter visto um servidor DEC Alpha de cerca de 600mhz servindo um banco de dados de muitos GBs para 2000 pessoas sem problemas... ou então veja o exemplo do PC com FreeBSD que eu mencionei acima (1TB por dia). E hoje um iPod tem HD de 160GB.

A 15 anos atrás a gente usava 386s e 486s num gabinete bege e não existiam celulares. Você realmente acha que mais 15 anos vão passar e estaremos usando CPU de 128 núcleos com 256GB de RAM num gabinete padrão bege com 8 ventoinhas, para as tarefas normais do dia-a-dia?

Um IPod ou IPhone atual (link) tem 512MB de RAM, CPU (ARM11, se usasse um dos novos Cortex A8 seria 3 vezes mais rápido com o mesmo consumo) e GPU que rodam MacOS X p/ ARM (com todas as APIs e frameworks), rodam Quake3 (GPU suporta shaders e OpenGL), e pode ter HD de 160GB ou flash de 32GB. Apesar de não ser permitido hoje pela Apple, se você colocar um teclado e mouse Bluetooth e ligar ele na TV numa resolução decente, você tem um sistema capaz fazer mais coisas que você imagina. Agora veja os requisitos de hardware do Office2000 e outros programas da época, que se você olhar tem 85% dos recursos das versões atuais... as maiores "revoluções" da computação pessoal de hoje em dia derivam mais da Internet e disponibilidade de banda larga do que do poder de processamento em si.

Enfim, acho que a miniaturização do "PC típico" vai parar apenas quando surgir a famosa "killer app" para os simples mortais que exiga processamento demais para um PC portátil, ou porque os fabricantes não querem diminuir demais os lucros (a Intel prefere te vender um Xeon do que um Atom).

Mas hoje um PC padrão e genérico ainda tem custo/benefício melhor em muitos casos, mas não todos. E um Atom SFF (se bem feito, com chipsets decentes, SSDs, etc) pode ser bem mais útil que muita gente quer admitir.

Ele nunca disse isso. Mas, se ele tivesse falado, teria sido verdade durante um bom tempo.
Olhar na wikipedia não vale.
Porque a verdade é que seguimos o caminho contrário. O número de computadores no mundo vem aumentando de forma inacreditável há décadas.
É claro... Mencionei esta frase pelo mesmo motivo que mencionam os 640K do Bill Gates (que ele também não disse), apenas para mostrar como as coisas mudam.

[]'s

DT

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Daria conta, mas consumindo mais espaço, energia e dissipando mais calor. Tente ligar 5 PCs comuns numa sala não muito grande e sem ar-condicionado, numa cidade quente no Brasil e veja a temperatura na sala após algumas horas.

Nós falávamos de um servidor para pequenas aplicações, nesse caso a diferença de consumo de energia seria mínima em relação ao consumo dos outros 5 PCs (pelo menos)... outra, dependendo da época do ano sem ar condicionado ninguém vai agüentar do mesmo jeito :D. Espaço para um gabinete é algo que eu não vejo como um problema, considerando que enfiaram estações e mesas na sala...

E não me refiro apenas ao processador, já que o resto das peças dos PCs típicos (como a fonte genérica de 500W com 35% de eficiência) desperdiçam sozinhas mais que um micro SFF completo.

Nesse caso, qualquer SFF daria praticamente no mesmo, podia ser feito com Atoms, Semprons, ou Celerons... o que vai decidir é o preço. Aí é que tá, duvido que uma placa-mãe para Atom seja tão mais barata a ponto de não compensar um sistema um pouco mais potente, que é sempre mais versátil.

Eu apenas incluí mais um rumor na estória, que pode ser totalmente incorreto, mas que faz mais sentido do que TSMC ou Chartered comprando a AMD.

Claro.

Um governo ou conglomerado não precisa ter experiência para comprar empresas, já que a experiência e as decisões operacionais continuam na empresa, que simplesmente troca de proprietário. E Abu Dhabi (capital dos Emirados Árabes Unidos) está nadando em dinheiro por causa do preço do petróleo, e já comprou 10% da AMD, parte do Citigroup (Citibank), parte da General Electric, parte do grupo Carlyle (armas) e 90% do edifício Chrysler. Fora os investimentos nos outros países ou desconhecidos.

Claro. Acontece que a AMD não é uma foundry, o governo terá de reestruturar a empresa se não quiser comprar um grande ralo.

Falavam também que o PC iria evoluir aos poucos e tomar boa parte do mercado dos servidores RISC (dito e feito).

