Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se
José Guilherme Amuchastegu

Acelerômetro MEMS + Software

Recommended Posts

Olá pessoal,

Eu sou engenheiro mecânico e não tenho conhecimento algum sobre eletrônica e gostaria da ajuda de vocês!

Quero medir a vibração de um equipamento e visualizar alguns gráficos de acordo com o explicado abaixo:

 

Pelo o que eu entendo, eu teria que dividir esse projeto em 03 "áreas", sendo o sensor, "placa de aquisição" e software:

Sensor - pelo o que pesquisei os acelerômetros MEMS são baratos e atendem minhas especificações técnicas (amplitude, frequência, temperatura, etc). Entretanto estou confuso em qual acelerômetro selecionar....por exemplo, o acelerômetro ADXL356 e ADXL345 atendem minhas especificações, sendo que o 356 possui saída analógica e o 345 possui saída I²C, SPI....não sei o que isso significa e nem como decidir qual comprar.

"Placa de Aquisição" - minha maior dúvida está em como "ler" os dados do acelerômetro e "transferir" para o software de processamento de sinais. Como eu poderia fazer isso?

Software - vocês sabem se já existe algum software pré definido para eu fazer o processamento de sinal do sinal de vibração? O processamento de sinal que eu tenho que fazer é o seguinte:

     - Gráfico --> Aceleração vs Tempo

    - Gráfico --> Aceleração vs Frequência (é necessário fazer uma FFT)

    - Gráfico --> Velocidade vs Tempo (é necessário integrar o sinal de aceleração)

    - Gráfico --> Velocidade vs Frequência (é necessário fazer uma FFT)

 

Quem puder me dar um norte, eu agradeço!

 

Obrigado,

 

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Saída analógica, como o próprio nome indica é uma tensão proporcional a amplitude do fenômeno. É mais fácil de se trabalhar, dá para fazer um amplificador simples com 2 pilhas e com o uso de um voltímetro se faz a leitura.

I2C e SPI são padrões de comunicação serial utilizados em microcontroladores. Isso significa que o modelo 345 possui internamente um ADC e um controlador de comunicação. Se pretende mandar o sinal para um microcontrolador o uso dele será uma  mão na roda.

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 28/07/2018 às 17:55, Sérgio Lembo disse:

Saída analógica, como o próprio nome indica é uma tensão proporcional a amplitude do fenômeno. É mais fácil de se trabalhar, dá para fazer um amplificador simples com 2 pilhas e com o uso de um voltímetro se faz a leitura.

I2C e SPI são padrões de comunicação serial utilizados em microcontroladores. Isso significa que o modelo 345 possui internamente um ADC e um controlador de comunicação. Se pretende mandar o sinal para um microcontrolador o uso dele será uma  mão na roda.

@Sérgio Lembo

 

Obrigado pela resposta.

O que eu tenho que utilizar para conectar a esses sensores? Um Arduíno? Um micro processador?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O módulo Arduino já é um microcontrolador montado, facilita o uso, tem diversos acessórios destinados a ele o que te livra de ter que projetar uma placa eletrônica, é brincar de Lego. Como opção tb se tem o módulo ESP32 com mais memória e capacidade de processamento, wi-fi integrado e por um preço praticamente igual ao Arduino. Sobre a série de Fourier e outros tratamentos, pretende fazer isso no microcontrolador ou transferir os dados para um PC?

Vai ter que fazer umas considerações ao escolher o microcontrolador pronto que irá ler o sensor: taxa de amostragem, capacidade de memória e capacidade de processamento. Verifique se o modelo com saída I2C / SPI tem a capaciadde de amostragem que necessita. Não sei o quanto pretende exigir desse seu microcontrolador. O ESP32 e outros modelos ESP trabalham com muito mais memória que o Arduino (1000X) e possuem uma capacidade de processamento muito maior. Muitos desses modelos tem WI-FI integrado com capacidade para Bluetooth e wi-fi 802.11 que é esse que usamos em rede doméstica, o que pode te livrar de ter que fazer cabeamento de instrumentação na área.

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@José Guilherme Amuchastegu ,

 

Uau ... processamento de sinais ????

 

Afinal, como você vai calcular a vibração a partir de um acelerômetro ?

 

O tipo de vibração tem de ser em frequências que o seu acelerômetro tenha condição de medir no tempo adequado e com precisão suficiente.

Eu sugiro um modelo que faça a conversa por I2C ou por SPI, pois terá uma precisão maior nas medidas.

Os seus gráficos dependem muito da capacidade da resposta do Mems que você escolher, e a frequência da vibração é fundamental na escolha devido aos tempos de resposta necessários, e a possibilidade de medição em curtos intervalos de tempo. 

Você terá de capturar os dados em um buffer, e tratar esse buffer logo após a captura completa, e fazer o tratamento matemático da FFT e da Integral. Essa parte é que será complicada....

 

Paulo

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Me dei ao trabalho de olhar esse modelo de sensor. É um acelerômetro, tenho dúvidas se servirá ao seu propósito. Creio que vai cair num sensor de piezo analógico. Dependendo das frequências a serem lidas vai precisar de um MCU bem rápido e um ADC igualmente rápido. Creio que um módulo de ADC rápido conectado num módulo de 32bits será a melhor solução nessa aquisição de dados. O tratamento deixa pro PC fazer. Vibração, piezo... isso me fez lembrar dos toca-discos.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Também sou engenheiro mecânico, e fiz alguns experimentos com os acelerômetros MEMS na minha tese de graduação. Possuo conhecimento raso em comparação a um engenheiro eletricista especializado.  Mas, compartilho algumas situações que passei:

 

- UART, I2C, SPI, CAN... são protocolos de comunicação que servem para organizar e interpretar dados digitais entre os sensores e o sistema de aquisição. Todos possuem frequências padrões para essa transmissão. Deve-se atentar a taxa mínima necessária de clock (frequência de dados transmitidos em cada canal). Certas aplicações (ex: identificação de danos em rolamentos) exigem que os acelerômetros aquisitem a milhares de Hertz (10,20 Khz), portanto precisará de uma taxa transmissão de dados nessa grandeza. 
- Dependendo do microcontrolador, por exemplo Raspberry pi, só será aceitos dados digitais. Caso esteja trabalhando com um sensor analógico, necessitará de um conversor Analógico/Digital (A/D) e, provavelmente, um filtro analógico passa-baixa evitando a amostragem de frequências que nada dizem com o fenômeno(aliasing). Os microcontroladores disponíveis a baixo custo que conheço são Arduino, raspberry pi, ESP32, MSP430, TIVA C. A maioria utiliza a linguagem de programação em C/C++, ou assembly.  

- Acelerômetros MEMS são bons devido ao preço baixo em comparação aos Piezoelétricos. Porém, deve-se atentar ao nível de ruído a certa frequência de aquisição. Dependendo da aplicação industrial, não vale a pena. Outro ponto a ser estudado é o tipo de fixação do acelerômetro na estrutura (ela influência na frequência de aquisição). 

- O matlab e até o excel tem várias ferramentas para o processamento de dados seja no domínio do tempo ou da frequência. Sugiro ler algumas normas sobre ensaios de vibração em paralelo para ter um norte melhor para qual método utilizar. 

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×