Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se

Thakowbbery

Membros Plenos
  • Total de itens

    48
  • Registro em

  • Última visita

  • Qualificações

    0%
  1. Olá Estou pra reinstalar algumas impressoras aqui no serviço (e de praxe, não temos mais os CD's de instalação). Fui baixar os drivers para uma delas e vi: Driver PCL 5c Driver PCL 6 Driver PS (Postscript) A verdade é essa, eu fiquei mais de 10 anos apenas mexendo em impressora que simplesmente "tinha o driver". Afinal, qual a diferença entre PCL 5c, PCL 6 e PS e qual deles seria "melhor" (se é que teria isso) para impressoras de rede (não ligadas diretamente ao servidor, mas gerenciadas por ele). Grato
  2. Seguinte To precisando liberar espaço aqui nos servidores da empresa, e por hora a solução é compactar alguns arquivos mais antigos e deixar um tempo guardado, pra ver se ninguém reclama, pra depois mandar pro beleléu. Pergunta: O maldito Winzip não permite algumas operações de compactação (como por exemplo a compactação de uma pasta inteira) porque o maldito reclama de arquivos repetidos (na verdade, nomes iguais, só que em subpastas diferentes). Pergunto: Winrar, 7-Zip ou qualquer outro compactador me permite driblar essa dificuldade?
  3. Bom, seguinte. Estou fazendo uma integração entre estações Linux e servidores Windows. A parte de autenticação de usuários já saiu, agora estou tendo problemas com a parte de compartilhamento de diretórios. Quando logo com o usuário e tento utilizar o smbmount (lembrando que os diretorios compartilhados estão com permissão separada por grupo), ele pede autentição de senha mais uma vez. Existe algum meio de fazer essa autenticação automaticamente, sem utilizar a opção de "password" no smbmount?
  4. O povo do Slackware segue uma filosofia que diz o seguinte: "Ser o mais próximo possível do Unix". Por isso ele é conhecido como uma distribuição "não tão amigável", juntamente com o Debian (cá entre nós, por isso eu escolhi ele como distro :X) quanto ao amigo # soul silence #, o Slackware 10 são 2 CD´s de instalação sugiro q vá atrás do CD2 caso queira instalá-lo
  5. o Slackware ainda vem com o Lilo como gerenciador de boot padrão seu WinXP já está instalado certo? bom, apenas dê o boot na máquina pelo primeiro CD do Slackware ele irá pedir o login de root, basta entrar com o nome root q ele já loga rode o cfdisk (´cfdisk /dev/hda´ = supondo que sua HD de 60GB seja sua primary master) crie as devidas partições pelo cfdisk e não se esqueça de salvar antes de sair (crie uma partição para o ´/´ e uma para swap, caso você ache q seja necessário). Reinicie a máquina após fazer isso quando bootar novamente pelo CD do slackware, só logar como root d novo e mandar bala no ´setup´. A instalação do Slackware vai começar e, durante ela, ele vai indicar que encontrou partições Windows na sua HD e irá perguntar se você quer adicioná-las ao seu fstab (se você quer q elas fiquem visiveis para o seu linux na hora do boot). Ao final de tudo, faça as instalações automáticas do Lilo (quando ele perguntar aonde, pode instalar na MBR q num pega nada - pra mim pelo menos nunca pego nada). O lilo irá se configurar automaticamente e irá montar o dual boot. ps: se preferir, pode criar suas partições Linux utilizando um gerenciador de partições, estilo o Partition Magic
  6. na sua BIOS (fica pressionando Delete quando ligar o micro para acessar), procure uma opção chamada "VGA Shared Memory", ou algo do tipo lá diz o quanto de memória está sendo compartilhada com sua placa de vídeo agora, se sua VGA é uma onboard da SiS, deve haver, na relação de drivers do xorg, alguma coisa de driver com o nome SiS no meio driver específico de placa de vídeo é difícil encontrar pra linux, infelizmente
  7. http://forum.clubedohardware.com.br/index....howtopic=209853 quanto as placas de rede, ele só não inicia quando você desabilita 1 ou 2 das placas?
  8. sobre o swap: com 512MB, uns 150MB de swap tá mais doq bom 1GB de swap é completamente desnecessario
  9. tenta isso aqui http://www.heby.de/ltmodem agora, quanto a fazer drivers para linux: Winmodems NUNCA terão drivers da própria empresa para Linux, porque, como o próprio nome já diz, eles foram projetados, EXCLUSIVAMENTE, para window$
  10. Thakowbbery

    Samba!

