Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

IDF Fall 2003 - Apresentação Pré-IDF

       
 20.687 Visualizações    Artigos  
 0 comentários

Veja a cobertura da apresentação Pré-IDF Fall 2003.

IDF Fall 2003 - Apresentação Pré-IDF
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Introdução

San José, Califórnia. Capital do Vale do Silício, região onde estão instaladas as principais empresas da área de alta tecnologia. Palco do fórum da Intel que ocorre duas vezes por ano, uma na primavera e outra no outono norte-americanos. É neste Fórum - chamado IDF, Intel Developer Forum - que a Intel apresenta suas novidades na área de tecnologia e o que ela está desenvolvendo no momento. São três dias apresentando tecnologias que ainda levarão anos para chegar ao mercado.

IDF Fall 2003 - Apresentação Pré-IDF
Figura 1: San José McEnery Convention Center, mais uma vez, palco do IDF.

Fomos, mais uma vez, orgulhosamente convidados para participarmos do IDF, onde pudemos conferir de perto as inovações tecnológicas que só chegarão ao mercado daqui a alguns anos.

Estaremos, ao final de cada dia, resumindo aqui o que vimos e ouvimos e o que você pode esperar do mercado de informática (e de redes) nos próximos anos.

O Fórum só começa oficialmente amanhã, terça-feira dia 16 de setembro de 2003, mas hoje tivemos uma apresentação exclusiva para membros da imprensa, antecipando muito do que veremos durante o IDF. Esta apresentação foi conduzida pela equipe de Pesquisa e Desenvolvimento da Intel.

Nessa apresentação pré-IDF, ficou claro que a Intel está apostando cada vez mais na convergência de tecnologias de computação e de rede, como foi apresentado no IDF passado, em fevereiro. Mas agora a Intel mostrou a sua preocupação nos detalhes técnicos que permitirão que isso seja possível.

Para ter um mundo ainda mais conectado - incluindo aí não só PCs e PDAs, mas também eletrodomésticos e afins - o grande problema é: como será possível haver comunicação sem fio com vários dispositivos tentando "conversar" ao mesmo tempo.

Atualmente, temos a faixa de freqüência de 2,4 GHz disponível, sendo essa a freqüência usada pelos dispositivos IEEE 802.11 (que a Intel chama de Wi-Fi) e BlueTooth. Como dissemos, com mais e mais dispositivos usando esta freqüência, teremos problemas de interferência.

A solução é o uso de outras faixas de freqüência, porém outras faixas de freqüência não estão disponíveis, pois são reservadas por agências reguladoras no mundo todo (FCC nos Estados Unidos e Anatel no Brasil). A Intel está trabalhando em duas frentes: com os fabricantes, para a padronização da tecnologia wireless, e conversando com a FCC e com as suas equivalentes em outros países para o uso de outras faixas de freqüência, especialmente a faixa de 3,1 GHz a 10,6 GHz, chamada Ultra Wide Band.

Além de ser uma faixa de freqüência maior, há uma outra grande vantagem no uso desta faixa de freqüência: a taxa de transferência máxima que é possível chegar é maior que 100 Mbps (basta lembrar que conexões wireless IEEE 802.11 trabalham a 11 Mbps).

Mas, mesmo usando esta faixa de freqüência, como fazer em caso de interferência. É aí que entra dois conceitos que a Intel está pesquisando: divisão automática do espectro e configuração automática do dispositivo wireless.

O primeiro conceito funciona da seguinte forma: o dispositivo wireless "percebe" quais canais estão sendo usados e quais canais não estão sendo usados dentro da faixa de freqüência UWB, usando somente canais livres para não haver o problema de interferência.

Já o segundo conceito vai ainda mais longe. Como cada cidade ou região tem (ou terá) seus próprios provedores de serviços wireless, o dispositivo wireless percebe quais serviços estão disponíveis na cidade e automaticamente configura o dispositivo para usá-los. Funciona mais ou menos quando temos um telefone celular em roaming: o dispositivo procura pela rede disponível e passa a usá-la, mesmo não sendo uma rede do seu provedor de acesso (no caso de telefone celular, a rede da sua companhia telefônica com a qual você tem um contrato).

Lembramos que por "dispositivo" estamos considerando qualquer dispositivo eletrônico que possa a vir a usar uma rede sem fio, como notebooks, PDAs, desktops, etc.

Posto isto, veio uma fantástica apresentação conduzida por Roy Want, Engenheiro de Pesquisas da Intel, sobre servidores pessoais, um conceito que, se bem explorado, poderá ser um sucesso de mercado.

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Comentários de usuários


Não há comentários para mostrar.



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×