Ir ao conteúdo
  • Comunicados

    • Gabriel Torres

      Seja um moderador do Clube do Hardware!   12-02-2016

      Prezados membros do Clube do Hardware, Está aberto o processo de seleção de novos moderadores para diversos setores ou áreas do Clube do Hardware. Os requisitos são:   Pelo menos 500 posts e um ano de cadastro; Boa frequência de participação; Ser respeitoso, cordial e educado com os demais membros; Ter bom nível de português; Ter razoável conhecimento da área em que pretende atuar; Saber trabalhar em equipe (com os moderadores, coordenadores e administradores).   Os interessados deverão enviar uma mensagem privada para o usuário @Equipe Clube do Hardware com o título "Candidato a moderador". A mensagem deverá conter respostas às perguntas abaixo:   Qual o seu nome completo? Qual sua data de nascimento? Qual sua formação/profissão? Já atuou como moderador em algo outro fórum, se sim, qual? De forma sucinta, explique o porquê de querer ser moderador do fórum e conte-nos um pouco sobre você.   OBS: Não se trata de função remunerada. Todos que fazem parte do staff são voluntários.

MOR

Membros Plenos
  • Total de itens

    1.534
  • Registro em

  • Última visita

  • Qualificações

    0%

Reputação

971

4 Seguidores

Sobre MOR

  • Data de Nascimento 23-06-1952 (66 anos)

