Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se

Recurso Ray Tracing será habilitado para placas de vídeo GeForce GTX das séries 10 e 16 a partir de abril

       
 1.886 Visualizações    12 comentários

As plataformas de jogos Unreal Engine e Unity também suportarão a tecnologia DXR.

Recurso Ray Tracing será habilitado para placas de vídeo GeForce GTX das séries 10 e 16 a partir de abril
Flavia Dutra Editora de Notícias do Clube do Hardware

A NVIDIA anunciou que o conjunto de tecnologias DXR, que compreende recursos como o Ray Tracing, estará habilitado a partir do próximo mês também para placas de vídeo da série 10, a partir da GeForce GTX 1060 de 6 GiB, e para os modelos com arquitetura Turing, sem núcleos tensores e RT, como a GeForce GTX 1660 e GTX 1660 Ti.

De acordo com a NVIDIA, as placas mais antigas conseguirão realizar o processamento do RT híbrido, mas precisarão de mais tempo para lidar com os ciclos de trabalho de cálculo do traçado dos raios de luz.

Além disso, a NVIDIA revelou suporte ao DXR nas plataformas de desenvolvimento de jogos Unreal Engine e Unity.

A tecnologia DXR compõe o software DirectX 12 da Microsoft e possibilita o uso do Ray Tracing híbrido. Até agora ela estava disponível apenas para placas de vídeo da série 20, do ecossistema RTX.

LVOjy8j7vTRpw1vm.jpg

Mais informações

Compartilhar

  • Curtir 4


  Denunciar Notícia

Comentários de usuários


Esse Raytracing da Nvidia pelo visto será só mais uma função a ser adicionada ao GameWorks que apenas placas de vídeo Nvidia são capazes de rodar bem, apesar de possuir potencial ele é jogado fora quando a Nvidia não libera totalmente o código para que a AMD otimize para suas GPUs.

E nenhum desenvolvedor quer fazer um jogo que roda só em uma marca específica de placas de vídeo, no fim viram coisinhas estéticas que não fazem diferença na vida de quem joga porém o marketing é tão agressivo que parece que vai revolucionar a indústria de jogos.

 

Mesma coisa aconteceu com Physx anos atrás, também com HairWorks e agora Raytracing. Essa mentalidade egoísta da empresa tem que mudar, só pensam neles e em mais ninguém, nem em seus próprios consumidores dependendo do caso.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

@grievous Faço das suas palavras as minhas. Bom ver outras pessoas vendo de forma similar.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

@grievous nem precisa ser de um fabricante só, o Tesselation foi uma grande vedete do DirectX 10 e, quase 15 anos depois, não vimos é nada.

 

Outra que podemos falar são SLI e CrossFire.

 

A não ser que o RT consiga ter um custo de desenvolvimento E de execução (consumo de máquina) baixos, vai ser mais uma ideia fracassada.

 

Espero que não seja como a paralelização ou 64 bits, que, apesar de já bem antigos, ainda não são unanimidade.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Todas as cenas foram renderizadas em editor em tempo real em uma GPU AMD Vega 56.

As reflexões são alcançadas com o novo recurso experimental de traçado de raios no CRYENGINE 5 - no SSR.

O Neon Noir foi desenvolvido em uma versão personalizada do CRYENGINE 5.5 e o recurso de traçado de raios experimental baseado no CRYENGINE Total Illumination usado para criar o demo é independente de API e hardware, permitindo que o ray tracing seja executado na maioria das GPUs AMD e NVIDIA . No entanto, a integração futura desta nova tecnologia CRYENGINE será otimizada para beneficiar-se dos aprimoramentos de desempenho oferecidos pela última geração de placas gráficas e APIs suportadas, como Vulkan e DX12.

👍Super Interessante!!

