Ir ao conteúdo
  • Comunicados

    • Gabriel Torres

      Seja um moderador do Clube do Hardware!   12-02-2016

      Prezados membros do Clube do Hardware, Está aberto o processo de seleção de novos moderadores para diversos setores ou áreas do Clube do Hardware. Os requisitos são:   Pelo menos 500 posts e um ano de cadastro; Boa frequência de participação; Ser respeitoso, cordial e educado com os demais membros; Ter bom nível de português; Ter razoável conhecimento da área em que pretende atuar; Saber trabalhar em equipe (com os moderadores, coordenadores e administradores).   Os interessados deverão enviar uma mensagem privada para o usuário @Equipe Clube do Hardware com o título "Candidato a moderador". A mensagem deverá conter respostas às perguntas abaixo:   Qual o seu nome completo? Qual sua data de nascimento? Qual sua formação/profissão? Já atuou como moderador em algo outro fórum, se sim, qual? De forma sucinta, explique o porquê de querer ser moderador do fórum e conte-nos um pouco sobre você.   OBS: Não se trata de função remunerada. Todos que fazem parte do staff são voluntários.

Jambao

Membros Plenos
  • Total de itens

    1.061
  • Registro em

  • Última visita

  • Qualificações

    0%

Reputação

280

Sobre Jambao

  • Data de Nascimento 12-01-1954 (64 anos)