Informações gerais

  • Cidade e Estado
    Mangaratiba, RJ
  • Sexo
    Masculino
  1. Olha! Desde jovem gostava de eletrônica. Comecei com os cursos de radiotécnico por correspondência, depois fiz estágio gratuito em uma loja de conserto de aparelhos eletrônicos (para aprender na prática). Cheguei a montar amplificadores e consertar pequenos aparelhos de som. Mas sempre era montar, a partir do diagrama esquemático, fazer o layout do circuito impresso, juntar as peças, montar e testar. Acabava conseguindo botar para funcionar, mas parava aí. Comecei a ter o interesse em conhecer mais a fundo. Nenhum livro te fornece as informações por completo, pois a área é grande. Decidi fazer um curso de engenharia eletrônica e, como não tinha recursos, tive que estudar com mais empenho. Minha mãe foi a um bom cursinho pré-vestibular e conseguiu uma bolsa de 50%. Apesar das escolas públicas da época serem ótimas, foi imprescindível esse cursinho para passar para uma universidade pública, que por sinal na época, era a melhor existente no Brasil. Nos dois primeiros anos da universidade só aprendia as matérias que envolviam cálculos e física. À partir do terceiro ano é que comecei mesmo a ter aulas de eletrônica. Os dois primeiros anos foram realmente necessários, pois algumas matérias muito importantes usavam a matemática dada anteriormente. Você não aprende projetos específicos (amplificadores de áudio etc.). Você aprende a teoria e passa a poder projetar pequenos circuitos. Com o tempo, aliado aos seus interesses, você passa a querer entender o porquê daquele circuito, ou o porquê daquele resistor, capacitor, etc. A teoria aprendida e sua pesquisa particular, vão permitir identificar todo o corpo. É como se lhe ensinassem pequenas peças de de um grande quebra-cabeças genérico. De posse dessas peças você passa a montar o seu quebra-cabeças particular. A coisa funciona como uma escada e a cada semestre você sobe um degrau. Basicamente é isso aí. Conhecendo a teoria, você pode projetar qualquer coisa. Se for tentar estudar apenas amplificadores, ou circuitos específicos muita coisa vai ficar faltando. Se tiver oportunidade, tente fazer um curso superior. O primeiro degrau você já subiu, que é ter feito estas perguntas. MOR_AL
  2. Olá! Comprei um smartphone novo Samsung J7 Pro, modelo J730G/DS. Comprei um "Pau de Selfie" (PS) com um botão junto ao cabo, para não ter que tocar a tela, que ao tirar a foto ela fica longe. Acontece que a chave do PS não funciona. Apenas funcionou UMA ÚNICA VEZ, depois não mais. Acabei abrindo o PS e descobri que o botão (a chave tipo campainha) estava conectado a um micro circuito, algo cerca de 2,5cm x 1cm. Tinha alguns resistores e um circuito integrado SMD. Depois de pesquisar muito na net, descobri que tem um tipo de acionamento com uma chave e um resistor de 10k, mas no meu smartphone não funcionou. Descobri, também, que nas configurações do app (Open Camera), que tira fotos, tem a opção de usar o microfone (Opções de controle por áudio). Nele há as seguintes opções: 1 - Nenhum. 2 - Ruído alto. 3 - Comando de voz: "cheese". Imagino eu, que o circuito que tem no meu PS deva ser um gerador de ruído alto, ou a opção 2 anterior. Mas neste caso a entrada seria via o microfone (sinal de som) e não a entrada de microfone (sinal elétrico) que tem no conector P2. Ocorre que quando desmontei o PS, acabei danificando as ligações dele. Pergunto se alguém já passou por essa experiência e conseguiu tirar fotos com o PS com o J7 pro. Se alguém já conseguiu tirar fotos via PS com um circuito, me informe que consertarei o que destruí. Grato.
  3. No centro da cidade do Rio tem diversas lojas, que vendem areadores alimentados pela rede. Há curto prazo vai sair mais em conta que comprar estas pilhas, que já são difíceis de se encontrar. Tem uma loja perto do mercado das flores, na rua Buenos Aires. MOR_AL
  4. Estou usando uma bombinha dessas para clorar uma caixa d'água. Minha fonte é formada por um trafo e retificação. O trafo aguenta até 2 A mais pouquinho. Ligo o trafo na tomada e ele reclama, mas funciona. A bombinha puxa mais que 2A, pelo menos de início, quando começa a girar. Uma opção seria alimentar a bomba com menos de 12V. Com isso a corrente (e a vazão) diminui um pouco, mas talvez funcione. Obs: 1 - Outro detalhe é que observei que a alimentação de base do transistor (pino 11 do PIC) precisa de um resistor limitador de corrente. Sem ele ou o PIC vai reclamar por excesso de corrente no pino, ou o transistor pode estar sendo forçado. Eu colocaria um resistor entre 470 e 680 ohms entre o PIC e a base do transistor. 2 - A bobina do seu rele é alimentada com 5V regulados? Não precisa regular. Aliás, a comutação nessa bobina pode causar ruído elétrico na fonte e causar mau funcionamento no PIC. Porque você não coloca um rele com bobina para 12v, alimentada pela sua fonte de 12V do PC? 3 - Vejo que você usou uma placa com duas faces de cobre. Porque você não ligou a alimentação de +5V desde o que parece ser uma chave até o pino 14 do PIC? Isso evitaria um pouco de interferência no PIC, devido à comutação da bobina do rele. 4 - É importante colocar um capacitor de 100nF bem próximo aos pinos de alimentação do PIC. Isso reduz ainda mais interferência de ruído elétrico no PIC. 5 - Há algo estranho com seu layout. Parece que há alguns curtos entre filetes e ilhas. Verifique. Mas como já funcionou, ou o layout está desatualizado, ou você já corrigiu, ou ... MOR_AL