Nem todos. Esse papo virou moda depois que ficou bem claro que isso iria acontecer. De qualquer modo, não é a isso que me refiro, é a previsão que você colocou, que, correta ou não dessa vez, é sempre duvidosa.

E os programadores podem continuar "incompetentes" apenas enquando o hardware aumenta exponencialmente de desempenho. E como um P4 em 2002 já tinha 3.x Ghz, um C2D 65nm tem 3.x Ghz, um C2D de 45nm tem 3.x Ghz e os Nehalem terão 3.x Ghz, isso me parece uma ótima oportunidade para os micros menores (x86 ou não) começarem a fazer com o PC o que este fez aos servidores RISC.

Certo, mas... achei que falávamos de servidores.

A única possibilidade plausível para isso não ocorrer seria que isso vai contra a obsolescência planejada (os lucros) do monopólio "Wintel", que fará com que seja preciso um octa-core e 16GB de RAM para rodar Word em 2014.

Possível. Sempre existe a possibilidade de alguma aplicação especial. Ou então de que as pessoas simplesmente continuem usando computadores pessoais. Quantos micros você vê por aí com um Core 2 Duo E4300 sendo usados para coisas simples?

Veja meu primeiro parágrafo lá em cima.

Eu li sua resposta para a 1, para 2 e 3 você respondeu da mesma forma?

Porque? A maioria dos mainframes foram substituídos por minis, que foram substituídos por micros, que são usados hoje até como servidores. Por que a miniaturização iria parar agora?

O mercado de servidores domésticos e para pequenas empresas...

Em muitas empresas e principalmente em laborátorios (falo por experiência), cada cm2 de espaço útil conta. Trocar monitor CRT por LCD é um grande negócio, com gabinete não seria diferente.

Mas para um gabinete? Qual é... já vi lugares muito apertados, mas a esse ponto não.

A desvantem é a manutenção do sistama que ainda é exótico, mas que daqui a alguns anos será resolvida através do preço (trocar em vez de consertar, como qualquer eletrônico genérico hoje em dia). E quanto ao desempenho, muitos servidores departamentais de arquivos, e-mail, etc , ainda hoje são K6-II, Pentium2 ou Pentium3 e dão conta do recado.

E vão continuar dando...

O servidor do (finado?) site "ftp.cdrom.com", que a vários anos atrás era um dos sites mais utilizados da Internet, servindo cerca de 1TB por dia, era um PC single-core pior que os atuais, rodando FreeBSD.

Pois é, servidor FTP não precisa de quase nada de processamento. Mas isso até apóia minha opinião...

Não. Estamos falando de computadores menores substituindo computadores maiores, seja qual for o uso.

Nesse caso claro que (em alguns anos) a tendência é que os computadores pessoais fiquem menores, ou que eles sejam substituídos em parte por algo menor e estagnem. É uma questão de tempo. Só não acho que isso valha agora e para servidores...

Claro que um micro maior terá mais recursos que um menor, mas aos poucos o menor vai ficando cada vez mais "suficiente" (como aconteceu com PC x RISC nos servidores).

Digite "atom 1080" no youtube e veja um Atom rodando vídeo 720p sem problemas e 1080p com leves gargalos (culpa do chipset lixo). Ou digite "PXA320" no youtube e veja um dos chips usados no IPhone tocar um DVD usando 0.5W de energia.

Não preciso ver vídeos... que eles fazem isso fazem. Não é por causa disso que as pessoas usam computadores de mesa e não celulares em casa.

O fato da Intel ter 80% do mercado x86 e ter mais lucro do que os concorrente somados tem de faturamento é irrelevante?

Relevante se eles usarem essa força para "inventar mercados", se não usarem acho que você vai concordar que o mercado continua inexistindo não importando o tamanho da empresa. Irrelevante é o fato de ter cronograma claro.

E quem falou em "inventar mercados"? Se você se refere ao Itanium ainda vai. Senão, é apenas a tendência de miniaturização.

A tendência de miniaturização não costuma passar de "notebook" para "notebook menor", ou para "coisa que parece celular mas é grande igual notebook"...

Tente rodar um kernel Linux i586 no Geode GX... não funciona direito, assim como você não pode usar um kernel i686 num K6. Já um Eden C7 é i686 e tem extensões SIMD recentes, você tem razão, mas é quase igual a um C3 (que mal tem SIMD e tem 10 anos de idade), que por sua vez é um Cyrix (ou Centaur, agora não lembro). Já um Atom tem paridade de recursos com um Core2Duo (x64, SSE4, etc).