Informações gerais

  • Cidade e Estado
    Valparaíso de Goiás - GO
  • Sexo
    Masculino
  1. Pesquise se tem na sua cidade os produtos da CLAMPER. Boa parte dos itens que dizem ser filtros de linha, são apenas tomadas com extensão. Quanto a sua fonte, posicione o dispositivo de seleção de tensão da fonte em 230 e voilá.
  2. Você tem que casar os furos da placa-mãe com os furos do gabinete. Algumas bases de gabinetes já vem com vários furos em posições definidas. Alguns fabricantes de gabinetes usam chapa lisa com os furos pre-determinados sem relevo. Esse tipo de base você tem que usar prisioneiros para fixar a placa-mãe. Outros fabricantes, usam a chapa com os furos em relevo, como você diz. Com esse tipo de chapa, não é necessário os prisioneiros. Basta que haja coincidência dos furos da placa-mãe com os furos da chapa. Use parafusos adequados para fazer o trabalho de fixação. Não ponha arruelas de fibra com os parafusos. Os furos da placa-mãe tem que manter contacto com a carcaça metálica da base. O uso de espaçadores é para o caso de sobrar algum furo na placa-mãe com um furo inexistente da base. Espaçadores servem somente para a placa não ficar bamba e isso só acontece quando o gabinete é mal projetado.
  3. Cabe observar alguns pontos. Em primeiro lugar, errei quando informei a respeito da simbologia do logaritmo. Informei que ln(2) é o logaritmo "neperiano" ou natural de 2. O correto é: logaritmo natural de 2. A primeira vista parece que neperiano ou natural se refere ao mesmo logaritmo e isso não é verdade. A verdade é que o primeiro tratado sobre logaritmos foi feito a partir de Neper ou Napier. E é justamente por isso que muitos se confundem a respeito disso. Neper ou Napier fez um trabalho, aliás, o primeiro trabalho sobre o assunto mas foi com Euler que esse assunto ficou devidamente consolidado. A base numérica que Napier usou é completamente diferente da base que Euler achou e isso faz uma diferença enorme. A base do logaritmo natural que usamos atualmente é o número de Euler. Portanto, não é correto dizer que é logaritmno neperiano e sim logarimo natural. É muito interessante saber sobre o trabalho de Napier e Euler, pesquisem. Quanto a esse número, cabe observar que se trata de um número irracional e transcendente. É irracional porque não pode ser colocado na forma de uma razão: a / b. É transcendente porque não se pode coloca-lo na forma polinomial. Da mesma forma que o número pi em se usa a letra grega correspondente para designá-lo, Como bem sabemos, pi é a razão entre o comprimento da circunferência e seu respectivo diâmetro. É assim que o número pi é descrito. Porém não existe uma forma de colocá-lo em forma de razão. Os antigos árabes usavam a razão 355 /113 para usar o numero pi. É uma aproximação interessante mas somente isso. Pi não é 355/133. É apenas uma foma de usar um número racional para se obter uma aproximação. Mas.. Pera aí.... Pi e os logaritmos tem dígitos menores que 1 certo? Sim. Mas esses dígitos menores que 1 não são periódicos e é justamente por isso que eles são chamados de números irracionais pois não há um período sequer que se repita. Portanto, números irracionais são dízimas não periódicas ou em outras palavras, dizímas aperiódicas. A diferença entre uma dízima peródica e uma não periódica é gritante. Os dígitos de uma dizima periódica se repetem indefinidamente e justamente por isso, podem ser convertidos em um número racional como por exemplo 1 / 3 em que a parte menor que 1, que é o dígito 3, repete-se indefinidamente porque é uma série de somas de divisões por 10. Entretanto, numa dízima aperiódica, não há uma padrão repetitivo. Mesmo que calculem o pi com 100 trilhões de casas decimais, até hoje não se achou algum padrão para dizer que ele é um número que pode ser posto em forma de razão. Na verdade, me expressei mal quando usei os termos: " é um número que nunca acaba". Como disse antes, essa área é pouco divulgada na área de ensino. No ensino médio não se entra em detalhes sobre logaritmos, némeros irracionais, trancesdentes, a importância deles, etc. Antes do advento das calculadoras, ainda se tinham estudos sobre as tábuas de logaritmos. Ainda se usava uma régua de cálculo e uma calculadora científica custava uma fortuna. Hoje, poucos guardam essa relíquia que é peça de museu. Régua de cálculo era uma ferramenta que usava as propriedades dos logaritmos. Óbvio que antes do uso da régua, a pessoa tinha que ter um conhecimento sobre as tabelas dos logaritmos e principalmente o conhecimento dos logaritmos. Desculpe a observação colega _xyko_ mas eu não poderia deixar passar essa observação sua em afirmar que o logaritmo natural de 2 é uma dízima peródica pois ele não é. E mais uma vez, desculpe meus termos que foram mal informados, principalmente quando informei errado sobre o termo neperiano. Só para dar um pouco de tempero... Raiz quadrada de 2 também é um número irracional, assim como raiz quadrada de 3 e tantos outros espalhados por aí. Alguns são transcedentes e outros não. A base do logaritmo natural que é o número de Euler ou constante de Euler aqui reproduzida com 462 dígitos... Abração Graaaaaaaaaaaaaande aphawk!!!!!! Saudações nobre colega!!! Quando me referi aos estados do capacitor e usei esse termos, na verdade, não entrei em detalhes mas posso dizer que o ln(2) sempre entra em cálculos onde há um instante inicial e um instante final, ou seja, dois estados. Óbvio que entre esses dois estados, o inicial e o final , há valores diversos mas o que sempre observo é que em todos os cálculos que existem instante inicial e final, sempre se usa o ln(2). Seja em meia vida de material radioativo, contagem de bactérias, carga e descarga de um capacitor e por aí vai. A observação sobre o uso do ln(2) foi minha já que em todos os cálculos não há referência sobre o motivo de usar o ln(2). Eu que fiz essa observação. E pode ter um fundo de verdade. Quem sabe, mais tarde, eu posso até fazer um estudo sobre o "dito cujo". E desculpe a correção mas não é o número de Neper e sim o número de Euler. O tal "e" é a constante de Euler e que também é a base do logaritmo natural. Claro que Neper ou Napier tem a sua importância pois foi ele que começou essa "farra" toda com o tratado sobre logaritmos porém o simbolo "e" se refere ao logaritmo natural que se baseia na constante de Euler ou número de Euler onde deixei uma amostra do número acima. Já a base que Napier usou pra criar as tábuas dos seu logaritmos é algo assim.... 0.9999999999999999.... Sobre o link, é interessante pois informa bem sobre o assunto mas não tanto quanto o livro original sobre o 555 e posso informar que tenho o livro. O título original do livro sobre o 555 é IC 555 Projects e seu autor é E.A.Parr, original publicado pela Babani. Aqui no Brasil, esse livro foi traduzido por um radioamador antigo, o Gilberto Affonso Penna e esse livro foi impresso por voilta de 1981 pela Seltron: Seleções Eletrônicas. Eu tinha os dois. O original inglês e o traduzido. Atualmente só tenho o traduzido. Foi com esse livro que começei a entender o 555. Como disse antes, o link é interessante mas não entra em detalhes sobre o uso do ln(2) e claro, não vem ao caso pois o assunto é sobre o uso do temporizador. O livro do Parr faz uso da constante(ln(2)) com uma casa decimal somente. Em vez de 0,69, usa 0,7 e faz sentido pois para usar essa constante com 1 casa decimal tem que arredondar para mais. Abração . . E já ia esquecendo... O autor do tópico pede o tempo para controlar a carga. O cálculo inicial faz referência a frequência. Muito bem... Achando-se a frequencia, acha-se o tempo pois ele é o inverso ou a recíproca da frequência. Resumo da ópera... f = 1 / t portanto t = 1 / f Logo, depois de achar a frequência, basta usar a recíproca. Abração
  4. Ok... Vamos lá... Para você entender a fórmula matemática precisas interpretá-la. Somente isso. Na fórmula ou expressão matemática, um dos termos que não consegues entender é o tal "ln(2)". Como bem disse o pessoal, esse termo é uma constante. Essa constante sempre irá existir nessa fórmula. A primeira tarefa é ler esse termo que é uma constante. E como vamos ler? ln ----> logaritmo neperiano ou logaritmo natural Logo após vem o algarismo dois (2). Portanto, como leremos isso? Fácil. Logaritmo neperiano ou natural de 2. E que raio de valor é esse? Simples... Pegue uma calculadora científica qualquer. Use a que vem no próprio Windows de qualquer versão e ache o valor. Vais ver que aparecerá um monte de dígitos, Afinal, é um número que "não acaba". Daí, é só você usar a quantidade de dígitos que você quiser, quanto mais dígitos, maior a precisão. Nem precisas usar toda essa quantidade de dígitos. Com somente dois dígitos, já dá para fazer as contas. Com dois dígitos, o valor dessa constante é 0,69. Portanto, ln(2) com dois dígitos significativos é igual a 0,69. Daí você me perguntará... E por que não colocaram logo o "raio" do 0,69 ? E eu respondo... Porque essa é a forma correta de expressar essa fórmula que é uma fórmula científica padronizada e não usar o valor da constante com dois dígitos significativos. Da mesma forma que em algumas fórmulas, quando se usa o número irracional pi, se escreve o símbolo dele e não com dois dígitos significativos depois da vírgula. Dependendo da precisão do cálculo poderá ser usado mais dígitos ou menos digitos. Portanto, pi não é igual a 3.14. Pi pode ser considerado como 3,14 e vai depender da precisão que o calculista quer usar. Voltando ao logaritmo natural de 2... Verifique você mesmo. Acione a calculadora do seu sistema, coloque-a em modo científico, digite o 2 e clique no botão ln da calculadora que vais ter o valor desse cálculo. E por que usar logaritmo natural? Bom... Aí é estudo avançado e para o caso, não precisas dessa informação. O que precisas saber é que para calcular essa expressão(achar a frequência), precisas saber qual o valor da constante que é informada pelo cálculo do logaritmo natural de 2 que é igual a 0,69 (com dois dígitos significativos). Tudo bem...escalerecendo um pouquinho mais para você entender que essa formula não foi criada assim do nada. Tudo tem a ver com o capacitor. Quais são os estados de um capacitor? Que eu saiba são dois (2): descarregado e carregado. E por que usar a função logaritmica? Ora.. Porque o capacitor quando começa a carregar-se, ele não faz de uma forma linear e sim de forma exponencial. O gráfico do capacitor carregando não é uma linha reta e sim uma linha curva e uma linha curva exponencial. E para calcular esse "troço", precisa usar a função inversa da função exponencial que no caso é a logaritmica e como são dois estados e como se trata de fenomenos da Natureza, logaritmo natural de 2. Tem mais informações sobre isso e que não vem ao caso. Eu extendi para tentares entender um pouquinho o porquê disso tudo. "Tendeu" agora? Abração . . Para apimentar mais as coisas.... Para achar a frequência, calcule a recíproca do produto dos termos que são: logaritmo natural de 2 vezes capacitância em Farads vezes a soma dos termos referentes a R1 e o dobro de R2. Pode também ser lida assim: Dobre o valor de R2 e some com R1. Com esse resultado parcial, multiplique pelo valor do capacitor em Farads e o resultado parcial, multiplique pelo logaritmo natural ou neperiano de 2. Com esse resultado final aplique a função recíproca. Ou podes achar também dividindo o numeral 1 pelo resultado achado que foi o resultado do produto dos termos referentes ao logaritmo natural de 2, capacitancia em Farads e a soma dos termos dos valores das resistencias R1 e R2 somado duas vezes. R2 somado duas vezes é 2.R2 ou o dobro de R2.
