Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se

Tarcisio Zewe Duarte

Membros Plenos
  • Total de itens

    44
  • Registro em

  • Última visita

  • Qualificações

    0%
  1. Bom dia, escrevi um programa para o PIC 18F4550, o qual realiza uma contagem de 0 a 9 para um display de sete segmentos. Estou ligando na protoboard, somente o pic, o display e resistor no gnd, e alimentando com os 5v e gnd de uma placa Arduino. Nos "fuses" do Mikroc, deixei o oscilador como "HS" pois pensava que esta seria a configuração para uso do oscilador interno do 4550, mas ao ligar o circuito, e observar que o display permaneceu apagado, constatei que não era esta a configuração correta. Gostaria de saber qual configuração eu utilizo, mais adequada lá, pois existem varias lá. Não estou utilizando na USB no circuito, apenas quero acionar o display.
  2. De fato, o hexadecimal tem sua utilidade em algumas aplicações, como por exemplo na escolha de palheta de cores, e compilação, mas em outros casos como neste de geração de caracteres, seja matricial ou sete segmentos, o hexadecimal é uma M! Ele pode até deixar o côdigo bem mais magrinho, mas você não tem muita visualização do que está acontecendo na verdade!
  3. Você quem está confundindo... kkkkkkk Não me referi ao arquivo .hex que é compilado para enviar ao microcontrolador ou ao Arduino, e sim ao "sistema numérico hexadecimal" mesmo, tipo 0x000... utilizado para representar números...
  4. t adicionado 3 minutos depois Também não curto muito hexadecimal, não é preconceito contra este sistema numérico, em alguns casos ele até é muito bom, mas neste caso ele é uma "M", pois o binário cai melhor para ele, permitindo uma vizualização dos caractéres. Mas sei que você como muitos tem fetiches, desejos e paixões pelo código hexadeciamal,kkkkkkkk
  5. Obrigado por sua ajuda Isadora Ferraz, mas encontrei uma solução mais acertada aqui: adicionado 5 minutos depois @Isadora Ferraz Não gosto de usar bibliotecas, prefiro fazer o código na raça! O código fica bem mais extenso, mas consigo visualizar e entender o que esta acontecendo. Diferente de uma biblioteca, em que você pega um código escrito por outra pessoa, e simplesmente usa, sem saber do que se trata. Funcionar pode até funcionar, facilitar pode até facilitar, mas de quê adianta se você não entende bolhufas do que está acontecendo? Pra mim biblioteca e coisa de preguiçoso, que tem preguiça até de piscar o olho, e não deveria nem ter saido da barriga da própria mãe de tanta preguiça! kkkkkkkkkkk
  6. Boa Isadora, acredito que é pouco porvável tertrocado o pino de dados,visto que segui a risca o diagrama de montagem do circuito.Quanto ao capacitor alto que você disse, tambem acredito não ser o caso, pois os capacitores que uso nete circuito, são os da etapa osciladora em conjunto com o cristal
  7. Fiz isto varias vezes Izadora, mas não funcionou. adicionado 7 minutos depois Boa tarde, então a principio estou utilizando a pinagem recomendada pelo PICKIT 3, num circuito integrado 16F877A de 40 pinos, com o pino 1 do PICKIT 3 ligado no master clear do 16f que também é o pino 1, depois as conexões seguintes que corespondem ao positivo e negativo da alimentaçào, alimentando os dois lados do ci, e por ultimo os dois pinos de programação própriamente ditos, que enviam e recebem dados ao gravador, correspondendo aos pinos 39 e 40 deste circuito integrado. E a conexão 6 do gravador, não é utilizada.
  8. Boa noite pessoal, estou com um problema para fazer a gravação de um PIC16F877A. Toda vez que importo o código hexadecimal, e clico direto no botão "WritE" para fazer a gravação ele fica mostrando uma mensagem de erro, conforme nas imagens abaixo. O que significa esta mensagem?
  9. Só que analisando a placa, não encontrei não encontrei nenhu relé, pelo menos não na forma habitual que estou costumado a ver