    eu não entendi direito, mas... você quer logar uma estação cliente windows em um servidor linux rodando samba, com autenticação automática?
  11. Este tutorial é válido para, se não todas, quase todas distribuicões Linux. Espero que seja de grande valia para o pessoal. ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ No princípio, os pacotes de aplicativos para Linux eram distribuídos da forma mais simples possível, ou seja, código fonte puro. Quem quisesse se utilizar daquele aplicativo teria que pegar seu código fonte e compilá-lo para daí então executar a instalação do aplicativo. Outra coisa a ser observada são as chamadas "dependências". Neste caso, são alguns requisitos para que determinado pacote possa ser instalado (Ex: um pacote requer uma biblioteca que está contida em outro pacote). Hoje em dia existem processos mais automatizados para executar estas operações, porém os pacotes de código fonte continuam sendo os mais populares por todo o mundo. Aqui será explicado quais são estes métodos mais automatizados e seu funcionamento (RPM e APT), assim como também a compilação de pacotes. 1) RPM (Redhat Package Manager): Desenvolvido pela Red Hat, este sistema interpreta os pacotes '.rpm', que contem os arquivos de configuração, executáveis, bibliotecas do aplicativo e regras de instalação (localização dos arquivos dentro da árvore de diretórios, dependências e etc). Uso do comando: rpm <parâmetros> /<caminho_do_pacote_rpm>/<nome_do_pacote_rpm> Ex: rpm -ivh /tmp/aplicativos/aplicativo1.rpm Legenda: -i = install (instala o pacote) -v = verbose (mostra na tela o que está sendo feito) -h = hash (mostra uma barra de progresso do processo) Outros parâmetros úteis do rpm: -q <nome_do_aplicativo> = query (Checa se determinado pacote está instalado) -qa = query all (Mostra todos os pacotes instalados) -e <nome_do_aplicativo> = erase (Desinstala determinado aplicativo) Hoje em dia praticamente todas as distribuições mais recentes têm suporte para RPM. As mais utilizadas são Conectiva, Red Hat, Fedora, Mandrake, etc. 2) APT (Advanced Package Tool): Desenvolvido pelo Debian, este conjunto de ferramentas consegue simplificar mais ainda a função do RPM. O APT gerencia tanto pacotes '.rpm' como '.deb' (pacotes para Debian), sendo assim, toda distribuição que suporte RPM também suporta o APT. Com estas ferramentas, é possível instalar (juntamente com todas as suas dependências) e remover pacotes facilmente, com apenas um comando, sem nem precisar saber aonde o pacote de instalação se encontra. Uso do comando: apt-get <install/remove> <nome_do_pacote> Ex: apt-get install blackbox (o apt busca em lugares pré-determinados pelo pacote do blackbox e o instala junto de suas dependências, se houverem) apt-get remove blackbox (o apt desinstala SOMENTE o blackbox). Utilize o rpm -q(a) para checar se o pacote foi instalado. 3) Compilando o pacote na mão, a partir do código fonte: Utilizados desde o começo, e ainda sendo a forma de distribuição favorita por 90% da comunidade Linux, este processo aparentemente complicado é mais simples do que aparenta ser. Estes pacotes são distribuídos em sua grande maioria nos formatos '.tar.gz' e '.tar.bz2', que são pacotes compactados. Ferramentas necessárias para compilação: É necessário ter instalados os seguintes pacotes: 1) tar = Ferramenta para (des)compactação de pacotes '.tar' 2) gzip/gunzip = Ferramenta para (des)compactação em formato '.gz'. 3) bzip2/bunzip2 = Ferramenta para (des)compactação em formato '.bz2'. 4) make, binutils, gcc, glibc, ncurses e tk = Ferramentas de compilação. Agora, vamos supor que vamos instalar o pacote CDRDAO (um pacote necessário para o funcionamento do K3B, um software para gravação de CD's em Linux): cdrdao-1.1.9.tar.gz - Vá até o diretório aonde se encontra o cdrdao-1.1.9.tar.gz. - Lá, execute o comando 'tar xvzf cdrdao-1.1.9.tar.gz' Legenda: x = extract (Extrai os arquivos do pacote) v = verbose (Mostra na tela o que está sendo feito) z = gzip/gunzip (Irá utilizar a ferramenta gzip/gunzip) f = force (Força a (des)compactação) - Será criado um diretório com o mesmo nome do pacote (geralmente), neste caso, cdrdao-1.1.9/ - Entre neste diretório. - Dentro deste diretório encontram-se arquivos de configuração, código-fonte, documentos de copyright, manual de instalação e etc. - Execute o script 