Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
Juberlan David

Windows Xp

Recommended Posts

Instalações automatizadas - Parte I

Desde as versões mais antigas do Windows, sempre foi possível automatizar o processo de instalação dos sistemas operacionais, e isto não é diferente para o Windows XP. O tempo médio perdido com a instalação do sistema operacional costuma consumir em torno de uma hora e meia, isso sem falar que, durante toda a instalação, você será obrigado a interagir com a mesma, fornecendo as informações de número de série, nome de máquina, componentes a serem instalados, e etc. Estarei abordando neste artigo como criar um script para uma instalação do tipo unattended.

Existem outras formas de realizar esta tarefa, tendo elas as seguintes características:

- Instalação via Unattended: O processo de setup é executado através de uma linha de comando, que faz uma chamada a um arquivo texto contendo todos os parâmetros do setup. Costuma ser o método mais lento, porém seu custo é o menor, pois as ferramentas de criação dos scripts vêm junto com o CD original do produto. Outro fator positivo é o fato de que pode ser utilizado um único script para vários tipos diferentes de hardware, sendo interessante para empresas que possuam uma variedade grande de tipos de computadores.

- Sysprep: Neste método é feita a instalação em uma estação, exatamente como ela deve ir para o usuário final. Após a instalação, será executado o Sysprep (disponivel no CD do Windows). Esta ferramenta irá retirar os SIDs (Security Identifiers) da máquina, eliminando seu nome de computador, domínio a qual pertence, número de série, etc. Após estas informações serem retiradas, deve ser utilizado um software de clonagem de disco/partição como, por exemplo, o Norton Ghost, ou o DriveImage, da PowerQuest, para retirar uma imagem. Esta imagem poderá ser utilizada posteriormente em máquinas que possuam o mesmo HAL (Hardware Abstraction Layer - Camada de Abstração de Hardware) e Mass Storage (chipsets e controladoras de disco). Isto significa que somente máquinas de modelos idênticos funcionam corretamente, sendo necessário uma imagem para cada tipo de hardware. Apesar de ser o método mais rápido (a distribuição de imagem através do Norton Ghost ou DriveImage costuma levar em média 30 minutos em uma rede a 10 Mbits), envolve o custo da licença destas ferramentas, além de exigir que o cliente possua um número muito reduzido de modelos diferentes de computadores. O baixo tempo de instalação deve-se a fato de que não será necessário instalar novamente o Windows, bastando descarregar a imagem para as estações e fazer os ajustes necessários.

- Remote Installation Service (RIS): Parecido com o método Sysprep, o RIS depende que você possua DHCP, DNS e Active Directory funcionando na sua rede. Alem do mais, é necessário que as máquinas possuam placas de rede PXE (Pré-boot Execution Environment), um recurso disponível em algumas placas de rede PCI. Não envolve custo adicional de uma ferramenta de terceiros.

Como cada método possui uma particularidade, vamos começar pelo primeiro deles. O importante é ter em mente de que não existe o melhor método, mas sim aquele que melhor atende às suas necessidades. A seguir, você acompanhará os passos necessários para realizar suas implementações de Windows XP Professional.

- Instalação Unattended

Para este primeiro método a ser demonstrado, vamos considerar o seguinte ambiente:

Server 01 - Servidor contendo scripts de instalação, bem como os arquivos de instalação.

Máquina 01 - Estação contendo 128 MB de memória, um HD IDE de 10 GB e placa de rede 10/100 Mbits.

Inicialmente será necessário que seja utilizado um disquete de boot na estação que será feito o setup. Caso não tenha nenhum em mão, existem alguns sites que distribuem gratuitamente (inclusive o Superdownloads). Este disquete deverá conter uma versão enxuta do DOS, com pelo menos SmartDrive, Format, Fdisk, drivers da placa de rede para DOS e protocolo TCP/IP.

Faça o particionamento do disco da estação com este disquete. Como está sendo feito pelo DOS, não será possível criar uma partição maior que 2 GB. Isto não será problema, pois é possível inserir dentro do script unattended um parâmetro que irá unir a partição existente com o restante do disco, que não deverá estar particionado, formando uma única partição C: com o tamanho total do disco. Adiante este parâmetro será explicado.

Após a formatação da nova partição, vamos partir para a criação dos scripts no servidor. Para isto tenha em mãos o CD original do Windows.

Abra o CD do Windows e localize a pasta \SUPPORT\TOOLS. Descompacte o arquivo DEPLOY.CAB para um diretório a sua escolha (por exemplo C:\DEPLOY).

Execute dentro da pasta C:\DEPLOY (ou o diretório no qual você descompactou os arquivos) o utilitário SETUPMGR.EXE. A ferramenta que estaremos utilizando para criar os scripts chama-se Windows Setup Manager Wizard.

