Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

Barramento USB 2.0

       
 145.696 Visualizações    Tutoriais  
 0 comentários

Conheça o barramento USB 2.0!

Barramento USB 2.0
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Na semana passada falamos do FireWire (IEEE 1394), que é um barramento externo ao micro para a conexão de periféricos externos, similar ao USB, e que tem como grande atrativo uma alta taxa de transferência: 400 Mbps (o que dá aproximadamente 50 MB/s). Tanto o FireWire quanto o USB permite que você instale facilmente periféricos externos ao micro, tais como câmeras digitais, teclados, mouses, impressoras, Zip-drives, gravadores de CD, discos rígidos etc, através de um conector padronizado disponível na placa-mãe do micro (no caso do USB) ou através de uma placa extra adicionada ao micro (no caso do FireWire).

O USB Implementers Forum (http://www.usb.org), que é o grupo de fabricantes que desenvolveu o barramento USB, já desenvolveu a segunda versão do USB, chamada USB 2.0 ou High-speed USB. Essa nova versão do USB possui uma taxa máxima de transferência de 480 Mbps (aproximadamente 60 MB/s), ou seja, uma taxa maior que a do FireWire e muito maior do que a versão anterior do USB (chamada 1.1), que é a versão que temos hoje em nossos micros e que permite a conexão de periféricos usando taxas de transferência de 12 Mbps (aproximadamente 1,5 MB/s) ou 1,5 Mbps (aproximadamente 192 KB/s), dependendo do periférico.

O grande problema do USB era a sua taxa de transferência. Basta lembrarmos que a maioria dos discos rígidos existente hoje no mercado opera com uma taxa de 66 MB/s. Como o barramento USB atualmente utilizado só transfere 1,5 MB/s, um disco rígido externo conectado ao micro através do barramento USB é extremamente lento. Para aplicações mais comuns - como impressoras, scanners e câmeras de vídeo - a taxa de transferência do USB é satisfatória. O problema mesmo é na conexão de periféricos que exijam altas taxas de transferência, basicamente sistemas de armazenamento de dados, como discos rígidos, gravadores de CD e Zip-drives.

A porta USB 2.0 continua 100% compatível com periféricos USB 1.1. Ao iniciar a comunicação com um periférico, a porta tenta comunicar-se a 480 Mbps. Caso não tenha êxito, ela abaixa a sua velocidade para 12 Mbps. Caso a comunicação também não consiga ser efetuada, a velocidade é então abaixada para 1,5 Mbps. Com isso, os usuários não devem se preocupar com os periféricos USB que já possuem: eles continuarão compatíveis com o novo padrão.

Um detalhe importantíssimo é que hubs USB 1.1 não conseguem estabelecer conexões a 480 Mbps para periféricos conectados a eles. Por exemplo, se você tem um teclado USB 1.1 que possua um hub USB 1.1 embutido, periféricos USB 2.0 conectados a esse teclado só conseguirão se comunicar a, no máximo, 12 Mbps com o micro, e não a 480 Mbps. Portanto, você deve prestar muita atenção a esse detalhe.

A grande vantagem do USB 2.0 sobre o FireWire é, portanto, a compatibilidade com os periféricos USB já existentes. Lembramos também que o FireWire foi destinado basicamente ao mercado de áudio e vídeo, permitindo que câmeras de vídeo e novos equipamentos de áudio e vídeo profissionais pudessem ser ligados ao micro com um custo muito abaixo do que o hardware normalmente necessário para esse tipo de conexão. Podemos dizer, portanto, que o mercado-alvo do USB e do FireWire são, de certa forma, diferentes. Só agora é que o USB poderá também concorrer nesse mercado, com a sua versão 2.0, e poderá demorar um bom tempo até que apareçam equipamentos de áudio e vídeo com conectores USB.

Ainda é incerto o tempo que demorará para que os periféricos USB 2.0 cheguem ao mercado. Apesar de no site do USB Implementers Forum (http://www.usb.org) já ter uma lista de fabricantes que estão desenvolvendo produtos USB 2.0, ainda não podemos precisar com certeza quanto tempo eles demorarão para aparecer. É sempre bom lembrar que o USB começou a ser desenvolvido em 1995 e somente no ano passado (2000) é que os periféricos USB começaram a realmente a invadir a casa dos usuários - ainda assim de uma forma muito mais tímida do que os desenvolvedores do padrão USB previam.

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Artigos similares


Comentários de usuários


Não há comentários para mostrar.



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×