Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se

paulohvs

Membros Plenos
  • Total de itens

    546
  • Registro em

  • Última visita

  • Qualificações

    0%

Reputação

0

Sobre paulohvs

  • Data de Nascimento 01/10/1985 (33 anos)

Informações gerais

  • Cidade e Estado
    DF
  1. Muito interessante o teste. O que achei mais curioso foi o nível de ruido menor com apenas uma ventoinha puxando ar de fora para dentro na posição 2. No meu gabinete possuo várias ventoinhas e um controlador de velocidade. O que reparei aqui foi exatamente que a ventoinha mais barulhenta é exatamente aquela que puxa o ar de fora para dentro. Uma observação, os dados do gráfico de ruído não estão condizentes com o que está na tabela, pois não há nenhum caso de 48dB.
  2. Tenho uma dúvida, não sei se de iniciante ou não, mas o quanto as medições de oscilação e ruído nas saídas de uma fonte podem ser influênciadas pela qualidade da energia que entra na fonte, ou seja, oscilação e ruído da energia "da tomada"? Creio que o estágio inicial de filtragem da fonte seja o responsável por "limar" isso, mas "quanto" efetivamente pode ser conseguido? Pergunto isso para saber o quanto um NoBreak (principalmente os com Estabilizador) ou outros elementos da rede elétrica podem interferir na saída da fonte de alimentação. Voltanto à especificidade deste modelo, realmente é muito interessante o esquema de rosqueamento para os cabos modulares e, particularmente, gosto da "não modularidade" dos cabos de alimentação da placa-mãe.
  3. Puxa, essa é uma pergunta já feita a bastante tempo e ainda sem resposta. Estou passando exatamente pelo mesmo problema agora, mas minha placa-mãe é uma M4A88TD-M. Os HDs que quero ligar em Raid 0 são dois Corsair Force GT de 120GB. Usá-los em IDE ou em AHCI funciona 100%, mas quando configuro RAID não me aparece a tela para entrar no menu e fica idêntico ao que descreveu acima:(. Abraços.
  4. De fato. A minha ideia é para que seja jogado no radiador ar "fresco" de fora do gabinete, ja que devido ao pouco espaço provavelmente não dará para colocar o ventilador superior lateral. Mas será simplemente uma questão de alguns testes para ver em qual "modo" a refrigeração será mais eficiente. De qualquer forma, nem sei se dá pra instalar o H100 no Centurion 590. Fan para configurar em P/P eu tenho, só não sei se o gabinete tem espaço.
  5. Muito obrigado Stahl, bom saber que estas FANs são boas. Se não aparecer a tempo as da Akasa, então devo ficar com elas mesmo.
  6. Que tal começar a expandir o tópico para FANs de 140mm também? Muitos coolers e gabinetes atuais as estão utilizando. Como primeiras indicações temos as seguintes: - NZXT FN-140RB - 62,5CFM - 26,52 dBA - Noctua NF-P14 FLX - 64,92CFM - 19,6 dBA - Aerocool FAN Shark Edition - 96,5CFM - 29,6 dBA - Akasa Viper - 110,61CFM - 26,01 dBA. Estou particularmente interessado nas duas últimas. A da Aerocool vi na JustShop. Já a da Akasa ainda não achei pre vender, vi apenas no site do fabricante: http://www.akasa.com.tw/update.php?tpl=product/product.detail.tpl&no=181&type=Fans&type_sub=Ultra%20Quiet%20Fan&model=AK-FN063
  7. Também estou em dúvida quanto a instalação do H100 num CM Centurion 590, pois a furação do topo também é para duas FANs de 140mm, ou seja, os furos das de 120mm não ficam colados. Pela questão de espaço, penso em colocar as FANs do lado de fora empurrando ar pra dentro, daí a FAN da parte de tráz se encarrega de remover o ar quente.
