Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se

Darkmana

Membros Plenos
  • Total de itens

    89
  • Registro em

  • Última visita

  • Qualificações

    0%

Reputação

98

Sobre Darkmana

  • Data de Nascimento 20-08-1979 (39 anos)

Informações gerais

  • Cidade e Estado
    Caxias do Sul - RS
  • Sexo
    Masculino

Meu PC

  • Processador
    Intel Core i7-8700K
  • Cooler
    Corsair H100i PRO
  • Placa de vídeo
    Asus ROG Strix GeForce GTX 1070
  • Placa-mãe
    Asus ROG Maximus X Hero
  • Memória
    Corsair Dominator Platinum 16GB 3466MHz C16
  • SSDs
    Samsung 970 PRO 512 GB
  • Gabinete
    Corsair Graphite 600T
  • Fonte
    Corsair HX750i
  • Mouse
    Razer DeathAdder Elite
  • Teclado
    Razer Cyclosa
  • Monitor
    Acer XB271HU
  • Sistema Operacional
    Windows 10 Home x64
  • Antivírus
    Norton Security
  1. O Windows (não sei ao certo a partir de qual versão) trata diferentemente as unidades de estado sólido (SSD) das unidades de disco rígido (HD). Você pode verificar isso executando o dfrgui. Ao executar a otimização em um SSD, o Windows executará na verdade um comando TRIM e não a desfragmentação como em um HD. A fragmentação ocorre nos SSD, porém o seu impacto é muito pequeno. Até onde eu sei apenas um e outro software de desfragmentação* se arriscam a desfragmentar de fato um SSD. Porém o ganho de desempenho com isso também é muito pequeno. Lembrando que o Windows também efetua ajustes em alguns de seus serviços e funções caso a unidade em que ele esteja instalado seja um SSD. * PS: O Windows também executaria uma desfragmentação de fato, caso necessário, através de uma rotina mensal: https://www.hanselman.com/blog/TheRealAndCompleteStoryDoesWindowsDefragmentYourSSD.aspx
  2. Ótimo artigo! Eu pessoalmente não esperava pelo impacto na velocidade de leitura.
  3. Para os SSDs de entrada, no momento os de padrão SATA realmente estão mais em conta que os M.2. Alguns modelos ficam até 15% mais barato na versão SATA. Além disso, em alguns modelos as versões de maior capacidade oferecem um desempenho melhor. Mais um motivo para considerar um de 480 GB. Segue um teste um pouco mais detalhado do CrystalDiskMark de um SSD PCIe Gen 3.0 x4 NVMe, com blocos de 4 KiB em profundidade de fila de 1, 2, 4, 8, 16, 32 e sequencial. Além disso, ele inclui também a variação de 1 a 8 threads. Um ponto a observar a nesses gráficos é em relação ao padrão SATA. A velocidade máxima teórica do SATA III (6 Gb/s) é de 600 MB/s. Ou seja, a primeira linha acima dos 500 MB/s. Então qualquer valor que você ver neste gráfico acima dos 600 MB/s não é possível de ser alcançado no padrão SATA, apenas no PCIe. A questão que resta é qual a profundidade de fila e threads que melhor representa o uso de um SSD nas tarefas diárias. Isso já é algo para o @Rafael Coelho ou alguém com mais conhecimento do que eu no assunto para responder.
  4. Esse SSD quase que não fez uso das 4 trilhas (x4) do PCIe. Uma sugestão para um teste para o @Rafael Coelho ou para a série Mitos do Hardware do @Gabriel Torres é se a temperatura de um SDD interfere em seu desempenho. Já vi vários comentários de pessoas preocupadas com dissipadores e ventiladores para SSDs, em especial os no formato M.2. Tudo isso para evitar o "throttling".
  5. Obrigado Também acho interessante o computerbase, especialmente por demonstrar a variação percentual. Acho que eles condensam bastante gráficos em uma única área, talvez seja para reduzir o número de páginas. Falando de testes, há uma infinidade para se escolher (ATTO, cópias, boot, etc, etc), porém um que acho importante (especialmente para SSDs com capacidades menores) é o desempenho com o disco (quase) cheio. Misturando agora todos os assuntos (gráficos, testes e o dispositivo testado), acho muito interessante os gráficos/testes do tom no que se refere à placa de vídeo (99% e frame time over benchmark).
  6. https://www.clubedohardware.com.br/forums/topic/1365299-sugest%C3%A3o-para-gr%C3%A1ficos-de-testes/?tab=comments#comment-7432746
