Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se

Jeferson Pehls

Membros Juniores
  • Total de itens

    9
  • Registro em

  • Última visita

  • Qualificações

    0%
  1. Olá pessoal. No circuito anexo, considerando que o TRIAC conduz quando há um pulso de corrente no led do foto-triac. Se eu inverter os dois pinos de alta corrente do triac, A1 pelo A2, ele também vai conduzir conforme os pulsos de corrente no led do foto-triac? (A1 no fase, e A2 na carga...). Creio que sim, mas não tenho certeza.
  2. Nas duas respostas que temos, no fusca o fio que é chaveado é o negativo, e na outra resposta é o positivo que é chaveado na buzina para aciona-la. Será que existe um padrão de instalação para carros e motos mais novos, tipo dos anos 90 ou 2000 em diante? Será que na maioria dos casos o negativo da buzina vai ligado direto no negativo da bateria, e o positivo da bateria é chaveado no positivo da buzina com relé ou transistor? Abraços, Jeferson
  3. Ola. Supondo que eu queira montar uma placa para instalar em um carro, como se aciona a buzina que é alimentada pela bateria? Eu imagino duas possibilidades: - O positivo da bateria fica conectado em um dos fios da buzina, e a placa chaveia o negativo com um transistor tipo N no outro fio. - O negativo da bateria fica conectado em um dos fios da buzina, e a placa chaveia o positivo com um transistor tipo P no outro fio. É de alguma dessas formas ou outra? Ou pode acontecer os dois casos? Outra duvida: a buzina tem polaridade? Ou é como a bobina de um relé que não importa a polaridade? Cunprimentos a todos, Jeferson
  4. Isto, usar o efeito memória em CC. Estranho é que na simulação funciona. Vão ter 4 TRIACs, um por motor (são 4 motores), a ponte H define o sentido do giro, e os TRIACs definem qual motor será ligado (e este poderá girar nos dois sentidos, conforme estiver o acionamento da ponte H). Vai ser acionado no máximo um motor/TRIAC por vez. Vamos supor que eu queira acionar no sentido horário o motor 1 por 4 segundos, e depois acionar no sentido anti-horário o motor 2 por 8 segundos, seria assim: - ponte H = sentido horário, dispara TRIAC do motor 1, espera 4 segundos, desabilita ponte H (TRIAC 1 pára de conduzir). - ponte H = sentido anti-horário, dispara TRIAC do motor 2, espera 8 segundos, desabilita ponte H (TRIAC 2 pára de conduzir). O TRIAC é para parar de conduzir quando a ponte H abre, pois a corrente pára de circular.
  5. Olá a todos. Estou com algumas dúvidas em relação ao circuito em anexo, que é uma simulação do MultiSim. As chaves 'A' simulam a saída de uma ponte H 'invertendo os pólos' da fonte de 12V, esse dois pólos depois serão chaveados em até 4 motores DC de 12V com escova (estes giram nos dois sentidos), e será acionado somente 1 motor por vez. Para cada motor vai um TRIAC, pois este pode conduzir nos dois sentidos (o part number do TRIAC da simulação não é o que vai ser usado na prática, não escolhi o TRIAC ainda, pois os motores consomem 1A em funcionamento normal e tem pico de 6A na partida durante uns 50ms). A chave "S" abre o circuito para o TRIAC parar de conduzir e sua função é feita pela própria ponte H quando ela coloca todos os seus 4 transistores em corte. Então como mostra nos anexos, eu usei um par de transistores NPN, cada um aciona o TRIAC em um determinado sentido. As chaves 'Z' e 'C' são pra ser um par de pinos de um microcontrolador PIC, então se são 4 motores eu preciso de 8 pinos do microcontrolador. Gostaria de uma opinião do pessoal com conhecimento mais técnico, se existe uma forma de fazer o circuito ter o mesmo comportamento usando apenas 1 pino do PIC para cada TRIAC/motor, em vez de um par como está no circuito atual. Até porque existe um condição proibida que é de os dois transistores conduzirem ao mesmo tempo (o par de pinos do PIC em nível '1'). E claro, se vocês acham que esse circuito vai funcionar na prática. A ideia é que a ponte H possa mudar a polaridade da fonte (a ponte H é feita com um CI dedicado para essa finalidade), e os TRIACs acionem um motor DC por vez, e precisam ser 4 motores. Jeferson.