 

Crytek Noir - CRYENGINE Based Real-Time Raytracing 4K Demo AMD/Nvidia (2019)

 

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Acho que é questão de tempo até o RT virar uma funcionalidade dentro do DX e Vulkan. A verdade é que ninguém estava olhando para essa tecnologia ate a Nvidia aparecer com essas placas.

Se vai vingar ou ser o próximo tesselation é outra historia.

 

https://devblogs.microsoft.com/directx/announcing-microsoft-directx-raytracing/

 

 

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Quake II RTX - GTC 2019 Demo Walkthrough with NVIDIA CEO Jensen Huang (ultrawide)

 

 

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

"...as placas mais antigas conseguirão realizar o processamento do RT híbrido, mas precisarão de mais tempo para lidar com os ciclos de trabalho de cálculo do traçado dos raios de luz."

No caso, uma GTX 1060 vai "segurar o RT sem perder performance que comprometa o desempenho do jogo?

Uma RTX 2060, que é bem mais rápida do que a GTX 1060, já sente quando se ativa o RT.

Vamos aguardar esse tal processamento RT híbrido na prática numa GTX 1060.

(minha VGA é uma GTX 1070, espero que não decepcione)

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

@sdriver Raytracing sempre existiu e não é novidade, ninguém nunca pensou em utilizar em jogos porque é incabível. Tanto que os poucos jogos que possuem essa função ela não é utilizada em sua totalidade porque o jogo rodaria com menos de 1FPS e cheio de artefatos. Segue um trecho de um minigame na UDK usando 100% raytracing:

 

 

@juanmarkus777 Quando o cenário é estático como esse do Quake dá para atingir a mesma qualidade com Baked Global Ilumination sem comprometer a performance. O único momento que o raytracing brilha é em cenários dinâmicos onde as coisas mudam, destruição de paredes, terreno, etc. Então essa demo do Quake não é tão impressionante quanto parece, e inclusive o apresentador da Nvidia condena esse método (Baked GI) no vídeo do Quake, mostrando uma versão mal implementada para comparação no tempo de 35s do vídeo, que na minha opinião é uma desonestidade sem igual, típica da Nvidia.

 

Segue demo feita na Unity em 2015 de um Baked GI bem implementado:

 

E o melhor é que você pode baixar e ver como seu PC lida com esses gráficos.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Em 20/03/2019 às 08:25, grievous disse:

Esse Raytracing da Nvidia pelo visto será só mais uma função a ser adicionada ao GameWorks que apenas placas de vídeo Nvidia são capazes de rodar bem, apesar de possuir potencial ele é jogado fora quando a Nvidia não libera totalmente o código para que a AMD otimize para suas GPUs.

E nenhum desenvolvedor quer fazer um jogo que roda só em uma marca específica de placas de vídeo, no fim viram coisinhas estéticas que não fazem diferença na vida de quem joga porém o marketing é tão agressivo que parece que vai revolucionar a indústria de jogos.

 

Mesma coisa aconteceu com Physx anos atrás, também com HairWorks e agora Raytracing. Essa mentalidade egoísta da empresa tem que mudar, só pensam neles e em mais ninguém, nem em seus próprios consumidores dependendo do caso.

Tudo que você disse é verdade. Agora algo que precisa ser pontuado é que a realidade do mercado de GPUs hoje é muito favorável para a Nvidia. A última vez que eu vi a gigante verde tinha 30% dos computadores no Valve Steam com GTX 1060 e mais uns 18% com GTX 1050Ti.

Nvidia controla 75% dos computadores com steam instalado e as duas primeiras são placas recentes da Nvidia. As tecnologias que ela oferecem não estrangulam mais o mercado como antes, pois agora ela é o mercado. A AMD encolheu muito no segmento de GPUs voltados para o mercado gamer.

https://store.steampowered.com/hwsurvey

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

@andrighi Sim, só tem um probleminha: quem fabrica as APUs que vão nos videogames é a AMD e quando um desenvolvedor faz um determinado jogo que será lançado em várias plataformas (pc, xbox, ps, etc) ele não tem como usar uma feature criada pela Nvidia porque além de não liberar o código fonte para que ele seja otimizado no hardware da AMD também rolam contratos que impedem o jogo do videogame ser diferente do jogo do PC.