Selecione a opção para criar um novo script de instalação. O resultado final será um arquivo TXT contendo todos os parâmetros. Cuidado: como a mesma ferramenta permite editar um script já existente, faça um backup deste arquivo, pois o Windows Setup Manager Wizard oferece apenas algumas opções de Setup. Posteriormente estaremos adicionando novos parâmetros através do NotePad e que, se forem abertos pelo Windows Setup Manager Wizard, irão ser retirados do script, já que o mesmo não reconhece estas linhas adicionais. A melhor maneira de editar posteriormente estes scripts é através do NotePad.

A seguir será questionado para qual método de instalação o script criado será utilizado. Em todos os métodos (Sysprep, RIS e Unattended) são utilizados os scripts em algum momento. Nesta primeira parte, vamos trabalhar apenas com a opção de Windows Unattended Installation.

Instalações automatizadas - Parte II

A seguir, será questionado para qual plataforma será utilizado o script. Como o Windows XP acabou saindo bem antes do Windows 2003 Server, não havia ainda uma definição sobre o nome do mesmo, fato pela qual aparece a opção Windows 2002 Server, Advanced Server or Datacenter Server. Selecione a opção Windows XP Professional.

Em seguida, deverá ser selecionado o grau de interação durante o setup. Estas opções definem a quantidade de informações que você estará fornecendo no setup. Podem ser desde informações básicas, como somente informações que serão apresentadas na fase gráfica. Como o nosso objetivo é criar um script que exija o menor número de informações do usuário durante a instalação, selecione o item Fully Automated.

Antes de iniciar as solicitações de informações do setup, o Windows Setup Manager Wizard permite criar o diretório contendo os arquivos de instalação, e compartilhar o mesmo. Existe a seguir uma opção listada, que é para ser utilizada em casos de setup automatizado com o CD do Windows. Durante a instalação com um CD de boot do Windows 2000 e XP, poucas pessoas reparam que, antes de iniciar o setup, a máquina aciona o drive de disquete. Este acesso significa que a máquina está atrás de um disquete que contenha os parâmetros de instalação. Esta opção de instalação é muito interesante, pois pode ser utilizada, por exemplo, em casos de instalação de uma estação em uma localidade remota, onde não há ninguém com capacitação técnica para faze-lo. Selecionar esta opção fará com que o Windows Setup Manager Wizard crie o script unattended com o nome WINNT.SIF. Depois, basta copiar este arquivo em um disquete (não precisa ter boot, pois a ordem de boot da Bios da máquina deve ser obrigatoriamente o CD-ROM), e ligar a máquina com o CD já inserido. Após o boot ter inicializado pelo CD, o programa de setup fará uma leitura no disquete atrás deste arquivo, e realizará toda a instalação de forma automatizada.

Após definir o diretório onde os arquivos de instalação do Windows XP serão copiados no servidor, tem início o processo de criação do script. A primeira pergunta apresentada na tela refere-se à tela inicial, na qual o usuário deve aceitar o termo de licenciamento, mais conhecido como EULA (End-User License Agreement). Selecionando o check-box, esta informação não será exibida no setup.

Após todas estas informações básicas terem sido fornecidas, tem início o preenchimento das informações do setup. Nesta tela, você poderá informar qual será a senha do administrador local da máquina, número de série, etc. A seguir vamos listar cada opção:

Customize the Software: Informa qual é o nome da empresa.

Display Settings: Define como será o esquema de cores na máquina (256 cores, 16-bits ou 32 bits), bem como a resolução de tela (800X600, 1024X768, etc) e taxa de freqüência do monitor (50 hertz, 60 hertz, etc).

Time Zone: Define qual é o GMT utilizado. No caso de São Paulo seria GMT:-03:00Hr, com a opção de horário de verão (infelizmente o Brasil é um dos poucos países que respeitam exatamente a data de início e fim do mesmo).

Providing the Product Key: Insira o número de série da instalação do Windows XP Professional.

Computer Names: Este campo permite cadastrar qual será o nome de máquina. Como este script será utilizado em mais máquinas, seria necessário praticamente criar um arquivo para cada instalação. Para evitar isso, cadastre todos os nomes de máquinas que serão utilizados. Isto fará com que o programa crie outro arquivo script com a extensão UDF (Uniqueness Database File). Neste arquivo, estarão todos os nomes de máquinas a serem instaladas, ao passo de que no arquivo Unattended TXT estarão os nomes das variáveis que irão chamar seus nomes correspondentes no arquivo UDF.