  10. Boa noite pessoal, tenho uma fonte de 12V aqui em casa, e quando por exemplo eu provoco propositalmente um curto circuito na mesma, ela fica ligando e desligando, pra proteger o circuito. Além disso ela faz aquele barulhinho caracteristico de um relé abrindo e fechando seu contatos "tsc, tsc". Contudo ao abrir a fonte, percebi que não havia nenhum relé na placa. Qual componente estaria fazendo este ruído?
  11. Boa noite pessoal, a fonte do meu notebook da sony não liga e fica dando uns "estalos" muito semelhante ao abrir e fechar os contatos de um relé, mas não há nenhum relé na placa, o que pode ser isto?
  12. Para finalizar e encerrar este tópico, gostaria de colocar algumas considerações finais: - A discução se iniciou a respeito da "diferença entre um latch ou flip flop" de fato, como ja foi dito flip flop é o nome do circuito, e latch é nome de uma das funções executadas por ele. Dentre todas as postagens a mais ponderada e sensata foi a do Sérgio Lembo. - Depois a discução foi tomando outros rumos, mas não vejo nenhum mal nisto, pois continuou dentro do tema relacionado a eletrônica e flip flops, muitos talvez possam dizer "talvez fosse melhor começar um outro tópico para tratar de algumas coisas aqui discutidas" concordo, mas isto é um forum da internet, não é algo rígido como uma apresentação de TCC, e na vida as coisas são assim, um assunto vai puxando o outro, uma coisa vai "linkando" com outra. - Citei o exemplo do 40106 shimitt trigger, pois dentro do mesmo a um flip flop com a função de auxiliar na histerese do circuito, e achei pertinente com o assunto em questão, para demonstrar que nem sempre um flip flop é utilizado na função de latching. Mesmo assim, o 40106 é um circuito concebido para aplicações digitais, sendo que o mesmo pertentence a familia de circuitos digitais, a série 4000. O problema não está em misturar eletrônica analalógica com a digital, porque na prática, no dia a dia, as mesmas se misturam, formando muitos circuitos híbridos, e também um mesmo circuito, pode operar de forma analógica ou digital, dependendo de algumas alterações no mesmo e também do contexto em que ele esta inserido. adicionado 1 minuto depois Espero ter contribuido com a comunidade.
  13. Eu realmente confesso que sou bem detalhista, as vezes gosto de saber demais coisas. Com relação ao que foi discutido aqui, depois de tantas idas e vindas, ao analisar o conteúdo postado pelo Mor, percebo que há muitas controversias na literatura em geral, muitos dizem que "um flip flop é formado por dois latchs", outros dizem que "latch e flip flop são a mesma coisa, sendo sinônimos" outros dizem que "flip flop é o nome do circuito, e latch a função que ele executa". Mas pela definição que e aprendi, latch ou flip flop é qualquer realimentado positivamente, de modo que o mesmo assuma valores lógicos de acordo com o sinal que lhe foi aplicado em sua enttada, e retenha estes valores depois que este sinal seja retirado de sua entrada, retenha o nível lógico assumido, ate que um novo pulso de fase ou polaridade contraria seja aplicado em sua entrada, alterando então o seu estado". Apenas citei o 40106 como exemplo, pois no meu entendimento parece haver um circuito latch ou flip flop dentro dele, formado por dois inversores, constituindo o circuito mais básico de flip flop, com uma malha de realimentação positiva. Mas talvez tenhamos nos estendido demasiadamente nesta discução, e dado a ela mais importância, do que realmente deveríamos.
  14. @aphawk O flip flop é apenas um elemento de uma memória, não o circuito completo de uma memória. "Vai ter alguma utilidade a saída variar no instante em que a entrada variar ?" Em se tratando de uma memória RAM ou uo registrador de deslocamento eeu entendo o que está querendo dizer, esta posição que o senhor colocou está correta, não há o que discutir. De fato, numa memória RAM as células são disposta no eixo X e no eixo Y, de modo a formar uma matriz com linhas e colunas, por exemplo. De fato, neste caso você quer que cada célula e da linha seja acessada individualmete. Para isto existe as entradas que habilitam a célula, pois por exemplo, se você tem uma determinada linha de dados, cujo os bits podem ser por