'configure' que se localiza neste diretório através do comando './configure'. - Este script irá checar se você tem os requisitos para compilação e instalação do pacote (ferramentas de compilação, dependências e etc). - Caso ele não mostre nenhuma mensagem de erro, entre com o comando 'make'. - Será iniciada a compilação do programa, o que costuma ser a parte mais demorada. - Ao final da compilação, caso não apresente nenhum erro, execute o comando 'make install'. - O pacote será instalado e o software estará pronto para uso (se você quiser pode apagar o .tar.gz e o diretório com os códigos fontes e etc). - Arquivos de manuais e etc do software ficam localizados no diretório /usr/shared/doc. Nunca se esqueçam que é sempre vital consultar as páginas de manuais caso ocorram dúvidas quanto ao uso de um comando ou parâmetro: 'man <nome_do_comando>' Links úteis: http://www.rpmfind.net http://www.rpmseek.com http://rpm.pbone.net http://freshrpms.net http://sourceforge.net -------------------------------------------------------------------------------------- Bom, é isso aí. Não sei se ficou bom ou não. Caso queiram acrescentar/remover/corrigir algo, estejam a vontade.
  12. o aMSN (pelo menos a versão 0.93 e 0.94) não tem instalador é descompactar e ir pro abraço (rode o script 'amsn')
  13. Como prometido: Sodipodi (http://www.sodipodi.com) - O "Corel pra Linux". Se o pessoal pudesse dar sua opinião, eu agradeco. E para aqueles que tem problemas com Winmodens no Linux (PCTel, Lucent, HSP56, e etc), dêem uma olhada em http://www.linmodems.org/. T+
  14. Votei na falta de usuários, e gostaria de fazer uma observação sobre as outras opções. 1) Player de Áudio e Vídeo: O Xine e o XMMS sempre atenderam as minhas necessidades nesse quesito. O Xine ainda apresenta alguns probleminhas mínimos, que com certeza serão corrigidos ao longo do tempo. 2) Navegadores Web: Mozilla Firefox é com certeza o melhor browser com o qual já mexi. O Konqueror é legalzinho, mas muito precário em relação a plugins e etc. 3) Client MSN: O aMSN está muito bom, apesar de ainda não ter chego na sua versão 1.0. Suporte a webcam, entre outras coisas, com certeza logo chegarão. 4) Client ICQ: Eu uso o SIM, e acho ele muito bom. 5) Client Yahoo!: Não uso Yahoo! 6) Gerenciador de emails: Tenho raiva dessas coisas, pra mim acesso a e-mail via browser ainda é o melhor. 7) Interface gráficas: Existe uma infinidade de interfaces para Linux, sendo KDE e Gnome apenas as mais "famosas". Interfaces como Blanes, XPDE, qvwm, Blackbox, WindowMaker. Todas elas não deixam nada a desejar (apenas o KDE, que eu admito ser uma interface meio carregada). 8) Editores de imagem, som e edição vetorial: Em relação a esses não posso falar muito por não mexer nada com essa área, mas sei que o avanço nesta área está muito bom. Lembro que me falarem muito bem de um programa "Estilo Corel" para Linux que não passa longe do próprio Corel, depois coloco o nome aqui. 9) Jogos: Em relação a esta parte, está tudo avançando. Até Doom3 já tem pra Linux. Esta área logo logo estará muito bem servida. Para coisas antigas, a gente se vira com o Wine mesmo. 10) Outros (exemplos): O K3B é um software pau a pau com o Nero. Arquivos .CUE/.BIN (que até hoje não consegui gravar no Nero), foram de boa no K3B. Muitas pessoas falaram sobre compatibilidade de hardware, principalmente em relação a modens, em todos os casos citados, os famosos WINmodens (PCTel, Lucent, HSP56, etc...), que são preparados para funcionar especificamente no Window$. O mesmo caso se aplica aos Modems USB da maioria dos servidores de ADSL. Mas tudo bem, porque a comunidade Linux já conseguiu desenvolver módulos para 99% destes casos. O maior problema realmente é esse. Povo está acostumado com Window$, e tem preguiça de fazer experiências de migração para outros Sistemas Operacionais.

Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×
×
  • Criar novo...

GRÁTIS: minicurso “Como ganhar dinheiro montando computadores”

Gabriel TorresGabriel Torres, fundador e editor executivo do Clube do Hardware, acaba de lançar um minicurso totalmente gratuito: "Como ganhar dinheiro montando computadores".

Você aprenderá sobre o quanto pode ganhar, como cobrar, como lidar com a concorrência, como se tornar um profissional altamente qualificado e muito mais!

Inscreva-se agora!