  7. A iniciativa é interessante, porém a placa e o RGB com certeza aumentarão o preço do SSD. Alguns M.2 custam de 15 a 20 dólares a mais só por ter um dissipador. Eu arrisco dizer que esse custará no mínimo 40 dólares a mais e no Brasil em torno de R$ 240 a mais comparado a um SDD M.2 com desempenho similar. Ah, faltou o "gaming" no nome...
  8. Olá, @Rafael Coelho! Gostaria de fazer algumas sugestões para os gráficos com a intenção de facilitar a sua leitura. Melhor do que tentar explicar um gráfico é mostrar um. Então resolvi fazer um tópico no fórum, em formato de um "artigo de teste de SSD", com as sugestões de gráficos. O tópico é Teste do SSD Samsung 970 PRO 512 GB. Mesmo os testes do CrystalDiskMark serem simples e relativamente rápidos, fazer os testes, compilar os dados e redigir um artigo leva o seu tempo. Só mesmo experimentando fazer um artigo para saber. Pode-se perceber o empenho que vocês tem em cada artigo que publicam.
  9. Introdução Este tópico foi elaborado com o objetivo principal de apresentar uma sugestão de gráficos que poderiam ser utilizados nas análises de SSDs do Clube do Hardware (CdH). Aproveitando, ele incluiu testes com o Samsung 970 PRO de 512 GB, que até esta data ainda não foi analisado pelo CdH. O Samsung 970 PRO é um dos SSD topo de linha da Samsung. Possui formato M.2 com interface PCIe Gen 3.0 x4 e protocolo NVMe 1.3. Ele está disponível nas capacidades de 512GB (476 GiB) e 1.024 GB (952 GiB). Estamos testando o modelo de 512 GB, código MZ-V7P512. Como comparativo, estamos utilizando os resultados e informações de outras unidades analisadas pelo CdH no Teste do SSD Corsair MP300 de 240 GiB do CdH. Seguem mais detalhes técnicos das unidades. A unidade possui dois chips de memória V-NAND 2bit MLC de 512 GB, um chip de memória cache LPDDR4 de 512 MB, além do chip controlador Phoenix. Todos os chips são da Samsung. Recomendações Por utilizar a interface PCIe Gen 3.0 x4, é importante se certificar de que o slot M.2 utilizado esteja operando na velocidade x4. Dependendo da placa-mãe e slot, pode ser necessário um ajuste na UEFI. A maneira mais simples de se certificar que a unidade está operando em x4 é utilizar o software Samsung Magician. O Samsung Magician é um excelente utilitário para gerenciar o SSD. Além de exibir informações da unidade, permite atualizar o Firmware, possui a função Secure Erase e outras. Outra recomendação é que a Samsung oferece em seu site o download de um driver para o Controlador NVMe. A sua utilização não é necessária na maioria dos casos, uma vez que o Windows já oferece o driver. Quanto ao desempenho, na maioria dos testes não houve diferenças significativas, exceto na escrita aleatória com blocos de 4 kiB - Q32, na qual observou-se um ganho médio de desempenho de 22% utilizando do driver da Samsung. A informação de qual driver está sendo utilizado (Windows ou Samsung) também pode ser consultada no Samsung Magician. Como foram feitos os testes Os testes do Samsung 970 PRO foram realizados utilizando o programa CrystalDiskMark. Foram feitas 3 séries de cada teste, descartando o melhor e o pior resultado de cada um. Configuração de hardware e software: - Processador: Intel Core i7-8770K a 3.70GHz - Placa-mãe: Asus ROG Maximux X Hero - Unidade de armazenamento de boot: Samsung 850 PRO de 256 GB - Sistema operacional: Windows 10 Home x64 Programas utilizados: - CrystalDiskMark 6.0.2 x64 As demais unidades foram testadas pelo CdH de acordo as informações constantes no artigo Teste do SSD Corsair MP300 de 240 GiB. Os testes foram realizados em três variações: - Com dados compactáveis: 5 repetições com arquivo de 1 GB. - Com dados não compactáveis: 5 repetições com arquivo de 1 GB. - Com grande quantidade de dados: 3 repetições com arquivo de 32 GB. Pare permitir observar melhor essas variações, elas foram reunidas no mesmo gráfico de cada teste. Testes de leitura Testes de escrita Conclusões O Samsung 970 PRO apresenta um ótimo desempenho, porém o seu preço não proporciona a melhor relação custo x benefício. Com a chegada do 970 EVO Plus, vale a pena conferir o desempenho e preço dos dois. O principal objetivo deste tópico era apresentar uma sugestão de gráficos de testes. Eles incorporam basicamente duas mudanças em comparação aos gráficos do CdH: - Os testes de dados compactáveis, dados não compactáveis e grande quantidade de dados são reunidos no mesmo gráfico, permitindo analisar melhor as variações de desempenho entre eles. Além disso reduz a quantidade de gráficos para um terço apenas. - Os testes de leitura e gravação foram separados, facilitando a leitura. Caso alguém tenha um Samsung 970 PRO de 512 GB e tem obtido melhores resultados nesses testes, por favor poste a sua tela do CrystalDiskMark nos comentários. Todas as opiniões são bem-vindas!