Administrator Password: Informa qual é a senha para a conta administrator local da máquina, com uma vantagem: você pode criptografar esta informação. Isto evita que alguém tenha acesso a este script e descubra qual é a senha da conta administrator local das estações instaladas. Outra opção interessante é habilitar a quantidade de vezes que o logon automático será executado. Esta opção costuma ser usada quando há necessidade de que, após a instalação, seja feito um logon automático, para inicializar o setup de outra aplicação, como o Office, por exemplo.

Networking Components: O padrão da instalação mostrada é o Cliente para Redes Microsoft, com serviço de compartilhamento de arquivos e impressoras, e o protocolo TCP/IP em modo DHCP. Caso queira adicionar outro protocolo, faça aqui sua alteração.

WorkGroup or Domain: Se a opção Domain for escolhida, é importante lembrar que a conta da máquina deverá estar previamente criada, caso contrário ocorrerá uma falha na instalação. Um cuidado importante nesta opção é que o Windows Setup Manager Wizard permite que você defina uma conta para criar a conta da máquina no Domínio. Como as pessoas costumam selecionar a conta Administrator ou qualquer outra com permissões de administrador, poderá causar uma brecha de segurança, pois quem tiver acesso ao script saberá qual é a senha (aqui a senha não é criptografada).

Telephony: Permite definir, caso a máquina possua modem, quais são as suas opções de discagem, etc. Seu preenchimento não é obrigatório.

Regional Settings: Permite definir quais serão as opções de região e linguagem. O padrão está ajustado para usar de acordo com a língua do Sistema Operacional utilizado. Cuidado, pois se deseja instalar o Windows XP em inglês, mas com o Regional Settings em Português, você terá problemas aqui.

Languages: Permite adicionar suporte para outras línguas, como Hebreu, Grego, etc.

Browser and Shell Settings: Permite que você informe as configurações de proxy, página inicial do browser, etc.

Instalações automatizadas - Parte III

Installation Folder: Cuidado! Esta opção significa qual será o nome da pasta na qual será instalado o sistema operacional, e não qual drive será instalado. Coloque apenas o nome, não é necessário colocar a letra de drive, pois o setup irá interpretar como nome de pasta. Em geral não há necessidade de se alterar tal parâmetro, mantendo a opção padrão (pasta Windows).

Install Printers: Você pode usar esta opção para instalar impressoras de rede (não são suportadas impressoras locais, pois estas serão detectadas durante o setup ou após).

Run Once: Use esta opção para informar quais comandos devem ser executados assim que o usuário efetuar logon pela primeira vez. É utilizado em conjunto com a opção do ítem Administrator Password, descrito na página anterior.

Additional Commands: Você pode fornecer aqui quais comandos serão executados após o término do setup.

Após terminar o preenchimento de informações, clique em Finish, e será notificado a escolher qual o nome de arquivo TXT será criado. Serão criados dois arquivos, um no formato TXT (que é o próprio script) e outro arquivo UDB. Este arquivo é o UDF contendo todos os nomes de máquina. Pode ser editado também com o NotePad.

A seguir está o arquivo unattended.txt que foi gerado pelo Windows Setup Manager Wizard.

Vamos analisar como ficou:

;SetupMgrTag

[Data]

AutoPartition=1

MsDosInitiated="0"

UnattendedInstall="Yes"

[unattended]

UnattendMode=FullUnattended

OemSkipEula=Yes

OemPreinstall=No

TargetPath=\WINDOWS

[GuiUnattended]

AdminPassword=e52cac67419a9a224a3b108f3fa6cb6d8846f

EncryptedAdminPassword=Yes

OEMSkipRegional=1

TimeZone=65

OemSkipWelcome=1

[userData]

ProductID=11111-22222-33333-44444-55555

FullName="ACME Industrias Ltda."

OrgName="ACME Industrias Ltda."

ComputerName=*

[Display]

BitsPerPel=16

Xresolution=800

YResolution=600

[setupMgr]

ComputerName0=MAQUINA01

ComputerName1=MAQUINA02

ComputerName2=MAQUINA03

[identification]

JoinWorkgroup=WORKGROUP

[Networking]

InstallDefaultComponents=Yes

Boa sorte, Espero ter ajudado.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Continuando,

Recomeçando exatamente do ponto nas primeiras partes da matéria: normalmente em um processo de instalação automatizada, ocorrem casos na qual o Windows XP não possui os drivers necessários como, por exemplo, no caso de um driver de placa de vídeo. Para os principais casos que podem ocorrer, vamos listar a seguir como você pode solucionar o problema.

