Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se

aphawk

Membros VIP
  • Total de itens

    17.173
  • Registro em

  • Última visita

  • Qualificações

    0%

Reputação

3.262

Sobre aphawk

  • Data de Nascimento 07-02-1960 (58 anos)

Informações gerais

  • Cidade e Estado
    São Paulo, SP
  • Sexo
    Masculino

Outros

  • Ocupação
    Hardware
  • Interesses
    Pescar, jogar, bons restaurantes, pesquisar novidades, andar de moto, inventar montagens, e principalmente criticar o Ensino do jeito que está sendo feito....
  1. Eu creio que tem de ir estudando coisas básicas e montando elas também ao mesmo tempo. Uma pequena fonte de alimentação, um multimetro, um ferro de solda e uma protoboard e pronto, já poderá fazer associações de resistores e medir correntes, resistores equivalentes, verificar as leis básicas, e ir fixando a base teórica. Depois, montar pequenos projetinhos, que existem aos milhares por tantos sites , e verá a evolução muito rápidamente. Se não souber, aprenda Inglês, não precisa falar, mas sim LER bem é fundamental. Acredite em quem fez isso, eu começei a montar algo com 12 anos, aos 17 já tinha montado muita coisa, fontes, amplificadores, equalizadores, prés, rádio AM e FM, circuitos lógicos, alarme de carro, sequencial, etc .... e tudo baseado em revistas e alguns livros técnicos, nem BBS tinha naquela época kkkk Quem gosta disso consegue aprender por conta própria, e com alguns anos dá um banho em muito engenheiro que tem por aí ! Hoje em dia, com a Internet rápida que temos, eu se tivesse escolha não faria faculdade. Seria um excelente autodidata, economizaria o dinheiro da faculdade e montaria um baita laboratório, e depois poderia fazer cursos mais especializados. Paulo
  2. @vpmaciel , Vou ser sincero com você: Nenhum curso no Brasil vai te dar o conhecimento para projetar nenhum dos ítens que você citou acima ! E muito menos criar um novo componente eletrônico, pois a formação necessária par isso é em Fisica, mas com muitas especializações. Repare bem : quando “fabricamos” algum desses produtos no Brasil, fazemos apenas a integração das várias partes que costumam vir já montadas de outros países. Estamos com uma defasagem tecnológica absurda, tanto industrial como no ensino técnico. Para conseguir fazer qualquer um dos projetos que você citou, vai ter de ir estudar fora daqui, e em bem poucos países ! Paulo
  3. @Renan211 , Sim, deve ser isso mesmo. A formação em computação não tem a mesma base teórica em Eletrônica propriamente dita. No meu tempo Computação eram apenas 4 anos de curso, enquanto eu tive de fazer 5 anos. Paulo
  4. @Otavio Pessini Bini , Vi que voce colocou o eletrolitico, mas .... ( sempre tem um Mas ...) continuou ligando os pinos do Pic que devem ir ao GND e ao VCC nos dois conjuntos de barras de alimentação do protoboard : tanto na barra da esquerda como na barra da direita ! Mude isso, ou liga tudo nas barras à esquerda ou nas barras à direita ! Nas duas ao mesmo tempo pode ter problemas de não iniciar o oscilador a cristal. Ah, outra coisa : monte o cristal e os dois capacitores diretamente nos pinos do PIC !!! Essa montagem longe, levando a ligação com fios até eles não dá certo ! Paulo
  5. @bgbruno03 , Tem de verificar no site do MikroC se ele suporta esse seu modelo. O MikroC não é da Microchip ... Paulo
  6. @DL.Fernandes , Pode fazer 64 amostragens a cada ciclo de 60 Hz que já terá uma boa medida. Se quiser uma medida mais precisa, pode ir aumentando a quantidade de amostragens, seu limite é dado pelo tempo mínimo de conversão do A/D e da pequna rotina de interrupção que devera pegar a medida, calcular o seu quadrado e ir totalizando até a última leitura feita. Para chegar ao extremo pode fazer essa interrupção diretamente em Assembly, usando na prática o clock máximo do conversor A/D de 250 Khz, que no caso do Arduino vai te dar um tempo de conversão de 52 microsegundos . Uma rotina de interrupção em Assembly fazendo a multiplicação e o tratamento genérico consumirá mais uns 8 microsegundos, vamos deixar como 9 por segurança, e teremos um tempo total de 52+9 = 61 microsegundos, e poderemos chegar a um sampling de cerca de 16.000 amostragens por segundo, o que daria cerca de 16.000 / 60 = 266 amostras a cada ciclo de 60 Hz ! Para simplificar a temporização necessária, pode usar o multiplo de 2 mais próximo, que é 256 amostras a cada ciclo de 60 Hz, o que vai te dar a máxima resolução possível com o Arduino . Veja que estou usando um valor acima do máximo recomendado pelo Datasheet, mas muita gente afirma que os Avrs da familia Atmega fazem isso sem nenhum problema na conversão ( e eu mesmo já usei e testei com sucesso ). Agora, se fizer essa rotina de interrupção apenas usando a IDE do Arduíno, não sei qual é o limite... eu usaria o valor de 128 amostras como mais seguro, o que também já te dá uma boa resolução! Quanto ao seu TC, ele então já lhe dá uma saída de tensão AC , tipo voce terá na saída dele algo tipo X milivolts para cada Ampére na entrada. Agora, lembre-se que o conversor A/D só mede tensão DC , então vai ter de usar mais alguns amp ops para isso ok ? Paulo
