Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se

Rafael Coelho

Membros VIP
  • Total de itens

    10.358
  • Registro em

  • Última visita

  • Qualificações

    100%

Tudo que Rafael Coelho postou

  1. Você tem razão, os dados estão em quadros por segundo, já vamos corrigir.
  2. Tópico para a discussão do seguinte conteúdo publicado no Clube do Hardware: Placa-mãe Gigabyte Z490 AORUS PRO AX "Conferimos a Gigabyte Z490 AORUS PRO AX, placa-mãe topo de linha para processadores Intel Core i de décima geração, baseada no chipset Z490. Confira!" Comentários são bem-vindos. Atenciosamente, Equipe Clube do Hardware https://www.clubedohardware.com.br
  3. A Gigabyte Z490 AORUS PRO AX é uma placa-mãe topo de linha soquete LGA1200 baseada no novo chipset Intel Z490, suportando os processadores Core i de décima geração. Ela traz três slots PCI Express 3.0 x16, seis portas SATA-600, uma porta 2.5G Ethernet e rede sem fio Wi-Fi 6 (IEEE 802.11ax). Vamos dar uma boa olhada nela! A Intel lançou recentemente uma nova família de processadores, com codinome “Comet Lake”, que utilizam um novo soquete, chamado LGA1200, e novos chipsets. Um destes chipsets é o Z490, que é o mais topo de linha da nova geração. Foram anunciados ainda os chipsets H470, B460 e H410. O Z490 é praticamente idêntico ao seu antecessor Z390, oferecendo 24 pistas PCI Express 3.0 controladas pelo chipset, seis portas SATA-600 com RAID, suporte a memória Optane, seis portas USB 3.2 geração 2 e suporte ao padrão Intel CNVi, onde parte do hardware necessário para uma interface de rede sem fio está integrado ao chipset, e basta um módulo RF instalado em um slot M.2 específico para que a placa-mãe tenha o recurso Wi-Fi. As principais diferenças entre o Z490 e o Z390 são o suporte aos processadores Core i de décima geração e a interface Wi-Fi CNVi no padrão Wi-Fi 6 (IEEE 802.11ax), enquanto o modelo anterior suportava o padrão Wi-Fi 5 (IEEE 802.11ac). Você confere a placa-mãe Gigabyte Z490 AORUS PRO AX na Figura 1. Ela usa o padrão ATX, medindo 305 x 224 mm. Figura 1: placa-mãe Gigabyte Z490 AORUS PRO AX A Gigabyte Z490 AORUS PRO AX vem com três slots PCI Express 3.0 x16 e dois slots PCI Express 3.0 x1. Os dois primeiros slot PCI Express funcionam nos modos x16/x0 ou x8/x8, e o terceiro, sempre a x4. A placa-mãe suporta CrossFire e SLI com até duas placas de vídeo. Os dois primeiros slots PCI Express x16 são cobertos por peças de aço inoxidável que atuam como blindagem contra interferências eletromagnéticas, e também como um reforço mecânico para os slots. Há três slots M.2 para uso com SSDs, sendo que o primeiro deles (M2B_CPU) é reservado para uso futuro, não tendo funcionalidade com o hardware atual. Os outros dois são cobertos por dissipadores. Figura 2: slots Na Figura 3, vemos os slots M.2 voltados a SSDs com os dissipadores removidos. Ambos suportam dispositivos SATA e PCI Express x4 de tamanho até 22110. Figura 3: slots M.2 com os dissipadores removidos Os processadores da Intel soquete LGA1200 têm um controlador de memória integrado, o que significa que é o processador – e não o chipset – que define quais as tecnologias e a quantidade máxima de memória que você pode instalar no micro. A placa-mãe, no entanto, pode ter uma limitação da quantidade e tipo de memória que poderá ser instalada. Os processadores Intel Core i de décima geração são compatíveis com DDR4 até 2.933 MHz ou 2.666 MHz, dependendo do modelo. De acordo com a Gigabyte, a Z490 AORUS PRO AX suporta memórias DDR4 até 5.000 MHz em overclock. A Gigabyte Z490 AORUS PRO AX tem quatro soquetes de memória DDR4, suportando até 128 GiB nesta placa-mãe caso você use quatro módulos de 32 GiB. Para habilitar o modo de dois canais, você deverá instalar dois ou quatro módulos de memória idênticos. Para instalar apenas dois módulos de memória, use o primeiro e o terceiro (ou o segundo e o quarto) soquetes. Figura 4 soquetes de memória; instale dois ou quatro módulos para obter o maior desempenho possível O chipset Intel Z490 é uma solução de apenas um chip, também conhecido como PCH (Platform Controller Hub ou hub controlador de plataforma). Esse chip oferece seis portas SATA-600 controladas pelo chipset, suportando RAID (0, 1, 5 e 10). A placa-mãe traz estas seis portas SATA. Todas as portas SATA são instaladas na extremidade da placa-mãe e rotacionadas em 90 graus, de forma que a instalação de placas de vídeo não as bloqueie. Figura 5: as portas SATA-600 O chipset Intel Z490 suporta 14 portas USB 2.0, dez portas USB 3.2, sendo até seis delas padrão USB 3.2 Gen 2 (as restantes são padrão USB 3.2 Gen 1). A Gigabyte Z490 AORUS PRO AX oferece oito portas USB 2.0, quatro no painel traseiro e quatro disponíveis em dois conectores localizados na placa-mãe. Há seis portas USB 3.2 Gen 1, sendo três delas no painel traseiro e três disponíveis em dois conectores. Há ainda três portas USB 3.2 Gen 2 no painel traseiro (uma tipo C e duas tipo A), todas controladas pelo chipset. Esta placa-mãe suporta áudio no formato 7.1, gerado pelo chipset usando um codec Realtek ALC1220-VB, que oferece uma relação sinal-ruído de 120 dB para as saídas analógicas e 110 dB para as entradas analógicas, resolução de 32 bits e taxa de amostragem de 192 kHz. Trata-se de um codec topo de linha e essas especificações são excepcionais até mesmo para o usuário que pretende trabalhar profissionalmente capturando e editando áudio analógico. As saídas de áudio analógico são independentes, e a placa-mãe também vem com uma saída SPDIF óptica. A seção de áudio da placa-mãe é fisicamente separada do resto da placa para diminuir o nível de ruído e ajudar com que o codec atinja a sua relação sinal-ruído teórica. Na Figura 6, podemos ver o circuito de áudio da placa-mãe. Figura 6: circuito de áudio A placa-mãe analisada traz uma porta Ethernet 2.5G, controlada por um chip Intel I225-V. Este tipo de porta pode oferecer uma taxa de transferência de até 2.500 Mbit/s, 2,5 vezes superior à da tradicional porta Gigabit Ethernet, mas esta velocidade só será alcançada se o seu computador estiver conectado a um switch compatível com este novo padrão, o que ainda é muito difícil de se encontrar. Esta porta também é compatível com padrões anteriores, como Gigabit Ethernet. A Z490 AORUS PRO AX ainda vem com uma interface de rede sem fio Wi-Fi 6 (IEEE 802.11ax), controlada pelo chipset com o auxílio de um módulo Intel AX201 instalado em um slot CNVi junto ao painel traseiro. Podemos ver este módulo na Figura 7. Figura 7: módulo CNVi de rede sem fio Na Figura 8, podemos ver o painel traseiro da placa-mãe, que traz o espelho traseiro incorporado. Aqui vemos quatro portas USB 2.0, os conectores das antenas da interface de rede sem fio, uma saída HDMI, três portas USB 3.2 Gen 1, três portas USB 3.2 Gen 2 (duas tipo A, vermelhas, e uma tipo C), uma porta 2.5G Ethernet, saída SPDIF óptica e os conectores de áudio analógico. Figura 8: painel traseiro A Z490 AORUS PRO AX possui LEDs RGB na cobertura plástica na região do painel traseiro. A cor e mesmo o padrão de mudança na iluminação pode ser configurado tanto no setup da placa-mãe quanto por meio de um programa fornecido pelo fabricante. Na Figura 9, podemos ver os acessórios que acompanham a Gigabyte Z490 AORUS PRO AX. Figura 9: acessórios O circuito regulador de tensão da Gigabyte Z490 AORUS PRO AX tem 12+1 fases para o processador. Ele utiliza um chip controlador Intersil ISL69269 (que ainda não consta no site do fabricante) , e cada fase utiliza um circuito integrado Vishay SiC620A, com capacidade de 60 A, que contém os transistores do "lado alto" e do "lado baixo" requerido para cada fase. Figura 10: circuito regulador de tensão Segundo a Gigabyte, a Z490 AORUS PRO AX utiliza capacitores de tântalo. Se você quiser aprender mais sobre o circuito regulador de tensão, leia o nosso tutorial sobre o assunto. As principais especificações da Gigabyte Z490 AORUS PRO AX incluem: Soquete: LGA1200 Chipset: Intel Z490 Super I/O: ITE IT8795E ATA paralela: nenhuma ATA serial: seis portas SATA-600, controladas pelo chipset (RAID 0, 1, 5 e 10) SATA externa: nenhuma USB 2.0: oito portas USB 2.0, quatro no painel traseiro e quatro disponíveis através de dois conectores na placa-mãe USB 3.2 geração 1: seis portas, três no painel traseiro da placa-mãe e três disponíveis em dois conectores, controladas pelo chipset USB 3.2 geração 2: três portas no painel traseiro (duas tipo A e uma tipo C) Vídeo on-board: controlado pelo processador; uma saída HDMI Áudio on-board: produzido pelo chipset em conjunto com um codec Realtek ALC1220-VB (7.1 canais, relação sinal/ruído de 120 dB para as saídas e 110 dB para as entradas, resolução de 32 bits, taxa de amostragem de 192 kHz, saída SPDIF óptica Rede on-board: uma porta Ethernet 2.5G, controlada por um chip Intel I225-V Rede sem fio: Wi-Fi 6 (IEEE802.11ax) controlada pelo chipset em conjunto com um módulo CNVi Intel AX201 Fonte de alimentação: EPS12V + ATX12V Slots: dois slots PCI Express 3.0 x16 (trabalhando a x16/x0 ou x8/x8), um slot PCI Express 3.0 x16 (trabalhando a x4), dois slots PCI Express 3.0 x1, dois slots M.2 22110 compatíveis com PCI Express 3.0 x4 e SATA-600, um slot M.2 reservado para uso futuro Memória: quatro soquetes DDR4-DIMM (até DDR4-5000, máximo de 128 GiB) Conectores para ventoinhas: dois conectores de quatro pinos para o cooler do processador, seis conectores de quatro pinos para ventoinhas auxiliares Recursos extras: iluminação por LED com cor programável Número de CDs/DVDs que acompanham a placa: um Programas incluídos: utilitários e drivers da placa-mãe Mais informações: https://www.gigabyte.com/ Preço médio nos EUA*: US$ 270,00 * Pesquisado na Newegg.com no dia da publicação deste artigo. A Gigabyte Z490 AORUS PRO AX é uma excelente placa-mãe, trazendo quase todos os recursos que se espera de uma placa-mãe topo de linha. A única coisa que sentimos falta foi de um conjunto de recursos voltados a entusiastas que fazem overclock, como um mostrador de código de erro, botões liga/desliga, reset e "clear CMOS". Os destaques são a interface de rede sem fio de última geração, o circuito de áudio topo de linha, o regulador de tensão e a porta de rede de 2,5 Gbit/s. Assim, se você está procurando uma placa-mãe para montar um PC topo de linha, para jogos ou trabalho, ponta baseado em um Core i7 ou Core i9 de décima geração, a Gigabyte Z490 AORUS PRO AX é uma excelente escolha.
