Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se

paulohvs

Membro Pleno
  • Total de itens

    546
  • Registro em

  • Última visita

  • Qualificações

    0%

Tudo que paulohvs postou

  1. Muito interessante o teste. O que achei mais curioso foi o nível de ruido menor com apenas uma ventoinha puxando ar de fora para dentro na posição 2. No meu gabinete possuo várias ventoinhas e um controlador de velocidade. O que reparei aqui foi exatamente que a ventoinha mais barulhenta é exatamente aquela que puxa o ar de fora para dentro. Uma observação, os dados do gráfico de ruído não estão condizentes com o que está na tabela, pois não há nenhum caso de 48dB.
  2. Tenho uma dúvida, não sei se de iniciante ou não, mas o quanto as medições de oscilação e ruído nas saídas de uma fonte podem ser influênciadas pela qualidade da energia que entra na fonte, ou seja, oscilação e ruído da energia "da tomada"? Creio que o estágio inicial de filtragem da fonte seja o responsável por "limar" isso, mas "quanto" efetivamente pode ser conseguido? Pergunto isso para saber o quanto um NoBreak (principalmente os com Estabilizador) ou outros elementos da rede elétrica podem interferir na saída da fonte de alimentação. Voltanto à especificidade deste modelo, realmente é
  3. Puxa, essa é uma pergunta já feita a bastante tempo e ainda sem resposta. Estou passando exatamente pelo mesmo problema agora, mas minha placa-mãe é uma M4A88TD-M. Os HDs que quero ligar em Raid 0 são dois Corsair Force GT de 120GB. Usá-los em IDE ou em AHCI funciona 100%, mas quando configuro RAID não me aparece a tela para entrar no menu e fica idêntico ao que descreveu acima:(. Abraços.
  4. De fato. A minha ideia é para que seja jogado no radiador ar "fresco" de fora do gabinete, ja que devido ao pouco espaço provavelmente não dará para colocar o ventilador superior lateral. Mas será simplemente uma questão de alguns testes para ver em qual "modo" a refrigeração será mais eficiente. De qualquer forma, nem sei se dá pra instalar o H100 no Centurion 590. Fan para configurar em P/P eu tenho, só não sei se o gabinete tem espaço.
  5. Muito obrigado Stahl, bom saber que estas FANs são boas. Se não aparecer a tempo as da Akasa, então devo ficar com elas mesmo.
  6. Que tal começar a expandir o tópico para FANs de 140mm também? Muitos coolers e gabinetes atuais as estão utilizando. Como primeiras indicações temos as seguintes: - NZXT FN-140RB - 62,5CFM - 26,52 dBA - Noctua NF-P14 FLX - 64,92CFM - 19,6 dBA - Aerocool FAN Shark Edition - 96,5CFM - 29,6 dBA - Akasa Viper - 110,61CFM - 26,01 dBA. Estou particularmente interessado nas duas últimas. A da Aerocool vi na JustShop. Já a da Akasa ainda não achei pre vender, vi apenas no site do fabricante: http://www.akasa.com.tw/update.php?tpl=product/product.detail.tpl&no=181&type=Fans&type_sub
  7. Também estou em dúvida quanto a instalação do H100 num CM Centurion 590, pois a furação do topo também é para duas FANs de 140mm, ou seja, os furos das de 120mm não ficam colados. Pela questão de espaço, penso em colocar as FANs do lado de fora empurrando ar pra dentro, daí a FAN da parte de tráz se encarrega de remover o ar quente.
  8. Também estou pesquisando um cooler e, apesar do review aqui do CDH, na maioria dos outros que vi o Corsair H80 tem se saido melhor que o Antec H2O 920. Destaco que a diferença sempre é pífia, suficiente para eu concluir que os dois são quase idênticos. Portanto, considerando apenas o desempenho de refrigeração, eu pegaria o que estivesse disponível e mais em conta (o H80 está relativamente fácil de achar). Agora, pelos preços praticados na waz, eu até cogitei ir logo de H100, mas está em falta e ainda tenho que analisar bem como colocá-lo no meu Centurion 590 (CM-590). Entretanto, como não
  9. Perfeito faller, muito proveitoso esse debate. Infelizmente eu já imaginava que o delay gerado pelo termistor não permitiria a sua utilização conforme sugeri. Fiz essa colocação por quê, não conhecendo todas as especificações de vários modelos de termistores, havia uma certa esperança de que algum pudesse ser rápido o suficiente. Creio que o AVR seja culpa dessa cultura desenvolvida aqui no Brasil, e não dos fabricantes em si. Me parece que esta questão está relacionada exclusivamente com a questão da procura, pois a maioria das pessoas optariam por um nobreak com estabilizador em detrimento