  5. Já que você fêz o teste em outra máquina e mesmo assim, ela não "partiu", é sinal que ela tem algum problema já que você verificou a correta posição dos fios do chicote ATX12V. Eu sugeri uma ventoinha mas pode ser um leitor de CD's ou leitor de DVD's ou um HD qualquer e não precisa do cabo de dados. O que importa é testar a alimentação mas pelo visto, tudo indica que a fonte provavelmente já veio com algum problema. Não tente abrir a mesma e entre logo em contato com o revendedor. Quanto ao LED da placa-mãe ficar aceso, é porque a alimentação Standby está funcionando. É o 5VSB. Apesar do LED da placa-mãe acender, não quer dizer que esse circuito esteja funcionando adequadamente porém é um sinal de que alguma parte da fonte funciona mas não se sabe se está ou não de forma excelente. Se pintar papo de que houve ligação errada na entrada, descarte isso pois ela não tem esse tipo de problema. Não tem se a tensão de entrada variar dentro da faixa informada na caixa da fonte e ainda tem uma tolerância quanto a variação a maior que não lembro agora, na máxima tensão e uma variação para menos na tensão menor de entrada. Óbvioi que se um "doido" ligar uma fonte dessas numa tensão de 380 volts (tem maluco pra tudo), ela vai pipocar mas aí, a entrada passou dos limites. Óbvio que não é o seu caso mas sabe-se lá se algum maluco fêz isso, colocou novamente no estoque, não falou nada e a mesma foi vendida!!! É só uma hipótese. Assim como, ela também já poderia estar defeituosa e passou no teste de qualidade. Passou no teste de qualidade por fazer parte de um lote que passou no teste. Essa é outra hipótese. De qualquer forma, acione a garantia dela e se possível, quando pegar a nova, teste-a na sua frente para ter plena certeza. Se você comprou-a em alguma loja. Abração
  6. Rapaz!!!! 1 - A ligação dos chicotes dessa fonte nova (EVGA 430) para a placa-mãe não tem erro. Somente dois chicotes são utilizados. Um é o chicote principal de 24 pinos e o outro é o ATX 12V. Esse chicote ATX12V é composto de quatro fios: 2 amarelos (12V) e 2 pretos (OV ou retorno ou terra (ground). Os dois chicotes tem somente um jeito de se acoplarem com seus respectivos conectores fêmeas que estão na placa-mãe. Então, não tem erro de ligar errado. 2 - Essa fonte não tem seleção de tensão pois ela é full. Significa que você pode ligar tranquilamente em qualquer tensão que ela funciona. Ou seja, a tensão domiciliar pode variar que ela trabalha numa boa. 3 - Se você ligou corretamente os chicotes, principalmente o ATX12V, ela tem que funcionar. A não ser que você tenha comprado a fonte já com algum problema. 4 - Assegure-se que ligou de fato o chicote correto da alimentação do processador que é o ATX12V. Verfique no próprio chicote. Procure pela indicação ATX12v e cuidado para não se enganar com os chicotes que alimentam a placa de video pois esse chicotes também vêm com fios amarelos e além disso, vem a indicação PCIe para as placas de video que precisam de alimentação de 12 volts mas as posições dos fios são diferentes. E nesse caso, sua placa de vídeo, essa ZOTAC 210 não precisa de alimentação externa. Resumindo.... 1 - Ou você ligou errado o chicote de alimentação da CPUATX12V ou voce não ligou o chicote ATX12 2 - Ou o cabinho de Power do gabinete, está desligado ou sofreu alguma avaria 3 - Ou você adquiriu a fonte com algum problema. Nesse caso, faça o seguinte: Ligue uma carga qualquer, uma ventoinha por exemplo num dos conectores molex ( os que tem 4 pinos com as cores vermelho, amarelo, preto ) e usando um fio entre os fios de cor verde e qualquer preto do conector principal de 24 pinos e verifique se a fonte dispara. Se ela disparar, ou seja, se deu sinal de vida, sinal de que ela tá partindo mas é somente isso que posso afirmar. Se sentir inseguro quanto a esse procedimento, peça ajuda a alguém com mais conhecimento para verificar com outra máquina se a fonte funciona. É o que posso ajudar e informar no momento. Abraços E outra coisa... O fato de a fonte ser feita para ser posicionada na parte de baixo do gabinete, não tem nada a ver com o funcionamento dela. Ela não tem sensor para verificar se está na parte de baixo ou na parte de cima. Apenas a posição da ventoinha dela é que é diferente e é claro, o arrefecimento será diferente, somente isso. Em cima ou em baixo, se ela está Ok, ela funciona. Verifique no manual da sua placa-mãe, a posição verdadeira dos 12 volts (os fios amarelos) e compare com o chicote correspondente. Se usar um chicote errado, ou seja, se trocar esse fios, a fonte "vê" como um curto-circuito e não arma de jeito nenhum. Verifique se realmente, esse chicote que você diz que tem 8 pinos e que você disse que vai para a CPU está exatamente com a posição correta dos fios amarelos em relação com o conector ATX12V da placa-mãe.