  4. Não incluímos pois estes processadores estão numa faixa de preço bem acima...
  5. Tópico para a discussão do seguinte conteúdo publicado no Clube do Hardware: Teste dos processadores Ryzen 3 3100 e Ryzen 3 3300X "Testamos os novos processadores de entrada da AMD, o Ryzen 3 3100 e o Ryzen 3 3300X, ambos com quatro núcleos e oito threads. Confira!" Comentários são bem-vindos. Atenciosamente, Equipe Clube do Hardware https://www.clubedohardware.com.br
  6. A AMD lançou dois processadores Ryzen 3 de terceira geração, o Ryzen 3 3100 e o Ryzen 3 3300X, ambos com quatro núcleos e oito threads, e sem vídeo integrado, baseados na arquitetura Zen 2, fabricados em 7 nm, com 16 MiB de cache L3 e TDP de 65 W. Vamos ver como é o desempenho destes processadores de entrada. A maior diferença entre os dois modelos está no clock: o Ryzen 3 3100 tem clock base de 3,6 GHz e clock máximo de 3,9 GHz, enquanto o Ryzen 3 3300X tem clock base de 3,8 GHz o clock máximo de 4,3 GHz. O preço anunciado destes processadores é, respectivamente, de US$ 100 e US$ 120, nos EUA. Mas há outra diferença entre eles. Como já explicamos quando testamos o primeiro processador desta geração, o Ryzen 7 3700X, estes processadores são formados por chiplets: um chiplet de entrada e saída, fabricado em 12 nm, e um ou dois chiplets contendo os núcleos de processamento, fabricados em 7 nm, chamados de CCD (Core Chiplet Die). Cada CCD é formado internamente por dois CCX (Core CompleX) e cada CCX tem até quatro núcleos. Apenas os Ryzen 9 têm dois CCDs, enquanto os demais têm apenas um. O Ryzen 3 3100 utiliza uma configuração com dois CCX ativos, sendo que em cada CCX, há dois núcleos de processamento (portanto, dois núcleos desabilitados). Já o Ryzen 3 3300X utiliza uma configuração de apenas um CCX com quatro núcleos. Assim, costuma-se dizer que o 3100 usa a configuração "2+2" e o 3300X usa configuração "4+0". Em termos teóricos, isso dá uma vantagem extra ao Ryzen 3 3300X, por ter uma menor latência de comunicação entre os núcleos. Essa diferença fica clara ao analisarmos as informações oferecidas pelo CPU-Z: no Ryzen 3 3300X, o cache L3 é listado como sendo 16 MiB, já que todo o cache fica localizado em apenas um CCX. Já o Ryzen 3 3100 tem "2 x 8 MiB", já que são 8 MiB de cache disponíveis em cada CCX (metade do cache de cada CCX é desabilitado). Figura 1: tela do CPU-Z Os dois processadores vêm com o cooler Wraith Stealth (o mesmo que vem com o Ryzen 5 3600), mas recebemos para testes apenas os processadores, sem caixa ou cooler. Você pode vê-los na Figura 2. Figura 2: os processadores Ryzen 3 3100 e Ryzen 3 3300X Comparamos o Ryzen 3 3100 e o Ryzen 3 3300X ao Core i3-9100F, que é o concorrente mais próximo destes processadores. Lembre-se, porém, que outro modelo da mesma faixa de preço é o Core i3-9100, que é idêntico ao Core i3-9100F, exceto pela presença de vídeo integrado, mas que tem um preço superior ao do Ryzen 3 3300X. Utilizamos a placa de vídeo GeForce RTX 2080 SUPER, que é um modelo topo de linha, de forma a minimizar qualquer gargalo de placa de vídeo, visto estarmos querendo analisar exclusivamente o desempenho de processamento. Vamos comparar as principais especificações dos processadores testados na próxima página. Nas tabelas abaixo, comparamos as principais características dos processadores incluídos neste teste. O Core i3-9100 não foi testado especificamente: testamos apenas o Core i3-9100F, mas já que utilizamos uma placa de vídeo "de verdade", podemos considerar como se tivéssemos testado o outro modelo também. Incluímos os dois modelos distintos nesta tabela apenas para comparar os preços de cada modelo. Os preços foram pesquisados na Newegg.com no dia da publicação deste artigo. TDP significa Thermal Design Power e é a máxima quantidade de calor que o processador pode dissipar. Processador Núcleos Threads IGP Clock Interno Clock Turbo Núcleo Tecn. TDP Soquete Preço nos EUA Ryzen 3 3300X 4 8 Não 3,8 GHz 4,3 GHz Matisse 7 nm / 12 nm 65 W AM4 US$ 120 Ryzen 3 3100 4 8 Não 3,6 GHz 3,9 GHz Matisse 7 nm / 12 nm 65 W AM4 US$ 100 Core i3-9100 4 4 Sim 3,6 GHz 4,2 GHz Coffee Lake 14 nm 65 W LGA1151 US$ 130 Core i3-9100F 4 4 Não 3,6 GHz 4,2 GHz Coffee Lake 14 nm 65 W LGA1151 US$ 75 Abaixo, podemos ver a configuração de memória de cada processador. Processador Cache L2 Cache L3 Suporte à Memória Canais de memória Ryzen 3 3300X 4 x 512 kiB 16 MiB Até DDR4-3200 Dois Ryzen 3 3100 4 x 512 kiB 16 MiB Até DDR4-3200 Dois Core i3-9100 4 x 256 kiB 6 MiB Até DDR4-2400 Dois Core i3-9100F 4 x 256 kiB 6 MiB Até DDR4-2400 Dois Durante nossas sessões de teste, usamos a configuração listada abaixo. Entre as sessões de teste, o único componentes variável foi o processador sendo testado, além da placa-mãe e cooler para acompanhar os diferentes processadores. Configuração de hardware Placa-mãe (AM4): Gigabyte X570 I AORUS PRO WIFI Placa-mãe (LGA1151): ASRock Fatal1ty Z370 Professional Gaming i7 Cooler do processador (Intel): GamerStorm MAELSTROM 120T Cooler do processador (AMD): Wraith Prism RGB Memória: 16 GiB, dois módulos Geil EVO-X DDR4-3200 de 8 GiB configurados a 2400 MHz ou 3200 MHz, de acordo com a velocidade máxima oficial para cada processador Unidade de boot: WD Black de 1.000 GiB Placa de vídeo: GeForce RTX 2080 SUPER Monitor de vídeo: Philips 236VL Fonte de alimentação: EVGA 750BQ Configuração do sistema operacional Windows 10 Home 64 bit NTFS Resoluçao de vídeo: 1920 x 1080 Versões dos drivers Versão do driver NVIDIA: 445.87 Software utilizado 3DMark Cinebench R20 CPU-Z Handbrake PCMark 10 WinRAR V-Ray Benchmark CS:GO Deus Ex: Mankind Divided F1 2018 GTA V Rainbow Six Siege Red Dead Redemption 2 Shadow of the Tomb Raider Margem de erro Adotamos uma margem de erro de 4%. Assim, diferenças abaixo de 4% não são consideradas relevantes. Em outras palavras, produtos com diferença de desempenho abaixo de 4% são considerados tendo desempenhos equivalentes. PCMark 10 O PCMark 10 é um programa de teste de desempenho que utiliza aplicativos reais para medir o desempenho do computador. Rodamos o teste padrão, que inclui testes de abertura de programas, navegação na internet, digitação de textos, edição de fotos, conversa por vídeo, edição de vídeo, vídeo conferência e renderização. Vamos analisar os resultados. No teste Home do PCMark 10, o Ryzen 3 3300X foi 5% mais rápido do que o Ryzen 3 3100 e 6% mais rápido do que o Core i3-9100F. 3DMark O 3DMark é um programa com um conjunto de testes de desempenho que criam cenários e simulações de jogos 3D. O teste Time Spy mede o desempenho em DirecX 12, o teste Fire Strike mede o desempenho DirectX 11 e é voltado a computadores topo de linha para jogos, enquanto o teste Sky Diver também mede desempenho DirectX 11, mas é voltado a computadores intermediários. Finalmente, o teste Cloud Gate mede o desempenho em DirectX 10. No teste Time Spy, o Ryzen 3 3300X obteve desempenho equivalente ao do Ryzen 3 3100 e foi 6% mais rápido do que o Core i3-9100F. No teste Fire Strike, o Ryzen 3 3300X foi 7% mais rápido do que o Ryzen 3 3100 e 14% mais rápido do que o Core i3-9100F. No teste Sky Diver, o Ryzen 3 3300X foi 14% mais rápido do que o Ryzen 3 3100 e 35% mais rápido do que o Core i3-9100F. Cinebench R20 O Cinebench R20 é baseado no software Cinema 4D. Ele é muito útil para medir o ganho de desempenho obtido pela presença de vários núcleos de processamento ao renderizar imagens 3D pesadas. Renderização é uma área onde ter um maior número de núcleos de processamento ajuda bastante, pois normalmente esse tipo de software reconhece vários processadores (o Cinebench R20, por exemplo, reconhece e utiliza até 256 núcleos de processamento). Já que estamos interessados em medir o desempenho de renderização, rodamos o teste CPU, que renderiza uma imagem “pesada” utilizando todos os processadores ou “núcleos” – tanto reais quanto virtuais – para acelerar o processo. O resultado é dado como uma pontuação. No Cinebench R20, o Ryzen 3 3300X foi 9% mais rápido do que o Ryzen 3 3100 e 61% mais rápido do que o Core i3-9100F. CPU-Z O famoso programa de identificação de hardware CPU-Z vem com uma ferramenta simples de medição de desempenho, utilizando apenas um núcleo e também todos os núcleos disponíveis. Note que os resultados foram todos obtidos com a mesma versão do programa (1.90), já que não é possível comparar resultados obtidos com versões diferentes. No teste que mede o desempenho de apenas um núcleo, o Ryzen 3 3300X foi 13% mais rápido do que o Ryzen 3 3100 e 8% mais rápido do que o Core i3-9100F. Já no teste que utiliza todos os núcleos disponíveis, o Ryzen 3 3300X foi 8% mais rápido do que o Ryzen 3 3100 e 62% mais rápido do que o Core i3-9100F. Handbrake O HandBrake é