  10. Isto mesmo faller, termistor é o nome da proteção que eu havia esquecido. Já faz um tempo desde quando li as suas explicações neste tópico que citou (ainda tenho salvo nos meus favoritos o link no forum do adrenaline). Pode ser que eu fale besteira agora já que meu conhecimento é limitado (por favor faça as devidas correções), mas a APC não resolveria este problema simplemente colocando um termistor no circuito em que o short-break passa a alimentar o PC pela beteria? Como este circuito só é comutado e usado na falta de energia da rede, o termistor permaneceria frio e cumpriria o seu
  11. Valeu galera pela recomendação da Eaton, é bom saber que é uma marca recomendável. Não estou "grilado" por conta de onda quadrada, pois só quero o tempo mínimo possível de bateria para salvar os trabalhos e desligar a máquina. Creio ser um estresse eventual e momentâneo, talvez suportável sem perdade de tempo de vida pela fonte. Numa região muito instável pensaria diferente por poder haver trocas constantes para o modo bateria. A presença do estabilizador, esta sim me preocupa, já que estará constante no sistema. Não sei dizer se aqui a tensão varia muito ou pouco para quantificar o tanto qu
  12. Bem, vou aproveitar o tópico para tentar esclarecer algumas dúvidas minhas. Acabei "caindo" aqui quando estava procurando no forum alguma coisa sobre a Eaton. Minha rede aqui é de 220V e, depois de muito aprender com o amigo faller, comecei uma busca por um nobreak que fosse 220V/220V (seria bom se acabasse essa bobagem de sempre converter para 115V). Só achei num preço camarada alguns modelos da Eaton, mas não conheço essa marca e gostaria de saber se é confiável. Essa é minha primeira dúvida. Outra coisa que pesquisei é se há algum modelo de nobreak interativo no mercado sem estabiliz
  13. É como eu escrevi, se você economizar grana ao trocar para a 750W, então troque. Agora, se tiver o mesmo gasto, então pode ficar com a de 850W que mal algum ela fará. Pelo menos na minha opinião, essas duas fontes não farão diferença para a escolha do seu nobreak.
  14. De fato houve uma grande falha minha ao não pesquisar a configuração do colega, mas não creio que cometi deslizes em minhas explicações. Minha intenção foi apenas de explicar o que mudaria no PC caso trocasse a fonte. O que eu tinha em mente era apenas de que não valeria a pena gastar ainda mais dinheiro trocando a fonte tendo como intenção pegar um nobreak mais barato. Agora, obviamente, se pode simplesmente trocar a fonte pegando uma graninha de volta, aí está tudo bem. Para fechar esse assunto de fontes: Veja aqui os testes do CDH da HX750: https://www.clubedohardware.com.br/artigos/Test
  15. Amigo, pelo contrário, é mais provável que a fonte de 850W seja mais benéfica para o seu nobreak. Explico. Se você acompanhar os testes realizados aqui pelo CDH de fontes de alimentação irá reparar que utilizando até metade da potência máxima da fonte a eficiência desta é maior do que acima disso. Isso quer dizer que menos energia é perdida na forma de calor e a maior parte da potência extraída da fonte elétrica (no seu caso será o nobreak) é efetivamente utilizada. Assim sendo, mesmo as duas fontes fornecendo a mesma potencia, é mais provável (digo isso porque é preciso uma análise mais de
  16. Foi o que reparei também. Achei que no método de espalhar foi usada muita pasta térmica (o processador ficou branco, rsrsrsrs). Não estou querendo "defender" o modo de espalhar, mas sempre que o faço, principalmente com dissipadores de base bem polida, a camada de pasta vai somente no processador e fica praticamente transparente. Espalho com o dedo mesmo, mas, "obviamente", aproveito um pouco do álcool no algodão para limpar o dedo primeiro. Quanto aos coolers com Heatpipe, acho que o melhor deve ser apenas uma camada fina diretamente nos heatpipes (nada de mais um ponto no processador). Com
  17. Acho que o caminho não é bem esse. O bacana do teste foi ter desmistificado algumas pastas exageradamente caras e que não representam ganho, ou pior, são inferiores a outras mais baratas. Sempre primo por um bom nível de qualidade e definitivamente não uso produtos "duvidosos", mas também não vou gastar fortunas em algo que não dá benefícios condizentes ao preço. O importante é achar um equilíbrio. Uma coisa que achei muito interessante no teste foi ter visto a AS5 e a AS Ceramique terem empatado (e com dos melhores desempenhos). A teoria dizia que a AS5 deveria ser melhor por possuir Prata