  8. Também estou pesquisando um cooler e, apesar do review aqui do CDH, na maioria dos outros que vi o Corsair H80 tem se saido melhor que o Antec H2O 920. Destaco que a diferença sempre é pífia, suficiente para eu concluir que os dois são quase idênticos. Portanto, considerando apenas o desempenho de refrigeração, eu pegaria o que estivesse disponível e mais em conta (o H80 está relativamente fácil de achar). Agora, pelos preços praticados na waz, eu até cogitei ir logo de H100, mas está em falta e ainda tenho que analisar bem como colocá-lo no meu Centurion 590 (CM-590). Entretanto, como não estou pretendendo fazer over extremo e gastar menos, estive pensando mais num Noctua NH-C14. Colocando um FAN na lateral do gabinete bem em cima do cooler devo obter um desempenho excelente, afinal serão 3 grandes FANs soprando o dissipador do processador. Atualmente tenho 6 coolers 120mm R4 da CM de 90CFM, digo, 69CFM (rsrsrsrsrs). Estou pensando em adquirir 4 de 140mm para colocar 2 na lateral e 2 no topo do gabinete. vocês possuem alguma sugestão? Será que ainda são melhores os de 120mm como na época da febre dos R4? Por serem muito elogiados, pensei nos P14 da Noctua (os mesmos do cooler), mas são bem caros e o desempenho de 65CFM me desapontou um pouco (apesar de serem muito silenciosos), o que me faz pensar que já estou melhor servido. Contudo, vi estes da Aerocool http://www.justshop.com.br/home/produto/codigo:841,familia_id:97/fan-shark-blue-edition-140mm-aerocool. Será que esse desempenho de 96,5 CFM está correto, será que é confiável? Se for, pode até ser vantajoso substituir os originais do NH-C14. Por fim, voltando aos de 120mm, me parece que as duas melhores opções são o CM Excalibur e o Akasa Viper, correto? ------------------- Comentando o over num Phenom II X4 a 3.8GHZ, isto não me parece muito agressivo não. Tenho um 965 BE a 3.72GHZ, 2600MHZ NB (melhorar desempenho de memória), vcore em 1,365V. Apesar de todos os FANs do gabinete (2 frontais, 2 superiores e 1 lateral na VGA), meu cooler é um reles Akasa Nero com o FAN R4 da CM. A temperatura máxima que registrei aqui no AIDA64 foi de 57ºC (média de 55ºC) rodando o Prime95 em FFT durante mais de 30min. Recentemente lapidei a base do meu cooler (ficou "biito"), mas o desempenho até agora está igual a antes de ter lapidado. Usei o mínimo de pasta térmica Artic Silver Ceramique.
  9. Perfeito faller, muito proveitoso esse debate. Infelizmente eu já imaginava que o delay gerado pelo termistor não permitiria a sua utilização conforme sugeri. Fiz essa colocação por quê, não conhecendo todas as especificações de vários modelos de termistores, havia uma certa esperança de que algum pudesse ser rápido o suficiente. Creio que o AVR seja culpa dessa cultura desenvolvida aqui no Brasil, e não dos fabricantes em si. Me parece que esta questão está relacionada exclusivamente com a questão da procura, pois a maioria das pessoas optariam por um nobreak com estabilizador em detrimento de um sem. Veja o exemplo dessa comparação que fiz no site americano da APC: http://www.apc.com/products/resource/include/techspec_index.cfm?base_sku=BE650G1&tab=compare Parece que só no modelo "Pro" tem o AVR (e acredito que seja de uma forma bem diferente da daqui). Nos outros não tem nenhuma indicação disso, ou seja, parecem ser produtos que de boa forma atendem a uma necessidade mais simples, pena a potência ser um pouco limitada nos modelos não PRO. Com este preço, dá até uma certa vontade de importar e usar isso ligado num autotransformador + filtro de linha (se o preço total ficar em até 3/5 de um nacional online de dupla conversão + filtro). Ainda tenho cabos do formato antigo para o PC e, se necessário, dá pra importar também. Ainda bem que o padrão nas fontes de alimentação não foi alterado. ------------------- Outra opção americana que parece não ter AVR é o Eaton 3S. Vejam os links: http://powerquality.eaton.com/Products-services/Backup-Power-UPS/3S.aspx?cx=3 http://www.brightsideofnews.com/news/2011/8/9/eaton-3s-750va-and-5px-1500va-how-ups-protects-computing-experience.aspx?pageid=2