  10. Cara, eu entendi tudo o que você quis dizer, apenas penso diferente e talvez fui muito sucinto ou objetivo. Talvez a teoria tenha sentido, talvez não. Se tiver, o teste acima, na minha opinião, não seria suficiente, seria apenas o primeiro de muitos. E se o teste não apontasse nada, também não seria definitivo. Pode ser que os drivers de alguns anos atrás tinham otimizações para chipsets antigos, ou talvez saia um driver novo amanhã que tenha essas otimizações. Por isso disse que entendo que o teste seria inconclusivo e que para ser mais justo em futuras análises, os testes deveriam ser feitos com ambas marcas como citei anteriormente. Posso estar equivocado sobre tudo isso, porém essa é minha opinião. Quem sabe uma hora dessas alguém que defenda a mesma teoria faça o teste?
  11. Por que a Nvidia assumiu a nomenclatura GTX 16XX? Desculpe pela pergunta tão básica. Quando saíram as RTX 20XX, pensei ok, é para diferenciar a linha RTX.
  12. Bem, eu não sei se algum site utiliza de fato o método científico, mas tudo bem, não é o caso. Considerando todas as suas explicações e o seu comentário acima, tudo resumiria-se a isto: os testes de processadores deveriam ser feitos com uma placa de vídeo de cada marca e os testes de placas de vídeo com um processador de cada marca. Aí poderia-se dizer talvez que o processador X roda melhor o jogo Y com a placa Z. PS: A propósito, quando falei em CUDA na esfera de processamento, não afirmei que não era utilizado em aplicações gráficas... Eu quis dizer que uma otimização para CUDA poderia ter um impacto mais significativo em tarefas de processamento e menor (se existente) em aplicações gráficas. Mas tudo isso no mundo das teorias...
  13. Pelo que entendi você tem uma teoria de que há um tipo de otimização nos drivers da Nvidia para a Intel. Por isso os testes que são rodados com placas da Nvidia dariam resultados mais favoráveis para aos processadores da Intel do que para a AMD, correto? Mas seria a placa de vídeo que teria um desempenho melhor em função do processador ou o processador que teria um desempenho melhor em função da placa de vídeo? Se fosse o primeiro caso, a melhor forma de eliminar este fator é utilizar a placa de vídeo mais potente disponível. Inclusive o @Rafael Coelho citou que o CdH faz exatamente isso em suas análises. Já no segundo caso, seria necessário rodar todos os testes com uma placa de vídeo da AMD. Porém já posso lhe adiantar que os resultados seriam inconclusivos. Por que? Porque a suposta otimização do driver de vídeo seria apenas uma variável no meio de inúmeras outras, tais como otimizações dos drivers de vídeo para um jogo/aplicativo, otimização de um jogo/aplicativo para uma placa de vídeo/processador/quantidade de núcleos, versão dos drivers das placas de vídeos/chipsets, etc, etc. Pensando em CUDA isso poderia fazer um pouco mais de sentido, mas aí entrando na esfera de processamento mesmo, não de aplicações gráficas. Lembrando que a AMD e a Intel "respiram" benchmarks. Caso a AMD tivesse qualquer suspeita dessa teoria, ela já teria feito um alarde. Sendo bem franco, se eu comprasse um processador AMD provavelmente compraria uma placa de vídeo AMD também. Mas não esperaria um desempenho melhor por causa disso.

Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×
×
  • Criar novo...

GRÁTIS: minicurso “Como ganhar dinheiro montando computadores”

Gabriel TorresGabriel Torres, fundador e editor executivo do Clube do Hardware, acaba de lançar um minicurso totalmente gratuito: "Como ganhar dinheiro montando computadores".

Você aprenderá sobre o quanto pode ganhar, como cobrar, como lidar com a concorrência, como se tornar um profissional altamente qualificado e muito mais!

Inscreva-se agora!