um programa de conversão de vídeo de código aberto. Convertemos um vídeo .mov de seis minutos em resolução Full HD em um arquivo .MP4, utilizando o perfil de saída “Fast 1080p30”. Os resultados estão em segundos, de forma que valores mais baixos são melhores. No Handbrake, o Ryzen 3 3300X foi 5% mais lento do que o Ryzen 3 3100 e 32% mais lento do que o Core i3-9100F. WinRAR Uma tarefa na qual o processador é bastante requisitado é na compactação de arquivos. Rodamos um teste, onde uma pasta com 6.813 arquivos, totalizando 8 GiB, foi compactada em um arquivo utilizando o WinRAR 5.71. O gráfico abaixo mostra o tempo gasto em cada teste. No WinRAR, o Ryzen 3 3300X foi 18% mais rápido do que o Ryzen 3 3100 e 28% mais rápido do que o Core i3-9100F. V-RAY O V-Ray Benchmark é uma ferramenta de medição de desempenho do processador e da placa de vídeo em tarefas de renderização de imagem. Ele renderiza duas imagens, uma utilizando o processador (CPU) e outra a placa de vídeo (GPU). Rodamos o teste nos processadores testados e comparamos o tempo gasto no teste CPU no gráfico abaixo. No V-Ray Benchmark, o Ryzen 3 3300X foi 11% mais rápido do que o Ryzen 3 3100 e 52% mais rápido do que o Core i3-9100F. Nos testes com jogos, medimos e colocamos nos gráficos os valores de taxas de quadros média e mínima. Vamos fazer o comparativo utilizando os valores de taxa média, enquanto a taxa mínima fica como informativo para que você possa tirar suas próprias conclusões. Counter-Strike: Global Offensive O Counter-Strike: Global Offensive (ou simplesmente CS:GO) é um FPS bastante popular, lançado em Agosto de 2012, que utiliza o motor Source, sendo compatível com DirectX 9. Testamos o desempenho jogando no mapa "Inferno" contra bots, em 1920 x 1080 (Full HD), com a qualidade de imagem configurada em "alto”. Os resultados estão expressos em quadros por segundo (fps). Neste jogo, comparando a taxa de quadros média, o Ryzen 3 3300X foi 34% mais rápido do que o Ryzen 3 3100 e 32% mais rápido do que o Core i3-9100F. Deus Ex: Mankind Divided Deus Ex: Mankind Divided é um RPG de ação e elementos de FPS, lançado em Agosto de 2016, que utiliza o motor Dawn, sendo compatível com DirectX 12. Testamos o desempenho utilizando o próprio teste incluído no jogo, com DirectX 12 ativado, em 1920 x 1080 (Full HD), com a qualidade de imagem configurada em “baixo”. Os resultados estão expressos em quadros por segundo (fps). Neste jogo, comparando a taxa de quadros média, o Ryzen 3 3300X foi 14% mais rápido do que o Ryzen 3 3100 e 11% mais rápido do que o Core i3-9100F. F1 2018 F1 2018 é um jogo de corrida de carros lançado em agosto de 2018, que utiliza o motor EGO 4.0. Testamos o desempenho utilizando o próprio teste incluído no jogo, em 1920 x 1080 (Full HD), com a qualidade de imagem configurada em “alto” e MSAA desligado. Os resultados estão expressos em quadros por segundo (fps). Neste jogo, comparando a taxa de quadros média, o Ryzen 3 3300X foi 19% mais rápido do que o Ryzen 3 3100 e 20% mais rápido do que o Core i3-9100F. Grand Theft Auto V O Grand Theft Auto V, ou simplesmente GTA V, é um jogo de ação em mundo aberto lançado para PC em abril de 2015, utilizando o motor RAGE. Para medir o desempenho usando este jogo, rodamos o teste de desempenho do jogo três vezes, medindo o número de quadros por segundo usando o FRAPS sempre no mesmo ponto (parte em que a câmera acompanha o voo do avião). Rodamos o jogo em Full HD, com todas as opções de qualidade de imagem em “alta” e MSAA desligada. Os resultados abaixo estão expressos em quadros por segundo e são a média aritmética dos três resultados coletados. No GTA V, o Ryzen 3 3300X foi equivalente ao Ryzen 3 3100 e 6% mais rápido do que o Core i3-9100F. Rainbow Six Siege O "Tom Clancy's Rainbow Six Siege" é um jogo estilo FPS tático lançado em dezembro de 2015, baseado no motor AnvilNext, que é DirectX 11. Para medir o desempenho utilizando este jogo, rodamos o teste de desempenho embutido no mesmo, com qualidade gráfica “alto”. Os resultados abaixo estão em quadros por segundo. Neste jogo, o Ryzen 3 3300X ficou em empate técnico com o Ryzen 3 3100 e 6% mais lento do que o Core i3-9100F. Red Dead Redemption 2 O Red Dead Redemption 2 é um jogo de ação e aventura lançado para PC em novembro de 2019, utilizando o motor RAGE. Para medir o desempenho usando este jogo, rodamos o teste de desempenho do jogo, medindo a taxa de quadros média e o 1% mínimo com o MSI Afterburner na última cena do teste. Rodamos o jogo em resolução Full HD, com a qualidade de imagem configurada no mínimo. Os resultados abaixo estão expressos em quadros por segundo. No Red Dead Redemption 2 o Ryzen 3 3300X foi 6% mais rápido do que o Ryzen 3 3100 e 12% mais rápido do que o Core i3-9100F. Shadow of the Tomb Raider O Shadow of the Tomb Raider é um jogo de aventura e ação lançado em setembro de 2018, baseado no motor Foundation. Para medir o desempenho usando este jogo, utilizamos o teste embutido no mesmo, com resolução Full HD e qualidade gráfica configurada como “média”. Os resultados abaixo estão expressos em quadros por segundo. No Shadow of the Tomb Raider, o Ryzen 3 3300X foi 9% mais rápido do que o Ryzen 3 3100 e empatou com o Core i3-9100F. Os processadores Ryzen têm multiplicador de clock destravado, significando que é possível fazer overclock neles modificando apenas o seu multiplicador de clock. Fizemos testes simples de overclock, apenas aumentando o multiplicador de clock e mantendo a tensão padrão do processador. Nesta situação, conseguimos atingir com estabilidade, no Ryzen 3 3100, o máximo de 4.150 MHz (100 MHz x 41,5), e no Ryzen 3 3300X, o máximo de 4.050 MHz (100 MHz x 40,5). Acima disso, tínhamos erros no Prime95. Se você tiver paciência e sorte, provavelmente vai conseguir clocks ainda mais altos, mas pode precisar aumentar as tensões e mexer em configurações avançadas do processador, o que vai também exigir um cooler mais potente do que o que vem com o processador. Lembre-se, porém, que a capacidade de overclock de um processador depende da placa-mãe, do sistema de refrigeração, e também da sorte, pois dois processadores de mesmo modelo podem alcançar diferentes taxas de clock máximas. Na primeira geração de processadores Ryzen, havia dois modelos de Ryzen 3: o Ryzen 3 1200 e o Ryzen 3 1300X, ambos com quatro núcleos e quatro threads. Já na segunda geração, havia apenas o modelo com vídeo integrado, o Ryzen 3 2200G, também com quatro núcleos e quatro threads. Agora, a AMD volta a apostar nos modelos Ryzen 3 sem vídeo integrado, mas desta vez com quatro núcleos e oito threads. O grande destaque dos modelos lançados é a sua faixa de preço de US$ 100 e US$ 120, concorrendo diretamente com os Core i3 da Intel mais básicos, com a vantagem de trazer a tecnologia SMT, desta forma oferecendo oito threads, e não apenas quatro como nos Core i3 atuais de oitava e nona geração. Mas, na prática, isso se reflete em mais desempenho? Depende da aplicação. Em programas que utilizam todas as threads do processador, como os de codificação de vídeo ou renderização 3D, o Ryzen 3 3100 e o Ryzen 3 3300X são bem mais rápidos do que o Core i3-9100F. Já em jogos, fica claro que o Ryzen 3 3100 apresenta um desempenho similar ao do Core i3-9100F na maioria dos títulos, enquanto o Ryzen 3 3300X apresenta uma vantagem significativa sobre ambos. O que nos leva a comentar sobre a diferença entre os dois modelos: o Ryzen 3 3300X é mais rápido do que o Ryzen 3 3100 em praticamente em todos os cenários, devido tanto ao seu clock mais alto quanto à sua arquitetura, que parece ser mais eficiente. Então, podemos dizer que o Ryzen 3 3100 e o Ryzen 3 3300X são boa opções de compra? Depende do preço pelo qual você os encontrar. Frente ao atual cenário de incertezas no mercado de hardware brasileiro, causada tanto pela pandemia que afetou o comércio mundial quanto pela volatilidade do câmbio, é praticamente impossível prever quanto cada um deles vai custar no momento em que você for às compras. Assim, quando você decidir comprar um processador de entrada, vai ter de pesquisar os preços. Também é importante lembrar que a Intel já anunciou os processadores Core i3 de décima geração, que terão uma configuração com oito threads, similarmente aos processadores testados. Ainda não há como saber quando eles estarão efetivamente disponíveis nem como será seu preço e desempenho, mas se eles já estiverem no mercado, vale a pena pesquisar sobre eles também. Assim, o Ryzen 3 3100 e, principalmente, o Ryzen 3 3300X, são excelentes processadores para o mercado de entrada, oferecendo um bom desempenho para computadores voltados para trabalho ou jogos com orçamento reduzido e foco na relação custo-benefício.
