Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  

Fonte de Alimentação Tagan TurboJet TG1100-U95 de 1.100 W

       
 80.011 Visualizações    Primeiras Impressões  
 1 comentário

A TurboJet TG1100-U95 é uma fonte de alimentação de 1.100 W da Tagan desenvolvida para usuários com quatro placas de vídeo SLI e que possui uma excelente apresentação estética. Nós desmontamos completamente esta fonte. Confira.

Fonte de Alimentação Tagan TurboJet TG1100-U95 de 1.100 W
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Análise do Secundário

Apesar de esta fonte ter dois transformadores, as saídas de todos os retificadores de +12 V estão ligadas juntas.

Esta fonte de alimentação usa oito retificadores de potência Schottky em seu secundário, quatro 63CPQ100 (60 A a 153° C, 30 A por diodo interno) e quatro 40CTQ045 (40 A a 116° C, 20 A por diodo interno).

A saída de +12 V usa todos os quatro retificadores Schottky 63CPQ100. Dois deles são ligados a um dos transformadores e os outros dois são ligados ao outro transformador. No entanto, as saídas dos quatro retificadores são ligadas juntas. A corrente máxima teórica que a linha de +12 V pode fornecer é dada pela fórmula I / (1 – D), onde D é o ciclo de trabalho usado e I é a corrente máxima suportada pelo diodo responsável pela retificação (neste caso, formado por quatro diodos de 30 A, dois em paralelo ligados ao primeiro transformador e outros dois em paralelo ligados ao segundo transformador). Apenas como um exercício teórico podemos assumir um ciclo de carga de 30%. Isto nos daria uma corrente máxima teórica de 171 A ou 2.057 W para a saída de +12 V. A corrente máxima que esta linha pode realmente fornecer depende dos demais componentes usados, em particular da bobina. Esta saída está claramente superdimensionada.

Para a saída de +5 V dois 40CTQ045 foram usados. A corrente máxima teórica que a linha de +5 V pode fornecer é dada pela fórmula I / (1 – D), onde D é o ciclo de trabalho usado e I é a corrente máxima suportada pelo diodo responsável pela retificação (neste caso, formado por dois diodos de 20 A em paralelo). Apenas como um exercício teórico podemos assumir um ciclo de carga de 30%. Isto nos daria uma corrente máxima teórica de 57 A ou 286 W para a saída de +5 V. A corrente máxima que esta linha pode realmente fornecer depende dos demais componentes usados, em particular da bobina.

Para a saída de +3,3 V também foram usados dois retificadores Schottky 40CTQ045 ligados em uma saída exclusiva do transformador, o que é excelente. Na grande maioria das fontes de alimentação quando a saída de +3,3 V tem seu próprio retificador ele é ligado na mesma saída do transformador em que a linha de +5 V está conectada, portanto o transformador limita a corrente máxima (e consequentemente a potência) que as linhas de +5 V e +3,3 V podem fornecer juntas (um conceito chamado “potência combinada”). Usando os mesmos cálculos apresentados acima, em teoria a saída de +3,3 V é capaz de fornecer até 57 A ou 189 W. Como dissemos antes, os outros componentes usados na fonte de alimentação limitarão a corrente máxima e a potência que esta saída pode na verdade fornecer.

Nas figuras abaixo você pode ver os retificadores usados no secundário desta fonte de alimentação.


Figura 24: Retificadores usados no secundário.


Figura 25: Retificadores usados no secundário.

Na Figura 26 você pode ver o sensor térmico desta fonte, responsável por alterar a velocidade de rotação da ventoinha de acordo com a temperatura interna da fonte. Normalmente este componente está instalado diretamente no dissipador de calor do secundário ou abaixo dele, mas nesta fonte de alimentação este componente está localizando dentro da bobina de ferrite de +12 V.


Figura 26: O sensor térmico desta fonte de alimentação está localizado dentro da bobina de ferrite de +12 V.

Editado por

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Artigos similares


Comentários de usuários


Puts.....mais um engana trouxas 1100W e não chega a 768W realmente acho que o grande obstaculo de quem monta PC hoje é conseguir uma Fonte de um fabricante honesto. Confesso que já to de saco cheio de procurar testes sobre fontes. Pra mim o Clube do Hardware deveria ser cobrado assim como todos as porcarias de sites, como pornos relacionamentos jogos etc. pois tem exclusividade em certos conteudos. Porque acho isso? Porque muitas pessoas pagam pra ver porcarias na net e não reclamam, o Gabriel no meu ponto de vista deveria cobrar tb poque assim ele conseguiria comprar equipamentos necessarios pra testes inclusive de Fontes e essa area seria restrita somente para assossiados que pagam isso sim pra mim é democratico e tb acabava com esse negocio de ficar pagando pau pra fabricante mandar pra testes, até revistas em bancas não são de graça e seus testes são as vezes tendensiosos. E o Clube do Hardware tem todo direito na minha opinião pra fazer isso. Area restrita so pra assinante. :wow:

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×