  18. Ribeiro e Rafael Coelho, Muito obrigado pelas explicações. Tendo em vista o que foi colocado, então na realidade a comparação é sim simples, diferente do que eu imaginava. Apesar de não ter sido comentado, volto a ressaltar a questão da pasta térmica, pois é possível alguma variação nestes resultados dependendo da qualidade da pasta de cada cooler. Pelas explicações, ficou claro que não é necessário o controle da temperatura ambiente para um teste suficientemente preciso, mas ainda acho importante um teste usando uma mesma pasta térmica, sendo isto útil até para informar se a pasta que vem c
  19. Sobre isso, gostaria de saber se basta somar à temperatura final a diferença entre as temperaturas ambientes. Ou seja, se comparar com o Thermaltake Frio, que foi testado a 14º (13º de diferença), se poderiamos diminuir os 13º do resultado final do processador em "load", o que daria 48º para o H70. Contudo, eu não acho que a pratica seja tão simples assim. Seria bom se todos os coolers fossem testados com temperatura ambiente controlada (mesmo que não havendo 100% de precisão, mas algo próximo já seria bom). Até entendo a postura de se usar a pasta térmica que vem com o cooler por questões
  20. Por causa de um problema saiu duplicado, desculpem.
  21. Bem, depois de vários testes, experiências e aprendizado, venho compartilhar aqui algumas coisas que poderão servir de guia para quem quiser fazer over neste processador ou, acredito eu, em qualquer Phenom II (especialmente BE). Até pode ser que essas informações já tenham sido postadas em outro lugar, mas como não vi, vou colocar aqui: 1º É de suma importânia entender a arquitetura do processador que se está mexendo. Parece óbvio, mas não é. Normalmente apenas nos preocupamos em saber para que serve cada parâmetro de configuração, sem entender direito o que irá influenciar no todo. 2º Tem u
  22. Dá uma olhada neste outro tópico (até recomendo fechar este que você criou e concentrar no outro): http://forum.clubedohardware.com.br/duvida-overclock-phenom/886177 Tem algumas coisas que já discutimos sobre este processador que certamente irão te ajudar. Muitíssimo recomendado que você gaste um tempo estudando o esquema do processador que foi postado lá. Só pra adiantar alguma coisa, pude verificar que há duas configurações diferentes para estes Phenom: NB/CPU frequence e o HT frequence. O primeiro trata de um barramento interno do processador e que influencia no HT. Já o HT é o barramen
  23. Para quem estiver interessado em ver comparativos "diretos" de desempenho e ainda não conhece: http://www.anandtech.com/bench/CPU/2
  24. Excelente teste. Só senti falta da inclusão de um i5 760 para comparar com um QuadCore real da lina Core ix e de custo X benefício, na minha opinião, ótimo. Realmente o desempenho desse i5 2500K superou as minhas espectativas, mas, de certa forma, é covardia comparar com os Phenom II, já que estes são os competidores da linha Core ix anterior. Entendo essa comparação apenas por uma questão de mercado mesmo, já que a AMD ainda vai levar um tempo até lançar a linha nova. Vou esperar até sairem os processadores novos da AMD para definir para qual plataformar migrar. Sobre o vídeo integrado, co
  25. Ótima ajuda, valeu mesmo. Já entendo perfeitamente os modos padrões do Prime95. Quando eu tiver mais tempo farei mais testes. Este diagrama que você postou me esclareceu, no mínimo, 99% das dúvidas sobre os parâmetros de over dos AMD. Analisando ele, discordo de você somente num aspecto: o NB frequency não controla a frequencia de comunicação com o Northbridge (esta é controlada pelo HT), mas sim com o controlador do NB interno do processador, além de vários outros componentes, dentre eles o controlador de memória. Agora sim fez sentido, já que aumentando o NB o controlador de memória comunio

Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas comunidades sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×
×
  • Criar novo...

livros-black-friday.jpg

SEMANA BLACK FRIDAY
Clube do Hardware

Todos os livros por apenas R$ 9,99 cada!

Eletrônica | Montagem de Micros | Redes