  7. Tópico para a discussão do seguinte conteúdo publicado no Clube do Hardware: Placa-mãe ASRock Z490 PG Velocita "A ASRock Z490 PG Velocita é uma placa-mãe soquete LGA1200, para processadores Core i de décima geração, baseada no novo chipset topo de linha Z490. Confira!" Comentários são bem-vindos. Atenciosamente, Equipe Clube do Hardware https://www.clubedohardware.com.br
  8. A ASRock Z490 PG Velocita é uma placa-mãe intermediária superior soquete LGA1200 baseada no novo chipset Intel Z490, suportando os processadores Core i de décima geração. Ela traz iluminação RGB, dois slots PCI Express 3.0 x16, oito portas SATA-600 e uma porta Ethernet 2.5G. Vamos dar uma boa olhada nela! A Intel lançou neste mês uma nova família de processadores, com codinome “Comet Lake”, que utilizam um novo soquete, chamado LGA1200, e novos chipsets. Um destes chipsets é o Z490, que é o mais topo de linha da nova geração. Foram anunciados ainda os chipsets H470, B460 e H410. O Z490 é praticamente idêntico ao seu antecessor Z390, oferecendo 24 pistas PCI Express 3.0 controladas pelo chipset, seis portas SATA-600 com RAID, suporte a memória Optane, seis portas USB 3.2 geração 2 e suporte ao padrão Intel CNVi, onde parte do hardware necessário para uma interface de rede sem fio está integrado ao chipset, e basta um módulo RF instalado em um slot M.2 específico para que a placa-mãe tenha o recurso Wi-Fi. As principais diferenças entre o Z490 e o Z390 são o suporte aos processadores Core i de décima geração e a interface Wi-Fi CNVi no padrão Wi-Fi 6 (IEEE 802.11ax), enquanto o modelo anterior suportava o padrão IEEE 802.11ac. Você confere a placa-mãe ASRock Z490 PG Velocita na Figura 1. Ela usa o padrão ATX, medindo 305 x 224 mm. Figura 1: placa-mãe ASRock Z490 PG Velocita A ASRock Z490 PG Velocita vem com dois slots PCI Express 3.0 x16 e três slots PCI Express 3.0 x1. O primeiro slot PCI Express funciona sempre na velocidade x16, e o segundo, sempre a x4. Segundo a ASRock, estes slots já estão preparados para compatibilidade com PCI Express 4.0, embora só possam funcionar desta forma em processadores futuros que venham a oferecer este recurso. A placa-mãe suporta CrossFire com até duas placas de vídeo, mas não suporta SLI. Os slots PCI Express x16 são cobertos por peças de aço inoxidável que atuam como blindagem contra interferências eletromagnéticas, e também como um reforço mecânico para os slots. Há três slots M.2 para uso com SSDs e um slot M.2 2232 para o uso com uma placa Wi-Fi padrão CNVi, que não acompanha a placa-mãe. Figura 2: slots O primeiro e o segundo slots M.2 são 2280 e, curiosamente, ficam "um de frente para o outro", de forma que você só possa utilizar um deles de cada vez. Segundo a ASRock, o primeiro slot (M2_1) é reservado ao uso com processadores futuros (o que é mais uma dica de que futuros processadores deverão ser compatíveis com PCI Express 4.0), enquanto o segundo (M2_2) suporta SSDs SATA-600 ou PCI Express 3.0 x4. Já o terceiro slot M.2 (M2_3) suporta SSDs até 22110 com interface SATA-600 ou PCI Express 3.0 x4. Estes slots são cobertos por dissipadores. Na Figura 3 podemos ver estes dissipadores removidos. Figura 3: slots M.2 com os dissipadores removidos Os processadores da Intel soquete LGA1200 têm um controlador de memória integrado, o que significa que é o processador – e não o chipset – que define quais as tecnologias e a quantidade máxima de memória que você pode instalar no micro. A placa-mãe, no entanto, pode ter uma limitação da quantidade e tipo de memória que poderá ser instalada. Os processadores Intel Core i de décima geração são compatíveis com DDR4 até 2.933 MHz ou 2.666 MHz, dependendo do modelo. De acordo com a ASRock, a Z490 PG Velocita suporta memórias DDR4 até 4.666 MHz em overclock. A ASRock Z490 PG Velocita tem quatro soquetes de memória DDR4, suportando até 128 GiB nesta placa-mãe caso você use quatro módulos de 32 GiB. Para habilitar o modo de dois canais, você deverá instalar dois ou quatro módulos de memória idênticos. Para instalar apenas dois módulos de memória, use o primeiro e o terceiro (ou o segundo e o quarto) soquetes. Figura 4 soquetes de memória; instale dois ou quatro módulos para obter o maior desempenho possível O chipset Intel Z490 é uma solução de apenas um chip, também conhecido como PCH (Platform Controller Hub ou hub controlador de plataforma). Esse chip oferece seis portas SATA-600 controladas pelo chipset, suportando RAID (0, 1, 5 e 10). A placa-mãe traz estas seis portas SATA, mais duas portas SATA-600 geradas por um chip ASMedia ASM1061. Todas as portas SATA são instaladas na extremidade da placa-mãe e rotacionadas em 90 graus, de forma que a instalação de placas de vídeo não as bloqueie. Figura 5: as portas SATA-600 O chipset Intel Z490 suporta 14 portas USB 2.0, dez portas USB 3.2, sendo até seis delas padrão USB 3.2 geração 2 (as restantes são padrão USB 3.2 geração 1). A ASRock Z490 PG Velocita oferece quatro portas USB 2.0, disponíveis em dois conectores localizados na placa-mãe. Há oito portas USB 3.2 geração 1, sendo quatro delas no painel traseiro e quatro disponíveis em dois conectores (utilizando um divisor ASMedia ASM1074). Há ainda três portas USB 3.2 geração 2, duas no painel traseiro (uma tipo C e uma tipo A) e uma localizada em um conector na placa-mãe, todas controladas pelo chipset. Esta placa-mãe suporta áudio no formato 7.1, gerado pelo chipset usando um codec Realtek ALC1220, que oferece uma relação sinal/ruído de 120 dB para as saídas analógicas e 108 dB para as entradas analógicas, resolução de 32 bits e taxa de amostragem de 192 kHz. Trata-se de um codec topo de linha e essas especificações são excepcionais até mesmo para o usuário que pretende trabalhar profissionalmente capturando e editando áudio analógico. Além disso, o circuito de áudio utiliza um amplificador para fones de ouvido TI NE5532. As saídas de áudio analógico são independentes e banhadas a ouro, e a placa-mãe também vem com uma saída SPDIF óptica. A seção de áudio da placa-mãe é fisicamente separada do resto da placa para diminuir o nível de ruído e ajudar com que o codec atinja a sua relação sinal-ruído teórica. Na Figura 6, podemos ver o circuito de áudio da placa-mãe. Figura 6: placa de rede sem fio A placa-mãe analisada traz uma porta Ethernet 2.5G, controlada por um chip Realtek RTL8125BG. Este tipo de porta pode oferecer uma taxa de transferência de até 2.500 Mbit/s, 2,5 vezes superior à da tradicional porta Gigabit Ethernet, mas esta velocidade só será alcançada se o seu computador estiver conectado a um switch compatível com este novo padrão, o que ainda é muito difícil de se encontrar. Além disso, ainda há uma porta Gigabit Ethernet, controlada por um chip Intel I219V. Na Figura 7, podemos ver o painel traseiro da placa-mãe, que traz o espelho traseiro incorporado. Aqui vemos uma saída DisplayPort, uma saída HDMI, conector PS/2 compartilhado para teclado ou mouse, quatro portas USB 3.2 geração 1, uma porta Ethernet 2.5G, uma porta Gigabit Ethernet, duas portas USB 3.2 geração 2 (uma tipo A e uma tipo C), as aberturas para instalação das antenas Wi-Fi (que não acompanham a placa-mãe), saída SPDIF óptica e os conectores de áudio analógico. Figura 7: painel traseiro A A Z490 PG Velocita oferece um