  5. Bom. Eu vejo o led acender devido a três entradas de um OU lógico. Quando a temperatura aumenta nos NTCs e as tensões em A OU B caem abaixo de 4,5V, a saída do comparador vai a nível lógico 1. Uma observação. Os pontos A e B não podem ser fontes de tensão com resistência de saída baixa. Caso ocorresse, a tensão nesses pontos não se alteraria com a temperatura, ou alteraria muito pouco, reduzindo a sensibilidade dos NTCs. O terceiro circuito, com as entradas A e B, forma um amplificador diferencial. Apenas a diferença de tensão entre A e B é amplificada. A saída vale B - A. Essa tensão TEM que ser igual ou maior que zero para poder sensibilizar o estágio seguinte (comparador). O potenciômetro ajusta a tensão de disparo deste comparador. Observar que este circuito não possui características bem definidas devido à observação anterior sobre os pontos A e B. O terceiro circuito considera que os pontos A e B sejam fontes de tensão. O circuito amplificador diferencial só fornece a tensão B - A caso essas fontes de tensão possuam resistência de entrada menor que 10k, pois um descasamento de 1% entre os quatro resistores já compromete a tensão B - A. Considerando que as resistências de entrada das fontes A e B sejam menores que 10k, então os dois circuitos de cima vão depender, e muito, de seus valores. Em tempo: Como a variação da temperatura COSTUMA ser lenta, as saídas dos comparadores poderiam possuir um mínimo de histerese. Isso evitaria transições espúrias quando as entradas dos comparadores tivessem tensões com valores próximos. MOR_AL
  6. Fiz um fluxograma, que já usei e funcionou, para evitar o "bouncing" produzido por contatos mecânicos. A vantagem do fluxograma é que pode ser usado para escrever o programa em qualquer linguagem. Ele permite alterar os tempos (valores de n e de delta t) para ser adaptado por qualquer chave. Segue a imagem do fluxograma. MOR_AL
  7. Olá @rjjj Foi legal você mostrar parte da solução. A ideia é mostrar apenas o "caminho das pedras", para que deixemos o exercício como aprendizado. Particularmente, quando o circuito tem mais componentes, costumo usar as leis das correntes nos nós. Facilita um pouco. Aquele Zth(f) como soma no denominador, vai dar um bom trabalho algébrico. MOR_AL
  8. Pessoal, estou tentando fazer vídeos com foco em eletrônica. Descobri o aplicativo Filmora e estou estudando ele. É um bom aplicativo para produzir vídeos, mas não consigo introduzir textos de duas maneiras: 1 - Colocar um texto SEM EFEITOS ESPECIAIS. Além de demorarem a aparecer (começa alguns segundos após o instante inicial registrado na linha do tempo), ainda demoram até o texto ficar pronto para ler. 2 - Colocar um texto COM FUNDO TRANSLÚCIDO OU FUNDO DE OUTRA COR. Às vezes quero colocar um texto sobre parte da imagem, mas devido ao fundo com diversas cores, o texto fica ilegível. Já procurei bastante na internet e não encontrei como fazer estas duas opções. Alguém sabe como resolver ? MOR_AL
  9. Isso só é resolvido por Laplace e as leis de kirchhoff das tensões nas malhas ou das correntes nodais. Fiz um tutorial aqui no fórum, que mostrava estas leis. Permaneceu por um bom tempo na sessão "Tópicos em Destaque". Mas os administradores o retirou de lá por algum motivo, apesar de muitos participantes já terem solicitado resolução de problemas que podem ser resolvidos estudando pelo tutorial. Tente pesquisar aqui no fórum. MOR_AL
  10. https://www.clubedohardware.com.br/forums/topic/1307396-dado-eletrônico-com-flip-flop-jk/ MOR_AL
  11. Agora pensei em um modo mais simples. Use o número de FF que corresponde o número máximo da contagem. Ex.: Contagem de 1 a 6. Faça um gerador de clock em cerca de 2kHz (um bom valor deve estar entre 1KHz e 10KHz). O valor exato não é importante. Ele sendo muito alto, não permitirá que o "jogador" possa prever o número que vai dar. 1 - Use 6 FF. 2 - Deixe um led SEMPRE ACESO Vcc - R - Led - Terra. Ele corresponde ao valor UM. 3 - Para os valores seguintes (2, 3, 4, 5 e 6). Use um FF para cada um (5 FF mais o sexto FF) em cascata. O FF que faz isso não é o JK, mas você pode converter o FF JK neste outro que mencionei. A entrada do FF2 vai ser sempre "1". Assim, este "1" vai sendo instalado na saída Q de cada FF seguinte e dos anteriores. Estude Shift Register. 4 - Quando o Q do FF7 (Q7), que corresponderia ao valor 7 (que não existe) for para "1". Use este valor para resetar todos. Como o primeiro LED estará sempre aceso, o reset faz a contagem ir para o valor 1. Um novo pulso de clock incrementará a contagem. 