Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

Exemplos de Plágio

       
 6.585 Visualizações   9 comentários

Arrumar um armário é sempre uma diversão, pois você nunca sabe quais serão as pérolas que você encontrará. No meu caso, além de algumas fotos de início de carreira quando eu ainda tinha cabelo (prometo que vou escaneá-las e postá-las aqui em breve), encontrei uma pilha de material plagiado que eu acabei não entrando com um processo judicial por inúmeras razões (fotos abaixo).

Exemplos de Plágio
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Arrumar um armário é sempre uma diversão, pois você nunca sabe quais serão as pérolas que você encontrará. No meu caso, além de algumas fotos de início de carreira quando eu ainda tinha cabelo (prometo que vou escaneá-las e postá-las aqui em breve), encontrei uma pilha de material plagiado que eu acabei não entrando com um processo judicial por inúmeras razões (fotos abaixo).

Plágio, para quem não sabe, é o ato de copiar alguma coisa feita por outra pessoa e dizer que foi você quem fez. Em outras palavras, é sair dando control C e control V em coisas feitas por outras pessoas depois tascar seu nome na capa dizendo que foi você quem escreveu (ou gravou ou compôs).

O plágio é totalmente ilegal (Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998, mais conhecida como “Lei dos Direitos Autorais”) e só traz malefícios para todos. Primeiro, além do autor original ter seu trabalho mutilado, ele não ganha absolutamente nada, tanto no campo financeiro quanto na divulgação do seu trabalho, visto que seu nome não é citado. Quando o nome do autor original é citado isso só queima o filme do autor, visto que o texto está totalmente mutilado e fora de contexto, trazendo prejuízos à imagem do autor. O leitor só perde, visto que ele tem um produto final de péssima qualidade, tanto de acabamento quanto de conteúdo, já que quem efetuou o plágio não sabe nada do assunto tratado – se soubesse não precisaria plagiar. E o próprio plagiador perde, pois em muitos casos ele perde muito tempo organizando o material plagiado, tempo este que ele poderia usar de forma mais produtiva – por exemplo, entrando em contato com a editora do livro original para saber quanto custaria a compra do livro em quantidade ou mesmo consultando os detentores dos direitos autorais para saber a forma legal de se usar trechos do texto que ele pretende usar.

Infelizmente o Brasil há muitos anos passa por um fenômeno cultural sério, que é a “cultura da apostila”. Várias escolas estão parando de adotar livros didáticos para usarem apostilas feitas por seus professores. E eu estou aqui falando de escolas do ensino fundamental, veja bem. Em minha opinião a “cultura da apostila” não é benéfica para ninguém porque não cria no aluno o hábito de ler, comprar e consultar livros, que é um pilar fundamental para a elevação do nível cultural de uma nação. Vale sempre a pena lembrar que vende-se mais livros na Argentina que no Brasil, sendo que o Brasil tem uma população 4,5 vezes maior que a da Argentina.

Além disso o aluno pode acabar tendo acesso a um material plagiado (infelizmente isso ocorre), com erros (editoras possuem revisores, coisa que escolas provavelmente não têm) e o autor da apostila pode acabar sendo explorado, não remunerado como deveria, ter seu material plagiado por escolas concorrentes e, o que é pior, ter seu material registrado em nome da escola.

Esta “cultura da apostila” expande-se para cursos livres, como os de informática. O pior é que em muitos casos o custo de se adotar um livro-texto é menor do que o de se elaborar uma apostila, mas esta “cultura da apostila” está tão impregnada que muitos cursos nem sequer cogitam em pesquisar qual seria o custo de se comprar um livro-texto em quantidade para oferecer aos seus alunos.

Bem, acho que vocês já entenderam o meu ponto de vista, o que eu queria mesmo era mostrar as tais “pérolas” que encontrei perdidas no meu armário.

A primeira foto é de uma apostila de um tal “Grupo de Cursos” que atua no interior de SP. A apostila preparada para o curso de hardware deles é grossa e 95% dela é formada por artigos copiados do Clube do Hardware e de alguns trechos dos meus livros. Infelizmente além deste curso vários outros plagiam nosso material.

Apostila Plagiada

A segunda foto é o caso mais sério de plágio que tive até hoje. Trata-se de um livro intitulado “Montagem, Manutenção e Configuração de Micros” e “escrito” por uma dupla de plagiadores. Eles tiveram a cara-de-pau de copiar não só o texto dos meus livros mas também as figuras. Por que não processei? Boa pergunta. Eu passei a bola para a Axcel Books, que na época publicava meus livros, mas eles não levaram o processo adiante (este é um outro motivo pelo qual eu não publico mais livros através desta editora).