mostrador de dois dígitos que informa o código de erro em caso de problemas de inicialização. Também há um botão de reset e um liga-desliga. Você confere estes recursos na Figura 8. Figura 8: botões e mostrador A Z490 PG Velocita possui LEDs RGB na placa metálica no dissipador do chipset e na cobertura plástica na região do painel traseiro. A cor e mesmo o padrão de mudança na iluminação pode ser configurado tanto no setup da placa-mãe quanto por meio de um programa fornecido pelo fabricante. Um destaque da placa-mãe é a refrigeração ativa (isto é, com ventoinhas) no dissipador do circuito regulador de tensão. São duas ventoinhas de 30 mm na lateral da placa e mais uma no dissipador próximo ao painel traseiro. Os dissipadores são ligados por heatpipes. Figura 9: cooler ativo no regulador de tensão Na Figura 10, podemos ver os acessórios que acompanham a ASRock Z490 PG Velocita. Figura 10: acessórios O circuito regulador de tensão da ASRock Z490 PG Velocita tem 13 fases para o processador. Ele utiliza um chip controlador Intersil ISL69269 (que ainda não consta no site do fabricante) , e cada fase utiliza um circuito integrado Vishay SiC654, com capacidade de 50 A, que contém os transistores do "lado alto" e do "lado baixo" requerido para cada fase. Figura 11: circuito regulador de tensão A ASRock Z490 PG Velocita utiliza capacitores sólidos da japonesa Nichicon ("12K black capacitors") e todas as bobinas são de ferrite com especificação de 60 A. Se você quiser aprender mais sobre o circuito regulador de tensão, leia o nosso tutorial sobre o assunto. As principais especificações da ASRock Z490 PG Velocita incluem: Soquete: LGA1200 Chipset: Intel Z490 Super I/O: Nuvoton NCT6796D ATA paralela: nenhuma ATA serial: oito portas SATA-600, seis controladas pelo chipset (RAID 0, 1, 5 e 10) mais duas controladas por um chip ASMedia ASM1061 SATA externa: nenhuma USB 2.0: quatro portas USB 2.0, disponíveis através de dois conectores na placa-mãe USB 3.2 geração 1: oito portas, quatro no painel traseiro da placa-mãe e quatro disponíveis em dois conectores, controladas pelo chipset USB 3.2 geração 2: três portas, duas no painel traseiro (uma tipo A e uma tipo C) e uma disponível em um conector na placa-mãe Vídeo on-board: controlado pelo processador; uma saída HDMI, uma saída DisplayPort Áudio on-board: produzido pelo chipset em conjunto com um codec Realtek ALC1220 (7.1 canais, relação sinal/ruído de 120 dB para as saídas e 108 dB para as entradas, resolução de 32 bits, taxa de amostragem de 192 kHz, saída SPDIF óptica, amplificador para fones de ouvido Rede on-board: uma porta Ethernet 2.5G, controlada por um chip Realtek RTL8125BG, uma porta Gigabit Ethernet controlada por um chip Intel I211AT Rede sem fio: não Fonte de alimentação: 2 x EPS12V Slots: um slot PCI Express 3.0 x16 (trabalhando a x16), um slot PCI Express 3.0 x16 (trabalhando a x4), três slots PCI Express 3.0 x1, dois slots M.2 (um 22110 e dois 2280) compatíveis com PCI Express 3.0 x4 e SATA-600, um slot M.2 reservado para uso futuro Memória: quatro soquetes DDR4-DIMM (até DDR4-4666, máximo de 128 GiB) Conectores para ventoinhas: dois conectores de quatro pinos para o cooler do processador, cinco conectores de quatro pinos para ventoinhas auxiliares Recursos extras: iluminação por LED com cor programável, botões reset e liga/desliga, mostrador de código de erro de inicialização Número de CDs/DVDs que acompanham a placa: um Programas incluídos: utilitários e drivers da placa-mãe Mais informações: https://www.asrock.com/ Preço médio nos EUA*: US$ 260,00 * Pesquisado na Newegg.com no dia da publicação deste artigo. Primeiramente, é interessante comentar sobre o novo ecossistema da Intel que chega ao mercado. Um novo soquete, novas placas-mãe e novos processadores, rotulados como Core i de décima geração. Porém, infelizmente, não se viu novas tecnologias, apenas uma evolução da mesma arquitetura presente há várias gerações. A principal novidade é o número de núcleos em cada família de processadores (Core i9 com dez núcleos, Core i7 com oito, Core i5 com seis, Core i3 com quatro e Pentium e Celeron com dois) e o fato de todos eles (exceto o Celeron) trazerem a tecnologia Hyper-Threading, que faz com o que o número de threads seja o dobro no número de núcleos. Assim, ver processadores de entrada como o Core i3 com uma configuração de quatro núcleos e oito threads, similar ao que, há três anos, era visto nos modelos topo de linha como o Core i7-7700K, é excelente. Quanto à ASRock Z490 PG Velocita, trata-se de uma excelente placa, trazendo quase todos os recursos que se espera de uma boa placa-mãe. O único ponto onde ela fica devendo é no número de slots PCI Express x16, o que deve afetar apenas quem precisa utilizar uma quantidade maior de placas de vídeo ou de SSDs que utilizem formato de placa de expansão. Também sentimos falta de ela já vir com uma interface de rede sem fio instalada, mas isso pode ser encarado como uma vantagem por pessoas que não utilizam este tipo de conexão, já que não vão estar pagando por algo que não vão utilizar. O maior destaque da placa-mãe é o cooler ativo (isto é, com ventoinhas) para o circuito regulador de tensão. Para processadores "famintos" (os modelos topo de linha dessa nova geração têm TDP de 125 W), isto deve fazer uma grande diferença para permitir extrair o máximo de desempenho possível. Outros destaques são o circuito de áudio topo de linha, o regulador de tensão, o mostrador de código de erro de POST, a porta de rede de 2,5 Gbit/s, os botões liga/desliga e reset e a iluminação RGB. Assim, se você está procurando uma placa-mãe para montar um PC de ponta baseado em um Core i7 ou Core i9 de décima geração, para trabalho ou jogos, a ASRock Z490 PG Velocita é uma excelente escolha.
  9. Para isso que existem as novas versões, que proporcionam maior largura de banda com o mesmo número de pistas.
  10. Neste caso, com acesso intenso a uma imensa quantidade de RAM, o acesso em 4 canais acelera bastante o desempenho do sistema. Mas não é o "objeto" que é dividido, quem faz esta divisão é o controlador de memória, e ele acessa simultaneamente os 4 módulos. Ou seja, a cada 256 bits acessados, 64 ficam em cada módulo.
  11. Em geral, os dois primeiros slot M.2 usam pistas exclusivas oferecidas pelo processador para este fim. Em placas que têm o terceiro slot M.2, normalmente ele compartilha pistas com o slot PCI Express x16 (controlado pelo chipset, que oferece apenas 4 pistas). Ou seja, se você utilizar um deles, o outro não funciona.
  12. Na verdade a placa de vídeo suporta essa taxa de transferência sim. A questão é que ela não precisa utilizar toda a largura de banda justamente porque a largura de banda é superdimensionada. O PCI Express não é compartilhado, nem sequer pode ser chamado de barramento. Ele é uma conexão ponto a ponto. O que pode acontecer é que algumas pistas podem ser compartilhadas entre dois (ou mais) slots físicos. É o que acontece nos slots x16/x0 ou x8/x8. Se só uma placa de vídeo é instalada, as 16 pistas ficam conectadas no primeiro slot. Se você instalar duas placas, 8 pistas são redirecionadas para o segundo slot. Mas cada pista sempre vai conectada a um único dispositivo, nunca pode ser compartilhada simultaneamente com dois dispositivos.