5 - O botão S1 deve interromper a contagem. Ou use um circuito lógico, ou use um mono-estável (ME). Ao pressionar o botão S1, o ME gera um pulso que interrompe a contagem durante o tempo dele. Algo como de 2 a 5 segundos dá para ver com calma o valor. Quando o tempo do ME terminar, a contagem recomeça do valor que estava. Mais um fator para não ser possível prever o valor seguinte. Ou pode usar uma chave L/D ao invés do ME. 6 - A contagem vai ser assim: O led sempre aceso vai corresponder ao valor 1. O pulso de clock seguinte faz Q2 acender TAMBÉM (os outros seguintes estão apagados), então a contagem está em 2. Os pulsos de clock seguintes irão fazer acender os leds seguintes. Enquanto a chave S1 estiver inativa, os leds 2, a 6 estarão comutando tão rápido, que não dará para saber seu valor atual. Não dará para parar a contagem no número que o "jogador" quer que dê. Bom. A minha ideia é essa. Ela até pode não estar totalmente correta. Como o trabalho não é meu, dediquei pouco tempo para ele. Vai depender de você verificar. Posso lhe orientar, como fiz, mas você é que tem que aprender fazendo. Minha contribuição termina aqui. Seria interessante você postar o seu trabalho depois, para sabermos como foi. Melhor ainda seria fazer um vídeo e colocá-lo no YouTube. Bons projetos. MOR_AL
  12. Bom. Aqui vão as dicas. Com o que seu professor já deve ter ensinado, vai conseguir resolver. 1 - Serão necessários 5 FF para contar de 1 a 5 e 6 FF para contar de 1 a 6. Poderiam ser apenas 3, mas aí teria mais circuitos lógicos. 2 - Eles devem ser configurados para reinicializar a contagem sempre que chegar a número mais alto (5 ou 6) 3 - Tem que ter um circuito lógico para manter o loop e para limitar a contagem. 4 - Tem que ter um gerador de clock com frequência de alguns kHz. Cada transição dele vai incrementar o contador. 5 - A chave S1 vai bloquear os pulsos de clock, ou o próprio clock. 6 - O display pode ser feito com leds e provavelmente com transistores para prover corrente de uns 10mA para os leds. É isso aí. Bons projetos. MOR_AL
  13. Cheguei a estudar válvulas no último ano que esta cadeira foi dada. Até projetei e montei um amplificador de potência (algo com 50Wrms REAIS) para um colega. O amplificador dele queimou e antes de jogar fora, ele me perguntou se eu podia fazer um amplificador com as peças daquele. Até que foi um projeto legal. Os parâmetros das válvulas não possuem variações de até cerca de 350% como nos transistores e variam muito menos com a temperatura. O mi delas, equivalente ao Hfe dos transistores valia o valor fixo que constava no manual. Você calculava um estágio amplificador sem realimentação negativa e o ganho na prática coincidia com o projetado. Mas hoje em dia, como já mencionado, as válvulas não são mais fabricadas em grandes quantidades, assim como as peças, que elas exigem (soquete, trafo de força, de saída, chassi, etc). Como consequência, o preço para montar um amplificador a válvula deve ser bem mais caro, que um transistorizado de mesma potência. Quanto à qualidade. A vantagem dos amplificadores a válvula em relação aos transistorizados é que o corte ou saturação do sinal ocorre suavemente e não abruptamente como nos transistorizados. Isso acarreta em distorção por intermodulação e harmônica. Com a facilidade de se conseguir amplificadores transistorizados com potências tão elevadas, o inconveniente do corte ou saturação ocorrerá com um nível além da surdez, ou seja, você nem vai perceber... VOCÊ NEM VAI PERCEBER!!! MOR_AL
  14. Na página 1de3, o diâmetro do fio 18 é 1,02mm, mas a área da seção reta está correta. MOR_AL
  15. Venho observando que muita gente tem dificuldades em calcular indutores usados em fontes chaveadas. No exterior, os fabricantes de núcleos apresentam gráficos que permitem calcular um indutor quase sem cálculos, mas por aqui, isso não é feito. Pelo menos para os núcleos que normalmente se encontram nas lojas de eletrônica. Por diversas vezes já mencionei, que a melhor referência que encontrei é o seguinte livro: Título: Transformer and Inductor Design Handbook Autor: COLONEL WM. T. MCLYMAN Empresa que detém os direitos: Marcel Dekker, Inc. Por diversas vezes tive a oportunidade de mencionar, que para se entender o cálculo de indutores e transformadores por meio deste livro, é necessário quase ter que lê-lo por completo. Mas se desejar apenas calcular o elemento magnético, há diversos capítulos que tratam os exemplos como "receitas de bolo". Mostram os cálculos passo-a-passo. O detalhe é que para os materiais dos núcleos e suas geometrias encontradas no comércio local, há uma série de parâmetros, que tem que serem buscados em outros capítulos. Sem mais delongas, vou mostrar o cálculo que fiz de um indutor, seguindo a receita do livro, que foi pedido por um colega em outro fórum, já há alguns anos. Coloquei como anexo, para poder ser baixado e verificado ou impresso em tamanho real. Seguem as imagens: A sequência de leitura é: 1 - Cálculo_Inditor_sem_Hanna_1de3.jpg 2 - Cálculo_Inditor_sem_Hanna_2de3.jpg 3 - Cálculo_Inditor_sem_Hanna_3de3.jpg 4 - Foto de Indutor.jpg 5 - Construção de Indutor.pdf (Senha MOR_AL) MOR_AL

Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×