  7. O tópico inicial diz respeito a criação de um teclado. Teclado este que tanto pode-se partir do zero ou aproveitar alguma parte já criada ou feita. Criar a partir do zero é praticamente impossivel para quem é usuário comum, caseiro. Já começar por algo que já existe, é oooooooooooooooooouuuuuuutra "coisa". E pode ser feito. Desde que tenha paciência em entender como um teclado funciona e pesquisar a respeito das melhores chaves ou interruptores para fazer tal trabalho. O uso de membrana pode até ser feito mas vai dificultar o processo de fabricação do teclado. O usuário-membro do Forum quer entrar para o mundo DIY (Faça você mesmo) e nada mais legal do que cosntruir ou modificar algo. Feito com ou sem ajuda. Não me leve a mal mas... Dar idéias sobre comprar um teclado já pronto, foge a pergunta principal. Claro que é muito mais fácil comprar algo já pronto mas o encanto se perde já que o caboco responsável pela pergunta inicial quer fazer ou modificar um já pronto.
  8. Não tem muito mistério fazer isso pois a parte mais complicada, já está feita. Basta apenas você adquirir um teclado USB. Desmonte o teclado mas antes, veja como são as ligações. Teclado de computador é baseado numa matriz (linha e coluna). Na intersecção de uma linha é coluna existe o interruptor ou chave como preferirem. Veja quais as teclas que precisa usar e veja as linhas e colunas que cada uma dessas teclas trabalha. O tipo de interruptor ou chave, ficará a seu critério. Uma vez escolhido o interruptor mais adequado para o manuseio, disponha-os de uma forma que facilite as ligações na placa onde está o microcontrolador do teclado. O resto, é ligar a fiarada nos terminais da placa e voilá!!! Um teclado customizado para o CS. Abração
  9. O que tu tens de fazer e da maneira, conforme as normas e para sua segurança é... Primeiramente, vou esboçar com palavras como é a instalação padrão. Nem vou mencionar a informação do capacitor pois isso deve constar no próprio manual da instalação do ventilador com lâmpada. Então vamos lá. 1 - Mudar o fio que vai ligado á lâmpada. Não é o fio fase que tem que ser ligado a lâmpada ou qualquer outro dispositivo elétrico. O fio correto, a ser ligado é o neutro e na rosca da lâmpada. Resumindo. O neutro liga ao mesmo tempo um dos fios do ventilador e também na lâmpada, exatamente na rosca da lâmpada. 2 - O fio fase será ligado ao mesmo tempo em dois interruptores: o que ligará a lâmpada e o que ligará o ventilador. Observe que os interruptores usados nessas ligações são de 1 polo x 1 posição. Se observar mais atentamente, eles têm somente dois pinos de ligação. Continuando... Usando como exemplo, a ligação da lâmpada. O fio fase é ligado num dos bornes do interruptor. Borne é o pino onde é ligado o fio e devidademente preso com parafuso. Muito bem. Sobrou o outro borne. Neste borne é ligado outro fio que é chamado de retorno. Um ponto do fio retorno é ligado ao borne do interruptor e o outro ponto é ligado na lâmpada, precisamente, na parte central da lâmpada. E por que essa maneira de ligar? Ora... justamente porque quando a lâmpada não está ligada, não existe diferença de potencial em ponto nenhum da lâmpada em relaçao ao terra. Resumindo, você pode meter o dedo na rosca da lâmpada que não levará nenhum choque. Entretanto, do jeito que está no desenho, com a lampada ligada ou desligada, você pode levar um coice. Coice este que dependerá das condições externas de seu corpo; Muito bem.. E se a lâmpada estiver ligada? Ok. Não haverá problema de levar um coice elétrico porque a ligação do fio retorno é feita no polo central da lâmpada, Se meteres o dedo na parte externa, ou seja, na rosca e é a única parte que é acessivel, não levarás choque pois é nela que está ligado o neutro. A única maneira de levar um coice elétrico com o circuito energizado é você retirar a lâmpada e meter o dedo dentro do suporte da lâmpada e encostar no polo central e ao mesmo tempo na rosca ou somente no polo central e estiver descalço. Resumindo, se a ligação é feita assim, nunca se levará choque. Da mesma forma, é a ligação com o ventilador. Enquanto os interruptores não são acionados, não há energia elétrica sendo levada para os respectivos elementos (lâmpada e ventilador). Portanto, o circuito está montado ou feito de forma segura. Agora, vamos ao que tu queres fazer. Queres adicionar mais 1 interruptor. E mais ainda. Tu queres que um dos interruptores, o da lâmpada fique o mais perto possivel da sua cama e o outro fique perto da porta. Entendi o que você quer. Quando adentrares o recinto, ou seja, quando estiveres na entrada da porta e veres que o quarto não está iluminado, tu não precisas ir ao interruptor que está distante pois está perto da sua cama. Basta acionar o interruptor perto da porta e voilá!!! Fiat Lux. Da mesma forma, se estás na cama e queres desligar a lâmpada, não precisas levantar. Basta acionar o interruptor da lâmpada e pimba! Breu total ou luz mortiça. Comodidade é uma benção. Desde que o trabalho seja feito corretamente. O que precisas para fazer isso é um interruptor paralelo. Mas peeeeeera aí... Não basta somente ligar um interruptor em paralelo com o outro. Tem que ter um interruptor especifico para isso e uma ligação adequada para fazer tal feito. E mais... esse tipo de ligação não só pode ser feita para a lâmpada mas também para o ventilador. Para entender a parada, veja esse video e compreenderás como se deve fazer mas antes, refaça as conexões do ventilador e da lâmpada de acordo com as normas. Veja o vídeo, https://www.youtube.com/watch?v=qlcx57MeTfk https://youtu.be/qlcx57MeTfk Vixi.. Desaprendi como colocar video do Youtube aqui. Bão... Vão os links puros. Pelo menos, estão direcionados.