  7. @DL.Fernandes , Bom, todos os links que coloquei estou acessando normalmente, neste momento estou respondendo no meu Iphone .... Você está se preocupando muito com a frequência de amostragem ... ela é determinada pela nossa quantidade de amostras que queremos em período da frequência da rede : se quiser uma precisão maior, pode aumentar a quantidade, por exemplo em vez de 32, use 64 amostras, que no periodo equivalente a uma senóide de 60 Hz determina a frequência de 64 * 60 = 3840 Hz. Esquece FFT, pois nao estamos procurando nada de harmônicas, para o uso residencial podemos focar que a frequência muito predominante é a de 60 Hz. Precisa ver se o seu transformador de corrente já tem o resistor embutido, ou não. O uso desse circuito condicionador é simplesmente um amplificador seguido de um filtro passa baixa para evitar o efeito de aliases. Paulo
  8. @DL.Fernandes , Eu estava editando o post e você respondeu kkk ! Veja o artigo aqui : https://www.embarcados.com.br/aquisicao-de-dados-excel-e-arduino/ Ah, achei o post sobre o ACS712 e o projeto do medidor de fator de potencia, completo com fonte e arquivo de simulação ... acho que basta uma lida para você entender o sistema ok ? Segue : E sobre o cálculo do valor RMS : Já deve uma cerveja para a @Isadora Ferraz , e duas para mim ..... já vi que até o final de seu projeto vou tornar-me um ébrio kkkkk ! Paulo
  9. Calma .... a menos que você tenha uso para isso em outro projeto, porque vai te consumir muita RAM só para manter um FAT ! Existe uma dll para o Windows que permite ao Excel receber os dados via serial ! Mais fácil do que isso só melzinho na boca ... Inclusive faz alguns meses eu passei o link do tutorial sobre isso. Relaxa porque isso é fácil ... Faz mais de um ano, eu respondí um post para um cara que queria medir o fator de potência com um Arduíno, ao final acabei postando um projetinho inteiro no Proteus, junto com o programa em Basic. A ideia é voce amostrar a senóide de 60 Hz 32 vezes , e usar o famoso método de soma dos quadrados ( veja a teoria de cálculo do valor RMS, fica bem simples de se calcular em tempo real. Mas eu também expliquei isso em um post antigo sobre um sensor de corrente do tipo ACS712 , procure aqui no Fórum ok ? A tensão voce calcula pelo mesmo princípio se quiser, ou simplifique, usando u simples transformador , retificando em ponte completa, filtrando com um capacitor e resistor adequado, usando um divisor resistivo para poder medir pelo conversor A/D , e obterá o valor de pico, que basta dividir por raiz de 2 ( acho né ... kkk idade é fogo ! ) e obterá o valor RMS. Paulo
  10. @DL.Fernandes , Bom, tá parecendo bem mais simples do que eu pensei kkkk mas isso por causa de você não estar AINDA tentando armazenar dados no cartão SD ! Me diz uma coisa, existe a possibilidade de enviar todas as leituras em tempo real para o Excel ? Porque a princípio podemos configurar um baud rate de 115k ( talvez mais ainda, tipo 250K ) , e assim conseguiremos fazer o sampling na velocidade que você pretende. Mas vai precisar de alguma engenhosidade por causa das interrupções e tempos envolvidos... Me desculpe a minha curiosidade , esse seu projeto usa essa library Emonlib, que pelo que eu me lembro, quando ví o projeto original dela, era usada para fazer os cálculos de corrente, tensão e potência através de sensores comuns, certo ? Ela foi escrita para se adequar a um determinado Sampling Rate . Não sei se ela suporta uma mudança de amostragem tão brusca, porque ela envolve cálculos de ponto flutuante, e isso consome bastante tempo do processador .... A boa notícia é que você não precisa dela ! Nada te impede de você fazer o sampling das corrente e calcular o valor RMS dela, a cada ciclo do 60 Hz, enviar esses dados pela serial, perdendo o próximo ciclo de 60 Hz, e refazer tudo de novo e assim por diante ! Assim não envolve nada além do seu Arduíno Uno. Paulo
  11. @Otavio Pessini Bini , Opa, por aqui tudo beleza sim kkk ! Repare o circuito formado pelo seu capacitor de desacoplamento... ele não faz desacoplamento nenhum, pois deveria estar "colado" aos pinos do PIC, em vez de estarem ligados nas barras que se ligam através de fios, formando indutâncias e resistências à passagem da alta frequência. O circuito oscilador a cristal muitas vezes não consegue oscilar justamente por causa desse problema ! E cadê o eletrolítico ? Ele é muito importante para estabilizar as possíveis variações de corrente, por exemplo quando aciona um Led. Não tenha vergonha de colocar esses capacitores em cima do Pic, pode até mesmo colocar atravessado em cima, dependendo da posição dos pinos de GND e de VCC. Outra dica : existe um par de barras de alimentação à esquerda do Pic, e outro par á direita do Pic, certo ? Faça todas as ligações de GND e de VCC do PIC usando apenas uma dessas barras ! Evita os famosos loops de corrente que podem fazer sua simples montagem ter problemas absurdos e te deixar doido kkkk ! Paulo