  13. Tópico para a discussão do seguinte conteúdo publicado no Clube do Hardware: PCI Express 4.0 aumenta o desempenho de vídeo? "A interface PCI Express 4.0 permite uma taxa de transferência mais alta do que a versão anterior. Mas será que ela traz vantagens na prática para as placas de vídeo atuais? É o que vamos descobrir nesse teste." Comentários são bem-vindos. Atenciosamente, Equipe Clube do Hardware https://www.clubedohardware.com.br
  14. No ano passado, a AMD apresentou sua mais recente geração de placas de vídeo, baseadas nos chips Navi, que utilizam arquitetura RDNA. Uma das principais novidades apresentadas foi a compatibilidade com o novo padrão PCI Express 4.0, que tem uma taxa de transferência máxima teórica duas vezes superior à conexão PCI Express 3.0 utilizada por todos os modelos de placa de vídeo existentes no mercado até então. Mas será que esta característica, por si só, traz algum ganho de desempenho? É o que vamos descobrir. Para que a interface efetivamente funcione como PCI Express 4.0, é necessário que todos os principais componentes (placa-mãe, processador e placa de vídeo) sejam compatíveis com o padrão. Se um dos componentes for apenas compatível com PCI Express 3.0 ou anterior, toda a comunicação entre o processador e a placa de vídeo trabalhará no padrão mais antigo. Todos os padrões PCI Express são retrocompatíveis, ou seja, funcionam com padrões mais antigos, o que faz com que, pelo menos em teoria, qualquer placa de vídeo PCI Express funcione com qualquer placa-mãe que tenha um slot PCI Express, não importando a geração. A velocidade, porém, vai ser sempre limitada pelo dispositivo que suporta a versão mais antiga. Assim, se você instalar uma placa de vídeo com suporte a PCI Express 4.0 em uma placa-mãe que suporta no máximo PCI Express 2.0, o sistema funcionará na velocidade PCI Express 2.0. Também no ano passado, surgiram os primeiros SSDs com suporte à interface PCI Express 4.0. Inclusive já testamos um deles, o Corsair MP600. Neste teste, ficou claro que o SSD realmente tira proveito da nova interface: ao ser conectado em um slot PCI Express 4.0 x4, ele chegou a transferir dados a 5 GB/s, enquanto em uma placa-mãe com PCI Express 3.0, sua velocidade ficou limitada a cerca de 3,5 GB/s, o que faz sentido já que o limite máximo teórico de um slot PCI Express 3.0 x4 é de 4 GB/s. Mas e uma placa de vídeo, será que vai tirar vantagem, na prática, desse aumento de velocidade? Para descobrirmos isso, testamos a placa de vídeo com suporte a PCI Express 4.0 mais poderosa do mercado ate agora, a Radeon RX 5700 XT (clique aqui para ler a sua análise), comparando o desempenho com a conexão PCI Express 4.0 x16 contra a conexão PCI Express 3.0 x16. Além disso, para verificarmos qual seria o impacto de reduzir ainda mais a largura de banda da comunicação entre o processador e a placa de vídeo, repetimos o teste com a conexão em PCI Express 3.0 x8. Note que a velocidade máxima atingida por uma conexão PCI Express depende não apenas da geração, mas também do número de pistas efetivamente utilizadas para comunicação entre o processador e o dispositivo. Assim, um slot com 16 pistas (chamado x16) terá o dobro de desempenho máximo teórico de um slot com oito pistas (x8), desde que ambos utilizem a mesma geração. E mesmo que o slot tenha fisicamente 16 pistas, nem sempre todas elas são utilizadas. Por exemplo, processadores AMD atuais com vídeo integrado oferecem apenas conexão x8, então se você utilizar um destes processadores a conexão com a placa de vídeo será sempre a x8, mesmo que a placa-mãe e a placa de vídeo suportem interface x16. Também quando se utiliza duas placas de vídeo no mesmo computador, na maioria dos casos as pistas serão divididas entre elas e cada uma trabalhará com conexão x8. Outra situação é a instalação de uma placa de vídeo em um slot PCI Express x1 (isso só será possível se o slot tiver sua extremidade aberta e nenhum componente obstruindo esta instalação), o sistema funcionará normalmente, mas com velocidade x1. Na tabela abaixo, mostramos a velocidade máxima teórica (largura de banda) dos tipos de conexão mais comuns para placas de vídeo. Interface Largura de banda PCI Express 2.0 x16 8 GB/s PCI Express 3.0 x8 8 GB/s PCI Express 3.0 x16 16 GB/s PCI Express 4.0 x8 16 GB/s PCI Express 4.0 x16 32 GB/s A Figura 1 mostra a Radeon RX 5700 XT utilizada no teste. Figura 1: a Radeon RX 5700 XT Durante nossas sessões de teste, usamos a configuração listada abaixo. Entre um teste e o outro, o única configuração variável era a conexão da placa de vídeo. Nos jogos, rodamos os testes em resolução Full HD (1920 x 1080) e 4K (3840 x 2160). Configuração de hardware Processador: Ryzen 9 3900X Placa-mãe: MSI MEG X570 GODLIKE Cooler do processador: PCYES NIX RGB 360 mm Memória: 32 GiB DDR4-3600 G.Skill Trident Z Royal, quatro módulos de 8 GiB configurados a 3.400 MHz Unidade de boot: Intel 905P de 960 GiB Gabinete: Thermaltalke Core P3 Monitor de vídeo: Samsung U28D590 Fonte de alimentação: EVGA 750 BQ Configuração de software Windows 10 Home 64-bit Versões dos drivers Driver de vídeo AMD: Adrenalin 20.4.1 Software usado 3DMark Control Deus Ex: Mankind Divided F1 2018 GTA V Red Dead Redemption 2 Shadow of the Tomb Raider Margem de erro Adotamos uma margem de erro de 4%. Assim, diferenças abaixo de 4% não são consideradas significativas. Em outras palavras, produtos com diferenças de desempenho abaixo de 4% são considerados tendo desempenho semelhante. O 3DMark é um programa composto por vários testes que verificam o desempenho 3D do computador. Rodamos os testes Time Spy, Fire Strike Ultra e Sky Diver. O teste Time Spy mede o desempenho nativo em DirectX 12, rodando testes na resolução de 2560 x 1440. Neste teste, o desempenho foi similar nas três situações. O teste Fire Strike Ultra mede o desempenho em DirectX 11 e é voltado a computadores “gamer” de alto desempenho. Ele roda na resolução 4K. Neste teste, também houve um empate entre as três configurações analisadas. Já o teste 3DMark Sky Diver é voltado a computadores intermediários com simulações DirecX 11. Ele roda em 1920 x 1080. Neste teste, houve empate técnico entre as três situações. Control Control é um jogo tipo ação e aventura lançado em agosto de 2019, que utiliza o motor Northlight, suportando os recursos de traçado de raios e DLSS de modo nativo, em placas compatíveis. Testamos o desempenho jogando uma das primeiras cenas do jogo, com opções gráficas em “alto”, medindo a taxa de quadros média e o 1% mínimo usando o MSI Afterburner. Os resultados estão expressos em quadros por segundo (fps). No Control, em Full HD, o desempenho com PCI Express 4.0 x16 foi similar ao obtido com PCI Express 3.0 x16, mas 5% superior ao obtido com PCI Expresss 3.0 x8. Já em 4K, os três testes apresentaram o mesmo resultado. Deus Ex: Mankind Divided Deus Ex: Mankind Divided é um RPG de ação e elementos de FPS, lançado em Agosto de 2016, que utiliza o motor Dawn, sendo compatível com DirectX 12. Testamos o desempenho utilizando o próprio teste incluído no jogo, com DirectX 12 ativado, opções gráficas em “alto”, medindo a taxa de quadros média e o 1% mínimo usando o MSI Afterburner. Os resultados abaixo, em Full HD e 4K, estão em quadros por segundo. No Deus Ex: Mankind Divided em Full HD, o desempenho foi similar nos três casos. Na resolução 4K, também houve um empate. F1 2018 F1 2018 é um jogo de corrida de carros lançado em agosto de 2018, que utiliza o motor EGO 4.0. Testamos o desempenho utilizando o próprio teste incluído no jogo, com opções gráficas em “alta” e suavização TAA. Medimos a taxa de quadros média e o 1% mínimo usando o MSI Afterburner. Os resultados abaixo, em Full HD e 4K, estão em quadros por segundo. No F1 2018 em Full HD, o resultado foi similar nos três testes. Já na resolução 4K, o resultado foi o mesmo. Grand Theft Auto V O Grand Theft Auto V, ou simplesmente GTA V, é um jogo de ação em mundo aberto lançado para PC em abril de 2015, utilizando o motor RAGE. Para medir o desempenho usando este jogo, rodamos o teste de desempenho do jogo, medindo a taxa de quadros média e o 1% mínimo usando o MSI Afterburner, sempre no mesmo ponto (parte em que a câmera acompanha o voo do avião). Rodamos o jogo com a qualidade de imagem configurada como “muito alta” e MSAA em 8x. Os resultados abaixo estão expressos em quadros por segundo. No GTA V, em Full HD, não houve variação significativa de desempenho entre as três situações. Já na resolução 4K, também houve empate técnico. Red Dead Redemption 2 O Red Dead Redemption 2 é um jogo de ação e aventura lançado para PC em novembro de 2019, utilizando o motor RAGE. Para medir o desempenho usando este jogo, rodamos o teste de desempenho do jogo, medindo a taxa de quadros média e o 1% mínimo com o MSI Afterburner na última cena do teste. Rodamos o jogo em resolução Full HD e 4K, com a qualidade de imagem configurada no máximo. Os resultados abaixo estão expressos em quadros por segundo. No Red Dead Redemption 2, o desempenho foi similar nas três situações. Em 4K, também não houve variação de desempenho. Shadow of the Tomb Raider O Shadow of the Tomb Raider é um jogo de aventura e ação lançado em setembro de 2018, baseado em uma nova versão do motor Foundation. Para medir o desempenho utilizando este jogo, rodamos o teste de desempenho embutido no mesmo, medindo a taxa de quadros média e o 1% mínimo usando o MSI Afterburner, utilizando a média de três medições em sequência, com DirectX 12 habilitado, qualidade gráfica “máxima” e TAA habilitado. Os resultados abaixo estão em quadros por segundo. No Rise of the Tomb Raider, em Full HD, o resultado foi similar nos três testes. Na resolução 4K, também houve empate. Em nossos testes, ficou claro que o uso da conexão PCI Express 4.0 x16 não trouxe qualquer vantagem de desempenho em relação à conexão PCI Express 3.0 x16. Na verdade, mesmo reduzindo a conexão da placa de vídeo para PCI Express 3.0 x8, ou seja, um quarto da largura de banda oferecida pela conexão PCI Express 4.0 x16, o desempenho manteve-se o mesmo. Isso deixa claro que a conexão PCI Express 3.0 x16 não representa um gargalo (clique aqui para saber o que é isso) e que você não perde desempenho por não utilizar o PCI Express 4.0, pelo menos com uma configuração similar à que utilizamos neste teste. Tenha em mente, porém, que a Radeon RX 5700 XT é uma placa de vídeo do segmento intermediário (ou intermediário superior), não sendo uma placa de vídeo topo de linha como a GeForce RTX 2080 Ti, que é o modelo voltado para jogos mais poderoso do mercado, mesmo utilizando o "antigo" padrão PCI Express 3.0. Assim, não temos como afirmar se uma placa de vídeo mais poderosa, com mais memória de vídeo, rodando um jogo extremamente exigente em termos de transferências de texturas, não poderia tirar vantagem desta nova geração da interface. Na verdade, em algum momento no futuro chegaremos a ter jogos e placas de vídeo em que toda a largura de banda oferecida por um slot PCI Express 4.0 x16 será utilizada. Porém, este dia ainda parece estar distante. Também não é demais lembrar que, embora a quarta geração da conexão PCI Express ainda não traga vantagens reais para placas de vídeo, SSDs de última geração já utilizam taxas de transferência bem acima das oferecidas por slots M.2 com conexão PCI Express 3.0 x4, de forma que, para esses SSDs, o padrão PCI Express 4.0 pode fazer diferença no desempenho.