  10. Rapaz!!! Entre no SETUP dessa MB e desliga os "lances" referentes a hibernação. Informastes que o LED do mouse (que não é LASER), tanto o azul como o usado na leitura do mouse estão ativos, indica que lá na área de ACPI (menu Avançado). esse recurso parece que está ligado. Eu disse, parece. Desliga isso e veja como o micro se comporta. Verifique também se o ACPI também está configurado para acordar (wake up) pelo teclado. Outra coisa... Eletricista verificar instalação elétrica somente no olho por causa desses sintomas, não dá em nada. A maneira de saber como está a instalação é através de monitoração com sensores e ferramentas apropriadas para o caso. Um voltímetro não vai acusar nenhum espúrio. Isso é visto com um osciloscópio exclusivo para isso. Ou pelo menos ter ferramentas nele de amostragem e retenção na hora que acontece um fenômeno na rede. O lance de o micro ligar na hora que qualquer dispositivo liga é porque há um pulso na rede e esse pulso é que faz acionar a fonte através do ACPI. Desliga o ACPI e verás que isso vai acabar. No menu Avançado, tem uma área chamada " Intel® Rapid Start Technology" Eis o que está escrito... Intel® Rapid Start Technology is a new zero power hibernation mode which allows users to resume in just 5-6 seconds. Isso também é um recurso para hibernação. Vi isso no manual dessa placa-mãe. Só não posso dizer como isso funciona. O qua tá acontecendo é que espúrios da rede estão afetando o comportamento desse micro. Vamos ver se alguém mais safo, que entende dessa placa-mãe e desses perrengues, fale mais sobre o assunto. Comentar sobre algo sem ter base, fica complicado. O que consigo explicar é que os espúrios estão afetando o comportamento do micro. Dei uma verificada no site a respeito de versões de firmware dessa MB e o que notei é que as versões não fazem nenhuma menção a algum problema com ACPI. ACPI trata justamente da hibernação. Outra coisa que me veio a lembrança é o seguinte. Tu instalou o sistema com os drivers específicos dessa placa-mãe? Isso também pode ocasionar problemas se não for instalado. Principalmente os drivers referentes a ACPI.
  11. Rapaz... Faz o seguinte... Desliga essa opção de hibernar do SO e observe o que acontecerá. Cabe lembrar que essa opção está atrelada a algumas configurações do SETUP. Portanto, verifique como isso está configurado no SETUP, desligue essa função e desligue também o "hibernar" do SO. Aproveite e verifique no site da MB se há alguma atualização do firmware dessa MB. Antes, veja e anote qual a versão do firmware da memória flash da sua placa-mãe. Onde ver isso? Ou nas informações do topo quando se entra no SETUP ou no instante da inicialização do micro onde podes "congelar" ou se conseguir ler rápido essa info. No instante da incialização, se o logo da MB está desligado, essa info aparece na parte inferior. Não dá para adivinhar ou saber o motivo do fenômeno. Quando esses fatos acontecem, devem ser tratados através de testes. Testes esses baseados em observações com base em ligar ou desligar determinados parâmetros ou funções em áreas específicas ou então, troca de determinadas peças. Não dá para adivinhar ou usar chutômetro. Por exemplo, na troca de peças, tu podes "passar" a conversa num colega e pedir para que ele faça um pequeno favor para tu. Daí tu tiras a tua fonte de alimentação, se souberes retirá-la, e vais ligá-la no micro do seu colega. É claro que a configuração do micro do seu amigo, deve ser uma configuração semelhante a configuração do seu micro ou abaixo dele. Se o micro do seu colega funcionava sem nenhum problema e no instante em que ligar a sua fonte, os mesmo problemas acontecerem, pode ser a fonte. Ainda não posso afirmar. Se a fonte do seu colega, suportar a configuração do seu micro (que não sabemos que configuração é essa) e na hora que tu ligares a fonte do micro dele ao seu e acontecer os mesmos problemas, tem algo errado ou na mainboard ou no firmware da mainboard. Para matar a charada, é nessa hora que terás que fazer primeiro o desligamento dessa função de hibernar no firmware da mainboard e depois no SO e observar se os mesmos problemas acontecem. Cabe lembrar que algumas MB tem problemas no firmware em relação a essa função de hibernar. Portanto, tens que verificar qual a versão do firmware do modelo dessa tua placa-mãe(mainboard ou MB) e com o modelo e versão dela anotados corretamente, verificar no site do fabricante se precisa ou não atualizar a ROM-flash (estranho esse nome) da sua MB. É por isso que tens que saber antecipadamente qual a versão do firmware primeiro. Anotar para comparar com a versão atual disponível no site. Esses são os procedimentos iniciais que eu sugiro. Abração e boa empreitada
