Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

Como Converter Fitas Cassete para CDs ou Arquivos MP3

       
 54.425 Visualizações    Tutoriais  
 6 comentários

Aprenda como converter fitas cassete antigas para CDs ou arquivos MP3 neste tutorial passo-a-passo.

Como Converter Fitas Cassete para CDs ou Arquivos MP3
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Introdução

Se você tem fitas cassete antigas que possuem algum valor sentimental para você, talvez uma gravação do seu filho quando ele era pequeno ou uma gravação da sua avó que não está mais entre nós, ou se você deseja começar um negócio próprio convertendo fitas cassete para o formato digital, leia este tutorial, onde ensinaremos como converter fitas cassete antigas para CDs ou arquivos MP3. 

A primeira coisa que você precisa saber é que fitas cassete têm baixa fidelidade de áudio (baixa relação sinal/ruído), o que significa que não vale a pena converter conteúdos que já estejam disponíveis no formato digital. Você pode converter a sua antiga coleção de fitas cassete do Rolling Stones, mas a qualidade de áudio será muito inferior à da versão disponível em CD. Em outras palavras, compre os CDs ou arquivos MP3 em vez de perder tempo convertendo fitas. Mas se as gravações são pessoais e/ou raras, vale a pena convertê-las.

Aqui está uma lista do que você precisará:

  • Um toca-fitas, como o da Figura 1
  • Um cabo com um plugue de áudio macho de 3,5 mm em uma ponta e dois plugues RCA machos na outra ponta, igual ao da Figura 2
  • Uma placa-mãe ou placa de som com relação sinal/ruído em sua entrada analógica de pelo menos 100 dB.
  • Programa de gravação e edição de áudio. Nós recomendamos o Audacity, que é grátis. Você precisará baixar e instalar o LAME, que é um codificador MP3. Se você quiser salvar o seu trabalho em um CD de áudio, precisará de uma ferramenta de gravação de CDs (por exemplo, o Nero).


Figura 1: Toca-fitas


Figura 2: Cabo

Como você pode ver, nós recomendamos uma placa-mãe ou placa de som com relação sinal ruído de pelo menos 100 dB em sua entrada analógica (quanto maior este valor, melhor) se você pretende oferecer este serviço de conversão profissionalmente (esta especificação também é conhecida, em inglês, como “input SNR” ou “ADC SNR”). Esta especificação indica que o circuito de áudio integrado na placa-mãe não incluirá ruído em seu trabalho. Se você não for paranoico com qualidade de áudio, você pode fazer as conversões usando um codec de áudio com uma relação sinal/ruído menor. Para saber o nível de sinal/ruído da sua placa-mãe, consulte a coluna “Relação Sinal/Ruído de Entrada” do nosso tutorial “Tabela Comparativa dos Codecs de Áudio”.

Antes de conectar o toca fitas ao computador, você precisará limpá-lo e, opcionalmente, ajustá-lo. Leia o nosso tutorial “Como Limpar e Ajustar um Toca-Fitas” para aprender a como fazer isso.

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Comentários de usuários


Pela madrugada, fiz muito disso anos atrás. Por coincidência estou neste momento capturando uma fita "podre" de um amigo do meu pai. A fita tem uns 40 anos, em estado lamentável, qualidade do som deplorável. Nem imaginava que voltaria a capturar alguma fita K7 e me aparece uma.

Uso o Sound Forge 8.0 pra fazer a captura e edição. Ainda acho o melhor programa para essa finalidade. O deck é um Polyvox CP-750 que tava embalado e guardado. Mas agora tenho duas placas de som bacana para esse tipo de serviço. Uma EMU 0404 e uma Creative USB THX quem tem entrada auxiliar e phono.

Quando comecei a melhor placa era a AWE 64 ISA, um K6 233MHz e o Sound Forge 4.0. Levava um tempão para processar um LP ou fita capturada, dependendo do filtro. Quando digo tempão, era coisa de 30 minutos ou mais de 1 hora conforme o filtro e tempo de audio. Hoje com um i7 2600 e 16Gb faz em pouquíssimo tempo. É inacreditável como isso evoluiu.

O tutorial do Gabriel é um achado para quem nunca fez esse tipo de serviço. Parabéns.

Editado por Edney
complemento

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Na versão do Audacity que tenho aqui, o removedor de ruído possui vários ajustes.

Acho que o Gabriel Torres utilizou uma versão mais antiga, com menos recursos, mas na minha opinião, mais fácil de operar.

Eu já fiz coisa similar antes, mas plugava justamente no "Mic-in" e um belo dia o coitado deixou de funcionar :eek:.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Na versão do Audacity que tenho aqui, o removedor de ruído possui vários ajustes.

Acho que o Gabriel Torres utilizou uma versão mais antiga, com menos recursos, mas na minha opinião, mais fácil de operar.

Usei a última versão, a 2.0, lançada em 13 de março de 2012. Note que realmente há várias opções, mas falo para apenas clicar em caixas específicas, deixando as configurações em seus valores padrão.

Abraços,

Gabriel.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Usei a última versão, a 2.0, lançada em 13 de março de 2012. Note que realmente há várias opções, mas falo para apenas clicar em caixas específicas, deixando as configurações em seus valores padrão.

Abraços,

Gabriel.

Saudades desse tempo. O difícil é achar fitas em um estado relativamente bom que compense recuperar.

PS.: Gabriel, entre em contato por MP. Fiz umas pesquisas, mas não foram satisfatórias. Preciso ver sobre um livro seu. Abraços.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
PS.: Gabriel, entre em contato por MP. Fiz umas pesquisas, mas não foram satisfatórias. Preciso ver sobre um livro seu. Abraços.

Eu não uso o sistema de mensagens do fórum porque o pessoal só fica me mandando pergunta em vez de postar no fórum. Abra um tópico no fórum "Comentários ou Sugestões" ou mande um email para webmaster [arroba] clubedohardware [ponto] com [ponto] br.

Abraços,

Gabriel.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×