  15. Sabemos que a diferença, na prática, entre diferentes SSDs é bem pequena, que o tempo de carregamento de um jogo (por exemplo) é quase o mesmo seja em um SSD de entrada ou um topo de linha. Já deixamos isso claro em vários outros artigos. Só que este não é o foco deste teste. Nele, a ideia é testar o mito de que um SSD "topo de linha" é mais rápido do que um de entrada, mesmo que o de entrada seja PCI Express e o high-end seja SATA. adicionado 1 minuto depois Sinceramente, não tenho informações suficientes para responder...
  16. Aparentemente você não entendeu direito... Ambos os testes foram feitos com dois módulos de 8 GiB. Só que, no teste com single channel, usamos dois soquetes contíguos.
  17. Tópico para a discussão do seguinte conteúdo publicado no Clube do Hardware: Memória em dois canais aumenta o desempenho do computador? "O uso de memória em dois canais, em teoria, aumenta o desempenho do computador. Mas qual o impacto real no desempenho de programas e jogos? É o que vamos ver neste teste." Comentários são bem-vindos. Atenciosamente, Equipe Clube do Hardware https://www.clubedohardware.com.br
  18. Todos que estudam hardware sabem que, na imensa maioria dos computadores, o ideal é sempre utilizar um número par de módulos de memória para que o processador utilize o modo de dois canais, o que, pelo menos em teoria, aumenta o desempenho da memória. Mas este aumento de desempenho teórico se reflete na prática? É o que vamos descobrir hoje. Cada módulo de memória tem um barramento de dados de 64 bits, ou seja, transfere 64 bits a cada ciclo de clock. O modo de dois canais é uma característica do controlador de memória embutido no processador que permite o acesso a dois módulos simultaneamente. Assim, se houver dois (ou quatro) módulos instalados, o controlador consegue ler ou gravar 128 bits a cada ciclo de clock, 64 bits em cada canal, dobrando a largura de banda disponível no acesso à memória. As plataformas HEDT como a X299 da Intel e a TRX40 da AMD trabalham com um sistema de quatro canais, acessando quatro módulos de memória em paralelo, quadruplicando a largura de banda no acesso à memória. Plataformas HEDT mais antigas da Intel utilizavam três canais. Por outro lado, algumas plataformas de baixo custo mais antigas só oferecem acesso à memória com um canal. Para entender mais a fundo a teoria de funcionamento e como habilitar o modo de dois canais, leia o nosso tutorial “Tudo o que você precisa saber sobre as arquiteturas de memória de dois, três e quatro canais”. O uso de memória em dois canais aumenta o desempenho "bruto" de leitura e escrita na memória. Mas esse aumento de desempenho se reflete na prática, onde o desempenho depende de vários outro fatores? Há alguns anos fizemos um teste neste sentido, verificando o impacto do uso de memória em dois canais no desempenho em jogos. Naquele teste, concluímos que o uso do recurso não fazia muita diferença na prática. Hoje em dia, com os processadores com uma maior quantidade de núcleos disputando o mesmo acesso à memória, além de vários outro avanços no hardware e no software, será este cenário ainda é o mesmo? Para descobrirmos, rodamos diversos testes em um sistema topo de linha, com 16 GiB de memória em modo de dois canais, e depois com as mesmas memórias em apenas um canal. Na Figura 1 vemos os kits de memória utilizados em nossa análise. Figura 1: as memórias utilizadas no teste Na próxima página, vemos ver qual foi a configuração completa utilizada nos testes. Durante nossas sessões de teste, usamos a configuração listada abaixo. Entre as sessões de teste, a única configuração que mudou foi a posição dos módulos de memória. Todos os testes com jogos utilizaram resolução Full HD. Configuração de hardware Processador: Core i9-9900KS Placa-mãe: ASRock Fatal1ty Z370 Professional Gaming i7 Cooler do processador: GamerStorm MAELSTROM 120T Memória: 2x 8 GiB Geil EVO-X DDR4-3200 configurados a 2.666 MHz e com temporizações 16-16-16-36 Unidade de boot: Intel 905p de 960 GiB Placa de vídeo: GeForce RTX 2080 Ti Monitor de vídeo: Philips 236VL Fonte de alimentação: EVGA 750BQ Configuração do sistema operacional Windows 10 Home 64 bit NTFS Resoluçao de vídeo: 1920 x 1080 Versões dos drivers Versão do driver NVIDIA: 445.75 Software utilizado 3DMark Blender Cinebench R20 CPU-Z 1.91 Handbrake PCMark 10 WinRAR V-Ray Benchmark Battlefield V Control Counter Strike: Global Offensive F1 2018 Deus Ex: Mankind Divided GTA V Rainbow Six Siege Red Dead Redemption 2 Shadow of the Tomb Raider The Witcher 3: Wild Hunt Margem de erro Adotamos uma margem de erro de 3%. Assim, diferenças abaixo de 3% não são consideradas relevantes. Em outras palavras, produtos com diferença de desempenho abaixo de 3% são considerados tendo desempenhos equivalentes. PCMark 10 O PCMark 10 é um programa de teste de desempenho que utiliza aplicativos reais para medir o desempenho do computador. Rodamos o teste padrão, que inclui testes de abertura de programas, navegação na internet, digitação de textos, edição de fotos, conversa por vídeo, edição de vídeo, vídeo conferência e renderização. Vamos analisar os resultados. No teste Home do PCMark 10, o uso de memória em dois canais não trouxe aumento significativo no desempenho. 3DMark O 3DMark é um programa com um conjunto de testes de desempenho que criam cenários e simulações de jogos 3D. O teste Time Spy mede o desempenho em DirecX 12, o teste Fire Strike mede o desempenho DirectX 11 e é voltado a computadores topo de linha para jogos, enquanto o teste Sky Diver também mede desempenho DirectX 11, mas é voltado a computadores intermediários. Finalmente, o teste Cloud Gate mede o desempenho em DirectX 10. No teste Time Spy, o teste com dois canais trouxe 5% a mais de desempenho. No teste Fire Strike, ambos os testes deram pontuação similar, No teste Sky Diver, a memória em dois canais rendeu 11% a mais de desempenho. Cinebench R20 O Cinebench R20 é baseado no software Cinema 4D. Ele é muito útil para medir o ganho de desempenho obtido pela presença de vários núcleos de processamento ao renderizar imagens 3D pesadas. Renderização é uma área onde ter um maior número de núcleos de processamento ajuda bastante, pois normalmente esse tipo de software reconhece vários processadores (o Cinebench R20, por exemplo, reconhece e utiliza até 256 núcleos de processamento). Já que estamos interessados em medir o desempenho de renderização, rodamos o teste CPU, que renderiza uma imagem “pesada” utilizando todos os processadores ou “núcleos” – tanto reais quanto virtuais – para acelerar o processo. O resultado é dado como uma pontuação. No Cinebench R20, houve empate técnico entre as duas configurações. Blender O Blender é um programa de renderização de imagens e filmes que utiliza todos os núcleos do processador. Utilizamos o programa para renderizar uma imagem pesada em um projeto chamado Gooseberry Benchmark. O gráfico abaixo apresenta o tempo em segundos gasto na renderização, de forma que, quanto menor o valor, melhor. No Blender, o teste com dois canais foi 5% mais rápido. CPU-Z O famoso programa de identificação de hardware CPU-Z vem com uma ferramenta simples de medição de desempenho, utilizando apenas um núcleo e também todos os núcleos disponíveis. Note que os resultados foram todos obtidos com a mesma versão do programa (1.83), já que não é possível comparar resultados obtidos com versões diferentes. No teste que mede o desempenho de apenas um núcleo, houve um empate técnico. Já no teste que utiliza todos os núcleos disponíveis, o desempenho foi similar nos dois casos. Handbrake O HandBrake é um programa de conversão de vídeo de código aberto. Convertemos um vídeo .mov de seis minutos em resolução Full HD em um arquivo .MP4, utilizando o perfil de saída “Fast 1080p30”. Os resultados estão em segundos, de forma que valores mais baixos são melhores. No Handbrake, o uso de memória em dois canais trouxe um aumento de 4% no desempenho. WinRAR Uma tarefa na qual o processador é bastante requisitado é na compactação de arquivos. Rodamos um teste, onde uma pasta com 6.813 arquivos, totalizando 8 GiB, foi compactada em um arquivo utilizando o WinRAR 5.5. O gráfico abaixo mostra o tempo gasto em cada teste. No WinRAR, o teste com memória em dois canais foi 36% mais rápido do que com apenas