  10. Isto mesmo faller, termistor é o nome da proteção que eu havia esquecido. Já faz um tempo desde quando li as suas explicações neste tópico que citou (ainda tenho salvo nos meus favoritos o link no forum do adrenaline). Pode ser que eu fale besteira agora já que meu conhecimento é limitado (por favor faça as devidas correções), mas a APC não resolveria este problema simplemente colocando um termistor no circuito em que o short-break passa a alimentar o PC pela beteria? Como este circuito só é comutado e usado na falta de energia da rede, o termistor permaneceria frio e cumpriria o seu papel quando da falta de energia. O que não sei dizer é se isso acrescentaria um retardo que provocaria o desligamento do PC (talvez seja apenas uma questão da temperatura de ruptura), ou se traria algum outro efeito mais danoso ainda à fonte do PC. Penso que talvez os nobreaks interativos pudessem ficar melhores se fossem simplificados (remover a estabilização e conversão de tensão) e, talvez, acrescentando a proteção do termistor da forma que descrevi. Poderia dar um produto mais barato e menos prejudicial, atendendo de forma mais decente a simples necessidade de salvar os documentos e desligar o PC numa situação de exceção. Até mesmo aquelas proteções de surtos e filtragens poderiam ser removidas de dentro da "carcaça principal" e oferecidos filtros de linha em conjunto ou separadamente ao short-break. No caso da atuação de uma proteção, é muito mais prático substituir ou consertar um filtro do que ter que mexer no short-break por completo. Inclusive já pensando nisso, se eu adquirir aquele modelo online da Eaton, acho que vou colocar um filtro entre ele e a rede, pois que antes vá o filtro do que o nobreak que não é nada barato.
  11. Valeu galera pela recomendação da Eaton, é bom saber que é uma marca recomendável. Não estou "grilado" por conta de onda quadrada, pois só quero o tempo mínimo possível de bateria para salvar os trabalhos e desligar a máquina. Creio ser um estresse eventual e momentâneo, talvez suportável sem perdade de tempo de vida pela fonte. Numa região muito instável pensaria diferente por poder haver trocas constantes para o modo bateria. A presença do estabilizador, esta sim me preocupa, já que estará constante no sistema. Não sei dizer se aqui a tensão varia muito ou pouco para quantificar o tanto que esta praga entraria em serviço ou não. É uma pena para mim o ENV2000HB ter AVR. Só por curiosidade, hoje em dia o pessoal continua utilizando relés para isso ou implementaram algum circuito diferente, já que são poucas as especificações que estou vendo que falam de "estágios" do estabilizador. ignacho De fato esse documento da APC é aplicável somente para short-breaks. Veja que o problema que a APC cita é ocasionado pela "corrente de partida" momentânea provocada pela comutação para a bateria. Honestamente, não entendi a ligação disso apenas com fontes de PFC ativo. Até onde sei, isso ocorre com qualquer fonte de alimentação. Outra coisa, isto também ocorre no momento da "partida" do PC. Será que esta proteção contra sobrecarga somente entra em ação no modo bateria? O UPS também deveria "desarmar" no momento em que o PC é ligado, sendo que, neste caso, o intervalo é ainda maior pois os capacitores da fonte estão totalmente descarregados. Apesar de realmente ser uma solução muito melhor, isto mais me parece uma forçada da APC para vender um produto mais caro. De qualquer modo, pensando em nobreaks online, ficou claro que o dimensionamento deve ser conforme o consumo efetivo da máquina, já que não haverá comutação durante o funcionamento e, portanto, corrente