- Incluindo drivers na instalação: este é o caso mais comum. Durante o processo de setup, o Windows verifica todos os dispositivos de hardware identificados, e lista seus PnP IDs. A seguir, consulta o arquivo driver.cab, que contêm todos os drivers e arquivos INF, verificando neste arquivo se algum PnP ID está especificado em algum dos arquivos INF dentro do driver.cab, e associa (caso encontre) com seu respectivo driver. Entretanto, é possível informar uma outra pasta a qual o Windows deverá consultar, caso não esteja no driver.cab. Para tal, edite as linhas dentro da Tag [uNATTENDED], e coloque as seguintes informações:

1 - DriverSigningPolicy=valor

1 - Especifica se o Windows irá checar a assinatura digital nos drivers. Como nem todos os fabricantes realizam tal processo, você pode desabilitar esta informação, com o risco de ter falhas de sistema.

2 - Valor=Ignore, Warn ou Block

2 - OemPnPDriversPath=valor

1 - Informa quais pastas o Windows deverá consultar em caso de detecção de hardware. Caso crie uma pasta chamada \DRIVER, e você possua vários subdiretórios com drivers em cada subpasta, faça o seguinte:

OemPnPDriversPath="Drivers\ati01;Drivers\geforce302

2 - Será necessário criar um subdiretório abaixo da pasta I386 no servidor. A pasta deverá ter obrigatoriamente o nome $OEMicrosoft e, abaixo desta, uma outra subpasta chamada $1. No caso do exemplo citado acima, ficaria da seguinte forma a estrutura de pastas:

I386\$OEMicrosoft\$1\DRIVERS\ATI01 e I386\$OEMicrosoft\$1\DRIVERS\GEFORCE302

3 - OemPreInstall=valor

1 - Determina se uma instalação com pastas adicionais está sendo feita. Como está sendo usado o parâmetro OemPnPDriversPath, a máquina irá copiar para o disco local todas as pastas que existem debaixo da pasta I386.

2 - Valores=yes ou no

- Particionar o HD: conforme mencionado anteriormente, podem ocorrer casos nos quaia as máquinas que serão instaladas possuem um volume superior a 2 GB. Somente podem ser extendidas as partições em NTFS. Caso você possua máquinas com volume maior, e queira criar uma única partição, faça o seguinte:

1 - Formate com o DOS uma partição de até 2 GB. Deixe o restante do disco sem particionar.

2 - Adicione as seguintes linhas na Tag [uNATTENDED]:

1 - ExtendOemPartition=valor

1 - valores:

1 - 0 = não estende

2 - 1 = estende o tamanho restante, criando um único volume com o tamanho total do disco

3 - XXX = permite informar em quantos MB adicionais será estendido

2 - FileSystem=valor

1 - valores=ConvertNTFS

- Removendo os jogos da máquina: você pode desabilitar a instalação dos jogos na máquina adicionando uma Tag [COMPONENTS]. Após criar esta entrada, adicione as seguintes linhas:

1 - ACCESSOPT=valor

1 - Acessibility Options

2 - MINESWEEPER=valor

3 - FREECELL=valor

4 - HEARTS=valor

5 - PINBALL=valor

6 - SOLITAIRE=valor

7 - SPIDER=valor

8 - ZONEGAMES=valor

Valores = On ou Off

Após ter definido o script básico de instalação, vamos ver como executamos a linha de comando de instalação. No nosso exemplo, a instalação será executada via linha de comando através do DOS. O comando que será executado será o WINNT.EXE, que está dentro da pasta I386, localizada no servidor. Seus parâmetros suportados são:

/S: Informa qual é caminho que contém os arquivos de instalação. Suporta as seguintes combinações:

/S:\\servidor01\i386 (usando UNC)

/S:X:\i386 (através de letra de drive mapeado)

/S:. Esta opção é utilizada quando o WINNT.EXE é executado direto através de uma letra de drive mapeada

/T: Informa qual partição será utilizada para armazenar os arquivos temporários de instalação. Esta opção é utilizada quando se deseja instalar o Windows na partição D:, pois a localização dos arquivos temporários define a partição na qual será instalado o sistema operacional

/U: Informa qual a localização do arquivo unattended TXT. Suporta as seguintes combinações:

/U:\\servidor01\i386\ARQUIVO.TXT Usando UNC;

/U:X:\i386\ARQUIVO.TXT Aatravés de letra de drive mapeado;

/U:ARQUIVO.TXT Esta opção é utilizada quando o ARQUIVO.TXT está dentro da pasta I386.

/UDF:id ARQUIVO.UDB usado em conjunto com o parâmetro /U:. O parametro id identifica o nome da máquina, descrito no arquivo ARQUIVO.UDB e ARQUIVO.TXT;

/R: Especifica uma pasta adicional que será copiada durante o setup, e que não será apagada após o término do mesmo;

/RX: Especifica uma pasta adicional que será copiada durante o setup e que será apagada após o termino do mesmo.

Bom, acho que é isso por enquanto. Voltarei a falar mais tarde sobre outros assuntos relacionados.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora
Entre para seguir isso  





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×