um. V-RAY O V-Ray Benchmark é uma ferramenta de medição de desempenho do processador e da placa de vídeo em tarefas de renderização de imagem. Ele renderiza duas imagens, uma utilizando o processador (CPU) e outra a placa de vídeo (GPU). Rodamos o teste nos processadores testados e comparamos o tempo gasto no teste CPU no gráfico abaixo. No V-Ray Benchmark, obtivemos empate técnico entre as duas configurações. Battllefield V Battlefield V é o mais recente título da série de jogos de tiro em primeira pessoa da EA, lançado em novembro de 2018, que utiliza o motor Frostbite 3, sendo compatível com DirectX 12. Testamos o desempenho jogando a fase "Nordlys", com opções gráficas em “alta”. Medimos a taxa de quadros média e o 1% mínimo usando o MSI Afterburner, utilizando a média de três medições em sequência. Os resultados abaixo estão em quadros por segundo. Neste jogo, o uso de dois canais trouxe 17% a mais de desempenho. Control Control é um jogo tipo ação e aventura lançado em agosto de 2019, que utiliza o motor Northlight, suportando os recursos de traçado de raios e DLSS de modo nativo. Testamos o desempenho jogando uma das primeiras cenas do jogo, com opções gráficas em “alta”, DLSS e traçado de raios ligados, medindo a taxa de quadros média e o 1% mínimo usando o MSI Afterburner. Os resultados estão expressos em quadros por segundo (fps). No Control, o teste com dois canais trouxe 8% a mais de desempenho. Counter-Strike: Global Offensive O Counter-Strike: Global Offensive (ou simplesmente CS:GO) é um FPS bastante popular, lançado em Agosto de 2012, que utiliza o motor Source, sendo compatível com DirectX 9. Testamos o desempenho jogando no mapa "Inferno" contra bots, em 1920 x 1080 (Full HD), com a qualidade de imagem configurada em “alto”. Os resultados estão expressos em quadros por segundo (fps). Neste jogo, também obtivemos 8% a mais de desempenho quando utilizamos memória em dois canais. Deus Ex: Mankind Divided Deus Ex: Mankind Divided é um RPG de ação e elementos de FPS, lançado em Agosto de 2016, que utiliza o motor Dawn, sendo compatível com DirectX 12. Testamos o desempenho utilizando o próprio teste incluído no jogo, com DirectX 12 ativado, opções gráficas em “baixo”, medindo a taxa de quadros média e o 1% mínimo usando o MSI Afterburner. Os resultados estão expressos em quadros por segundo (fps). Neste jogo, o teste com dois canais foi 24% mais rápido do que com a memória em um canal. F1 2018 F1 2018 é um jogo de corrida de carros lançado em agosto de 2018, que utiliza o motor EGO 4.0. Testamos o desempenho utilizando o próprio teste incluído no jogo, em 1920 x 1080 (Full HD), com a qualidade de imagem configurada em “alto” e TAA ligado. Os resultados estão expressos em quadros por segundo (fps). No F1 2018, o ganho de desempenho foi de 33%. Grand Theft Auto V O Grand Theft Auto V, ou simplesmente GTA V, é um jogo de ação em mundo aberto lançado para PC em abril de 2015, utilizando o motor RAGE. Para medir o desempenho usando este jogo, rodamos o teste de desempenho do jogo, medindo a taxa de quadros média e o 1% mínimo usando o MSI Afterburner, sempre no mesmo ponto (parte em que a câmera acompanha o voo do avião). Rodamos o jogo com a qualidade de imagem configurada como “alta” e MSAA desligado. Os resultados abaixo estão expressos em quadros por segundo. No GTA V, o ganho de desempenho com a memória em dois canais foi de 14%. Rainbow Six Siege O "Tom Clancy's Rainbow Six Siege" é um jogo estilo FPS tático lançado em dezembro de 2015, baseado no motor AnvilNext, que é DirectX 11. Para medir o desempenho utilizando este jogo, rodamos o teste de desempenho embutido no mesmo, com qualidade gráfica “médio”. Os resultados abaixo estão em quadros por segundo. Neste jogo, o desempenho com memória em dois canais foi 18% superior ao obtido com um canal. Red Dead Redemption 2 O Red Dead Redemption 2 é um jogo de ação e aventura lançado para PC em novembro de 2019, utilizando o motor RAGE. Para medir o desempenho usando este jogo, rodamos o teste de desempenho do jogo, medindo a taxa de quadros média e o 1% mínimo com o MSI Afterburner na última cena do teste. Rodamos o jogo em resolução Full HD, com a qualidade de imagem configurada na última opção de "priorizar desempenho". Os resultados abaixo estão expressos em quadros por segundo. Neste jogo, o ganho de desempenho foi de 26%. Shadow of the Tomb Raider O Shadow of the Tomb Raider é um jogo de aventura e ação lançado em setembro de 2018, baseado no motor Foundation. Para medir o desempenho usando este jogo, utilizamos o teste embutido no mesmo, com qualidade gráfica configurada como “baixa”. Os resultados abaixo estão expressos em quadros por segundo. No Shadow of the Tomb Raider, obtivemos 38% mais desempenho no teste com dois canais de memória. The Witcher 3: Wild Hunt O The Witcher 3: Wild Hunt é um RPG em mundo aberto, lançado em maio de 2015 e baseado no motor REDengine 3. Para medir o desempenho usando este jogo, ficamos andando a cavalo pelo primeiro cenário aberto do jogo. Rodamos o jogo com a qualidade de imagem configurada em “alta” e resolução Full HD. Os resultados abaixo estão expressos em quadros por segundo. Neste jogo, o desempenho com dois canais foi 5% superior ao obtido com apenas um canal. Quando, há alguns anos, testamos o impacto do uso de memória em dois canais em jogos, concluímos que a diferença de desempenho entre utilizar a memória em dois canais ou em apenas um era praticamente inexistente. Esse resultado deu-se, provavelmente, porque algum outro componente da máquina utilizada naquele teste (provavelmente a placa de vídeo) criava um gargalo, ou seja, uma limitação de desempenho maior do que a memória (clique aqui para saber mais sobre o que é gargalo). No teste de hoje, porém, utilizamos um sistema com uma configuração topo de linha, e os testes mostraram um sensível aumento de desempenho na maior parte das aplicações. Nos programas o impacto foi mais modesto, variando desde zero em aplicações como o Cinebench, até 36% no WinRAR. Já nos jogos, o ganho de desempenho variou entre 5% e 38%. Assim, fica claro que o ganho de desempenho obtido ao utilizar dois canais de memória varia fortemente de acordo com a configuração de hardware utilizada, bem como com a aplicação. Porém, como este ganho é significativo na maioria da aplicações, principalmente em jogos, é altamente recomendado que você utilize dois módulos de memória, para ativar este recurso. Note também que, se sua placa-mãe tiver quatro soquetes de memória e você possuir apenas dois módulos, é necessário prestar atenção na posição onde instalá-los. Em muitas placas-mãe, você deve instalar suas memórias no primeiro e no terceiro soquetes para habilitar o modo de dois canais. Já em outras, deve-se instalar no segundo e no quarto soquetes. Para saber qual é a configuração recomendada no seu caso, consulte o manual da sua placa-mãe. Para se certificar que o seu sistema está corretamente configurado, uma das formas mais simples é baixar e rodar o programa CPU-Z. Neste programa, vá até a aba "memory" e verifique o campo "Channel #". Se constar "Dual", significa que suas memórias estão funcionando corretamente no modo de dois canais.
  19. Ou talvez esses "sites gringos" tenham passado batido algo... Se achar algo em nossa metodologia que possa ser melhorado, por favor nos avise! Em relação ao Core i9 e Core i7, o Core i9 é feito para ter mais desempenho em aplicações profissionais, não em jogos como foi o foco deste comparativo.
  20. Já fizemos isso, utilizando o Ryzen 7 2700X:
  21. A Intel nos emprestou o processador para teste. No momento, com a pandemia, muito hardware está em falta no mercado.
  22. Exatamente, é um jogo muito sujeito a pequenos travamentos aleatórios, mesmo em computadores com configuração topo de linha.
  23. Chegamos a comentar isso nas conclusões, é possível que, com uma placa de vídeo com menos memória, o comportamento seja diferente. Utilizamos uma configuração topo de linha para verificar em que momento a memória seria o gargalo.

Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas comunidades sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×
×
  • Criar novo...

Aprenda_a_Ler_Resistores_e_Capacitores-capa-3d-newsletter.jpg

EBOOK GRÁTIS!

CLIQUE AQUI E BAIXE AGORA MESMO!