Isso não significa que eles sejam baseados em 486... é Centaur, se não me engano, o projeto da Cyrix foi abandonado.

Quando eu morava em SP lembro de ter visto um servidor DEC Alpha de cerca de 600mhz servindo um banco de dados de muitos GBs para 2000 pessoas sem problemas... ou então veja o exemplo do PC com FreeBSD que eu mencionei acima (1TB por dia). E hoje um iPod tem HD de 160GB.

Você disse que os computadores seriam substituídos por celulares ligados a monitores, acho que você não entendeu meu comentário. Certamente, no mercado pessoal sua ideia faz bastante sentido. Mas ainda está meio longe...

A 15 anos atrás a gente usava 386s e 486s num gabinete bege e não existiam celulares.

Eu creio que existiam. Tenho certeza que há uns 11-12 anos já existiam notebooks... e isso em Joinville, uma cidade que não prima pela alta tecnologia em informática.

Você realmente acha que mais 15 anos vão passar e estaremos usando CPU de 128 núcleos com 256GB de RAM num gabinete padrão bege com 8 ventoinhas, para as tarefas normais do dia-a-dia?

Não.

Um IPod ou IPhone atual (link) tem 512MB de RAM, CPU (ARM11, se usasse um dos novos Cortex A8 seria 3 vezes mais rápido com o mesmo consumo) e GPU que rodam MacOS X p/ ARM (com todas as APIs e frameworks), rodam Quake3 (GPU suporta shaders e OpenGL), e pode ter HD de 160GB ou flash de 32GB. Apesar de não ser permitido hoje pela Apple, se você colocar um teclado e mouse Bluetooth e ligar ele na TV numa resolução decente, você tem um sistema capaz fazer mais coisas que você imagina. Agora veja os requisitos de hardware do Office2000 e outros programas da época, que se você olhar tem 85% dos recursos das versões atuais... as maiores "revoluções" da computação pessoal de hoje em dia derivam mais da Internet e disponibilidade de banda larga do que do poder de processamento em si.

Claro. Problema é que as pessoas desenvolvem programas baseadas no que elas têm, não no que elas precisam. E não sei qual é sua grande surpresa com ela rodar Quake3... se rodasse Doom3, daí sim eu ficaria muito surpreso :D.

Enfim, acho que a miniaturização do "PC típico" vai parar apenas quando surgir a famosa "killer app" para os simples mortais que exiga processamento demais para um PC portátil, ou porque os fabricantes não querem diminuir demais os lucros (a Intel prefere te vender um Xeon do que um Atom).

Já disse minha opinião a respeito...

Mas hoje um PC padrão e genérico ainda tem custo/benefício melhor em muitos casos, mas não todos. E um Atom SFF (se bem feito, com chipsets decentes, SSDs, etc) pode ser bem mais útil que muita gente quer admitir.

Talvez. Mas não no mercado de servidores. E aparentemente também não no mercado de baixo custo.

Olhar na wikipedia não vale.

Eu já tinha lido esse artigo há muito tempo. Mesmo que não lesse, qual é, essa aí cheira a bobagem de longe, e não precisa ser gênio pra saber que em 43 e por algum tempo depois havia menos de 5 computadores...

De qualquer modo, porque Wikipedia não vale? Possiblidade de erro? Nesse caso eu também li a apresentação do Gordon Bell, aconselho, é bem interessante.

É claro... Mencionei esta frase pelo mesmo motivo que mencionam os 640K do Bill Gates (que ele também não disse), apenas para mostrar como as coisas mudam.

[]'s

DT

Não precisava usar essa frase nesse caso... tem outras.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Claro. Acontece que a AMD não é uma foundry, o governo terá de reestruturar a empresa se não quiser comprar um grande ralo.

Quem toma as decisões continuaria sendo a AMD, que seria dona de pelo menos 51% de tudo. Mesmo se os árabes tivessem 100% da AMD Fab, por contrato ela seria obrigada a servir a AMD Design. Não há re-estruturação ou demissões, apenas troca de dinheiro. Isto é, se isso for verdade.

Certo, mas... achei que falávamos de servidores.

O mercado de servidores domésticos e para pequenas empresas...

... não precisam de grandes equipamentos.

Mas para um gabinete? Qual é... já vi lugares muito apertados, mas a esse ponto não.

Faça um tour pelos Labs das universidades por aí... vários micro SFF + LCD fazem uma grande diferença sobre gabinetes normais + CRTs. Em alguns casos, geralmente quando a infraestrutura já é velha, o Lab ou empresa simplesmente não tem para onde expandir.