  6. Não sabia dessa, tenho muito pouco conhecimento sobre chaveamento de cargas indutivas. Agora que tive tempo para continuar esse projeto... está abaixo o meu circuito atual da parte de potência. Ainda não tenho confiança a respeito desse circuito. - O TRIAC (escolhi o BTA12-800SWRG) é do tipo snubberless, mas mesmo assim estou cogitando adicionar um snubber RC. O problema é que eu não sei calcular/estimar o valor do resistor e do capacitor. Já tenho um 47nF 250VAC no circuito, gostaria de usar o mesmo valor de cap. no snubber, só não sei como calcular/estimar o valor do resistor (e a potência do mesmo). - Será que teria alguma utilidade em adicionar um varistor em paralelo com o TRIAC ou então um varistor em paralelo com cada um dos enrolamentos do motor, para auxiliar na proteção do TRIAC? Gostaria de adicionar uma proteção para o TRIAC, para evitar ao máximo disparos indesejados/aleatórios do mesmo e queima por sobre-tensão, mas não tenho conhecimento suficiente em eletrônica de potência, alguém que entenda do assunto poderia dar uma ajuda? A corrente máxima que circulará para a carga indutiva é de 6.8A...220VAC Att.
  7. É isso que eu pretendo fazer, gerar os pulsos de disparo para o TRIAC após a detecção de cada variação de borda (subida e descida), vou conectar o sinal de saída desse circuito em algum pino do MCU que tenha a função de interrupção por change notification (CNx).
  8. Obrigado a todos pelas respostas. mestre88: Estes componentes extras adicionariam um custo a mais no circuito, vou preferir deixar o circuito atual, que é "menos perfeito" e economizar. vtrx: Entendi o circuito, mas creio que este também tenha a mesma imperfeição do circuito que eu postei, ou seja, a passagem por zero da rede não fica exatamente sincronizada com as bordas da saída, pois para que os transistores saturem é necessário uma corrente mínima circulando pelos leds, e isto só irá acontecer quando tensão instantânea da rede estiver em um determinado valor. MOR: Sim, o TRIAC irá controlar a tensão RMS que será aplicada a um motor AC, os de portões eletrônicos a princípio. Entendi o gráfico. Para uma rede de 127VCA, se eu conseguir transferir pelo menos 90% da potência para o motor já está ótimo, então vou usar mesmo o circuito que postei, pois ele tem só um optoacoplador e assim o custo é reduzido. Att.
  9. Olá pessoal do CDH. Pretendo fazer um detector (isolado eletricamente) de passagem por zero da tensão da rede elétrica que funcione tanto para 127 como para 220VCA. Simulei o circuito abaixo no Multisim e o funcionamento do circuito está OK. Conforme a simulação (imagens abaixo), sempre que a tensão da rede se aproxima de uma passagem por zero, inicia-se na saída uma borda de subida ou descida cuja tensão instantânea depende da corrente instantânea que está circulando pelo led do optoacoplador. Eu só gostaria de saber se existe alguma forma de deixar a tensão de saída "mais quadrada, com rampas mais abruptas" (o ideal seriam variações de borda exatamente nas passagens por zero, mas sei que isso não é possível), para que a detecção da passagem por zero na saída fique bem sincronizada com a passagem por zero da rede. Eu pretendo usar este circuito como detector de zero, para a partir das variações de bordas da saída, fazer o controle por fase de um TRIAC com um microcontrolador. OBS: Todo este tópico gira em torno da precisão da sincronia entre as bordas de saída e das passagens por zero da rede, mas talvez eu nem precise de tanta precisão assim, o que vocês acham? Obrigado desde já! Circuito: Vermelho = rede Verde = saída para o microcontrolador BORDA DE SUBIDA: Vamos considerar que para a entrada do microcontrolador, nivel 1 = 2.3V (3.3V*0.7) e nivel 0 = 1V (3.3V*0.3) - No instante 1 da imagem abaixo o MCU irá interpretar como nível lógico 1, porém neste instante a tensão instantânea da rede é de 27V. BORDA DE DESCIDA: Vamos considerar que para a entrada do microcontrolador, nivel 1 = 2.3V (3.3V*0.7) e nivel 0 = 1V (3.3V*0.3) - No instante 1 da imagem abaixo o MCU irá interpretar como nível lógico 1, porém neste instante a tensão instantânea da rede é de 13.8V.

Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×