exemplo por um grupo de quatro bits sendo transfimitidos de forma serial nesta linha, isto é, um de cada vez. Sendo assim assim, supondo que se tenha que tenha um conjunto de 4 bits, , sendo que cada um corresponda a uma célula indo do menos sgnificativo. Supondo que o dado armazenado seja 1001. Ai faz sentido o que você disse, pois cada célula deverá receber o bit correspondente, e estar fechado para os outros, este processo recebe o nome de multiplexagem. Outro exemplo é no caso de um multimetro que você disse, no qual pode se ter a função congelar, no qual por meio de um botão hold, você por exemplo desabilita a entrada de um flip flop para novos dados, de modo a manter um determinado dado de uma leitura anterior que você fez. Mas nem todo flip flop tem uma entrada de enable e de clock, por exemplo você pode ter um flip flop simples aenas com as entradas set e reset. No caso quando você tem um flip flop sendo utilizado como oscilador por exemplo, você pode ter um capacitor na entrada, ou na malha de realimentação, de modo que em cada ciclo de carga e descarga o capacitor da um pulso no flip flop para alterar o seu estado, e o mesmo mantem este estado até que o capacitor complete sua carga. Depois disso ele começa a se descarregar, dando um novo pulso no flip flop, e o mesmo mantem este estado até que depois de descarregado, o capacitor comece a se carregar novamente iniciando um novo ciclo, na saida você tem um sinal quadrado ou retangular. adicionado 26 minutos depois Inicialmente eu tinha a ideia que "o flip flop mestre e escravo formado por dois estados era um flip flop, e o com estagio só era um latch, e função que no caso era a de 'latch' tinha como sendo memorizar". Mas depois um outro colega aqui, veio e esclareceu tudo, dizendo que latch é o nome da função "memorizar" que ele executa, e que o que tinha como "latch", também é um flip flop. Mas no 40106 de toda forma existe um flip flop, formado por duas portas inversoras. Neste tipo de flip flop cada porta inversora está de costas uma para outra, de modo que você tem apenas uma entrada e uma saida. Os flip flops de duas entradas S e R, normalmente são com portas AND, NAND, OR e NOR.
  15. Este é o ponto que o senhor não esta entendendo e está fazendo confusão, nem todo flip flop é utilizado na função de latch (memória). Em nenhum momento disse que o 40106, era uma "memória" mas existe um flip flop nele sim. Outro ponto que estou vendo que o senhor está fazendo é em relação a definição de "eletrônica digital" quando o senhor diz: " Se considerar os seus exemplos analógicos, os quais não tem nada a ver com a função digital Latch, o SCR é um latch analógico mesmo, pois uma vez disparado ele mantem o estado até ser “desligado”, independente do que acontecer no gate. Neste caso, o gate é o equivalente do sinal de clock, ou seja, é quem define o disparo da trava". Ora por definição teórica, qualquer circuito que opere no modo chaveamento com apenas dois niveis de tensão, localiza entre 0 V e + Vcc, é um circuito digital. Embora ele possa estar combinados com circuitos analógicos, que trabalha com diversas formas de onda e níveis de tensão, naquele ponto em que ele trabalha apenas com uma forma de onda retangular ou quadrada em apenas dois níveis de tensões bem definidos, ele pode ser considerado em suma como sendo um circuito digital naquele ponto, o qual combinado com os outros circuitos analógicos, forma um circuito hibrido. adicionado 16 minutos depois Não sei porque o senhor ainda insiste na ideia que "flip flop é apenas aquele modelo de circuito formado por dois estágios, um mestre e um escravo, sincronizado por um sinal de clock, alem do sinal da entrada. Sim ele é um flip flop, isto é verdade, mas existem outras configurações que também são um flip flop, sendo uma delas a do flip flop assíncrono, o qual não precisa de um pulso de clock para operar, apenas sinais nas suas entradas fazem o circuito mudar de estado, muitas vezes formado por um estágio só.

Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×