Já no caso de bancas de revista, postos de gasolina, lojas de conveniência, bares, restaurantes, lojas normais, LAN houses, o espaço importa ainda mais.

Pois é, servidor FTP não precisa de quase nada de processamento. Mas isso até apóia minha opinião...

Certos tipos de servidors não exigem desempenho, e se um PC velho serve 1TB ao dia para milhões pessoas, um PC atual com o mesmo desempenho, mas 1/5 do tamanho e 1/10 do consumo não serviria 30 pessoas?

Depois que a AMD introduzir seus CPUs correspondentes, vamos ver o quesito preço como fica, que por enquanto é igual.

Não preciso ver vídeos... que eles fazem isso fazem. Não é por causa disso que as pessoas usam computadores de mesa e não celulares em casa.

A maioria das pessoas usa computadores de mesa para fazer coisas mais leves do que ver os vídeos HD mostrados naquela Atom...

E creio ter lido em algum lugar (não lembro a(s) fonte(s) agora) que uma parte das pessoas já abandonou seus PCs pelos celulares...

Relevante se eles usarem essa força para "inventar mercados", se não usarem acho que você vai concordar que o mercado continua inexistindo não importando o tamanho da empresa. Irrelevante é o fato de ter cronograma claro.

A Intel, Apple e Microsoft são o que são hoje justamente porque as grandes (e finadas) empresas do passado não quiseram "inventar o mercado" de microcomputadores, apesar dele estar lá bem na frente delas... a IBM fez sem levar a sério, e perdeu o controle da própria plataforma...

Se a Intel não seguir a tendência low-power (de onde ela veio em relação aos minis), azar o dela, mas o mercado continuará existindo sem ela, e outros tomarão o lugar dela e farão $$$ no lugar dela.

A tendência de miniaturização não costuma passar de "notebook" para "notebook menor", ou para "coisa que parece celular mas é grande igual notebook"...

A forma não importa, importa é as pessoas acharem útil e comprarem, como pode ser visto com o eeePC. As pessoas não comprariam se ele fosse ruim e lento a ponto de ser inútil. E você pode ligar um teclado, mouse e monitores normais nele...

E veja na internet os comentários das pessoas que compraram um Atom e usam como desktop normal (sem Crysis, é claro)...

Isso não significa que eles sejam baseados em 486... é Centaur, se não me engano, o projeto da Cyrix foi abandonado.

Sim, não são 486, eu quis dizer que são muito velhos. Exceto num C7, você terá problemas se tentar usar software compilado para um Pentium ou superior (ou PPro no caso de um K6).

Eu creio que existiam. Tenho certeza que há uns 11-12 anos já existiam celulares...

Eram bons para dar hérnia de disco vertebral ou para fazer levantamento de peso. A tela monocromática com 1 ou 2 bits de cinza também era show de bola. Mas em alguns deles a bateria durava bem mais que nos celulares modernos, que consomem muita energia...

Claro. Problema é que as pessoas desenvolvem programas baseadas no que elas têm, não no que elas precisam. E não sei qual é sua grande surpresa com ela rodar Quake3... se rodasse Doom3, daí sim eu ficaria muito surpreso :D.

As pessoas normais (os "não entusiastas") consomem de acordo com a necessidade, e apenas uma minoria absoluta roda Crysis, a maioria roda Office, Internet Explorer, Messenger, WoW, entre outras coisas relativamente leves. Entre um computador de 500g que faça isso e outro de 15kg que rode Crysis, elas ficarão com o de 500g.

E eu ficaria ainda mais surpreso se uma GeForce 280 rodasse Doom3 usando o 0.5W de energia que um uma PowerVR usa para rodar Quake3.

Eu já tinha lido esse artigo há muito tempo. Mesmo que não lesse, qual é, essa aí cheira a bobagem de longe, e não precisa ser gênio pra saber que em 43 e por algum tempo depois havia menos de 5 computadores...
Eu só estava brincando... não sou de usar smiles ou emoticons.

Mas cá entre nós, sendo gênio ou não, para alguém saber exatamente o ano em que ele supostamente falou isso tem que consultar...

Sem consultar: em que ano o Bill Gates "supostamente" falou que 640K bastavam? (quem se importa?)

E daí, eu também consulto.

De qualquer modo, porque Wikipedia não vale? Possiblidade de erro? Nesse caso eu também li a apresentação do Gordon Bell, aconselho, é bem interessante.