Livro Plagiado

O terceiro exemplo de plágio é um pouco mais complicado de ser provado e por isso resolvi não levar o processo adiante. Trata-se de uma revista de Hardware que incluiu um CD-ROM que era parcialmente copiado do nosso CD-ROM Drivers Vol. 1. O problema era justamente esse, era só parcialmente copiado, tornando a prova e a atribuição de um valor para a nossa causa uma coisa complicada (mas a parte copiada era claramente nossa, visto que os arquivos .txt que eu escrevi e adicionei em vários drivers estavam presentes neste CD).

Revista Plagiada

Nesses quase 11 anos de Clube do Hardware já fomos alvo de inúmeros plágios e estou mencionando aqui apenas os que eu achei aqui no armário.

Compartilhar



  Denunciar Post no Blog
Entre para seguir isso  

Comentários de usuários


Gabriel Torres lembre-se! PERSONALIDADE e CARATER são duas perolas que você criou o conquistou e nenhum plagiador ira tirar de você !

Um abraço !

Tenho adquirido muitos conhecimentos com você e o sit do Clube do Hardware !

Obrigado !

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Pois é... por isso quando sou convidado para produzir apostilas de manutenção em PCs para certas "Escolas de informática" digo: "Não posso no momento. Obrigado!", pois sei que duas semanas depois outras "escolas" estarão copiando... coisas de medíocres aproveitadores da boa fé. Por isso fico em meu laboratório me deliciando com meus antigos e atuais PCs!!!!

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Realmente todo mundo sai perdendo com o Plágio.Ele desestimula os Criadores de conteúdo a criar mais e mais.

Agora citar é uma coisa,daí pra plagiar e sair vendendo em bancas é pura sacanagem.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

O terceiro exemplo de plágio é um pouco mais complicado de ser provado e por isso resolvi não levar o processo adiante. Trata-se de uma revista de Hardware que incluiu um CD-ROM que era parcialmente copiado do nosso CD-ROM Drivers Vol. 1. O problema era justamente esse, era só parcialmente copiado, tornando a prova e a atribuição de um valor para a nossa causa uma coisa complicada (mas a parte copiada era claramente nossa, visto que os arquivos .txt que eu escrevi e adicionei em vários drivers estavam presentes neste CD).

Deve ser realmente complicado com relação à questão de atribuição de valor para o devido processo, mas em relação a provar que é plágio não acho que seja, haja vista que o CD-ROM Drivers vol. 1 foi devidamente registrado no que se refere à Lei de Direitos Autorais antes do referido CD da revista.

Realmente cinismo, dissimulação e covardia não possuem limites. Plagiadores são tremendos parasitas, corroídos ora pela preguiça de pensar (ou incapacidade de fazê-lo), ora pela malícia, ganância e inveja.

Não deixe barato, Gabriel. A impunidade alimenta o criminoso e o contraventor, além de levar às pessoas que buscam informações material distorcido, incompleto e sem o conhecimento de quem é o legítimo autor e da verdadeira obra.

Parabéns pelas obras, pela criatividade e pela organização, Gabriel Torres. Um grande abraço!

Editado por CEG

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Ahhh duvido que ninguém nunca fez um plágio na vida.....

Pode ser, mas ha aqueles que se arrependem e retiram imediatamente da publicação

Nunca faria um livro tipo plagio

Mas uma vez quando adolescente, copiei um artigo do proprio CDH para o meu 1º blog de informatica em 2005/2006, logo pensei, qual sera minha satisfação se nao fui eu que escrevi... ? Outra, para que fazer algo que ja existe ? esta certo que em noticias isso é comum, varios sites e canais publicando a mesma noticia ja que o autor geralmente é neutro (proprio fabricante), mas artigo ? pensei, muito sem graça ser um apenas um "deja vu"... então, logo retirei o artigo tipo teste e comecei a fazer os meus... pensando na mesma posição de autor.

E com essa linha de pensamento eu Queria fazer uma pergunta para o Gabriel Torres.

Plagio fisico, livros por exemplo, é bem fácil a denuncia por se tratar de algo fisico, data de publicação e etc com registros de cpf, cnpj e etc...

Mas como nos protegemos artigos, testes, e etc na Internet ? a cada artigo publicado por exemplo*

Logo mais dou exemplo bem claro (assim que receber treplica)

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×