Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

Placa-Mãe DFI AD77 Infinity

       
 43.450 Visualizações    Testes  
 0 comentários

Teste com a placa-mãe DFI AD77 Infinity, baseada no chipset VIA KT400, para a plataforma soquete 462.

Placa-Mãe DFI AD77 Infinity
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Introdução

A AD77 Infinity é o lançamento mais recente da DFI para processadores AMD, sendo o seu modelo topo de linha, usando o novo chipset VIA KT400, que aceita memórias DDR400/PC3200 e barramento AGP 8x, e trazendo uma porta Serial ATA. Nós já havíamos visto essa placa na Computex 2002 em Taiwan, e chegou a hora de finalmente testá-la.

Placa-Mãe DFI AD77 Infinity
Figura 1: Placa-mãe DFI AD77 Infinity.

Essa placa-mãe traz vários recursos extras. Para começar, ela possui uma série de LEDs de diagnóstico POST, funcionando de maneira similar (porém rudimentar) aos displays de diagnóstico POST. Na Figura 2 vemos esses quatro LEDs em ação (eles ficam próximos aos slots PCI).

Placa-Mãe DFI AD77 Infinity
Figura 2: LEDs de diagnóstico da placa-mãe DFI AD77 Infinity.

Suas duas portas IDE são ATA-133 e ela tem uma porta IDE ATA-133 adicional, controlada pelo chip HighPoint HPT371 (é a primeira vez que vemos esse chip em ação). Esse chip só tem um canal IDE. Essa porta extra é RAID, mas só dá para fazer RAID com dois discos, ligados nessa porta através do esquema master/slave. Ou seja, se for usar o recurso RAID só dá para escolher entre divisão de dados (RAID 0) ou espelhamento (RAID 1), não dá para fazer os dois ao mesmo tempo, já que o uso simultâneo necessita de ao menos quatro discos rígidos IDE.

Já a porta Serial ATA existente é controlada pelo chip Marvell 88i8030. Na Figura 3 você confere o chip HighPoint HPT371 (canto inferior esquerdo), ponte sul do chipset da placa-mãe (VIA VT8235), a porta IDE extra (conector vermelho), a porta Serial ATA (conector preto) e o chip Marvell 88i8030 (acima da porta Serial ATA).

Placa-Mãe DFI AD77 Infinity
Figura 3: Dispositivos IDE extras da placa-mãe DFI AD77 Infinity.

No tocante à memória, essa placa-mãe usa o chipset VIA KT400, que suporta memórias DDR400/PC3200 e AGP 8x. Ela tem quatro soquetes DDR-DIMM, o que não é muito comum e é um indicador que a placa é de alto desempenho. Ela aceita até 4 GB, uma capacidade total acima da maioria das placas-mães do mercado, que normalmente aceitam um máximo de 2 ou 3 GB.

Ela tem seis portas USB 2.0, controladas pela ponte sul do KT400, o chip VT8235, e três portas FireWire (IEEE 1394), controladas pelo chip VIA VT6306. Estas portas não são soldadas diretamente sobre a placa-mãe, sendo necessário o uso de adaptador. A placa-mãe vem com um adaptador para duas portas FireWire. Muito bom ver cada vez mais a adoção do padrão FireWire pelas placas-mães topo de linha.

Em relação aos demais dispositivos on-board, o áudio on-board dela é de seis canais (codec Realtek ALC650) e ela tem ainda rede on-board, controlada pelo chip VT6103.

O CD que vem com a placa-mãe é careta, trazendo somente os drivers necessários.

Antes de irmos aos testes, vamos dar uma recapitulada em todos os recursos que essa placa-mãe possui.

 

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Comentários de usuários


Não há comentários para mostrar.



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×