  12. Uma pergunta que esqueci de fazer... Você usa o "maledeto" conhecido como estabilizador? Aproveitando o ensejo, como eu disse antes, capacitores usados em fontes não duram para sempre. Isso é normal. Há casos de fontes xing-ling que duram mais que uma fonte de marca renomada e mesmo assim não dá para comparar. Como disse antes, é o mesmo que comparar um trabalho executado por pneus de Fórmula 1 com pneus de carro esportivo da marca Papa-léguas. Há muitas variáveis envolvidas. Faço uso de uma fonte Thermaltake e por enquanto, tem me proporcionado um trabalho bem feito. Mesmo assim, fico sempre vigiando o seu comportamento e de vez em quando eu a abro, limpo para tirar a poeira e verificar a quantas andam os capacitores. Por enquanto, sem problemas e estou nessa a uns 6 anos, desde que adquiri-a. É uma fonte com PFC ativo e apesar de ter uma baixa eficiência. cerca de uns 65 %, nunca me deu problemas mas pode dar por causa dos capacitores e nesse caso, to sempre de olho. No entanto, tenho uma Seventeam que também tem essa idade e já fez parar o micro por conta de capacitores esgotados. Já troquei por duas vezes os capacitores da Seventeam e não troquei por capacitores comuns e sim por capacitores industriais e devidamente aferidos para achar os de baixo ESR e mesmo assim, a fonte já me sac@5&ou duas vezes. Agora ela tá de molho para mais tarde eu me debruçar sobre ela quando tiver um tempo e saber o porquê do problema. Enquanto isso, vou usando a Thermaltake que antes , estva num outro micro mas não era usado todo dia. Agora, ele tá parado porque estou usando a fonte que era dele. cabe lembrar que não uso estabilizador e nem filtro de linha. A fonte que uso já tem um bom filtro e apesar de que colocar mais um é segurança redobrada, não creio que precise exagerar tanto. Afinal, outros aparelhos como televisores, leitores de DVD, etc, tem suas respectivas fontes de alimentação chaveada, têm seus próprios filtros de linha e até onde sei, não vejo problemas e não poderia ser diferente. É óbvio que isso depende muito da distribuição da energia elétrica de cada lugar e onde moro, não vejo problemas. O que existe na cidade onde moro é apenas oscilações na tensão e mesmo assim não passam de 5 % para mais ou para menos. Digo isso porque já fiquei 1 semana direto aferindo de hora em hora a tensão da tomada e só observei isso. Claro está que não é somente as oscilações. Isso é normal em qualquer cidade e já é previsto por causa das cargas envolvidas. Ademais, há sempre espúrios na rede elétrica. Isso também é normal. Assim como há outras anomalias . Uma fonte de micro, uma fonte chaveada e bem feita, tem condições de trabalhar legal apesar de existirem essas anomalias. Até mesmo uma xing-ling, aquelas bem pixulé, tirando algumas bombas que são vendidas no mercado, tem condições de trabalhar direto na tomada e foram feitas para trabalharem assim. O problema são os espúrios e nem sempre são iguais em cada lugar, em cada cidade. Se tu moras num lugar onde há muitos motores usados em carpintaria, serralheria e outros serviços que usam motores, tu tens um sério problema de espúrios na rede e perigosos. Muitas vezes, tais motores são incorretamente instalados e quem sofre é um usuário que não tem nada a ver com a história. Mais ainda se ele usa o maledeto do estabilizador. Não digo que tal acontecimento esteja acontecendo aí contigo. Só estou te informando sobre algumas anomalias e suas consequências. Só pra tu ter uma ideia. A cerca de uns 500 metros, umas 3 ruas adiante da minha, havia um espurio que afetava at[é o televisor e dava uma me%@da aqui na minha rua. Acabei descobrindo que uma pessoa tava usando um raio de um motor para serrar madeira e o motor dava até pena. O bicho além de ser muito antigo, não sofria reparação a muito tempo e as escovas do bicho tava pra lá de Bagdá. O resultado era uma sujeira sem tamanho na rede e além disso tava ligado errado. Não sei como o cara que usava o dito motor, não tinha morrido por choque elétrico. Eu liguei para a empresa responsável pelo fornecimento de energia elétrica e relatei o ocorrido e o dono do motor teve que enviar para reparos.Nunca mais pareceu os problemas na rede. O dono ficou p..&%$ da vida comigo? Ficou. E não tô nem aí mas ele se livrou de um problema que seria ter a morte de um empregado. Depois de muito tempo é que ele veio conversar comigo a respeito e me pediu desculpas porque na época, não tinha ideia do problema e nem seus efeitos. Principalmente sobre o problema de um empregado dele passar por uma quase possível eletrocussão. Essas "coisas" sobre eletricidade, não se brincam. Eu sei que há muitos usuários que não entendem patavina do assunto. São somente usuários. Se mais na frente, esses usuários querem saber mais a respeito, só tem um caminho: estudo. Mesmo que não vá trabalhar no ramo mas pelo menos vai ser mais um que entende das paradas e auxiliar os que não sabem aqui no forum. E mais uma vez... Se estiveres usando estabilizador, tira essa porcaria, compra uma Corsair das boas, que trabalhe de acordo com as suas configurações e pé na estrada. " Hit de road Jack. You dont come back no more! " E mais uma vez. mesmo com uma Corsair, os capacitores dela vão ter uma vida útil. Como disse antes, é como pneu. E esses pneus podem ser queimados antes do tempo se estiveres usando o maledeto. Ele é fatal, não tem pra onde correr. Abração