  12. @Otavio Pessini Bini , Faltam o famoso parzinho de capacitores : um cerâmico de 100nF e um eletrolítico de valor entre 10 a 47uF, ambos colocados o mais perto possível dos pinos de +VCC e GND do Pic... Detalhe que se aprende na prática ! Paulo
  13. @LucasElt , A intenção de todos que participam aqui é a de ensinar, mas esperamos que, em troca de nosso tempo, quem nos pede ajuda queira de fato aprender de verdade. Eu me sinto um pouco decepcionado quando vejo que a intenção é apenas passar de ano. O conhecimento que temos aqui neste Fórum supera o de qualquer professor que você irá encontrar em sua vida. É uma oportunidade que deveria ser mais bem aproveitada. Até consigo entender que hoje o ensino no Brasil caiu tanto de nível que vocês que estão se formando chegam na situação absurda de ter de aprender o básico fazendo o TCC, quando o correto seria aprender todo o básico de tudo dirante o curso e o TCC seria a coroação do esforço, servindo como um aprendizado prático de grande profundidade, feito nos laboratórios e com a presença constante de um orientador. Quanto a nós, que estamos aqui há muitos anos, tentamos sempre passar o conhecimento adiante, sempre de forma gratuíta, e sempre sem sermos remunerados, pois é um trabalho voluntário. Paulo
  14. @thiagovasco , Não consigo te explicar o funcionamento em termos de fluxo de corrente, existem várias malhas diferentes, e em muitas delas a corrente se divide nos vários componentes de uma junção, sendo que o fluxo pode se inverter em vários ramos conforme ocorre a oscilação. O efeito que ocorre é a soma de todas essas correntes de diferentes ramos e sentidos variáveis em função do tempo. Paulo
  15. @DL.Fernandes , Bom, embora seja um zero à direita e à esquerda nessa linguagem do Arduino, vou tentar te ajudar. Primeiro, se você pretende fazer 4096 amostras em 1 segundo, o que que você pretende fazer com essa informação ? Se pretende armazenar elas, lembre-se de que o Atmega328P tem apenas 2K de memória Ram, mas a IDE utilizada usa bastante memória só para o funcionamento de seu programa. Vamos assumir que voce teria livre cerca de 1,8K , o que eu acho muito, mas vamos em frente .... Suas amostragens serão em quantos bits ? Porque se forem em mais de 8 bits, vai precisar de dois bytes de RAM para armazenar cada leitura obtida. Mas vamos supor que lhe bastam leituras em apenas 8 bits : Vai conseguir apenas armazenar cerca de 1800 leituras, em vez de 4096. Se for amostrar em mais bits, pior ainda, cabem apenas 900 leituras ! Pelo que eu lí, suponho que você quer fazer uma DFT, e vai querer dividir em barras de frequência para calcular os harmônicos, certo ? Já fêz o cálculo de quanta memória será necessária para poder concluir os seus cálculos ? Esqueça a ideia de utlilizar uma memória externa tipo I2c, ela é muito lenta para poder transferir as suas leituras para ela antes de perder a próxima amostragem. O que pode ser feito é utilizar um Arduino Mega2560, e utilizar uma memória estática SRAM externa, no modo paralelo mesmo, com uma SRAM de 32K você consegue fazer isso tranquilamente. Supondo que isso seja resolvido, vamos continuar : A IDE do Arduino vai ser o seu maior inferno, pois ela não permitirá você configurar a temporização para atender a sua conversão, mas claro que pode ser feita, desde que você configure "na mão" os registradores necessários para fazer a conversão, na taxa que você precisa, na quantidade de bits que você precisa, habilitando a interrupção ao final de cada conversão efetuada. Ah, e claro, uma boa rotina de interrupção, que vai guardando os dados até chegar a quantidade necessária, sendo que neste momento sinalizará ao programa principal que o buffer está cheio, e esse programa irá desabilitar a interrupção e irá prosseguir na montanha de cálculo .... Aguardo seus comentários ... adicionado 8 minutos depois @Isadora Ferraz , Eu acho que isso espanta mesmo...., porque tem coisas feitas pela "turminha do Arduíno" que é de tirar o chapéu ... lembre-se de que conseguiram emular um Apple ][ num simples Arduíno Uno, coisa que é impossível para mais de 99,9999 % dos verdadeiros profissionais, por causa da temporização necessária para gerar o vídeo no Apple .... Mas concordo que quando o post começa com "Galera" ou "Galerinha" , eu também torço o nariz .... Paulo

Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×