de partida na troca para a bateria. A não ser que o nobreak se proteja durante a partida dos equipos, mas, salvo engano, na fonte há "dispositivos" que limitam essa corrente. Só para deixar um "depoimento", a muito que usava um APC BE600-BR (360W) junto com meu PC, fonte PC Power&Cooling Silencer 610W e nunca vi problemas com ele nos momentos em que comutou para o modo bateria. Esse nobreak estava comigo a muito tempo, antes mesmo de eu saber dos problemas do estabilizador. Estou trocando ele por que o bixo estragou sem remédio por conta de um curto maluco que aconteceu quando liguei um aparelho de DVD (problemático de fato, até já o descartei) com ele ligado. Algumas peças dentro do nobreak literalmente torraram. Um tio meu que trabalha com isso trocou as peças, mas o bixo não voltou a funcionar, acreditamos que a parte "lógica" também estragou no evento. Interassante que só o nobreak morreu, tudo o que estava ligado nele continua funcionando, inclusive o DVD.
  12. Bem, vou aproveitar o tópico para tentar esclarecer algumas dúvidas minhas. Acabei "caindo" aqui quando estava procurando no forum alguma coisa sobre a Eaton. Minha rede aqui é de 220V e, depois de muito aprender com o amigo faller, comecei uma busca por um nobreak que fosse 220V/220V (seria bom se acabasse essa bobagem de sempre converter para 115V). Só achei num preço camarada alguns modelos da Eaton, mas não conheço essa marca e gostaria de saber se é confiável. Essa é minha primeira dúvida. Outra coisa que pesquisei é se há algum modelo de nobreak interativo no mercado sem estabilizador, sabidamente nocivo aos equipos. Neste link de comparação da APC os modelos "Stay" não possuem AVR: http://www.apc.com/products/resource/include/techspec_index.cfm?base_sku=BZ1200-BR&tab=compare Contudo, neste link http://www.atera.com.br/dispprod.asp?COD=STAY14BI115 no 6º item da descrição do produto me parece que há "indícios" de estabilizador. Se não houver, essa será uma opção melhor, mesmo convertendo 220V/115V. Voltando a questão da Eaton, estou de olho neste modelo: http://www.eatonnobreak.com.br/index.php?page=shop.product_details&flypage=flypage.tpl&product_id=47&category_id=9&option=com_virtuemart&Itemid=128. Ainda preciso confirmar, mas acredito que este não tenha "estabilizador". Se tiver, talvez a saída mais em conta seja este: http://www.atera.com.br/dispprod.asp?COD=EDX1000HB Tudo que quero é tempo para salvar e desligar o PC, nada além disso. Por isso não quero "de brinde" um estabilizador para ferrar as coisas.
  13. É como eu escrevi, se você economizar grana ao trocar para a 750W, então troque. Agora, se tiver o mesmo gasto, então pode ficar com a de 850W que mal algum ela fará. Pelo menos na minha opinião, essas duas fontes não farão diferença para a escolha do seu nobreak.
  14. De fato houve uma grande falha minha ao não pesquisar a configuração do colega, mas não creio que cometi deslizes em minhas explicações. Minha intenção foi apenas de explicar o que mudaria no PC caso trocasse a fonte. O que eu tinha em mente era apenas de que não valeria a pena gastar ainda mais dinheiro trocando a fonte tendo como intenção pegar um nobreak mais barato. Agora, obviamente, se pode simplesmente trocar a fonte pegando uma graninha de volta, aí está tudo bem. Para fechar esse assunto de fontes: Veja aqui os testes do CDH da HX750: https://www.clubedohardware.com.br/artigos/Teste-da-Fonte-de-Alimentacao-Corsair-HX750W/1729/7 E aqui os da HX850: https://www.clubedohardware.com.br/artigos/Teste-da-Fonte-de-Alimentacao-Corsair-HX850W/1692/7 Mesmo com um consumo abaixo de 200W a HX850 mostra uma eficiencia superior a 89%, o que é melhor que a da HX750. Repito, o custo a+ da 850 não vale a pena pelas diferenças