  13. Então meu caro... O jeito é você comprar uma nova fonte. Poderia saber o que está acontecendo com a atual? Sim. Poderia. O problema é achar alguém que conheça bem fontes e além disso, ter o material que precisaria ser trocado. Além disso, não sei se valeria a pena pagar o conserto, se fosse devidamente consertada. Se alguém do forum conhece alguém que sabe fazer tal serviço e ponha peças certas, tudo bem. Vejamos as próximas informações que irão surgir. Fonte só vale a pena consertar quando as peças envolvidas não são difíceis, quando achamos um técnico em eletrônica safo no assunto e se o preço do conserto vale a pena. Se o valor ultrapassa o valor da fonte nova, é melhor comprar uma nova. E outra... Fontes tem componentes que tem uma vida útil variável (capacitores) e varia dependendo do uso que se faz dela. É como pneu de veículo. Não dura para sempre. Já observastes que os pneus usados em corrida de Fórmula 1 duram pouco tempo? É porque são pneus de baixa qualidade? De jeito nenhum. É o esforço, a carga que o pneu sofre que faz ele durar pouco tempo. Assim acontece com as fontes de alimentação. Mesmo usando-as com critério. Não duram para sempre. Achar alguém competente, que as conserte, é um tanto quanto difícil. É minha opinião. Abração . . Digamos que essa fonte sua esteja com os capacitores esgotados. Não todos mas alguns. Poderia trocar esses capacitores e aliás, trocar todos eles. Poderia usar capacitores comuns, vendidos em lojas de peças de eletrônica? Sim. Poderia mas sua vida seria menor porque capacitores vendidos no comércio não são capacitores de classe industrial mas comercial. Capacitores de fonte além de terem um limite máximo de temperatura de 105 graus, tem valores de ESR menores que capacitores comerciais. Além disso, ainda tem o problema do fabricante. Tem fabricante bom e fabricante pixulé desse tipo de capacitor. E só estou mencionando sobre capacitores. Imagine o resto. Apesar que resistores não seriam problemáticos mas os capacitores e semicondutores envolvidos, transistores, isso sim, daria um bom trabalho. Óbvio que se entregar tal fonte para um cara safo, ele pode até achar onde está ou onde estão os problemas mas dependendo das peças envolvidas, isso sim é que daria ou não um certo trabalho para consegui-las. . SE for um OSMAR, beleza. Apesar que OSMAR dá canseira em muito técnico e pra achar o maledeto, demooooooora. E OSMAR engana muito. Muitas vezes quem tá debruçado num aparelho e se defronta com OSMAR, reza pra pedir forças pra achar o danado. Depende muito da paciencia de cada um que pega aparelho com OSMAR.
  14. Então faça o seguinte... Tire essa fonte e ligue-a em outro micro sabidamente sem nenhum problema. Se acontecer a mesma ação, então a fonte tem problemas e saber o motivo é outra história. Se for nova, vá no lugar que comprou e relate o problema para ver se há alguma troca e antes, teste-a no próprio local e várias vezes. E verifique se ela tem condições de alimentar o seu conjunto. Para ficar mais seguro, arrume uma fonte sabidamente boa, de outro micro e que tenha "cacife" para segurar o seu micro e ligue-a nele. Pode acontecer duas coisas. 1 - O micro partir normalmente se a fonte que colocou suprir adequadamente o sistema. 2 - Acontecer o mesmo fenômeno e nesse caso; pode ser que a fonte não supra com a energia necessária para o funcionamento do micro ou pode ser alguma falha em algum periférico ou até na própria placa-mãe. Não informastes o hardware que usas. Tal informação vai servir de suporte para que outros colegas possam informar se essa fonte sua é boa ou não para alimentar todo o seu conjunto. . . Esqueci de informar que se for ligar essa fonte em outro micro, essa fonte terá que aguentar a configuração. Portanto, use um micro que não consuma muito. É só para saber se ela dá partida ou não. Se não der partida, mesmo num micro que não consuma muito, é sinal que a fonte tem algum problema.
  15. Tá vendo caboco?!!!!! Dalai_Brahma está ao seu dispor para executar tal empreitada. E de fato Dalai, o perfil dele marca São Paulo mas ele menciona Recife. Pode ser que ele esteja aí temporariamente ou então, quando fêz o perfil, ainda morava em São Paulo (no mínimo, a capital) e... Ou mudou definitivamente ou está temporariamente na cidade. Parece besteira mas a cidade que informamos no perfil, ajuda em muitos casos. Para muitos parece algo sem importância porém tá aí uma prova da importância dessa informação. Aproveite caboco que mora em Recife e troque informações com o Dalai para ele fazer tal serviço(onde mora, etc) e também, aproveitares e beber o néctar da informação sobre o assunto. Tu não vais tornar-se um técnico mas verás o serviço feito. Aproveitando o ensejo. Um serviço desses não é cobrado apenas pelo valor da ventoinha, seja ela qual for. O preço desse serviço, corretamente calculado, é em cima da hora trabalhada referente ao salário de um técnico de eletrônica. E isso serve para qualquer troca de peça e complexidade do serviço. Há serviços que demandam um estudo de como e por que tal circuito pifou ou não funciona como deveria. É exatamente por isso que existe a hora técnica. Com o tempo, o técnico adquire experiência e no momento em que ele se encontra diante de um problema que ele já resolveu e sabe o caminho das pedras, ele arruma rápido porque já tem experiência. Nesse caso, um leigo vê como uma troca de peça ou peças mas por trás dessa empreitada, o usuário paga o conhecimento que o técnico adquiriu. Isso é só para informar o quanto o técnico consciente, safo é injustiçado pelos meros trocadores de peças que fazem tal serviço sem saber o por que e como aconteceu isso. Vale até para a troca de ventoinhas ou até uma possível limpeza interna da mesma para dar uma sobrevida na dita cuja e guardá-la para um uso futuro (quem sabe?). É só um desabafo Dalai. Isso não é dirigido a sua pessoa. Só quis fazer uma observação de alerta para os "tecos" de plantão. E claro, se vais cobrar ou não, é escolha sua. Mesmo que não cobre pelo serviço, conhecer um colega do forum já vale. Abração

Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×