Segundo um estudo da Nature (tb não tenho link agora), a Wikipedia na prática é tão precisa quanto a enciclopédia Brittanica na maioria dos artigos, além de cobrir assuntos considerados tabu em outras enciclopédias. As enciclopédias comerciais tinham o hábito de criar personagem e fatos fictícios para "rastrear" se eles apareciam em outros livros e enciclopédias e assim detectar plágio (e processar).

E eu recomendo as palestras de computação semanais da Stanford (link), muita gente boa aparece lá.

[]'s

DT

PS: Meus Deus, olha o tamanho das mensagens...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em muitas empresas e principalmente em laborátorios (falo por experiência), cada cm2 de espaço útil conta. Trocar monitor CRT por LCD é um grande negócio, com gabinete não seria diferente. A desvantem é a manutenção do sistama que ainda é exótico, mas que daqui a alguns anos será resolvida através do preço (trocar em vez de consertar, como qualquer eletrônico genérico hoje em dia). E quanto ao desempenho, muitos servidores departamentais de arquivos, e-mail, etc , ainda hoje são K6-II, Pentium2 ou Pentium3 e dão conta do recado.

Sempron Embbeded serve para isso...

E cumpre muito bem o papel, cabe em gabinetes muito pequenos, a diferença de consumo pro Atom é irrelevante (tenho detalhes de TDP em IDLE, se achar relevante posso postar aqui) e, se precisar, tera respostas mais rapidas.

Digite "atom 1080" no youtube e veja um Atom rodando vídeo 720p sem problemas e 1080p com leves gargalos (culpa do chipset lixo). Ou digite "PXA320" no youtube e veja um dos chips usados no IPhone tocar um DVD usando 0.5W de energia.

No caso do IPhone quem toca o video é um acelerador dedicado, o processador dele não tem capacidade para isso, o caso do Atom não sei até onde o video dele é capaz de decodificar mas te garanto, um você-1 pesado faz até um Athlon 64 LE-1640 chorar, um Atom não da nem pro cheiro.

Tente rodar um kernel Linux i586 no Geode GX... não funciona direito, assim como você não pode usar um kernel i686 num K6. Já um Eden C7 é i686 e tem extensões SIMD recentes, você tem razão, mas é quase igual a um C3 (que mal tem SIMD e tem 10 anos de idade), que por sua vez é um Cyrix (ou Centaur, agora não lembro). Já um Atom tem paridade de recursos com um Core2Duo (x64, SSE4, etc).

Posso procurar por detalhes, sobre o Geode isso pode ser verdade para as primeiras versões, tenho quase certeza que os LX ja são 686, o K-6 ja começou 586, o que o põe acima do 486 e por fim, o Atom não tem SSE4.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Sempron Embbeded serve para isso...

Se a wikipedia está correta, seria um Sempron Mobile 2100+ de 1Ghz/256K e 9W?

Será que o desempenho é tão incrivelmente diferente assim? Um Atom 1.6Ghz equivalia a um Dothan de 800Mhz não era isso?

Ele é fácil de se achar (e a que preço)? Ele é vendido em combos com uma placa mãe microATX por preços semelhantes a um Atom+placa-mãe i945 ou é mais vendido separadamente (além de ser usado por OEMs)?

No caso do IPhone quem toca o video é um acelerador dedicado, o processador dele não tem capacidade para isso, o caso do Atom não sei até onde o video dele é capaz de decodificar mas te garanto, um você-1 pesado faz até um Athlon 64 LE-1640 chorar, um Atom não da nem pro cheiro.
Sim, é aceleração de vídeo, mas qual a diferença? O que importa é que a funcionalidade está lá por 0.5W. Qualquer chipset onboard para Nehalem também deveria ter aceleração de vídeo decente, mesmo sendo com um Nehalem.

E um Atom não tem força para decodificar VC1, mas CPUs com TDPs bem maiores também não tem, e daqui a um tempo (caso já não exista) existirá aceleração decente c/ baixo consumo de energia até para codecs HD mais pesados. (de dedos cruzados...)

Posso procurar por detalhes, sobre o Geode isso pode ser verdade para as primeiras versões, tenho quase certeza que os LX ja são 686, o K-6 ja começou 586, o que o põe acima do 486 e por fim, o Atom não tem SSE4.

Sabia que ia me arrepender de incluir o lance do 486 dessa forma.

Geode e Centaur são duas arquiteturas antigas e "órfãs" (sim, a NatSemi ainda existe), compradas por outras empresas que nunca fizeram grandes alterações, e que sempre tiveram peculiaridades com o software. Não são 486, mas são bem obsoletas perto da AMD ou Intel.

OK, Atom não tem SSE4, mas não tem problema.

[]'s

DT

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×