 

Por causa desses contratos também que vemos tantos trailers de jogos com gráficos maravilhosos só que no lançamento eles dão um downgrade porque o videogame não tem desempenho suficiente para rodar naquela qualidade e o contrato impede o jogo no PC ser mais bonito que no videogame.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
3 horas atrás, andrighi disse:

Tudo que você disse é verdade. Agora algo que precisa ser pontuado é que a realidade do mercado de GPUs hoje é muito favorável para a Nvidia. A última vez que eu vi a gigante verde tinha 30% dos computadores no Valve Steam com GTX 1060 e mais uns 18% com GTX 1050Ti.

 

 

1 hora atrás, grievous disse:

@andrighi Sim, só tem um probleminha: quem fabrica as APUs que vão nos videogames é a AMD e quando um desenvolvedor faz um determinado jogo que será lançado em várias plataformas (pc, xbox, ps, etc) ele não tem como usar uma feature criada pela Nvidia porque além de não liberar o código fonte para que ele seja otimizado no hardware da AMD também rolam contratos que impedem o jogo do videogame ser diferente do jogo do PC.

 

Por causa desses contratos também que vemos tantos trailers de jogos com gráficos maravilhosos só que no lançamento eles dão um downgrade porque o videogame não tem desempenho suficiente para rodar naquela qualidade e o contrato impede o jogo no PC ser mais bonito que no videogame.

A prova de que ninguém mais está aceitando  engolir os mandos e desmandos da Nvidia é a inacreditável mudança de postura da verdinha que simplesmente resolveu matar (mesmo que publicamente não admita) o G-sync ao liberar as suas placas para operarem com o Free-sync. Os fabricantes de monitores com certeza vão enterrar os chips g-sync que tornam a produção mais cara e passar a fazer somente monitores free sync a partir de agora. A grande vantagem que a Nvidia tem no final das contas contra a AMD é que suas placas são naturalmente melhores em desempenho geral.

Mas não é de hoje que a empresa tenta sem sucesso impor seus padrões proprietários.

Talvez o ray tracing até se torne uma coisa cotidiana dos jogos, mas para isso acontecer, a tecnologia precisa ser democrática, o desenvolvimento de jogos precisa não ter um custo extra absurdo e sobretudo, precisamos ter uma base usuários com equipamento compatível considerável. Ninguém vai querer criar jogos que so rodam em computadores com placas RTX 2060 ou superior. A vendagem dos jogos seria um fracasso. E fazer jogos como o BF 5 que usa as 2 tecnologias de geração de imagem em paralelo não vale o preço e tempo desperdiçados no desenvolvimento. Então, daqui uns 5 anos ou mais quando já tiverem no mercado placas suficientes vendidas de mid e low end compatíveis(da AMD também)  com RT é que talvez comecem a aparecer jogos feitos somente em ray tracing, que tenham um custo de produção justificável e com uma base sólida de potenciais compradores. E até lá, esperamos que ja existam consoles que também sejam totalmente compatíveis com a tecnologia.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

RT não vai pegar se não for para os consoles, pelo menos no Xbox e PlayStation, vide o DirectX10, que prometia ser revolucionário e demorou muito pra engrenar.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×
×
  • Criar novo...

GRÁTIS: minicurso “Como ganhar dinheiro montando computadores”

Gabriel TorresGabriel Torres, fundador e editor executivo do Clube do Hardware, acaba de lançar um minicurso totalmente gratuito: "Como ganhar dinheiro montando computadores".

Você aprenderá sobre o quanto pode ganhar, como cobrar, como lidar com a concorrência, como se tornar um profissional altamente qualificado e muito mais!

Inscreva-se agora!