apresentadas. Se puder resgatar uma grana trocando a fonte, ótimo. Caso contrário, não há por que mexer nisso. Bem, não acho razoável dimensionar o nobreak puramente baseado na potência da fonte. Me parece muito mais adequado fazer isso conforme o consumo efetivo de tudo o que se vai ligar nele (levando em consideração o máximo consumo de pico). Digo isso por que a energia requisitada ao nobreak pelo computador não tem relação direta com a potência máxima da fonte de alimentação, mas sim pela eficiência da fonte ao fornecer a potência requisitada pela configuração do PC. Mudando um pouco o foco para tentar ilustar melhor que o preferível é dimensionar com base no consumo efetivo, peguemos dois cenários: 1) PC que consome 360W com fonte de 360W e 80% de eficiência nesta carga + monitor 40W. 2) Mesmo PC mas com fonte de 850W e 88% de eficiência nesta carga + monitor 40W. No primeiro caso o consumo efetivo do PC por causa da eficiencia do fonte será de 450W. Portanto, seria definir no limite indicar um nobreak de 490W. No segundo caso, o consumo efetivo do PC seria de aproximadamente 410W. Neste caso, um nobreak de 490W ainda teria 40W de folga nesta configuração. Não recomendo nenhuma dessas configurações, só descrevi isso para defender o que escrevi e aproveitar para mostrar que, dependendo do caso, economizar de um lado pode fazer ter que investir mais de outro. Voltando ao caso do colega, mesmo se fosse alterada a fonte para uma de 500W (pensando numa utilização média de metade dessa potência), ao dimensionar o nobreak baseado nisso iriamos chegar a um de 600W ou mais, sendo que efetivamente o consumo será bem menor que isso e um nobreak de menor potência já atenderia. Isso tudo não está levando em conta a autonomia que normalmente é maior em modelos de maior potência.
  15. Amigo, pelo contrário, é mais provável que a fonte de 850W seja mais benéfica para o seu nobreak. Explico. Se você acompanhar os testes realizados aqui pelo CDH de fontes de alimentação irá reparar que utilizando até metade da potência máxima da fonte a eficiência desta é maior do que acima disso. Isso quer dizer que menos energia é perdida na forma de calor e a maior parte da potência extraída da fonte elétrica (no seu caso será o nobreak) é efetivamente utilizada. Assim sendo, mesmo as duas fontes fornecendo a mesma potencia, é mais provável (digo isso porque é preciso uma análise mais detalhada das fontes) que a de 850W "consuma" menos energia do nobreak do que a de 750W devido a uma maior eficiencia. Tentando deixar isso mais claro ainda, digamos que, hipoteticamente, para mandar 400W para as peças do seu PC, a fonte de 850W "puxaria" em torno de 470W do nobreak enquanto que a fonte de 750W em torno de 500W (estou considerando, nestas condições, 85% de eficiencia para a de 850W e 80% para a de 750W). Portanto, não troque a sua fonte, a não ser que você descubra que ela não possui boa eficiencia (não li tudo, então não sei qual é o modelo da sua fonte). Agora, obviamente, se fosse no início da montagem, provavelmente a indicação de fonte seria para uma melhor dimensionada a suas necessidades para evitar gastos além do que é preciso. Como você já adquiriu a fonte e a um bom preço, então não há por que mexer.

Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×
×
  • Criar novo...

GRÁTIS: minicurso “Como ganhar dinheiro montando computadores”

Gabriel TorresGabriel Torres, fundador e editor executivo do Clube do Hardware, acaba de lançar um minicurso totalmente gratuito: "Como ganhar dinheiro montando computadores".

Você aprenderá sobre o quanto pode ganhar, como cobrar, como lidar com a concorrência, como se tornar um profissional altamente qualificado e muito mais!

Inscreva-se agora!