Ir ao conteúdo
  • Comunicados

    • Gabriel Torres

      Seja um moderador do Clube do Hardware!   12-02-2016

      Prezados membros do Clube do Hardware, Está aberto o processo de seleção de novos moderadores para diversos setores ou áreas do Clube do Hardware. Os requisitos são:   Pelo menos 500 posts e um ano de cadastro; Boa frequência de participação; Ser respeitoso, cordial e educado com os demais membros; Ter bom nível de português; Ter razoável conhecimento da área em que pretende atuar; Saber trabalhar em equipe (com os moderadores, coordenadores e administradores).   Os interessados deverão enviar uma mensagem privada para o usuário @Equipe Clube do Hardware com o título "Candidato a moderador". A mensagem deverá conter respostas às perguntas abaixo:   Qual o seu nome completo? Qual sua data de nascimento? Qual sua formação/profissão? Já atuou como moderador em algo outro fórum, se sim, qual? De forma sucinta, explique o porquê de querer ser moderador do fórum e conte-nos um pouco sobre você.   OBS: Não se trata de função remunerada. Todos que fazem parte do staff são voluntários.

Werner Augusto Roder Kai

Membros Juniores
  • Total de itens

    1
  • Registro em

  • Última visita

  • Qualificações

    N/D

Reputação

2

Sobre Werner Augusto Roder Kai

  • Data de Nascimento 29-06-1973

Informações gerais

  • Cidade e Estado
    Bauru/SP
  • Sexo
    Masculino

Outros

  • Ocupação
    Engenheiro Eletricista
  • Interesses
    Eletrônica, MSX
  1. Lista de clones brasileiros da linha msx

    Bom dia. O Expert "cinza" teve duas versões: A inicial, com ROM versão 1.0. Esse modelo só possuía saída de vídeo monocromático e RGB. Para se ligar na TV era necessário utilizar o modulador de RF externo TA-1. A tabela de caracteres e o teclado não eram compatíveis com o padrão de acentuação vigente. Por causa disso, a Gradiente convidou os proprietários do micro a fazer uma atualização. Era necessário levar o computador para uma assistência, onde em poucos minutos era executada a substituição da EPROM e de 8 teclas. Por este motivo existem tanto Experts com hardware da versão 1.0 tanto com ROM e teclado na versão 1.0 quanto na versão 1.1 Na segunda versão, 1.1 a Gradiente embutiu o circuito do modulador de RF na placa analógica, e por isso na traseira desse modelo existem as saídas de video mono, RGB, COLOR e RF-OUT. Para as versões 1.0 e 1.1 existem três ou quatro revisões da placa digital, e versões todas soquetadas, parcialmente soquetadas e todas soldadas. O Expert "preto" teve também duas versões: O Expert Plus, sem drive. O Expert DD Plus, com drive de 3,5" embutido no painel da CPU. Existem 4 tipos, ou versões de Hotbit conhecidas. Os primeiros lotes de Hotbit (branco) não tinham o logotipo do MSX no canto superior direito do teclado. Não sabemos se saiu para o mercado a ROM versão 1.0. O meu tem um número de série baixo e tem a ROM versão 1.1 e já vi com números de série bem mais baixos também com a versão 1.1 A partir de um certo lote, o Hotbit começou a vir com o logotipo MSX no canto superior direito do teclado. A versão da ROM continuou 1.1 Houve um lote de Hotbits brancos de 87/88 que saiu com a ROM versão 1.2 e um acabamento diferente, incluindo o nome da EPCOM que era o fabricante na ZFM. O Tabajara tem um desses. Aí creio que a partir de 1989 foi lançado o Hotbit preto, ainda com a ROM versão 1.2 - Examinando o interior do micro, nota-se que Epcom/Sharp estava se preparando para lançar um MSX2 com saída RGB, e local para baterias/pilhas que são necessárias para o relógio. A ROM da versão 1.2 possui um "bug". Ela foi produzida/compilada com as constantes de tempo de um MSX de 50 Hz. Mas como é usada aqui com o VDP TMS9918 que é de 60 Hz, o resultado é a duração das notas acaba sendo menor. Percebe-se bem esse efeito quando se coloca por exemplo, o cartucho "Ligue-se ao Expert" num hotbit desses, ocorrendo que a música toca acelerada e fica com pausas, pois o buffer de notas é esvaziado antes da execução completa de cada trecho. Uma coisa boa nos Hotbits é que a numeração deles fica numa plaquinha de metal colada na parte de baixo do micro, e segue um padrão do tipo 850008256, 870102345, onde os dois primeiros dígitos são o ano e o resto é um número de série sequencial. Já os Experts possuiam o número de série numa etiqueta de papel colada na parte de trás da CPU. Hoje é raro encontrar alguma CPU que ainda tenha a etiqueta colada, e o código não permite ver claramente o ano e a sequência. Abcs, Werner

Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×